Anime filme de ‘Orange’ ganha adaptação em mangá

orange-miraiSupera Orange, Takano Ichigo! Supera!

Será anunciado na edição de fevereiro da revista Monthly Action, da editora Futabasha, que uma adaptação em mangá para Orange -Mirai-, o filme que dá sequência ao anime televisivo de Orange, estará na próxima edição, sendo lançado em 25 de janeiro. A criadora original do mangá, Takano Ichigo, cuidará da adaptação.

Assim como no filme, a adaptação contará novamente sobre a história principal, mas dessa vez pela visão de Suwa. A história também será narrada após o mangá e o anime para TV.

Anteriormente Takano havia desenhando um spinoff de duas partes intitulado Orange -Suwa Hiroto-, no qual foca em Suwa em um futuro alternativo.

A autora começou a série na revista Bestuma, da Shueisha, em 2012, mas se mudou para a Monthly Action, da Futabasha, em 2013. Takano terminou a obra em agosto de 2015 e a editora publicou o quinto e último volume em novembro de 2015. O mangá inspirou um filme live action em dezembro de 2015 e um anime televisivo em julho.

No dia em que faz 16 anos, Takamiya Naho recebe uma carta estranha, mas com o remetente vindo de si mesma, de dez anos no futuro. No início, ela acha que a carta é uma brincadeira, mas depois as coisas escritas na carta realmente passam a acontecer, incluindo o novo aluno transferido que se senta ao lado dela em sala de aula, Naruse Kakeru.  A carta diz é como seu diário, e narra tudo com perfeição, até os mesmos personagens – que são seus amigos. Naho então decide ler a carta até o fim. Na carta, ela de 27 anos de idade, diz a ela de 16 anos de idade, que seu maior arrependimento é que Kakeru já não está com eles no futuro, e pede a ela para vigiá-lo de perto.

Related Post

  • Juliana Alencar

    Acho que eu sou o único ser humano que não gosta de Orange. Desde a grande falha no roteiro até a personalidade dos personagens. O principal ponto que me incomodou foi o tratamento atécnico dado a uma enfermidade tão grave quanto a depressão. Isso porque ela requer acompanhamento psicológico e, em alguns casos, psiquiátrico, não sendo tão fácil lidar quanto o anime demonstrou. Ademais, nem todo depressivo é suicida. O caso é complexo e todos nós seríamos muito felizes se apenas o apoio dos amigos fosse suficiente para lidar com o agravo. Não digo que não seja importante – sem dúvida ter amigos é necessário, mas não suficiente. Creio que a intenção do anime não tenha sido apresentar a visão da depressão mas… enfim… não custava representá-la como ela realmente é, oferecendo uma visão mais realista sobre o tema.

    • Cris R.

      Moça, isso de a depressão não se resolver simplesmente com a ajuda dos amigos é exatamente o que Orange mostra. Olha o tanto de coisa que a Naho e o resto do pessoal precisaram fazer pro Kakeru não se suicidar! Mesmo quando ela falou com todas as letras que amava ele, mesmo quando ela e o Suwa falaram que queriam ajudar o Kakeru e estavam lá para o que ele precisasse, ele ainda assim tentou se matar no final. Demorou muito até que ele desistisse da ideia, na verdade, só quando ele escapou da morte foi que viu o quanto os amigos se importavam com ele e pôde se sentir acolhido por eles. E depressão não é algo que você sai com uma plaquinha pela rua escrito “estou deprimido, me leva pro psicólogo”, não tem como ajudar a pessoa se ela não demonstra os sintomas. Bem, no caso de Orange, todos os personagens principais sabiam da situação por meio das cartas, mas eles tomaram decisões condizentes com adolescentes sem qualquer experiência no assunto. Achei que foi bem realista a representação da Takano Ichigo sim.

      • Juliana Alencar

        De fato, eu não havia considerado o fato de os personagens serem tão jovens. Acho que realmente não seria possível esperar uma atitude mais prudente e madura da parte deles. Creio que fizeram o melhor dentro de suas próprias limitações, que foi dar o apoio fraterno/amoroso.
        Vou rever o anime tendo isto em mente.

      • Cris R.

        Se você ainda não leu o mangá, recomendo ele bem mais do que o anime. Além de a animação ter ficado meia boca, partes que no mangá tinham bem mais impacto ficaram super fracas emocionalmente no anime, ou tiveram menos tempo em tela do que eu imaginei que teriam. Eu adoro o mangá de Orange, mas o anime realmente deixou a desejar em alguns aspectos.

  • Marcos Correia

    Se o Toriyama e o Watsuki podem, porque a Takano Ichigo não pode espremer a fruta até o bagaço e além, né?

    • Cris R.

      Até porque ela nem usou e abusou de Orange até agora né. Pelo que sei (posso estar enganado), ela saiu da Betsuma justamente por não querer estender o mangá além do necessário. É mais do que justo que agora ela possa viajar um pouco nas ideias e inventar spin offs xD