Dossiê Slam Dunk: Entenda o caso da editora Nova Sampa

Slam Dunk HeaderAfinal, vem ou não vem?

A editora Nova Sampa causou um grande alvoroço ao informar que possui em mãos a licença de Slam Dunk. Mas ao mesmo tempo, muitos ficaram em dúvidas quanto a publicação do mangá com sua relação com Vagabond. Não conhece Slam Dunk? Ficou ausente desse universo por muito tempo? Então confira nosso review da série clicando na imagem.

Slam Dunk Review


A Nova Sampa conseguiu um contrato de exclusividade com Takehiko Inoue. Ou seja: O que for obra dele, tem chances de chegar ao nosso país pela editora. O grande empecilho é que estamos falando de Takehiko Inoue. Vagabond, Slam Dunk ou mesmo Real são mangás grandes e de editoras grandes no Japão, como Shueisha e Kodansha (apesar dos direitos serem negociados diretamente com o autor). Portanto é um projeto que demanda dinheiro.

Muitos se questionaram sobre Vagabond ter começado a sair em um formato de luxo (como o antigo da Conrad) e não em uma nova versão. Simples: Takehiko Inoue é exigente, como bem dito por Marcelo Del Greco na palestra. Todo o formato de Vagabond foi aprovado pessoalmente por ele. Ele queria assim, saiu assim. R$40 é um valor salgado para o consumidor, com certeza, mas R$30 na época da Conrad também era (e se pararmos para pensar na inflação de lá pra cá, o valor ainda está razoável). Mas enfim, não é esse o caso.

Real Manga Review

O caso é que Marcelo deixou bem claro na palestra que a vinda de Slam Dunk ou quem sabe Real, depende muito da recepção da Vagabond. Isso porque os próximos materiais que vierem do autor também virão em uma boa qualidade – não a mesma de Vagabond, pra deixar claro, mas algo com papel offset e bem caprichado. Custos são gerados, desde a impressão até a distribuição. Por isso o dinheiro precisa entrar e provar que o investimento pode valer a pena.

Claro que como fã que sou, também fico aflito com a situação. Apesar de achar Vagabond uma edição linda, sei também que ela não cabe no orçamento de qualquer um, mesmo com uma periodicidade maior. Também temos o fato dela ter retomado de onde parou no passado (edição 15 em diante) o que desestimulou muitos compradores. Nesse último caso, fomos aliviados com a notícia que a primeira edição deve chegar entre setembro e outubro ainda desse ano.

A licença de Slam Dunk está nas mãos da Nova Sampa. 50% do caminho está andado. A Nova Sampa parece estar se esforçando para atender públicos variados. Ainda tem muito o que percorrer, com certeza, mas tem títulos alternativos e que em algum momento podem ser interessantes pra alguém.

Sobre o formato de Slam Dunk: O mangá virá em algo que seja entre o kanzenban e uma “edição especial”, aos moldes da JBC. Provavelmente com o mesmo número de páginas do kanzenban, o que daria um número menor de edições no final. Nesse caso acho um ponto positivo. Além de relançar, coloca no mercado algo diferente do que já existia antes.

Vamos aguardar o decorrer do segundo semestre. Torcer muito. Mas Slam Dunk está cada vez mais próximo de retornar. Enquanto isso, ficamos com os anúncios já confirmados da editora.

Queens Blade

Dih

Dih

Paulistano, 27 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Hoje é editor assistente da Panini Mangás e colecionador compulsivo de quadrinhos em geral.

Related Post

  • Sei que é difícil de comprar pelo valor salgado, mas Vagabond está lindo, demorei um pouco mas já consegui comprar os 4 que saíram. Fiquei muito feliz com a notícia e tomara que dê certo para que Slam Dunk venha o quanto antes.

    • Wagner

      Juliana, Já que você comprou, esclareça uma dúvida… essa versão compreende apenas 1 volume “normal” mesmo (2 da Conrad)? pq se for o caso, em setembro estarei adquirindo a partir do 1 😀

      • Allison

        As edições da nova compreende um volume normal, é bem parecida com a de luxo da conrad só que sem jacket e o letreiramento cuidadoso que a conrad tinha.

  • theveryself

    Boa notícia, se sair em papel offset, melhor ainda. Agora, eu não gosto desse formato do Vagabond, assim como não gostei do Black Note Black. Apesar da gramatura ser bem boa, as páginas terem uma boa dimensão e tudo mais, ainda assim não deixa de ser aquele papel de jornal que se deteriora bem mais fácil com o tempo do que o offset. Assim como a Conrad lançava Vagabond por trintão, ela também lançava a edição definitiva de Dragon Ball por vinte mangos, e aquele formato aplicado a outros títulos do Tezuka e coisa e tal, poderia até justificar um gasto de quarenta reais. Eu não pago quarentas reias nessa edição de Vagabond nem ferrando.

  • Mi Ka DXD

    Vou fazer reza pra mãe Diná ou qualquer santo pra que a Nova Sampa consiga publicar esse mangá, que dá de 10 a zero em Kuroko!

  • Brunken

    Boa matéria, parabéns.
    Em primeiro lugar compreendo a Nova Sampa, de verdade mesmo, compreendo que é necessário lucro pra investir em outra obra. Obra que não deve custar barato. Mas algumas dúvidas ficam pipocando em minha cabeça:
    1º Por que a Nova Sampa não iniciou a publicação de Vagabond desde o volume 1? Isso tb foi exigência do Inoue? Dúvido hein.
    2º Se a editora já tinha ciência do valor final do produto, isto é, 40 reais/edição pq diabos não fizeram todo um planejamento de logística/distribuição da mesma em inúmeras livrarias pelo país?
    3º A editora precisa urgentemente de uma coisinha chamada planejamento. Com planejamento poderiam ter evitado esses inúmeros atrasos, praticamente todos os títulos da Nova Sampa estavam ou ainda estão atrasados. Com planejamento poderiam ter viabilizado a chegada de Vagabond em inúmeros locais de venda (livrarias, lojas especializadas e até mesmo em bancas. Alias, até hoje não vi o mangá em nenhuma banca).
    4º Com os atrasos a editora, bem como você destaca na matéria, desestimula os eventuais compradores e/ou colecionadores. Eu mesmo desisti de Hitman por conta dos incontáveis atrasos.
    5º A Nova Sampa precisa, além de planejamento, mais cuidado com as traduções, impressões (fiquem de olho na gráfica onde vocês enviam materiais) e poderia melhorar na qualidade do papel também. Drifters volume 1, esta muito ruim. Sem contar os erros de português.
    Se a editora se comprometesse com estes 5 itens que elenquei aqui, acredito que teríamos um salto de qualidade estupendo da Nova Sampa e com toda sinceridade não são coisas difíceis de serem feitas. Basta vontade e compromisso com aquilo que se faz.

    • Delta Se7en

      Cara o que você falou está certissímo, eu não sei o quanto a você, mas pra mim a Nova Sampa sempre foi uma editora mais ou menos pra baixo, tem alguns titulos incriveis mas os atrasos, a falta de qualidade de alguns produtos e velho, pra mim erro de portugues é muito desrespeito, parece que eles estão fazendo de qualquer maneira, por isso eu nunca dei a minima pra Nova Sampa e sempre fugia dos titulos dela, tanto que aqui eu só tenho mangá da JBC e da Panini, agora complica.

  • Delta Se7en

    Sabe eu fico pensando, 40 reais, quando a gente pensa em mangá a gente fala, nossa é caro, mas 40 reais é um preço de um livro das cronicas de fogo e gelo, ou um encadernado bunda da DC ou da Marvel, se ele vier em uma edição assim bonitinha com mais capitulos que em um mangá normal e vier em poucas edições(porque pagar 40 reais em cada edição e sei la, ser lançado 12 mangás é foda) e vier em um intervalo de tempo bom, entre 2 a 4 meses, eu acho valido, foda mesmo é estar tudo em função de Vagabond, ai é foda ao menos pra mim que não tem a menor vontade de acompanhar Vagabond mas querer muito Slam Dunk.

    • Mas sabe, encadernados da Marvel costumam ser edições únicas e fechadas, não tem que depois comprar mais 30 volumes para ler o final.

      E convenhamos, mangás atualmente são pro publico jovem, que agora muitos estão começando a trabalhar, enquanto as HQs (que já saem aqui há bem mais tempo), tem mais publico que trabalha e pode bancar.

      Fora que essas edições de 40 reais são uma compilação das revistinhas que vemos nas bancas por 5 reais numa qualidade mais digna de guardar.

      • Delta Se7en

        O que eu acho foda é que eu acompanho mangá desde a minha infancia até hoje na fase adulta, e cara, a qualidade piorou, eu lembro que tinha umas edições unicas de CDZ que era colorida que era linda, e era menos de 20 reais, o que eu pago nos meus 15 reais eu pagava nos meus 6 reais em um Inuyasha da vida.
        E realmente, hoje em dia sou muito mais exigente com a qualidade do mangá porque se eu compro, eu gosto de reler algum dia, um encadernado da DC ou da Marvel é isso, deixa na sua estante, é quase como um movel da cara, é por isso que não gosto de ler mangá online, e mangá ta longe disso, e 40 reais eu não julguei muito porque eu não sei a qualidade do material e quantas facadas eles vão dar de uma vez, mas pelo jeito vai ser foda acompanhar, não é como se todo mundo fosse só acompanhar Slam Dunk, eu por exemplo, queria pegar Assassination Classroom, Kuroko, Usagi Drop que foi pra 20 reais, ter que desbancar 100 reais por mês pra comprar mangá do meu próprio bolso é quase que ridiculo.

  • Dois erros dessa edição do Vagabond:
    – 40 por cada volume. Nos Eua a versão VizBig com 3 volumes por edição custa em torno de 20 dólares mais 10 dólares de frete (Amazon) fica em 30 dólares = 70 dólares (por alto). Em três volumes nacionais vamos pagar 120 reais…. a diferença é grande demais!
    – Lançar a partir do 15: eu queria muito comprar quando o primeiro foi lançado, mas a partir do número 1. Até entendo os motivos de terem lançado dessa forma, mas acredito que poucos tinham os 14 volumes da Conrad….
    Torço bastante para aumentar o número de editoras publicando atualmente e com regularidade, mas esses erros podem ser cruciais para o futuro da Sampa.

    • 30 dólares = 70 reais (por alto)*

    • Dan

      Realmente quando a Nova Sampa anunciou pela primeira vez o preço de Vagabond a primeira coisa que eu fiz foi pesquisar alternativas, e não foi difícil ver que o custo-benefício do VizBig é muito melhor, a única coisa a citar são as capas que são meio feias. Eu tenho certa vontade de ler Vagabond, quando eu começar minha coleção certamente será por importação.

      • Allison

        Mano pior, na cultura você pode conseguir essa edição da viz por 48 reais bixo, pedindo para entregar em loja nem frete paga, olha a diferença.

  • Fico feliz em saber que a Nova Sampa (se lançar) lançará Slam Dunk com papel off-set. Espero que venda bem e publiquem outras obras com este material.

  • ledneks

    Seria um sonho poder colecionar Slam Dunk *-*

  • Cesar Minoru

    infelizmente parei de comprar mangás…
    mas se Slam Dunk for relançado eu compro!

  • Sei lá, a Nova Sampa ainda não me passa confiança suficiente para comprar um mangá caro. Tenho medo de numa dessas eles cancelarem por falta de compradores.
    Em compensação, achei muito boa a ideia da Nova Sampa de vender as coleções no formato “box”. Dessa forma comprei Ikkitousen e Old Boy, é mais confiável.

  • Esmeraldi

    Slam Dunk eu já tenho. E a maioria dos volumes eu paguei R$1. Logo, não irei comprar de novo.

  • Olá pessoal! Tenho uma opinião sobre essa edição de Vagabond e gostaria de compartilhá-la com vocês.
    Pagar R$ 40,00 por esse mangá seria mais ou menos válido se o acabamento final dos volumes os tornassem idênticos (ou pelo menos quase idênticos) aos lançados pela Conrad.
    Aqueles que colecionaram a versão antiga devem lembrar o quanto a sobrecapa em papel couchê tornava o volume bonito e elegante, valorizando demais a coleção.
    Afinal já que é para pagar caro, então deem ótimos motivos para isso. Façam a diferença na apresentação dos volumes. Mantenham e melhorem o que já havia sido lançado. Para mim o que houve nesses volumes que estão sendo lançados é um retrocesso (na qualidade das edições, porque em relação ao valor, houve avanço). A apresentação piorou (muito) e o preço aumentou.
    Pode ser apenas impressão minha, mas a gramatura do papel utilizado na antiga versão era mais alta e, principalmente, a textura do papel era maior e ou melhor – mais suave ao toque, tornando o manuseio dos volumes de fato uma prazerosa experiência sensória.
    Se não me engano até o cheiro dos volumes era melhor. Me lembro que dava gosto de ver, comprar e colecioná-los.
    Não sei como posso tentar explicar isso, mas a sensação era de… “maravilhamento”. Os volumes lançados pela Conrad eram realmente BONITOS e com alto padrão de qualidade, fazendo valer o que era cobrado por eles.
    Quando foi anunciado que essa editora iria relançar Vagabond, em minhas vãs ilusões fui tomado pela expectativa de que enfim voltaria a colecionar algo pelo menos semelhante aos (antigos) belíssimos volumes.
    Qual não foi a minha decepção ao manusear essa nova “encarnação” de Vagabond!
    Enfim, como disse no início são apenas minhas opiniões pessoais e quis compartilhar, assim como leio a opinião de outras pessoas.
    Ainda bem que eles não têm em mãos um título que merece um lançamento ESPETACULAR – NAUSICAA DO VALE DO VENTO. Pagaria até R$ 50,00 (SE valesse a pena) por cada volume desse fantástico mangá.
    Comprei a edição de luxo de Nausicaa que vem em um box. A apresentação é espetacular! A encadernação em dois volumes em capa dura, a textura do papel, o poster etc. Coisa LINDA!!!
    Então, para cobrar caro, deveriam lançar dessa forma no nosso idioma. Também merecemos.
    Pelo menos os títulos aclamados mundialmente: AKIRA, NAUSICAA, LOBO SOLITÁRIO, VAGABOND, SLAM DUNK e alguns outros. Desejo paz e saúde a todos.

    • Sennaffogo

      Eu não cheguei tão longe como @Esmaeraldi, a ponto de comprar a maioria por 1,00, mas assim como, tenho Slam Dunk todo da Conrad.
      Por esta sua experiência, @Charle, e por algumas outras que estão sendo explanadas internet afora, se Slam Dunk depender de Vagabond para vir, sugiro aos caros amigos e colegas que desistam, pois Slam Dunk não virá.
      Tem um ponto para mim muito pior nisto tudo. O pior mesmo de tudo isto é que a coleção já está perto do volume 40 e nem sinal de terminar…
      Porque nem a JBC é mais 100% confiável como até pouco tempo, então, para começar uma coleção, ou mesmo para continuar uma coleção, cara como esta sem ter a confiança de que o título não será cancelado em dado momento e o mangá sequer estar finalizado no Japão, é muito complicado…
      Como sempre, desejo boa sorte aos que se arriscarem.

  • Manoblok

    O jeito é esperar e ver como se sai Vagabond. Que venha Slam Dunk e Real (mais barato).

  • hyagtdf

    caralho…. acho q as chances sao boas… eu tenho a coleção praticamente completa.. acho que vou vender ela no mercado livre e tal e aguardar esse lançamento!!!

  • Pingback: Nova Sampa anuncia novos mangás e pode publicar Slam Dunk! | Supernovo.net()

  • Humpf… tudo o que eu não queria era descaracterizar a minha coleção antiga de Vagabond. Estava aguardando a Nova Sampa anunciar as versões meio tanko, mas estou vendo que não terei escolha.

    De qualquer modo, não vou jogar dinheiro no lixo: vou comprar a partir do volume 23

  • Vi hj um mangá de Vagabond na banca e apesar do preço salgado vale a pena. Assim q sair o primeiro volume vou comprar.

  • Luis Gustavo

    Já que a Nova Sampa está interessada em títulos diferentes do convencional, será que teria uma chance dela trazer JoJo’s Bizarre Adventure quando ela crescer mais ? (OBS: Eu sei que pedidos de jojo já foram feitos aos montes e até viraram piada entre as editoras, só estou jogando papo pro ar.)

  • Oba! Finalmente poderei acompanhar Slam Dunk, já que na época em que foi publicado faltou verba.

  • Pingback: Notícias EMD – Ah, se arrependimento matasse… | Ecchi Must Die!()