Especial – Uma introdução à venda de BDs/DVDs de animes no Japão

Introdução BDTudo o que você precisa saber sobre o mundo da venda de animes no Japão.

Olá, me chamo Adramalesh (pessoal costuma me chamar de Adra), sou o mais novo integrante do ChuNan e irei fazer mensalmente um post com todas as vendas de BDs/DVDs dos animes lançados no respectivo mês anterior.  Mas espera, vendas de BD e DVD? O que tem isso de relevante?

POR QUE SE INFORMAR SOBRE VENDAS DE BD/DVD?

Kyoukai Senjou no Horizon
Alguns BDs vêm com brindes como artbooks, posters e capas personalizadas.

O número de vendas desses discos hoje é o mais utilizado para, por exemplo, saber se aquele seu anime predileto da temporada pode ter a chance de ganhar uma segunda temporada ou se está dando lucro. Mesmo sendo o utilizado, ainda existe uma grande variedade de possíveis outras fontes de renda ligadas aos animes, como:

Mangás e Light Novels – Animes adaptados dessas mídias tem como principal objetivo trazer um boost nas vendas de suas obras originais;

Figures e brinquedos – Sim, figures podem ser uma fonte de renda e no caso de alguns animes como Hanagai são uma das principais. Brinquedos entram principalmente na área de animes voltados para o público infantil como Bakuten ou Bakugan;

CDs singles ou CD dramas – Aquela opening cantada por uma banda/cantor famoso tem como principal objetivo vender os CDs singles com essa faixa (normalmente vem de 2 a 3 músicas contando com a abertura ou encerramento), um bom exemplo é Symphogear, que apesar de ter vendido uma quantidade mediana de BDs em sua primeira temporada, em contra partida vendeu bastante CDs singles;

Visual Novels e outros jogos – Segue o mesmo caso dos mangás e light novels. O anime tem o objetivo principal trazer um boost para as vendas das mídias originais;

Licenciamento internacional – ainda é uma área que não dá tanto lucro, mas já mostra seu potencial (retiro aqui os casos dos grandes títulos da Jump como Naruto e One Piece que tem uma distribuição muito grande comparado aos animes normalmente lançados por temporada);

Audiência – Isso mesmo, até a audiência pode ser a fonte de lucros de um anime. Esses casos vão depender da produtora envolvida, algo que falarei com mais detalhes mais a frente.

Symphogear: Sucesso nas vendas de singles.
Symphogear: Sucesso nas vendas de singles.

Os que citei acima são apenas para dar uma ideia do movimento de dinheiro que um anime pode trazer – e olha que ainda existem vários outros fatores que não mencionei. Ainda assim, como escrevi no inicio desse tópico, a venda de BDs e DVDs é o indicador mais usado para saber se um anime trouxe algum lucro ou não. Quero apenas lembrar que vendas de BDs não indicam sempre que um anime fez sucesso ou não (como mencionei mais acima, ele pode ter vários focos de vendas) e muito menos indicar a qualidade da obra. É comum ver animes consagrados pela crítica ou que até mesmo que você adorou venderem pouco. Também não se diz que tal anime vai vender/vendeu porque, por exemplo, tem fanservice ou lolis. Não existem formulas para uma produção vender, se existisse todos os animes iriam lucrar.

Como pode-se notar, vendas de BDs nem sempre dão uma ideia precisa da situação econômica de determinado anime e é exatamente por isso que tentarei trazer informações de outros tipos vendas quando relevantes no post.

COMO SABER SE UM ANIME ESTÁ VENDENDO MUITOS BDs?

Essa tabela resume bem:

Situação Número de vendas
Hit de vendas Mais de 20k
Sucesso de vendas Mais de 10k
Lucrou muito Mais de 6k
Se pagou Mais de 3k
Fracasso de vendas Abaixo dos 3k

Deve-se levar ao analisar esses números algumas considerações: 

Primeiro: normalmente para afirmar se um anime, por exemplo, se pagou ou foi um fracasso de vendas é preciso saber a média final. Um único volume não irá necessariamente ditar que um anime foi um sucesso de vendas como, por exemplo, Magi que vendeu impressionantes 13k em seu primeiro volume, mas acabou tendo uma média final de 7k, ou seja, de um aparente sucesso de vendas para no fim ter dado apenas um bom lucro. Ainda assim, os números dos primeiros 3 volumes ditam bastante se um anime irá vender, e por isso é interessante acompanhar.

Segundo: em vendas de BDs há alguns comportamentos que já são ditos como regra. Por exemplo: o primeiro volume de um anime quase sempre será o que mais irá vender dentre todos os volumes. Isso porque muitas pessoas compram o BD por recomendação ou por simplesmente quererem conhecer a obra (animes passam normalmente de madrugada no Japão e não são todos que podem acompanhar). No segundo volume já é comum se ter um drop (queda) nas vendas, obviamente que nem todos gostam da obra o suficiente para continuar comprando. Esse drop costuma ser de até 20%. A partir do 3º volume o drop costuma ser de apenas 5% e se mantem estável assim até o último volume. Mas é claro que como toda regra, sempre se tem exceções e um drop de um volume para o outro pode ser maior ou menor.

Terceiro: dificilmente um anime vende mais BDs em volumes posteriores ao primeiro. Esses casos são a exceções e podem acabar ocorrendo por alguns fatores. Por exemplo: tickets de eventos ou brindes que acompanham os discos ou em casos ainda mais raros, quando algum evento futuro no anime fizer com que mais pessoas se interessem em comprar. O normal é que até o episódio 5 ou 6, os eventos na história afetem nas vendas, seja interessando mais pessoas a comprar ou até mesmo a desistir de investir. Ou seja, aquele plot twist que ocorreu no episódio 13 ou no 17 raramente irá afetar.

Quarto: A tabela acima nem sempre é válida para determinado titulo. Obras que tiveram um investimento alto na sua produção (seja de animação ou até mesmo marketing) tendem a precisar de um número maior de vendas para cobrir os gastos. É o caso de Guilty Crow que mesmo vendendo 7k, não foi o suficiente para dar um bom lucro e no máximo se pagou.

Guilty Crown: Vendeu bem, mas não tem bem assim pelo que foi investido no projeto.
Guilty Crown: Vendeu bem, mas não tão bem assim pelo que foi investido no projeto.

Animes de apenas um cour (10 a 13 episódios) costumam ter até 7 volumes, enquanto animes de 2 cour ( 22 a 26 episódios) lançam até 9 volumes. Ainda se tem os BOXs onde vários discos são vendidos de uma vez. A empresa que divulga os números de vendas de BDs é a mesma que informa o de mangas, a Oricon. Ela solta uma lista prévia dos 10 títulos mais vendidos toda terça-feira e uma lista dos 100 mais vendidos na quinta-feira.

Existe também a stalker, um site no qual por meio de cálculos se presume quantos BDs um anime irá vender. Ele nem sempre é preciso, mas é possível sim se saber por meio dele se um anime irá vender bem ou não.  Sempre que for interessante irei colocar os valores dos animes da pre-order no post (costuma chamar de pre-order porque a base dos cálculos da stalker são feitos por meio da pré-venda dos BDs na internet. Aliás, boa parte da vendas de BDs é feita online, por isso que é fácil conseguir os números).

Pode parecer algo um pouco complicado de entender a primeira vista, pois se tem alguns detalhes para se levar em conta, mas o comportamento nas vendas fica mais fácil de entender acompanhando e outros detalhes sempre estarão presentes no post da maneira mais simplificada possível.

Bem, agora vamos para a parte final: as produtoras.

PRODUTORAS E COMITÊS: QUE IMPORTÂNCIA ELAS TEM?

Muita. Diria que são as mais importantes na área das vendas e dependendo do caso, até mais importante que a staff de um anime. Mas o que são produtoras? Elas são as que contratam determinado estúdio para adaptar o seu manga preferido e são elas quem decidem que staff irá trabalhar nessa adaptação. Os comitês são justamente um conjunto de produtoras e investidores que unidos criam a verba para a produção do anime.

Logo da Kadokawa Shoten. Boa parte das adaptações de Light Novel são produzidas por ela.
Logo da Kadokawa Shoten. Boa parte das adaptações de Light Novel são produzidas por ela.

Existem vários tipos de produtoras e boa parte delas esta interessada em vender determinado produto com a vinda do anime. Lembra das várias fontes de vendas que citei no inicio do post? Então, cada uma daquelas fontes é interessante para uma produtora diferente:

Mangás e Light Novels – Produtoras como Kadokawa e até mesmo a Jump estão interessadas nas vendas das light novels e mangas que podem aumentar a venda com a vinda do anime.

CDs singles ou CD dramas – A King Records é uma das empresas mais conhecidas que almejam vender os CDs das aberturas e encerramentos dos animes;

Visual Novels e outros jogos – A Key é o melhor exemplo. Animes como Clannad e Little Buster são originalmente VNs dessa empresa;

Audiência – Canais de televisão também investem em animes. Animes “infinitos” da Jump são bons exemplos de séries que se mantém principalmente por causa de sua audiência. Um canal que costuma patrocinar animes é a NHK.

BDs e DVDs – Naturalmente que também se tem empresas que focam em vender os discos. A Aniplex é a mais conhecida.

Se você quer que seu anime ganhe uma segunda temporada, é bom que alguma das produtoras acima receba um lucro suficiente para pensar em investir de novo. Normalmente, as produtoras que se interessam em fazer uma continuação são as de mangas, light novels e com uma frequência menor a de audiência, CDs single e VNs. Mas o fator que mais irá indicar se um anime pode ganhar uma sequência é a venda de BDs, as chances de um hit de vendas ter uma segunda temporada são praticamente certas.

Diferente do que muitos acreditam o estúdio poucas vezes investe na produção de um anime (a Gonzo quase faliu por causa disso) e são normalmente apenas funcionários, simples contratados pelas produtoras para fazer a animação. Por isso, é extremamente errado dizer que um estúdio X irá falir porque boa parte de seus animes não vendeu, eles já receberam antes mesmo do anime estreia. Algumas vezes, quando o anime vende muito bem, elas até podem ganhar uma cota parte. Outra questão muito discutida é o estúdio não ter identidade por adaptar de tudo. Tem que se levar em conta as circunstâncias atuais, pois são pouquíssimos estúdios hoje que podem selecionar o seu material de produção (Kyoto Animation é a que tem maior liberdade atualmente), a maioria irá fazer o que a demanda pedir. Então, se atualmente a Madhouse “faz animes medianos” é porque ela é contratada para adaptar eles e não esta no luxo de negar serviço.

K-On!, uma das minas de dinheiro do Kyoto Animation.

Bem, é isso. Aqui estão todas as informações para se ter uma base e serão bem úteis quando forem ler o post de vendas. Quaisquer dúvidas deixem nos comentários e vejo vocês no post mensal.

Related Post

  • Diego

    Faltou mais uma informação de por que seu anime não ganhou uma 2ª temporada: O mangá ter poucos episódio para adaptação numa temporada. Caso de Shingeki no Kyojin,

    • ton

      Na realidade que não há material original suficiente pra introduzir uma segunda temporada. Se foi adaptado tantos capitulos na primeira temporada, a priori é repetir o feito na segunda garantindo o mesmo ritmo da primeira temporada. Se não há capítulos suficientes há perigo intenso de fillers ou final original revoltando os fãs q compraram a obra consequentemente causando prejuízo nas vendas.

    • É como o @ton bem comentou. Em resumo, falta de material para um anime que vendeu bem costuma só resultar em uma demora a mais no anuncio de uma segunda temporada. Hanagai mesmo demorou dois anos para ganhar uma segunda temporada mesmo tendo vendido muito bem.

  • Existem os lindos casos de Bakemonogatari, aquela coisa vende mais que água.

    Uma média de 80.000 Cópias!

    Recomendo essa tabela : http://intoxianime.blogspot.com.br/p/blog-page_5524.html 😉

    • Jojo brasileiro

      Gundam fazendo bonito também!!!

    • ton

      E vem caindo a cada temporada.. atualmente em monogatari está em 40k, 50% de queda.

      • UHuheuheuhe, caiu muito, mas ainda é um dos animes mais vendidos da década!

      • É normal cair entre temporadas, tem pessoas que compram, mas por gostar mais de outro anime da temporada, compram outra coisa.

  • Sennaffogo

    “Quero apenas lembrar que vendas de BDs não indicam sempre que um anime fez sucesso ou não (como mencionei mais acima, ele pode ter vários focos de vendas) e muito menos indicar a qualidade da obra.” -> de antemão, a coisa que mais se destacou no tópico para mim. É o que eu já disse, mais de uma vez, no tópico “Novo trailer do anime No Game No Life” por exemplo.

  • Eu li um texto quase idêntico nesse blog aqui uns tempos atras:

    http://intoxianime.blogspot.com.br/

    E tenho certeza de que seria legal dar créditos pros caras que o fizeram (em maioria, o Marco).

    • Bem, posso te garantir que não peguei nenhuma informação do blog dele, apesar do texto dele ser bom também. Tudo que esta escrito nesse post é algo de senso comum em vendas, em todo post sobre o assunto na internet terá essas informações. Exemplos:http://www.someanithing.com/?page_id=104 e http://vanishingtrooper.wordpress.com/2012/11/29/guest-post-by-yuyucow-anime-sales-analysis-part-2/

      • Cara, até mesmo alguns textos.. não, não só isso, até mesmo a tabela é a mesma, com algumas modificações.

        Eu lembro de ter visto esse link do “Sales FAQ” no MAL, tem deveras mais informações que isso. Ele se trata também de outras areas, desde a importaçao e comércio com o exterior à ingressos promocionais para eventos que se vendem junto do Blu-ray.

        Voce me deu exemplos que nem mesmo tem o conteúdo do seu texto, mas que falam sobre o mesmo assunto de uma maneira bem diferente (que se comparadas às do site que eu coloquei, são quase iguais).

        Mas bem, eu nao tenho provas sobre isso, entao também nao posso sair te acusando, porém, pelo menos veja a tamanha semelhança desse texto aqui com o seu (a semelhança do seu texto com o dos sites que vc mandou nao chega nem perto).

        • Dih

          Bem, apenas esclarecendo que o Adra também tem ligações com o Intoxianime, logo, se fosse o caso de algum plágio ou algo do tipo não teria muita lógica utilizar seu próprio blog.
          Encerrando o assunto por aqui.

          Abraços.

  • OLHA O ADRA NO CHUNAAAAAAAAAAAAAAAN >D
    Antes de mais nada, sucesso por aqui, Adra!
    Tava sentindo falta de ti na blogosfera! ^^

    Sobre o post, ótimo! Pouco a pouco, estou tentando entender mais sobre as vendas desses tipos de mídias citados, mas acho que mesmo para quem não sabe nada ou não está acostumado com tudo isso não terá muitas dúvidas ao ler seu post, ficou bem explicadinho. Fica meu agradecimento também por ter citado meu amorzinho Symphogear, que mesmo não tendo muita – ou nenhuma – história pra contar a mais ganhou terceira temporada exatamente pelas boas vendas de seus singles e BDs, visto que vendeu 75% a mais que a primeira temporada, caso raro. XD

  • emanuel xp

    existem exceções, como o girls und panzer, que vendeu absurdos e não teve uma segunda temporada. Há o caso também daquele anime que parece que só vc gostou, pq não teve nada de vendas.

    • Não teve segunda temporada, mas tem filme anunciado para esse ano além de um OVA que são justamente uma continuação da primeira temporada. É o que costuma acontecer se um anime vender bem e não ganhar segunda temporada.

      • Sennaffogo

        @emanuel xp, e agora cara? xD
        Pô, esta parte que você cita sobre um anime que parece que só você gostou, vale não somente para um anime qualquer, mas para vários deles!

        Fora que me parece um tanto quanto estranha a tabela do intoxianime, onde várias e várias séries não venderam nada, ZERO, sendo que outras fontes, tão confiáveis quanto esta, não mostraram a mesma coisa. Um exemplo disto é Kaiji, que pelo que sei vendeu em torno de 700, e nesta lista aparece com 000….. muito estranho. Além disto, é meio impossível imaginar que um anime tenha tido DVD/BD e não se tenha de fato vendido uma única unidade que seja…..
        @Adramalesh, você acha que isto realmente ocorre? *um DVD/BD não vender nada?*

      • @Sennaffogo Troque animes com 0 por “dados não encontrados” ou “venderam tão pouco que não foram tabelados pela Oricon” – órgão japonês que monta as tabelas de vendas semanalmente – e sua duvida está resolvida. Mas respondendo a sua pergunta, não, nenhum anime vende 0 BDs/DVDs, mas tem casos de vendas tão ridículas que eles não conseguem nem ranquear e ninguém fica sabendo quanto venderam (caso de Pupa nessa última season). Outros dados se perdem com o tempo. É foda conseguir dados de vendas de alguns animes pre 2005.

  • Koyuki

    Eu meio que já sabia que era assim, mas lendo o post, senti que ficou mais claro. Uma informação que faltou e que acho que seria interessante é quanto custa em média um BD. Sei que o valor vai variar bastante, mas um único volume de BD pode custar 7k ienes (140 Reais).

    Ou seja, olhando para a tabela, significa que um anime “se paga” vendendo 3k BDs, tendo uma média de venda de 21 milhões de ienes. Se um anime curto de 13 eps tem um média de 7 volumes, o custo estimado pra se produzir o anime gira em torno de 147 milhões de ienes (3,2 milhões de reais, ou 250 mil reais por episódio).

    Por fim, algumas comparações interessantes: O custo pra produzir um único capitulo de uma novela da Rede Globo gira em torno de R$450mil reais e o Gugu Liberato ganha um salário que gira em torno de 1,5 milhões de reais por mês (ou 375 mil reais por semana). Com isto podemos concluir que o Brasil tem dinheiro pra produzir animações, só não tem capacidade técnica e nem vontade pra isto.

    • Não é por falta de capacidade técnica ou vontade, é mais questão de demanda. Sem demanda fica difícil produzir. Apesar disso o Brasil tem uma longa história com relação à animações´(e algumas bem clássicas), ótimos profissionais (que por falta de mercado, precisam produzir pra fora) e depois de um tempo sem produzir nada próprio, de um ano para cá isso vem mudando com algumas animações infantis, que fizeram/fazem muito sucesso (Historietas é um exemplo. Fez sucesso, foi exportada). Teve até um longa metragem animado de temática adulta recentemente nos cinemas. Esperemos que com o tempo o mercado se expanda, parece que alguma coisa mudou com o incentivo de produções nacionais em canais fechados. Quem sabe.

      • Juliana

        Concordo com você, Roberta. Mas, de maneira geral, vejo um pouco a televisão aberta brasileira com medo de mudar, de buscar novos públicos. Eu faço minha programação do que quero ver na internet, pois na tv aberta não tem muita coisa que me agrade, mas sempre é bom ser surpreendido por algo que você nunca escolheria assistir por si mesmo, e eu, pelo menos, sinto falta disso. ‘-‘

      • Koyuki

        Concordo em parte. Mas, acho que falta sim uma “vontade” por parte das emissoras de tv. Se bem que, até mesmo animações estrangeiras está saindo da tv aberta. Mas, me diz quando que uma emissora aceitou em sua programação uma série animada brasileira? Eles nem tentam pra ver como será o retorno. E sim, temos “vontade” e “técnica”, mas são de pessoas que não tem “dinheiro” pra por seu sonhos na prática. Graças a internet (que curiosamente é um sinônimo de pirataria), estamos vendo algumas séries animadas fazer sucesso, como é o caso da “Galinha Pintadinha” (até hoje não vi um episodio deste desenho, nem sei se é um desenho :P).

      • Bruno

        Acho que é uma questão cultural também. A cultura do Brasil é muito mais voltadas para novelas, não para animações.

    • Acho que menos “vontade” que capacidade técnica, pois quando há vontade (vontade de lucrar), dá-se um jeito, nem que seja produzindo no exterior em uma primeira etapa. =D

      • Sennaffogo

        Muito bom post @Koyuki. Pelas suas infos, eu só tenho 3 coisas a destacar:
        1 – BD/DVD de anime, em geral curtos, é CARO para caramba!!! @_@
        2 – FAZER um anime é absurdamente, na minha opinião, caro! Nossa!! Não sabia que era tão bizarro assim….. deve ser por isto que os discos são uma “pechincha”…xD
        3 – No Brasil há tanto roubo, mas tanto roubo, que um episódio de animação aqui custaria 1,5 milhão para ser feito…..¬¬ Logo, não daria certo nunca!

        Agora, poutz…… não sei o que acho mais bizarro, se é o preço médio de um episódio de anime, ou se é o preço médio de um capítulo de novela da Globo…..o_O

      • Koyuki

        Respondendo ao Sennafogo:
        1-Pois é, e povo reclama dos preços dos BDs aqui no Brasil, sendo que uma temporada inteira é vendida com o mesmo preço de um BD com dois episódios no Japão.

        2-Realmente é caro, e por isto vemos tantos animês “incompletos”, infelizmente.

        3-Sim, com certeza a produção de um animê aqui seria mais caro. Mas, da mesma forma que o Japão manda boa parte de suas obras para serem animados na Coréia, nos poderíamos fazer algo similar. O problema realmente seria o retorno. Os brasileiro dificilmente compraria um BD com 2 episódios por R$140,00, ficaríamos dependentes de patrocinadores.

        4-Quanto ao valor de cada capitulo da novela da Globo, esta informação eu peguei de um grande site da internet, por isto deve ser “verdadeiro”. Mas sinceramente, da mesma forma que nossas obras públicas, conhecendo a Rede Globo, este valor deve ser superfaturado pra ela poder justificar no Imposto de Renda e ocultar dinheiro desviado que vem das propagandas do Governo, como Petrobras, Caixa e Banco do Brasil.

      • independente de ser animação ou não, o fato é que no brasil as pessoas tem o costume de culpar a falta de incentivo por tudo. quando um projeto dá errado, ninguém chega a se questionar se o bagulho era ruim ou comercialmente inviável, porque no fim das contas a culpa é sempre da falta de incentivo. tem até aquele filme, “Saneamento Básico – O filme”, que chega a abordar este tema de uma maneira bem inteligente – pena que ninguém se manca. o problema é que o brasileiro médio tem uma mentalidade assistencialista, mesmo, e acho que isto vem de muito antes do pt chegar ao poder. já eu, por minha vez, acredito que se vc pretende se aventurar em produções fora da mídia comercial, tem que assumir os riscos da sua empreitada, principalmente os financeiros. é algo que qualquer empreendedor sabe: não dá para ser aventureiro e conservador ao mesmo tempo – eike batista, que perdeu quase tudo por gostar de correr riscos, está aí para provar o que estou dizendo :). e depois, se der tudo errado, não venha colocar a culpa em fulano ou em ciclano, porque ninguém, nem o governo nem o empresariado, é obrigado a assumir a culpa pelo seu fracasso. se isto acontecer, simplesmente se levante e siga em frente, SEM CHORO :). enquanto o pessoal não assumir a responsabilidade pelos seus atos o brasil vai continuar na mesma.

    • Juliana

      Mas o Gugu não tá “desempregado”? kkkkkkkk

      • Koyuki

        Sei lá, quase não vejo tv aberta XD

      • Sennaffogo

        “4-Quanto ao valor de cada capitulo da novela da Globo, esta informação eu peguei de um grande site da internet, por isto deve ser “verdadeiro”. Mas sinceramente, da mesma forma que nossas obras públicas, conhecendo a Rede Globo, este valor deve ser superfaturado pra ela poder justificar no Imposto de Renda e ocultar dinheiro desviado que vem das propagandas do Governo, como Petrobras, Caixa e Banco do Brasil.”
        @Koyuki, eu sinceramente não duvido…….kkkk

  • GABRIELIN

    Muito bom esse post, legal saber q tem mais coisas por tras de um anime do q simples imagem e volumes de mangas, só uma coisa eu gostaria de saber o que é esse k, mostrado pra divulgar as vendas dos BD e DVD?

    • Dih

      1K = 1000
      2K = 2000
      10K = 10000

      E assim respectivamente.

  • Eu fico feliz que Guilty Crown não teve uma continuação. O final foi muito foda, e tenho certeza que se tivesse continuação iria ser horrível.

  • walisson alexandre

    90 % das series são decididas as continuações baseados em vendas de bluray e dvd,mais a a exerções,series que tem lucros massivos de uma forma diferente,um Ex: Magi teve vendas bem abaixo de Monogatari,Sword Art Online e Love Live,agora olha a arrecadação em mídias.

    Magi – The Labyrinth of Magic 3,801,600,000
    Monogatari Series 3,222,300,000
    Sword Art Online 3,097,200,000
    Love Live 2,516,300,000

  • Metade dessas informações eu já sabia, pois pesquiso muito.
    Pois é, minha gente, anime é uma coisa bem séria.
    Uma coisa que eu quero perguntar: E se o anime em questão for um clássico na animação? Pokémon, pelo que sei, não tem boas vendas de BD, mas ainda está no ar. Seria esse o caso (que é semelhante ao do Kochikame, que só não é cancelado na Jump pois é um clássico)?
    Se puderem responder, fico muito agradecido

    • Pokémon tem bastante audiência, maioria das vezes que procuro ver o top de audiência Pokémon tá lá.

      • Valeu 🙂

      • Sennaffogo

        Era isto que eu dizer @Mi Ka DXD, Pokémon, assim como os 5 primeiros em geral rankeados semanalmente, exceto OP quando entra, estão ali por causa da audiência. Isto inclusive foi explicado no post. É até meio óbvio isto. Mas Pokémon não é apenas isto. Conforme disto em outro tópico, Pokémon vende muitas outras coisas que amparam sua animação contínua e eterna na TV.

  • Acho muita incompetência quando o estúdio adapta um mangá/LN quando ainda não tem material suficiente ou está muito próximo dos últimos capitulos lançados, aí ao invés de deixar de um jeito que possa garantir a continuação (como Inuyasha ou Fairy Tail), eles inventam um final diferente e ferram com tudo(como FMA e Soul Eater).

    • ton

      Como já foi falado no post, estúdio amigo é empregado, ele cumpre ordens. Quem é q manda o dinheiro pra adaptar são as produtoras.

    • Koyuki

      E não exatamente “incompetência”. Como foi dito no post, o animê é muitas vezes apenas o chamariz para um produto relacionado. O primeiro animê de FMA foi feito pra chamar atenção pro manga e Action Figures relacionado a obra.

      • Sennaffogo

        É, e ainda no caso de Inu-Yasha, pelo que sempre soube, foi a própria Rumiko que bancou que a obra não fosse mais adaptada em anime até que ela terminasse o mangá quando o anime estava encostando nos capítulos recentes que ela estava fazendo.

  • Pedoro-Desu

    O que eu queria saber é, o que determina a quantidade de eps de um anime X, tipo, um cour, dois cour, ou animes infinitos, sem divisão clara de temporada, que continuam, não aqueles que tem espaço de 3 mêses a 5 anos para nova temporada, e muitas têm outros nomes. Se alguém poder responder, fico grato.

    • Pedoro-Desu

      Eps infinitos quis dizer. meses.

    • Dois fatores determinam: Até onde a produtora quer que o estúdio adapte (sim, ela determina e o roteirista faz o trabalho) ou o quanto de material um anime tem para adaptar.

    • Quem financia a obra decide isso (uma produtora, ou mesmo estação de TV, no caso de animes com foco em audiência). Animes infinitos são sempre financiados por estações de TV e visão audiência puramente (naruto, onepiece e derivados não vendem quase nada de BD/DVDs – principalmente porque o “público alvo” que assiste não tem grana pra pagar os absurdos que cada um desses BDs custam, no máximo compram os filmes, que mesmo assim não costumam vender muito).

      Animes de 1 a 2 cour variam mas normalmente são financiados primariamente por alguma produtora (as vezes mais de uma) como Aniplex, Flying Dogs, ect, que estão interessadas nos lucros nos BDs/DVDs e não na audiência (motivo pelo qual elas tem que pagar para o anime ser transmitido, e ainda colocam pra ser transmitido de madrugada na maioria dos casos).

  • MCoelho

    Uma duvida a respeito dos próximos posts: Eles serão divididos em diferentes categorias, como por exemplo, por temporada? Se não veremos Rebellion por um bom tempo no topo.

    • Vou liberar um rank com todos os lançamentos por venda total e depois comentar cada anime dividido por temporada.

  • Interessante, não conhecia essas estatísticas de vendas de BD que serviam para tirar uma temperatura do “sucesso” do Anime, a receita como você citou, são de várias vias, mas os BDs são os produtos principais pelo jeito, mas determinar o sucesso de um anime em termos de arrecadação depende do investimento, por exemplo filmes de Hollywood, para dar certo a arrecadação tem que ser pelo menos o dobro do investimento, se um anime se paga, logo em ternos financeiros ele foi um fracasso, lucrar pouco também não motiva a fazer outras temporadas, assim penso. Ótimo artigo, gostaria de saber como são feitas as animações, softwares, se é tudo desenhado, se um dia fizerem um artigo, lerei com prazer, Té.

    • ton

      Não necessariamente, o anime se pagou mas ela pode ter lucrado bem na área de brinquedos, mangás, jogos eletrônicos, etc. BD é o principal indicador, porém não é o único. Saki por exemplo vende em media 5 a 6k nas suas 3 temporadas, mas a franquia vende mto brinquedos, jogos, mangá geralmente acima dos 200k por volume. Então o anime tbm é uma propaganda pra outros produtos, consequentemente trazendo lucro pros parceiros da produção.

    • Lorde,
      “I’ve never seen a diamond in the flesh” 🙂 🙂 🙂 (idiotice da porra).
      se estiver certo o que vc diz (que para determinar o sucesso de uma produção deve-se levar em conta o investimento), como eu acho que está, podemos concluir que um anime super-bem-produzido como akira é o risco supremo, não é? eu não sei exatamente quanto custou a realização deste anime, mas se ainda hoje um anime quadradão da qualidade de naruto custa tanto quanto disseram, a esperança de ver outra animação experimental da qualidade de akira saindo do mercado japonês deve ser bem pequena. acho lastimável isto :(.

      • Ton e Shaman obrigado por responderem, pode ser dizer que o risco é alto quando se tem um investimento alto levando várias questões em consideração, por um olhar superficial, são vários animes lançados por temporada, portanto maior a concorrência em questões de tentar arrecadar o dinheiro que entra nesse tipo de mercado, incluindo os produtos derivados como o Ton informou(BDs são os produtos principais pelo jeito, mesmo não sendo a maior receita, eles são responsáveis pelo resto), então se uma temporada, hipoteticamente custe 500 mil reais (digamos que seja um investimento alto), é um risco ao meu ver, caso for uma adaptação de um manga que teve um sucesso mediano ou até mesmo fraco(insistência em tentar o sucesso nas telas mesmo dando errado em manga ou novel) tentando fazer animações fortes só que deixando outros elementos de fora. Shaman, Akira foi uma revolução de sua época, não existia aquele tipo de história (que faz sucesso até hoje), eu assisti outro dia e a animação é surpreendente, a fluidez é muito bacana, acredito que o pessoal apostou forte sabendo que o retorno também seria, mas tem muitos animes excelentes como tem os mais idiotas, bem isso que eu entendo sobre. Abraço.

      • Shaman Boy

        Lorde,
        bem, foi isto o que eu quis dizer. na época em que akira foi produzido, os otakus ainda não tinham dominado completamente o mercado de animes e, por isto mesmo, a animação japonesa vivia um momento de grande criatividade, ao contrário do monte de estrume feito sob medida de fanboy para fanboy que agente vê hoje em dia. como, pelo visto, as empresas de animação da atualidade sobrevivem mais da venda de produtos licensiados do que dos animes propriamente ditos, acho bem difícil alguém querer apostar em uma super-produção experimental como akira novamente (pelo menos não enquanto ainda der para lucrar vendendo bonequinhas para marmanjos de trinta e poucos anos). talvez só agente mesmo, que é fã, continue acreditando que isto seja possível :).

      • Sennaffogo

        “podemos concluir que um anime super-bem-produzido como akira é o risco supremo, não é? eu não sei exatamente quanto custou a realização deste anime, mas se ainda hoje um anime quadradão da qualidade de naruto custa tanto quanto disseram, a esperança de ver outra animação experimental da qualidade de akira saindo do mercado japonês deve ser bem pequena. acho lastimável isto :(.”
        @Shaman Boy, em citação ao pedaço acima citado, ver outra animação na qualidade Akira já seria uma glória, agora imagine algo como Mononoke Hime ou especialmente Steamboy??
        Não tem como vermos algo do tipo dentro do contexto aqui conversado. Mas nem sonhando….. realmente uma pena.

  • Filipe

    Adramalesh, gostaria que você me indicasse livros de roteiros para ler que possuam termos como o “Plot Twist” citado por você.

    • Filipe

      Adramalesh, querida, você está ignorando a minha mensagem mesmo?

  • Gostei do post, sempre é bom saber mais sobre aquilo que a gente tanto gosta, eu ainda achava que eram os estúdios que escolhiam os animês e ficavam com o lucro (ou prejuízo), bem, agora estou melhor informado.

  • Olá Adra. Então essa história de que são os animes com hentai/ecchi (os censurados) que vendem mais, o suficiente para bancar os outros animes não procede né?
    Pq eu já tinha ouvido falar nisso, mas pelo que li no seu post isso não tem nada a ver, não é?

  • Realmente não é verdade. E não só animes hentai/ecchi como qualquer outro. Se uma obra vender bem, independentemente do gênero, o normal é se investir novamente nessa obra, até porque ela já havia dado um bom retorno antes.

    • por falar nisso, gostaria de saber se esse tipo de anime que vc citou recebe publicidade na mídia comercial também, ou consegue se vender de outra maneira. que eu saiba, animes populares como naruto e op passam na tv aberta do japão e por isso mesmo tem publicidade garantida, não é? e quanto a essas produções com conteúdo sexual/sugestivo, a mesma coisa?

      • Sim, animes populares como Naruto e One Piece passam na TV aberta então tem maior visibilidade, mas a Shonen Jump em si tem um poder de marketing muito grande, até porque ela tem verba de sobra para isso. Já animes por temporada, ou como você citou mais especificamente, animes ecchi costumam passar em canais pagos e de madrugada, então as propagandas irão normalmente aparecer nesses horários. Outros meios de propaganda são sites, blogs e revistas japoneses, além de claro, se o anime esta agradando tanto os japas ao ponto deles comentarem e mais pessoas se interessarem. Ou seja, animes ecchi são tão difíceis de vender quanto os outros. Quanto aos hentais, eles normalmente são apenas vendidos em OVA e servem mais de propaganda ou bônus para ero games (a maioria deles vem junto com o jogo).

  • Starro

    Eu comecei a prestar mais atenção em vendas de animes para entender por que certas franquias que um dia foram muito bem-sucedidas pararam de ganhar continuações. Em quase todos os casos, foi porque a vendagem média dos volumes (somando Blu-rays e DVDs) caiu para menos de 5000 unidades.

    É como se todos os animes exibidos de madrugada no Japão fossem OVAs, e suas exibições tivessem o mero propósito de promover a série e atrair consumidores para os Blu-rays e DVDs. A audiência pouco importa, contanto que pelo menos 5000 cópias de cada volume sejam vendidas.

  • Felipe Polido

    Adramalesh, e quanto a Lost Canvas? Eu vejo muita gente aí pela internet dizendo que não fez sucesso, quando, segundo seu post, se um anime for um fracasso eles param ainda na primeira temporada, mas Lost Canvas teve duas. Além de que, a série está aparentemente cancelada, mas nunca houve um pronunciamento oficial por parte da TMS comunicando o cancelamento, isso me leva a pensar que a produção foi apenas pausada. O que exatamente houve com a série, você tem alguma informação ou palpite de porque pararam de produzi-la?

    • Lost Canvas desde sua primeira temporada vendia bem pouco tendo uma média de apenas 2k. A segunda temporada foi anunciada antes mesmo da primeira acabar, ou seja, antes mesmo de lançar todos os discos dela, então é de se presumir que estivesse planejada independentemente de ter dado lucro.

      A segunda temporada de Lost Canvas vendeu ainda pior (algo normal uma continuação vender menos, até citei no post, mas na situação de Lost Canvas, não era uma realidade agradável). Para você ter uma ideia, o volume 01 vendeu apenas 639 cópias. Como o anime era lançado em OVA, os lucros viam principalmente da venda de discos e a TMS era uma das produtoras do anime, ou seja, o estúdio estava gastando dinheiro e não recebia um retorno a altura. Era mais que previsível que parasse ali mesmo. E não tem como a TMS anunciar o cancelamento se ela nem mesmo anunciou a produção de uma continuação.

      • Felipe Polido

        Obrigado por responder, esclareceu minhas dúvidas! Só é realmente uma pena isso que aconteceu com a série.

  • Mike

    Hohoho excellent!
    Sempre que possível compro figures Alter e GSC dos animes que me agradaram como forma de ajuda; queria mesmo era comprar os vn, ln e mangas, mas ainda ñ sei japonês e BDs ainda estão fora de alcance para mim..
    Vou acompanhar os posts, boa iniciativa espero que dê tudo certo! GL Adra-san.

  • biazacha

    Adorei essa série de posts, ótima ideia!
    Pois é, eu realmente tenho um fraco por estúdios com identidade, não adianta… eu tento acompanhar na Oricon as vendas, mas depois de um tempo fica cansativo. XD

    O jeito é investir em game e figure pra aquele anime bacana ter mais chances!

  • Bruno

    “Quero apenas lembrar que vendas de BDs não indicam sempre que um anime fez sucesso ou não (como mencionei mais acima, ele pode ter vários focos de vendas) e muito menos indicar a qualidade da obra. É comum ver animes consagrados pela crítica ou que até mesmo que você adorou venderem pouco. Também não se diz que tal anime vai vender/vendeu porque, por exemplo, tem fanservice ou lolis. Não existem formulas para uma produção vender, se existisse todos os animes iriam lucrar.”

    Essa parte estragou completamente o texto. Se você adorou alguma coisa não significa que seja uma obra boa.
    É lógico também que se um anime tiver fanservice ou lolis tem grande chances de vender, só olhar pra temporada atual. 80% tem isso, 80% vende. E nesse contexto de vários animes desse tipo, poucos são boas obras, como Ping Pong The Animation, que tem um carácter artístico enorme.
    Alguns animes não lucram porque o objetivo não seja lucrar. Só ver os Studios Ghibli, o objetivo é a demonstração artística de um conceito.

    • Sennaffogo

      @Bruno, seu comentário tem de fato uma dose de razão. Lolis……¬¬
      Acho que todo o trabalho bem feito deve ter seu reconhecimento, e se gastam dinheiro, alguma porcentagem de objetivo de lucro existe, mas o caso do Studio Ghibli nem dá para citar como exemplo, porque são filmes animados, e filmes são tratados de outra maneira.
      Anime mesmo eu duvido que tenha algum cujo objetivo não seja o puro e simples lucro….. seja por caminho A, B ou C.

  • Pingback: Análise de vendas do mercado de BDs e DVDs do Japão de abril/2014 | ChuNan! - Chuva de Nanquim()

  • Pingback: Análise de vendas do mercado de BDs e DVDs do Japão de maio/2014 | ChuNan! - Chuva de Nanquim()

  • Pingback: Análise de vendas do mercado de BDs e DVDs do Japão de junho/2014 | ChuNan! - Chuva de Nanquim()

  • Filipe de Lima Santos

    Adramalesh, gostaria que você me indicasse livros de roteiros para ler que possuam termos como o “Plot Twist” citado por você.

    • Dih

      Filmmaker’s Dictionary de Ralph Stuart Singleton e James A. Conrad.

  • Pingback: Análise de vendas do mercado de BDs e DVDs do Japão de Julho/2014 | ChuNan! - Chuva de Nanquim()

  • Pingback: Análise de vendas do mercado de BDs e DVDs do Japão de Agosto/2014 | ChuNan! - Chuva de Nanquim()

  • Pingback: Análise de vendas do mercado de BDs e DVDs do Japão de Setembro/2014 | ChuNan! - Chuva de Nanquim()