Mulher sabe fazer shounen! – Parte 1

E quem falar o contrário não sabe de nada!

E começa aqui a primeira parte de um novo esquema de postagens do Chuva de Nanquim. Não, não. Não é uma coluna nova. É apenas uma “matéria”. Sempre tentaremos postar algo assim por aqui, durando alguns “capítulos” e apresentando alguma coisa diferente para o leitor. E hoje um tema um bem diferente: mulheres.

Em uma das minhas fuçadas por fóruns e redes sociais, reparei que algumas pessoas tem uma certa “dúvida” quando nos referimos a mangakas mulheres. Elas, que não são a maioria da Shounen Jump ou Magazine, muitas vezes acabam passando “despercebidas” por muitos leitores. E o mais engraçado: Muitas vezes temos mangás realmente famosos que poucos param para lembrar que é feito por uma mulher! Então resolvi sair a busca e pensei “Que tal mostrar que mulher também sabe fazer shounen dos bons?” e claro que o resultado foi mais do que satisfatório. Não é por ser homem ou mulher que a capacidade de fazer um roteiro seja melhor ou pior.

Apesar de termos alguns nomes de destaque na produção de quadrinhos da Marvel e da DC (como Devin Grayson, que já cuidou de histórias do Batman) é na Ásia que temos um grande número de artistas de destaque. São muitas obras espalhadas pelo Japão, China e Coréia (os 3 países mais fortes nesse tipo de produção). Isso sem falar em quadrinhos alternativos espalhados pelo mundo (como Hollow Fields – mangá australiano feito por Madeleine Rosca) e que não caberia tudo em uma citação só.

É importante ressaltar que, apesar de não parecer, as obras femininas sofrem certa repressão em algumas partes do mundo. Muitas vezes mulheres são “reprimidas” a usarem pseudônimos masculinos como forma de esconder que elas são as autoras ou roteiristas de algum lançamento/publicação. Um fato curioso aconteceu com J.K. Rowling, que segundo algumas informações encontradas pela rede afora, foi obrigada a reduzir suas iniciais para esconder o fato de se tratar de uma mulher escrevendo a série Harry Potter. Um absurdo se pararmos para analisar a sociedade que vivemos hoje, mas a realidade de muitas escritoras.

Provavelmente no Japão também existe um pouco desse preconceito. Basta repararmos que grande maioria das mulheres escreve mangás shoujo (com exceção da G Fantasy, uma revista shounen em que a maior parte das obras são feitas por mulheres) e que as grandes antologias como a Jump, Magazine e a Sunday acabam sofrendo da “falta” desse tipo de material. Claro, isso é uma informação sustentada apenas a partir de “observações”, uma vez que precisaríamos de um trabalho muito mais aprofundado feito no próprio país – mas com certeza existe uma diferença assustadora entre os gêneros (bem como também existem poucos homens que fazem mangás shoujo). Isso tirando o fato da sociedade extremamente conservadora e machista japonesa.

Dividida em um total de 2 postagens, a intenção de “Mulher sabe fazer shounen” é apresentar 5 obras diferentes – de autoras diferentes – que se enquadram no grupo apresentado. É interessante saber a reação de algumas pessoas ao ver alguns nomes na lista, que realmente surpreende. Vamos começar?

Fullmetal Alchemist

de Hiromu Arakawa

As palavras “Fullmetal Alchemist” deveriam entrar nos dicionários como sinônimos de “perfeição”. Um dos mais aclamados mangás shounen dos últimos tempos e que conseguiu se destacar em meio a tantos outros hits da Shounen Jump – mesmo sendo publicado na modesta revista da Square, a Monthly Shounen GanGan. Chamou a atenção pelo mundo todo (popularizado por seu primeiro anime, principalmente) e com um trabalho espetacular de Hiromu Arakawa do começo ao fim da série. Esse era o início da genialidade dessa autora sendo colocada em prática, com um mangá que certamente será lembrado como um clássico. Não satisfeita, hoje Arakawa toma conta do título Gin no Saji, na Shounen Sunday, e continua mostrando que é sensacional, fazendo com que o título já seja um dos mais vendidos da revista e da editora. Acham que ela precisa provar mais alguma coisa para alguém?

Kekkaishi

de Yellow Tanabe

Com o pseudônimo de Yellow Tanabe, a autora de Kekkaishi é mais uma das mulheres bem sucedidas na Shounen Sunday. Kekkaishi foi muito elogiado pela crítica no Japão e é um dos mangás mais queridos da revista nos últimos anos, tendo terminado recentemente (e sendo publicado no Brasil, inclusive). Um fato curioso é que realmente poucos sabiam do fato da autora ser uma mulher até ela começar a lançar os volumes encadernados, quando geralmente “conversa” com o leitor nos freetalks do mesmo. Kekkaishi é uma obra extremamente sentimental e que não deixa os velhos “valores” do shounen de lado. Uma combinação perfeita e uma história de extrema harmonia fornecida pela autora.

Arata Kangatari

de Yuu Watase

Depois do sucesso no ramo dos shoujos com Fushigi Yuugi, Ayashi no Ceres e outros títulos, Yuu Watase resolveu se aventurar nos ramos dos mangás shounen. E adivinhem? É, na Shounen Sunday também. Apesar do mangá não ser um sucesso de vendas no Japão, vendendo somente “razoável”, Arata conseguiu se destacar bem no Ocidente, alcançando um bom número de leitores nos Estados Unidos e também sendo publicado aqui no Brasil sobre o título de “O mito de Arata”. O mais engraçado e que serve como “aperitivo” para Arata é que aqui a autora consegue se utilizar de uma fórmula muito semelhante aos seus shoujos, mas de uma forma muito mais favorável ao público alvo da vez. Temos um mangá com romance, ação e uma história fantasiosa extremamente gostosa de se ler.

Enigma

de Kenji Sakaki

Enigma foi um dos mangás recentes da Shounen Jump que não tiveram a chance de continuar “seguindo em frente”. Mesmo assim, rendeu 8 volumes e muitos admiradores da obra. Apontado por muitos como o “novo Death Note”, Enigma tinha um carisma especial ao seu redor e depositado em seus personagens, que muitas vezes eram o destaque do mangá. Apesar dos altos e baixos da história, no final tivemos uma boa série de suspense para se ler em um fim de semana qualquer. A curiosidade da vez fica por conta da autora Kenji Sakaki que se casou posteriormente com Usuta Kyousuke, autor da série Pyu to Fuku! Jaguar e Sexy Commando Gaiden. Também como curiosidade vale dizer que ela foi assistente de Akira Amano, a criadora de Hitman Reborn. Jump de família.

Katekyou Hitman Reborn!

de Akira Amano

De maneira nenhuma Reborn poderia ficar de fora dessa lista. Apesar das críticas com a série e sua qualidade instável, Reborn consegue se manter até hoje como uma das principais séries da Jump, e uma das mais bem vendidas também. A autora Akira Amano conta com um dos mais belos traços da revista e aproveitou para usar de seu “toque feminino” no mangá, atraindo muito a atenção das garotas para a série. O mangá conseguiu um grande sucesso, rendendo um anime e se popularizando pelo mundo em uma velocidade bem incomum. O fim da série de TV acabou rendendo uma queda no rendimento e nas vendas da série, mas mesmo assim Reborn continua sendo um mangá muito querido e com fandoms definitivamente apaixonados.

E na outra semana temos a segunda parte da postagem. Não percam e não deixem de comentar suas impressões aqui. Conhecem mais séries com mangakas mulheres? É só contar pra gente!

por Dih

Dih

Dih

Paulistano, 27 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Hoje é editor assistente da Panini Mangás e colecionador compulsivo de quadrinhos em geral.

Related Post

  • Hoshino de D.Gray-man! <3

    • Katsura Hoshino de D.Gray-man!! katsuras são fodas

      • Kuroshitsuji!

      • RAEL

        Rumiko Takahashi é a “DEUSA” dos shonens,ela merece uma parte da matéria exclusivamente para ela.

  • Adoro os extras de kekkaishi com a Yellow -pinguim- Tanabe. E eu não sabia que o autor de Enigma na verdade era autora =O O que me lembra que ainda não terminei de ler esse mangá…
    E gostei bastante do tema, me lembrou até uma discussão levantada no Mais de Oito Mil quando alguns leitores disseram que “mulher não entendia shounen”.
    E, no próximo post, teremos meu queridinho, D.Gray-man (bom, pelo eu espero) xD

    • Primeira coisa que lembrei quando li o título foi dessa discussão no mais de oito mil.

      • Amanda

        Também lembrei da tal discussão, haha.
        E quando penso em “mangaka mulher de shonen”, sempre lembro da Rumiko Takahashi…

  • KHR! pra sempre, obrigado Akira Amano!

    • Pseudonimo Slayer

      Eterno Katekyo… :]

  • A segunda parte vai ser inteira sobre a Rumiko Takahashi, né? =)

    • samuel

      e pq faltou ela ai podiam facilmente troca ela por essa autora de enigma ai q eu nem sei quem e

      • Leodh

        Podiam ter trocado essa de enigma com certeza. Tem a Rumiko, a de D. Gray Man… Mas a idéia é boa. Também poderiam fazer homens que sabem fazer shoujo. Iria enriquecer o blog.

        • Dih

          Como está escrito no título da postagem, essa é a Parte UM. Teremos outras autoras…

      • Procure sobre enigma vale MUITO a pena.

  • Dex

    Uma autora que respeito muito é a Kagesaki Yuna. Ela produziu alguns mangás que são na verdade Seinen, mas que pelo teor de violência, até poderia ser considerado shounen.
    No caso, falo de Hekikai no AiON.

  • Realmente não sabia que era a mangaka de Reborn era uma mulher, essa foi legal saber.

    E das outras, a Hiromu Arakawa é sem palavras, tudo que ela fez eu simplesmente adoro e acho perfeito. (leiam os one-shots dela, Stray Dogs e um outro sobre ninjas, demais). E o toque feminino na obra dela acredito que seja no modo que ela trata os romances, não parecem forçados nem juvenis, mas ainda possuem uma inocência bem legal. =]

  • Eliza

    Adorei a materia,mas não pode deixar de falar da Rumiko Takahashi,criadora de Inu-Yasha.

    • Inuyasha é shoujo, pelo que eu saiba.

      • InuYasha é shonen. Das obras mais famosas da Rumiko Takahashi, uma é seinen (Maison Ikkoku), três são shonen (Urusei Yatsura, Ranma 1/2 e InuYasha), e nenhuma é shoujo. A obra atual dela (RIN-NE) é shonen também.

      • ichi-ni-san

        acho q isso era uma ironia dele!

      • humm eu tbm enxergo inuyasha e ranma como shojo o.o mesmo tendo lutas e tal, no shojo o q eu acho q impera eh o amor e as relações amorosas, q eh o q ocorre nesses dois casos, num consigo enxergar shounen nesses

        • Errado, gênero não tem nada a ver com demografia. Ou talvez você ache que Love Hina e 100% Morango são shoujos por serem histórias sobre amor, não é?

          Shoujo é mangá publicado para meninas. E há histórias para meninas de todos os gêneros, inclusive ação. Shonen é mangá publicado para meninos. E há histórias para meninos de todos os gêneros, inclusive romance.

  • Thiago

    Concordo plenamente com a lista de mangas/animes e com as mangakas que são incríveis e merecem mais respeito e reconhecimento dos fãs mais desligados e que não sabem disso 😛
    Fullmetal Alchemist é uma obra prima com certeza, pra mim o melhor Shonen da década passada sem dúvida. Os outros não ficam atrás, ótimas series, sou fãnzaço de Reborn e não vi muito mais gostei bastante de Kekkaishi. O único que não vi mesmo foi o Enigma, mais deve ser bom por vocês estarem postando :B
    Com certeza D.Gray Man e Inu Yasha da Rumiko Takahashi tem que estar na outra lista, dois super clássicos que tem fãs apaixonadissímos (principalmente Inu Yasha)

  • Pacco

    RUMIKO, CACETA! Rumiko é a rainha dos shonens!

  • Pablo

    Amo as obras da Akira Amano e da Hiromu Arakawa…

    Com esse post, involuntariamente me lembrei de uma coisa: existe homem que faz shoujo? Provavelmente se existir deve usar pseudônimo.
    E aí Dih, alguma resposta sobre isso? =D

    • Dih

      Existe sim! Provavelmente devo fazer algum post falando disso também. 🙂

      • Pablo

        Me lembrei de um personagem de Otomen (só vi o dorama) que fazia assim…

      • obaaa faz sim, eu queria conhecer algum, pq com certeza o caminho q eu sigo nos meus desenhos eh mais pra shojo, mesmo tendo lutas, heheh, mas ainda acho shojo por causa da delicadeza de algumas coisas X3

    • Se existe hoje homem escrevendo shoujo eu não sei, não me lembro de nenhum caso de cabeça. Mas os primeiros mangás para garotas foram escritos por homens também. A Princesa e o Cavaleiro, de Osamu Tezuka, é normalmente considerado o “primeiro shoujo mangá”. Outro homem, Shotaro Ishinomori, embora que eu saiba não tenha escrito shoujo, foi uma grande influência para algumas das primeiras mangakás mulheres.

      • Pablo

        A Princesa e o Cavaleiro, é mesmo…
        Me lembrei de um que é duvida pra mim até hoje: Kyousuke Motomi, autor/a de Beast Master e Dengeki Daisy (Panini tem que trazer os dois), assina as obras com uma figura de um homem com bigode: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/07/Kyousuke_Motomi.jpg

      • Pablo, Motomi-sensei é mulher, pois é, ela escreve sob o Pseudônimo Motomi Kyosuke, mas é ela mesmo… houve um pronunciamento na Betsucomi, acho que em 2010 se não me engano, uma seção de autógrafos e talz na época…

        Também queria ver Dengeki aqui **chora**

      • Pablo

        É mulher, entendi… =D

      • alan_mangaka

        Zone 00 é um exemplo de Shoujo feito por homem… (pelo menos que eu lembre, o autor é homem ^^”)

      • Ishinomori escreveu vários shoujo mangá. Junto com Hideko Mizuno e Fujio Akatsuka, eles definiram os padrões a serem seguidos nesse tipo de publicação. O seu trabalho mais representativo no gênero foi Ryujin Numa.

        • Obrigado =)

          Além de um rascunho da história em si, conheço muito pouco dos autores mais antigos. Eu sei que Ishinomori escreveu histórias de vários gêneros por exemplo, mas só seria capaz de citar ficções científicas dele. Da mesma forma só tenho certeza de shonens dele (e um mangá cujo nome não me lembro agora mas que fosse lançado hoje seria seinen, mas na época acho que não havia essa denominação ainda… mas não lembro do nome dela também, então fica difícil =P Sei que é uma quase ou totalmente sem falas, que foi bastante elogiada pela crítica – e muito criticada pelo Osamu Tezuka).

  • Yamashita-Ren

    Arakawa õ Sou muito fã dela.!!

  • Como assim não teve Rumiko Takahashi no post?! Hahaha!
    Fica de dica para o próximo. ^^
    Adorei o post, bastante informativo.

    • Dan

      A mulher tá no post ¬¬

  • Xilevuka

    Katsura Hoshino(D-Gray-man), Shiori Teshirogi(SS Lost Canvas[por acaso o melhor mangá de CDZ]), Rumiko Takahashi.

    • Thiago

      Concordo plenamente melhor manga de CDZ !

      • samuel

        tbm concordo

    • Okumura

      concordo

    • Lukas

      realmente, a saga Lost Canvas foi muito boa, mas tem umas partes na história que deixavam a desejar, mas ainda assim =, eu curti muito essa saga.

  • Tem a Yoshikawa Miki, que fez Yankee-kun to Megane-chan e agora tá fazendo Yamada-kun 7-nin no Majo, que também é sensacional!

    Mas claro que a Arakawa é suprema!

    • ichi-ni-san

      Yankee-kun to Megane-chan é foda!

    • Lukas

      É verdade, Yamada-kun 7-nin no Majo é um dos melhores mangás que eu estou lendo atualmente

  • Eu

    D-Gray-Man meio que caiu no esquecimento ultimamente, mas duvido que não lembrem da Hoshino na próxima coluna <3
    Também já ouvi boatos de que o Ohba na verdade é a Ohba, mas, isso é verdade? Se for, acho que daria um bom exemplo também!
    Se tem outros…aí eu já não lembro, mas gostei do post o/

  • Yana Toboso: Kuroshitsuji, Hoshino: D.gray man.

  • d415uk3

    Eu tava pensando sobre essa questão das mangakás mulheres ontem mesmo. Espero q na semana q vem tenha Rumiko Takahashi e tbm Katou Kazue, q está se mostrando uma grande revelação com o belíssimo Ao no Exorcist

  • d415uk3

    Ah, só eu acho q Enigma foi muito injustiçado. Eu adorava aquele mangá, fiquei revoltado com o cancelamento.

    • Biel-Kun

      Eu tbm :@:@ , era tão bom, fiquei muito chateado.

    • Lukas

      também achei, mas a nossa querida Shonen Jump e os nossos queridos japinhas são muito rigorosos. Ainda acho que se Enigma tinha tudo para ser um sucesso, pena que acabou

  • Não podemos esquecer também da Shiori Teshirogi de CDZ The Lost Canvas, mesmo a série sendo do Kurumada, ela tem grande participação. Rumiko Takahashi de Inuyasha e Ranma 1/2 e Hoshino de D-Gray!

  • Esperando ansiosamente a Rumiko Takahashi na parte 2 *_*, se bem q eu prefiro bem mais o Maison Ikkoku do q o Ranma 1/2 , obras dela. E será q a Kazue Kato estará na parte 2 tb? (autora de Ao no Exorcist ) XDD Bela matéria, curti ^^

    • Na minha opinião, Maison Ikkoku é a melhor obra da Takahashi. Mas é seinen, então está fora desse artigo. Entre os shonens da Takahashi fico dividido entre Ranma 1/2 e Urusei Yatsura. Mas como esse artigo aparentemente só está tratando de battle shonen, e considerando a quantidade de fãs, aposto que Inu Yasha é que entrará nessa lista.

  • okumurapedro

    Kazue Kato(Ao no Exorcist) esqueceram dela, ela tem q estar no proximo post e vo procurar Enigma pra ler

    • Kazue Kato(Ao no Exorcist) esqueceram dela, ela tem q estar no proximo post [2].

  • Quando vai ter o post contrário?

  • Cade a Hoshino Sensei com D gray man? tem que fala dela.

    • Katsura Hoshino é a melhor!!!

    • Okumura

      essa é a parte 1 do post,na proxima com certeza vai ter XD

  • eu curto a Shiori Teshirogi (saint seiya the Lost canvas). Na minha opinião, lost canvas é muito melhor que o clássico de Kurumada e o episódio G de Megumu Okada.

  • Só faltou a Hoshino, Dih você precisa ver isso rapaz.

  • deise

    pessoal ela nao é uma grande autora mas pra trabalhar com o masami kurumada ela tem que ser muito boa ! o traço dela é lindo . acho que ela merecia ao menos uma citação no proximo post , afinal a melhor saga de cdz ( lost canvas ) foi ela que desenhou ( e que DESENHO ) !

    • deise

      o nome dela é SHIORI TESHIROGI tenho todos os mangás de cdz lost canvas

  • Apesar de nós mulheres termos conquistado espaço, o sexismo continua sendo uma barreira a ser superada.
    Cresci ouvindo que Jaspion, CDZ, YuYu Hakusho e cia. eram ‘coisas de menino’ e que eu DEVERIA assistir a Xuxa em seu disco voador (pra quem se lembra) porque era socialmente aceitável.
    Podemos notar que nada mudou muito de lá pra cá, pois ainda tenho que aguentar otaku me dizendo que na verdade não é que eu não gosto de One Piece, é que eu não entendo… e não entendo porque é shounen… e shounen não é coisa pra garota… **palmface**

    Pois bem, é com muito orgulho que vejo, finalmente, um artigo que mostra que shounen é coisa pra garota SIM! (E que elas fazem muito bem feito, diga-se de passagem xP)

  • Biel-Kun

    Demorei a descobrir que Akira Amano era uma mulher xp, O Autor de ENIGMA é uma mulher??? Putz, ia morrer sem saber, um dos mangas que mais gosto *—————–*, mulheres arrebentam no shounen *Fullmetal* , Descobri que a maioria dos meus mangas fav. são de autoras mulheres *o*

  • Cassio

    Nossa!!!!! Eu estava contando pro meu colega esses dias sobre a Hiromu Aikawa ser mulher, pq ele não sabia…. Ai eu vejo essa coluna…. Vou até passar pra ele….

    Nem sabia que o autor de Enigma é na verdade uma autora…
    Eu não li(ainda) Kekkaishi e Arata Kangatari então eu nem sei que são seus autores/autoras…

  • Rafaga

    Kekkaishi, FMA e o mito dearata, são obras fantásticas. Parabéns pra todas as mangakás^^
    Em especial a “Chica Umino” criadora de honey e clover ótima mangaká.

  • Eu fico maravilhado e super curioso em saber a sexualidade de um criador-shounen. Se for mulher, não perco tempo em ver!

    FMA, nem tenho palavras pra descrever aquilo. Kuroshitsuji é fantástico desde os personagens ao enredo, a trama, a proposta, tudo. Ao no Exorcist é outra obra que tem um potencial gigantesco. Sou fã completo de escritoras-shounen!

  • J. César

    Essa Vaquinha da Hiromu me fez chorar com Fullmetal, q realmente é perfeito do inicio ao fim

  • J. César

    Eu fico pensando, sera q a Hiromu tentou a Shonen Jump, e os caras não a quiseram? pois Fullmetal é algo divino

  • Eduardo.W

    Acho que já tinha visto sobre KHR mas não tinha caído a ficha até agora

  • xxxholic e tsubasa chronicles

    nossa nao sabia que kekaishi e o mito de arata eram mulheres que publicavam O.O
    adoroooooooooooooooooooooooooo reborn s2 ja fiz colspay da chrome

  • Ronan

    muito bom o traço da akira é único e tem tb a autora de sengoku basara fica a dica ,troços únicos tb

  • Joao Vitor Vidigal

    Rumiko Takahashi e Shiori Teshirogi

    Shiori, apesar de ter dedo do kurumada… conseguiu fazer uma historia pra mim, muito superior a saint seiya classico

  • 0,000000000000001

    A simples frase de você não e capaz de fazer isso pois e mulher, e puro e simples preconceito, não sabia que a escritora de Harry Potter teve que ocultar seu nome para poder publicar. Contanto que a historia seja boa e que atraia seu publico alvo (seja qual for) acho idiotice parar para ver se o autor e homem ou mulher. FMA e o manga que eu admiro e só fui descobrir que era uma autora só pelo volume 30(jbc) o mesmo digo para Kekkaishi
    que compro a algum tempo nunca pergunto seu e autor ou autora (pois olho os nomes em japonês e são poucas as vezes que sei se e homem ou mulher) apenas pego/compro e começo a ler,.estamos no sec XXI se as pessoa ainda se restringem de ler uma obra por um motivo desse então já e hora mesmo desse mundo acabar(e também por que o Corinthians ganho a libertadores).

  • Apesar do Japão contar com uma tradição machista, é o país que possui a maior liberdade feminina numa indústria de quadrinhos. Basta ver as inúmeras antologias e séries shoujos, das quais muitas são produzidas inteiramente por mulheres, desde a arte, ao roteiro e a supervisão.

    É muito bom ver que existem mangakás mulheres tendo êxito na área dos shounens. Isso quebra um pouco os limites da indústria, e proporciona um material diferenciado para os leitores.

    Ótima matéria. Será que teremos um dedo da CLAMP na parte 2?

    • Mugi-chin

      TEM que ter CLAMP! E a tia Rumiko também!

  • Jr. Almeida

    Muito BOA essa matéria!!! Nunca imanginei que Kekkaishi fosse feito por uma mulher! Na parte 2 espero muito ver as minhas queridas e fodásticas “Senhoras” do CLAMP e tbm a Shiore Teshirogi de Lost Canvas, que tem um dos traços mais lindos que eu já vi (só perdendo pro CLAMP!! #fanboy detected kkkk)

  • cesar minoru

    D.Grayman
    Lost Canvas

  • kanta

    gosto da Shiori Teshirogi e da mizuki kawashita
    e da rumiko…. não sei se autor[a] de magico é mulher também

  • Marcos

    A segunda parte vai ser inteira sobre a Rumiko Takahashi, né? =) 2

  • Master Ero Ero

    Faltou a Hoshino de D.gray-man 🙁

  • Marvell

    Yuuki Kodama (ou Kodama Yuuki) de Blood Lad é mulher ou homem? ._.

    Adoro o traço dela(e) hauhauha

    • okumurapedro

      homen.

  • Inkkubus

    Serei bem sincero, essa 1° parte deveria ser só sobre Rumiko Takahashi !!! a mulher é a melhor dentre as melhores, li um post uma vez que falava que ela era ou é, não sei, a mulher mais rica do Japão (nem sei se isso é verdade), mas pra mim ela é a MELHOR autora de mangás shonen de todos os tempos. O proximo post tem que ser só sobre ela rsrssrsrrsrsrs…!!! gostei muito do post e da ideia ^^”

    • Lukas

      É verdade, se vc procurar na Wikipedia vai ver que ela a dona de uma boa fortuna, mas ainda sim é bem simples

  • Legal…qm nao gosta de FMA….haushaushuahs’…..
    gostei da imagem que abre o tópico…..vcs poderia mandar o link pra mim?

    Post legal…semana que vem ,tem mais..

  • Rayovac

    Aff, eu nunca critiquei mulheres em mangas por causa de FullMetal Alchemist, uma das melhores obras que eu vi nos ultimos tempos, e se tornou um dos meus mangas favoritos e de mãos femininas o favorito, agora teve vários outros mangas otimos saindo das mãos das mulheres e não são shoujos, mas enfim.

    Agora, que a mulher escreve e desenha de forma bem diferente do homem é inegável, da pra ver em apenas algumas paginas mas o que importa é como ela vai usar a característica dela e isso vale para os homens também, mas as mulheres tem um certo diferencial para escrever shounens que me agrada bastante Yana Toboso do famoso Black Butler é um exemplo bom para o que eu estou falando, o manga é shounen mas tem aquele toque “apimentado” (não sei a palavra certa) que da uma graça especial que nunca consegui ver em um manga shounen desenhado por um homem.

    Mas sem duvida os shoujos são um talento a parte de qualquer mulher, elas sabem como fazer isso…. é simplesmente incrivel.

    Rayovac!

  • Aaah Enigma, um mangá que todos deveriam ler, ele é muito mais do que foi dito aí, deveria ter se encerrado no primeiro arco, o que acabou o levando ao cancelamento na minha opinião, nas a história é excelente, perdendo, talvez, um pouco da qualidade no final corrido causado pelo cancelamento, mas sem dúvidas um mangá maravilhoso, até é citado em alguma parte de Bakuman. E a única semelhança com Death Note é a pegada um pouco mais sombria em um mangá da Jump, só.

  • Takashi

    pode crer!
    gostei desse post!
    só faltou D Gray-man e Rosario +Vampire
    e não to falando do anime, quem le o manga de R+V sabe do q eu to falando

  • Igor Oliveira

    Bem interessante, com exceção de Enigma, já sabia que os outros títulos eram de autoria feminina…
    Mas o que eu queria ver mesmo é uma lista com autores masculinos de Shoujo, eu particularmente não conheço nenhum D:

  • L. Okihiro

    Tem as tias da CLAMP, neh? Eu conheço só por alto a suas obras, mas apesar do traço, eu conheço Code Geass e posso dizer que é um anime bem shounen. e.e

    • Marvell

      Acho que CLAMP só fez a arte do anime de Code Geass, o resto n…

    • Anime não tem classificação demográfica, não pode ser chamado propriamente de “shonen”. Ademais, o CLAMP fez apenas o character design de Code Geass, não participou do enredo.

      Quer shonen do CLAMP? Temos um bem popular por aqui: Tsubasa.

      • Jr. Almeida

        Quem disse que o “único” shounen do CLAMP é Tsubasa??? Tem Angelic Layer (apesar de a protagonista ser uma garota) e X-1999 (que é um shounen-ai, mas não deixa de ser shounen), Gate7 (o mais recente delas) e Blood-C! ;D

        • Né, quem foi que disse que Tsubasa era o único shonen do CLAMP? Estou curioso também. Deve ter sido um idiota ou algum mal informado. Eu felizmente sou bem informado e não disse isso.

          De todo modo.

          X não é shonen. X era publicado na Asuka (na verdade em uma edição especial da Asuka, não tenho certeza qual), uma antologia shoujo. Blood-C o CLAMP criou a história e o character design do anime (que de todo modo é continuação de Blood+, do qual elas não participaram). Como anime, não é estritamente correto designar uma demografia a ele. O mangá é shonen, mas foi escrito e desenhado por outra autora. Isso eu apenas pesquisei porque achei que houvesse algo estranho, mas já aviso que não sei qual a relação entre Blood+ e Blood-C (além de serem da mesma franquia), nem sei quanto o mangá de Blood-C é adaptação do anime ou quanto é um trabalho totalmente original. Gate7 sai em uma antologia que está na fronteira entre o shonen e o seinen, sempre fico receoso ao classificar obras dessas revistas. Angelic Layer é de fato shonen e foi publicado aqui até antes de Tsubasa.

  • Jun Mochizuki autora de Pandora Hearts!

  • Uma mulher escreveu o melhor mangá shounen que já existiu… FMA ;P

  • David

    Ao no Exorcist é um mangá feito por uma mulher

  • Mah

    Até me assustei quando vi que o post não citou a Yumi Hotta, mangaka de Hikaru no Go, recentemente terminado aqui no Brasil. E nenhum comentario citou ela tbm 😮
    Fora isso, tbm acho que fez falta a Rumiko Takahashi, com Inu Yasha e Ranma 1/2 principalmente (que foi citada por alguns nos comentários)
    Bem.. essas foram as que eu mais senti falta no post, por terem obras extremamente conhecidas, fora isso adorei o post *-* isso mostra mais ainda que shonen não é só para garotos!

  • Que felicidade não sofre com esse tipo de preconceito…
    Das obras citadas, apenas desconheço Enigma (infelizmente), mas nunca fui de me preocupar com o “gênero” do(a) mangaká. O importante é que me prenda e me provoque a continuar lendo cada vez mais e mais. Rumiko, Hotta, Arakawa, Watase, Tanabe… Um luxo.

  • hidalgo

    e so de pensar que tem japones que descrimina as mulheres que desenham e roteirizam mangas e de amargar,eu sempre odiei a falta de ação das mulheres em muitos animes,sempre senti um ódio com isso,hayo myazaki foi um libertador com o seu primeiro filme kaze no tani no nausicaa,recomendo,um otimo filme em que uma mulher e retratada de maneira correta como todos os filmes deles ne XD,e ja como animes como naruto as mulheres sao praticamente esquecidas como plano de fundo e chega a ser ridiculo,a mulher e capaz de fazer qualquer coisa,essa vissao deles e muito ultrapassada,medieval e talz,ta ate na mitologia deles a ridicularização as mulheres.

  • Bruno

    Todas as mangakas citadas são muitos boas sendo no roteiro ou na arte

  • Preconceitos bobos né? Sim, existe mulher que faz shounen/seinen, tem homem que faz yaoi (e não é gay!)… uns ruins, outros geniais. Capacidade humana não se limita a genero ou demografias e ter ciência de que esconder ou não dizer de cara qual o sexo do autor pode determinar sucesso em vendas não deixa de ser triste…

  • Pingback: Mulher sabe fazer shounen! – Parte 2 | ChuNan! – Chuva de Nanquim()

  • Pingback: Mangás on Average? #01: Ranma ½ | - Serk'QUEST | Criticas, Sugestões, Games, tudo que um Otaku, precisa… Ou não!()

  • Essa me surpreendeu. Eu não sabia (e esperava) que Yellow Tanabe fosse uma mulher, sempre achei que fosse um homem. Ainda mais, sempre achei que Kekkaishi é um dos mangás que faz pouco sucesso no mundo.

  • Conheço uma mangaká que faz shonen: A Kazue Kato, autora de Ao no Exorcist.
    E a CLAMP, que criou o Tsubasa.

  • Desculpa mas, desses citados só FullMetal vinga, não que eu queria dizer que mulheres não são boas fazendo shounens, mas acho que, assim como futebol, é uma área voltada pro público masculino. E eu até que gostava de Enigma l:

  • Pingback: Uma tirinha tosca, Elder Scrolls Online, curiosidades sobre Game of Thrones e mais links interessantes | Blog do Gusta()

  • Achei por acaso a parte dois e li antes dessa parte um kkk o melhor de tudo é que pude ler qual mangá está sendo feito atualmente por elas, além da obra destacada *-*