Eu Recomendo #20 – Animes de Porrada: Parte 2

Eu Recomendo Animes de Porrada Parte 2Omae wa mo… Shinde iru!

O Eu Recomendo surgiu aqui. Como assim? Pra quem não se lembra, o primeiro Eu Recomendo foi justamente de Animes de Porrada, em uma época em que a gente nem sabia o que tava fazendo direito, em que o Eu Recomendo tinha uma proposta diferente, mas que mesmo assim o fez permanecer entre os posts mais lidos do site até os dias de hoje. E constantemente eramos cobrados sobre uma segunda parte dessa postagem, e ela nunca saiu do papel. Até hoje. Ou quase isso, já que esse post está nos rascunhos fazem uns 10 meses. Hoje é dia de apresentarmos 10 animes de porrada no sentido literal da palavra, em que os punhos ou os poderes de fazer sua cabeça explodir (em todos os sentidos) marcarão presença. E sim, com isso abrimos a possibilidade para outras partes de qualquer outro Eu Recomendo que já tenhamos feitos. Veremos o que vocês acham da ideia. Aproveitem os próximos feriados e fins de semana por vir, e as férias batendo em suas portas, pra se divertir pra caramba com esses animes cheios de sangue nos punhos.


Shijou Saikyou no Deshi KenichiSHIJOU SAIKYOU NO DESHI KENICHI
Ano de Produção: 2006
Estúdio: TMS Entertainment
Episódios: 50 episódios + 11 OVA
Baseado no mangá de Shun Matsuena

A história gira em torno de Kenichi Shirahama, um estudante de 15 anos que constantemente sofre bullying de outros estudantes. Certo dia conhece Miu, uma bela estudante que acaba de ser transferida. Depois de ver que a garota possui uma incrível habilidade em artes marciais, e cansado de ser alvo em seu colégio, Kenichi resolve então entrar para esse “mundo da luta” e treinar arduamente com os mestres do dojo Ryouzanpaku. O rapaz vai ganhando notoriedade, no entanto, ao contrário do que desejava, passa a ser perseguido e desafiado por outros oponentes, principalmente pelos membros da gangue Ragnarok.

Kenichi surgiu como um dos grandes destaques da revista Shounen Sunday, mas acabou sendo esquecido lentamente por sua fanbase. Mesmo assim, teve um anime realmente divertido no quesito porradaria, que de maneira alguma te decepcionava. Diferente do mangá, que tem um traço até estranho no começo, o anime é consistente em seu character design e em sua animação desde o início. Suas lutas são ótimas, empolgantes e é muito divertido ver a mistura de tantas artes marciais juntas. O melhor: os personagens são extremamente cativantes e fazem você se encantar a todo instante. Merecedor de estar aqui, e uma pena que o mangá tenha ficado tão distante de aparecer no Brasil.


Flame of ReccaFLAME OF RECCA
Ano de Produção: 1997
Estúdio: Studio Pierrot
Episódios: 42 episódios + 1 OVA
Baseado no mangá de Anzai Nobuyuki

O protagonista Recca Hanabishi é fascinado por tudo o que diz respeito à arte ninja e vive se metendo em brigas afirmando que aquele que o derrotar, imediatamente ganhará seus serviços como um “braço-esquerdo”. Apesar disso, ele constantemente jura sua lealdade à Yanagi Sakoshita, uma garota que tem a habilidade de curar qualquer ferimento. Recca também descobre que possui uma habilidade incomum: ele pode manipular fogo; e as descobertas não parar por aí… O rapaz é filho do líder da sexta geração de Hokage, um clã ninja que foi extinto por Nobunaga Oda, em 1576.

Durante muito tempo Recca foi chamado como uma “simples cópia” de Yu Yu Hakusho. O que é uma injustiça. Digamos que não é a maior originalidade do mundo um grupo de jovens lutarem em um torneio com poderes sobrenaturais. Pra falar a verdade, é praticamente uma fórmula de diversos shounens até hoje. Mas enfim, Recca vale muito mais do que isso. Personagens extremamente carismáticos e, para época, uma boa animação que proporcionava lutas emocionantes. Se você gosta de séries dos meados dos anos 90, eis uma boa alternativa pra você. Diversão garantida. O anime cobre 16 dos 33 volumes do mangá.


JoJo Bizarre AdventureJOJO’S BIZARRE ADVENTURE (2012)
Ano de Produção: 2012
Estúdio: David Production
Episódios: 74 episódios e em andamento
Baseado no mangá de Hirohiko Araki

A família Joestar, uma das mais tradicionais e ricas famílias do mundo, acaba adotando o jovem Dio Brando, um garoto que possui um passado no mínimo misterioso. Porém os anos vão passando e Jonathan Joestar, o filho do patriarca da família, percebe que Dio não é quem todos pensavam que era. A partir daí começam incríveis batalhas envolvendo todos os Joestar e as “bizarras” criaturas que começam a aparecer em seus caminhos.

Acho que se JoJo não estivesse na lista muita gente iria pedir o meu pescoço. E eu seria um idiota. Porque afinal de contas JoJo é a personificação da testosterona de qualquer anime de porrada ao lado de outro desta lista. E o melhor é ver toda a saga sendo animada agora pelo estúdio David Production. JoJo sofreu com o tempo, com seu envelhecimento precoce e com a falta de popularidade no Ocidente (menos a saga Stardust Crusaders, que acabou se tornando a mais famosa da franquia por ter saído nos EUA pela VIZ). Mas esta produção que começou em 2012 abriu as portas para a franquia, que ganhou vitalidade e novos fãs a cada episódio, que contou com marketing agressivo por parte da Shueisha e de seus patrocinadores. E com merecimento.


Tenjho TengeTENJHO TENGE
Ano de Produção: 2004
Estúdio: MadHouse
Episódios: 24 episódios + 2 OVAs
Baseado no mangá de Oh! Great

A história gira em torno de dois amigos, Souichiro Nagi e Bob Makihara. Eles possuem um grande histórico de provocarem o caos nos colégios que passam e, dessa vez, escolhem o Touhou Academy com o mesmo objetivo: dominá-lo com suas forças e se livrarem de qualquer um que ficar em seus caminhos. O que os dois delinquentes não imaginavam é que a Touhou Academy não é um colégio qualquer, ele foi fundado com o intuito de lecionar diferentes estilos de luta; lá eles encontram o Jyuukenbu – um grupo de artes marciais integrado por três garotas: Maya Natsume, sua irmã Aya e Masataka Takayanagi – e são facilmente derrotados por ele.  Como se não bastasse, um grupo rival os ataca alegando que Souichiro e Bob fazem parte da Jyuukenbu. Diante do conflito dos dois grupos, os rapazes decidem se juntar ao grupo das três garotas a fim de aprimorar suas habilidades e se tornarem ainda mais fortes.

Porrada e é isso que interessa. Dane-se o plot. Basicamente essas duas frases definem Tenjho Tenge, a obra mais doida e talvez honesta do tio Oh! Great. Apesar de ele ir pra caminhos que ninguém entende no mangá, o anime de Tenjho Tenge conseguiu muitos fãs por suas lutas de ação frenéticas e cheias de charme (e fanservice). Mas o interessante aqui é que o fanservice não tira em nada a sensação de dever cumprido a cada batalha mostrada dos delinquentes do colégio. Nagi é um grande protótipo de Urameshi: não é como nosso protagonista de Yu Yu Hakusho, mas não leva desaforo pra casa. Tem um bom coração e quer saber mesmo é de porrada. Pronto. Receita básica, clichêzona, mas que entrega muito bem o que promete ao som de uma trilha sonora maravilhosa – e uma abertura que até hoje é considerada uma das melhores de todos os tempos.

Uma nota importante: Tenjho Tenge, Tenjou Tenge, Tenjoh Tenge… Existem diversas romanizações do nome dessa série e confesso que optei por essa no post apenas por ter sido assim que o mangá saiu no Brasil. Mas fica a nota esclarecendo para a galera que estranhou o nome ou algo do tipo. (Agradecimentos pela dica ao amigo @fioda!)


Hokuto no KenHOKUTO NO KEN
Ano de Produção: 1984
Estúdio: Toei Animation
Episódios: 154 episódios
Baseado no mangá de Tetsuo Hara

A história se passa no ano de “199X” e é ambientada em um mundo pós-apocalíptico devido a uma guerra nuclear. Muitas espécies desapareceram e a raça humana foi praticamente dizimada. Os que restaram, presenciaram uma época na qual os fortes dominavam os mais fracos e as artes marciais era a única arma com que o homem podia contar para obter qualquer tipo de suprimento para sua sobrevivência.  Nesse mesmo tempo, surge um homem misterioso chamado Kenshiro, com sua habilidade mortal (ansatsuken), o Hokuto Shinken.

Acho que nem precisaria gastar muito tempo falando de Hokuto no Ken. Primeiro porque o mangá é um clássico, segundo porque se você entrou nesta lista provavelmente já o esperava por aqui. É o tal do outro anime que personifica a testosterona, como JoJo. Mas aqui é tudo muito mais… hard. É tudo mais tenso, mais cruel, mais de impacto. Hokuto no Ken é um clássico pelo seu alto nível de violência, seu grau de importância dentro dos battle shounen e por toda a construção de seu personagem principal. Kenshiro é um mito e Hokuto no Ken é um item de obrigação pra qualquer amante da demografia. Quem sabe um dia não ganhamos um remake da série?


Grappler BakiGRAPPLER BAKI
Ano de Produção: 2001
Estúdio: Free Will
Episódios: 47 episódios
Baseado no mangá de Itagaki Keisuke

O mangá segue a história do jovem Baki Hanma, um garoto que tem a ambição de se tornar mais forte que seu pai, Yujiro; acontece que ele é o lutador (grappler) mais forte do mundo. Baki passa a treinar intensamente e lutar contra diversos oponentes a fim de aprimorar suas habilidades e alcançar seus objetivos: tomar o titulo de seu pai e ganhar a confiança de sua mãe, que o despreza por ser fraco.

Aqui temos o violento Grappler Baki pra representar a galera dos shounen mais underground. Baki também é considerado por muitos um clássico, mas por sua violência e publicação original em uma editora menor, passou a ter menos popularidade do que qualquer Shueisha da vida. Isso não tira o mérito da série, que é absurdamente violenta e cheia de cenas extremamente tensas e repletas de ação brutas e impensáveis. É pra quem busca algo diferente dos battle shounen convencionais, com mais tensão e de fato, levando a sério a palavra “porrada”.


KibaKIBA
Ano de Produção: 2006
Estúdio: MadHouse
Episódios: 51 episódios
Obra original

A história é ambientada no futuro e tem o jovem Zed como protagonista. Ele é frustrado com sua vida e acredita que ela melhorará a partir do momento em que conquistar sua liberdade. Em um fatídico dia, o garoto é transportado para um mundo completamente diferente de onde veio: com uma vasta natureza e guerreiros que fazem uso de cristais (Shards) para controlar “espíritos” e usar magia. Zed descobre então que ele é um Shard Caster – aquele que pode fazer uso dos cristais – e que seu amigo, Noah, também foi transportado para esse mundo. O que o garoto ainda não sabe é que um poderoso e rebelde espírito chamado Amir Gaul reside em seu corpo e que o futuro do mundo pode depender dele.

Kiba é um caso bem curioso. Quando comecei a entrar na internet, Kiba tinha uma popularidade absurda e um fandom realmente ativo durante a exibição do anime. Mas como um passe de mágica ele desapareceu e caiu no esquecimento. Mesmo assim, Kiba é um dos melhores animes neste quesito “ação com magia”. Muita coisa que é clichê? Sim. Mas extremamente bem executadas. E todo mundo era muito “cool” e memorável dentro da série, incluindo o protagonista (o que já é meio caminho andado). Apesar de ser longuinho e ser da famosa geração de 2006 que nunca ganhou um blu-ray, Kiba é do tipo de underrated que você poderia encaixar na sua futura lista para assistir.


Project ArmsPROJECT ARMS
Ano de Produção: 2001
Estúdio: TMS Entertainment
Episódios: 52 episódios
Baseado no mangá de Minagawa Ryouji

A história gira em torno de Ryo Takatsuki, um rapaz que, quando mais novo se envolveu em um terrível acidente no qual acabou perdendo seu braço direito; apesar do acidente, os médicos conseguiram “dar um jeito” de recuperá-lo. Passado vários anos, Ryo percebe que seu braço é mais que uma parte comum de seu corpo e que estranhos eventos vêm girando em torno dele, principalmente após a chegada de três misteriosos jovens.

Eu sempre me perguntei porque Project Arms tem uma popularidade tão abaixo do que eu esperava que tivesse. Tem todos os ingredientes de um bom anime de ação, é divertido, tem uma animação acima da média pra época e seu mangá é tão bom que eu quase o peço no Brasil. Com duas temporadas de 26 episódios, a série acabou caindo no esquecimento no decorrer dos anos, mas apresenta algumas das cenas de ação mais incríveis e bem feitas desse início da era 2000, além de misturar muito bem a cultura das cenas de ação com “poderes especiais”. Não sei se é impressão minha, mas esses animes antigos tinham algo realmente especial quando o assunto era ação.


ScryedSCRYED
Ano de Produção: 2001
Estúdio: Sunrise
Episódios: 26 episódios
Obra Original

Em um futuro próximo, um fenômeno inexplicável ocorreu em uma ilha distante chamada The Lost Grounds, dando origem a uma nova espécie de humanos. Estes seres humanos evoluídos, chamados Alter, podem manipular a matéria e transformar ela em formas únicas. Nesta ilha remota, aqueles que nasceram dentro de uma cidade protegida são cidadãos, enquanto todos nascidos fora são considerados fora da lei e vivem esquecidos. Em uma tentativa de manter a paz, a força policial HOLD, juntamente com um esquadrão militar de alter-nativo capturam perigosos usuários e oferecem-lhes uma escolha… junte-se sagrado ou seja preso. Depois da captura de um jovem chamado Kazuma, várias questões começam a surgir. Será que realmente estão interessados no bem de todos, ou se há algum outro motivo por trás de suas ações?

Logo vocês se cansam de tantas vezes que já indiquei esse anime aqui no Chuva de Nanquim, mas tudo bem, eu aguento. Acho que seria injustiça Scryed estar excluído de uma lista de animes de ação justamente por ser esse o motivo que mais me encanta. Todas as lutas, todas as cenas de ação. Mesmo se tratando de um anime com “poderes” ele consegue passar uma sensação tão incrível de impacto e de força! Não é a toa que é um dos meus animes favoritos, não é a toa que está nesta lista e não é a toa que eu repito: vejam. Não se arrependerão.


Hunter x HunterHUNTER X HUNTER (2011)
Ano de Produção: 2011
Estúdio: MadHouse
Episódios: 148 episódios
Baseado no mangá de Yoshihiro Togashi

Gon Freaks é um garoto de 12 anos que tem como objetivo se tornar um Hunter, uma espécie de caçador que percorre o mundo cada um com um objetivo diferente. Seu sonho tem uma motivação bem própria: a vontade de seguir os passos de seu pai que o abandonou ainda pequeno para se tornar um Hunter. Gon acha a história e a determinação de seu pai algo incrível e decide partir na mesma viagem que ele para um dia se tornar o maior e melhor Hunter do mundo. Mas claro que nem tudo é tão fácil como parece: para conseguir cumprir sua jornada, Gon deve entrar em uma competição com centenas de outras pessoas que serão escolhidas para ter o direito de portar uma licensa Hunter, que permite ter acesso a dados confidenciais, trabalhos especiais e diversas outras regalias. Nesse caminho, Gon encontrará alguns amigos, como o misterioso Kurapika que quer aniquilar a organização criminosa Genei Ryodan, o despretensioso Leorio que busca fama e fortuna e seu futuro melhor amigo, Killua, que revelará aos poucos seu verdadeiro objetivo.

O que falar desse anime? Sério. Eu não sei. É tudo tão bom nesse remake da MadHouse que ficou difícil pra mim citar a produção anterior de Hunter x Hunter. Com uma resenha acho que poderei colocar melhor em palavras todos os elogios que tenho a esse anime. Hunter x Hunter é o “anime longo” que mais tive prazer em assistir recentemente e não consigo deixar de recomendá-lo. A animação, a direção, o roteiro, a qualidade de certos frames e toda a parte técnica fazem jus à história de Yoshihiro Togashi. Chimera Ants então nem se fala. Continua sendo um espetáculo a parte dentro da série.

Dih

Dih

Paulistano, 27 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Hoje é editor assistente da Panini Mangás e colecionador compulsivo de quadrinhos em geral.

Related Post

  • zarelh

    shijou eu recomendaria mais o mangá, mesmo o anime sendo extremamente bom

  • O Honesto

    Flame of Recca quando eu lia não tinha legendado em português e eu tive de ver pelo mangá americano mesmo, bons tempos e nostalgia esse anime, se der tempo eu revejo.

  • sempre tive vontade de assistir jojo’s, porem nao sei se os episodios cobrem o inicio do manga ou sao arcos aleatorios

    • Joãosuke Higashikata

      O anime ta seguindo a ordem certinha pode ver que vale a pena! Embora eu prefira o mangá da parte II de jojo.

  • Ali
    • RedFalcon

      Bem lembrado do Ben-to a cena de luta contra cerberus(ou ouboros não me lembro agora).Nunca em impotese alguma lutar contra gemeas japonesas loiras platinadas com cestinha de mercado…

      • Ali

        É Orthros, o cão do inferno de duas cabeças.

        O melhor da série era que o Satou era um Sega fanboy.

  • Angelo Kaoru

    Que tal o link para baixar Flame of Recca?

    • achar flame of recca para download é uma missao quase impossivel, ainda da para encontrar para assistir online.

      • Angelo Kaoru

        Oh Shit! Esquece assistir no trem então. Vlw

  • Angelo Kaoru

    Dih, espero que Flame of Recca seja bom mesmo, porque revirei a internet atrás de links para download até encontrar um na minha cara -.-‘
    Pra quem tb estiver a fim de assistir

    http://sakuraanimes.com.br/episodioslegendados2/6037-flame-of-recca-c

  • will

    todos que voce falo ai são top pena que no Brasil as editora não confia no Mercado

  • bizarro bizarro bizarro

    JoJo é a personificação da testosterona ? tem uma coisa bem errada com o seu sentido de testosterona… só vou dar um exemplo, olha foto que tu botou tem mais brilhos q muitos shoujos por ai… kkkkk

    • STX

      eu ia comentar algo semelhante, mas esperei outro explanar xD

  • Desses daí, só assisti o Hunter x Hunter, o Kiba, o Hokuto no Ken e o Jojo’s Bizarre Adventure. Ainda tô pra ver o Tenjou Tenge e falta terminar o SCRYED, putz, como pude não ter terminado se o anime é legal? 🙁

  • Escritora

    Gostei demais destas recomendações, mais que da parte 1. Colocar o Kenichi em primeiro foi uma bela jogada, porque foi uma série que simplesmente me encantei com sua forma de trazer um shounen de porrada, pena que os OVA’s por mais que tenham mantido o enredo e personalidade, não gostei muito do designe dos personagens e da coloração, a fase TV é muito melhor; sobre o HunterXHunter, acompanhei a fase atual somente nos arcos não animados da outra versão – até pra não ficar comparando – e gostei muito do resultado, só sinto pena que a MADHOUSE tenha perdido muito de sua maestria em termos de adaptação de uns anos pra cá, apenas os traços continuam bem-feitos. São os que vi.

    Quando aos demais, devo dar uma chance para Project Arms e SCRYED. E pra sugestão da coluna, animes policiais: vale pra dar uma variada nos tipos mais comuns de séries e adaptações literárias em animes.

  • Vc`s podiam colocar todos esses novos “Eu recomendo” no tópico de atalho do blog, para facilitar para quem não acompanha o blog sempre.