Hall da Fama #08: O Shinigami Negro, BK-201: Hei

Hall da Fama 08 com o sombrio Contratante Negro, código Messier BK201 – Hei!

Prontos para mais um Hall da Fama? Esta semana optei por falar de Hei, o protagonista da Darker Than Black – um dos melhores animes de ação com um apelo um pouco mais maduro, mas que não foge tanto do mainstream (espaço de obras mais populares). A série possui um bom pano de fundo moderno e sobrenatural, destacando gradativamente os dramas psicológicos de seus personagens – e é Hei, conhecido também como Shinigami Negro, quem demonstra os maiores conflitos psicológicos. Spoilers de agora em diante, ok?

Dentro da realidade pós-apocalíptica da série, Hei é apresentado como um Contratante – um dos humanos que após o surgimento do Portão do Inferno (Hell’s Gate) em Tóquio e o surgimento do Portão do Paraíso (Heaven’s Gate) na América do Sul, perderam as emoções e em troca receberam misteriosos poderes, tornando-se uma ameaça à humanidade. Porém, – como é exigido para que ele seja um protagonista interessante, claro – Hei demonstra uma natureza incomum dentro desse grupo de pessoas diferenciadas.

Em primeiro lugar, Hei é conhecido entre autoridades e o submundo dos Contratantes pelo código Messier BK-201 ou Shinigami Negro, devido a suas habilidades mortíferas e seu poder elétrico. O que poucos sabem é que o contratante possui uma série de características e motivações incomuns; isso tudo é bem demonstrado na primeira temporada da série.

Ao chegar em Tokyo, Hei assume como fachada uma segunda identidade do estudante chinês Li Shengshun, tímido,  despreocupado e com um grande apetite – um belo contraste com sua verdadeira personalidade. (Sou a favor de apontar Hei como o melhor “ator” do universo animístico, é.) Quando em ação sob sua identidade de Contratante, sempre protegida por uma simbólica máscara, envolve-se com diversas missões por ordem do Sindicato, a misteriosa organização sempre envolvida nos incidentes relativos a Contratantes, conseguindo sempre manter-se fora do alcance da lei – e de uma certa policial astuta e cheia de senso de Justiça, né, Misaki…

Porém, a motivação de Hei em continuar trabalhando para o Sindicato envolve a busca de sua irmã desaparecida, Bai, uma Contratante também. A partir daí, nota-se o grande diferencial de Hei em relação a outros contratantes: embora seja um frio e impiedoso quando em ação, ele luta por um motivo completamente emocional, afastando-se da lógica tão prezada e obsessivamente valorizada por essas pessoas. Outras demonstrações emocionais seguem conforme ele se encontra com a arrasada contratante Havoc e com a antiga conhecida que o traiu na América do Sul, Amber.

Há também o fato de que Hei odeia a própria existência dos contratantes, desde a época dos conflitos na América do Sul quando os dois portões surgiram no mundo – e ele ainda era “humano”. Desde essa época é demonstrada a dualidade nas atitudes dele: ele odeia contratantes, mas envolveu-se nos conflitos destes em nome de proteger sua irmã – embora em algum momento ele quase cai na tentação de encerrar a vida dela, talvez como uma forma de livrá-la de toda a loucura da Guerra do Paraíso. Ele odeia a perda de humanidade entre essas “pessoas especiais”, embora gradualmente, com o passar de vários casos e missões, ele comece a se questionar se contratantes são tão inumanos quanto pensava. Um dos pontos altos desse questionamento é o diálogo com Alma, líder de um culto religioso, que imagina que questões como a falta de sensação de culpa não é exclusiva dos contratantes, e que a forte valorização da lógica é uma forma de evolução – evolução no sentido de escolher os indivíduos com maiores chances de sucesso e sobrevivência no ambiente.

Sendo assim, contratantes não são mais tidos como seres inumanos; e no arco de conclusão da primeira temporada, Hei é a figura central, no plano de Amber, para definir o destino de humanos e contratantes na luta final contra o Hell’s Gate. Após ser revelado que seus poderes de contratante surgiram após sua irmã “fundir-se” com ele e que suas habilidades vão além de manipulação elétrica – é o único capaz de manipular a matéria ao nível atômico – , ele assume a escolha de evitar que qualquer um dos lados no conflito seja destruído, como alguém pertencente a ambos os lados – apesar de isso significar uma fuga eterna do Sindicato, ou do que restou dele.

A partir da segunda temporada (inferior a primeira, infelizmente) e dos OVAs, o conflito emocional é expandido: vemos Hei acabar envolvendo-se romanticamente – apesar disso não ser exatamente declarado – com Yin HeixYin shippers, ganhamos!! *apanha* e sofrer um grande baque após a garota ser capturada pela Seção 3; a partir daí ele torna-se mais violento, depressivo e alcoólatra, passando até por um desleixo na aparência. Quase morri quando o vi parecendo um mendigo pela primeira vez ;-; E quam mais sofre com essa mudança é a nova protagonista

desta temporada (amem-na ou odeiem-na), Suou Pavlichenko. Ambos passam por uma relação conturbada, conforme Suou vai descobrindo o que significa ser uma contratante e Hei aos pouco se identifica com sua situação e se apega a ela.

Hei foi um protagonista mais do que na medida para Darker Than Black, seguindo um modelo de herói moderno (alguém aí nunca topou com pessoas do fandom que comparavam-no com o Batman?) cheio de dramas internos que conquistou uma boa base de fãs (em especial fangirls; quantas aqui são capazes de compreender o fascínio de Misaki e da tonta da Kiko…) e foi uma boa refrescada dentro do grupo de protagonistas de séries de ação.

E ficamos por aqui hoje. Até a próxima semana, e espero que tenham gostado!

P.S.: Tirem os olhos fangirls. Esse já é meu husbando faz tempo. u.u

por Mary

Asevedo

Designer de formação, atualmente sou Assistente editorial da Panini Mangá. Acumulo mangás e HQ's, que espero conseguir ler um dia. Assisto animes de vez em nunca.

Related Post

  • Vinicius

    Se o cara é bom é bom mesmo, Hei mereceu essa hall da fama, não é a toa que é o meu personagem preferido junto com o Sagara Sousuke do Full Metal Panic. =D

  • Rocks

    Esqueceu de falar que ele é Lolicon ^^

  • Storto

    Puxa vida até hoje não descobri o pagamento dele…
    gostaria da edição de luxo dele pela panini!!!!

    • sobre o pagamento dele, no decorrer da historia isso foi explicado

      • Leuzinho

        Comida, cambadas!

    • Dhu

      pessoal sobreo pagamento dele, o que eu axo e que como ele recebeu os poderes ou um dos poderes da irmã dele entoa isso nao faz dele um contratando, chamam ele de contrante pq nao sabem que ele ganhou os poderes dele da forma comun que os outros receberam.. axo isso -‘

      quem sober a respostar correta se a minha nao estiver mim avise ^^

  • Opa, o Hei é mesmo foda. Gostei muito.

  • thoty

    Esse é foda !!!!!!!

  • Queria uma continuação da série

  • erick-h

    Um dos melhores personagens que já vi. E o anime também é um dos meus favoritos.
    Alguem sabe dizer qual é a idade exata do Hei e da Yin? Da pra deduzir um pouco pela aparencia, mas eu sempre fiquei na dúvida.

    • Kira

      A segunda temporada não foi tão boa.

  • Ele é um cara foda, que sabe que é foda, e não fica de mimimimi quando a coisa aperta. O único defeito é não dar a devida atenção a Misaki =/

  • MugiTRAMPO

    DTB é um do meus animes preferidos, tanto que já assisti ela umas 4x.
    Tenho os 2 volumes do manga pela PANINI.
    @Storto estou de acordo, bem que poderia ter um edição do LUXO do manga, e tambem os 4 volumes do DTB: Shikkoku no Hana, que por sinal é muito bom tambem.
    Bom é isso, esse foi o melhor “Hall da Fama” até agora. Na espera pelo Hall da Fama #09.

  • O Hei é muito foda!!! E eu também fiquei fiquei em choque ao vê-lo como um mendigo, embora eu realmente tenha gostado um pouco da versão bad boy dele XD

  • O Hei é foda mesmo, mais do que merecido esse hall da fama.

    Por mais que a segunda temporada do anime seja bem inferior a primeira, os ovas superam a primeira ‘-‘

  • POLLLYANNA

    Muito bom; cada vez que leio seu Hall da fama fico com vontade de assistir aos animes mencinados e esse é um deles, vou assistir com certeza. VALEU!!!!

  • Renato Kunz

    Até eu assistir Dark Than Black,somente em Tenjou-Tenge eu tinha visto uma serie começar tão bem e terminar tão mal!
    A versão depressiva e desleixada do Hei na segunda temporada foi terrível, o lado humano dele que por incrível que pareça era a parte legal do personagem ,fico inteiramente voltado para essa “Bad-Trip” alcoólica e para o caso pedófilo com a quela pirralha chata, ele se torno muito mais impiedoso e calculista para outros casos, matando até uns personagens que eram legais da primeira temporada , particularmente achei isso desnecessário, tirando o próprio Hei e o Mao, não sobra nem um personagem contratante que era da primeira temporada na segunda, ou seja um elenco quase que inteiramente novo. Odeio quando descartam personagens que eram importantes e legais.

    • Sobre Tenjou Tenge, o final do anime é filler, num acaba daquele jeito, no mangá fica bem mais intensivo a história e as lutas.
      Essa parte q ele fica desequilibrado na segunda temporada vc pode até não gostar e tal PORÉM ela não é desnecessária, foi o modo dele lidar com a “perda”.

  • ele mereceu estar no hall ele é incrivel deixar um ar misterioso e uma frieza que atrais as fangirls é forte inteligente tem poderes um bom fisico um verdadeiro sonho de consumo^^
    gostei mto da primeira temporada mas a segunda deu um aspecto de que ele era só um acoolatra resmungão e sumiu mtos personagens se ouver uma continuação espero que ele venha como na primeira temporada comendo mto e lutando sem bebebida e sem barba mal feita haha

  • Carlos
  • adorei ver darker than black quero a continuçao da serie seria feliz