Review – Uma experiência diferente com Sakamichi no Apollon (2012)

sakamichi-reviewUma série marcante de uma forma diferente para cada um.

Confesso que eu tenho uma certa “vergonha” quando meus pais e minha namorada comentam para os outros que eu tenho um blog de anime, porque eu sei que muitos deles vão pensar que é coisa de criança ou que eu vejo aqueles animes mais estranhos e bizarros. Eu sou uma pessoa normal, que sente uma paixão por certas histórias que só os japoneses sabem contar, seja sobre esportes, lutas ou apenas dia a dia. E claro, isso é  um mérito dos japoneses, que criaram uma escola de animação que hoje em dia é base para diversas outras industrias de animação do mundo, como a própria americana ou a francesa. Só que temporadas como a de Julho de 2012 me fazem esquecer sobre o porquê de eu gostar disso. São vários animes sobre a vida escolar com menininhas bonitinhas e que parecem ter 12 anos – claro que eles tem o seu público alvo, mas não é o meu caso.

Muitos gostam desse tipo de anime e não há mal nenhum nisso.  No meu caso, até gosto de K-on, mas por exemplo, teria muita “vergonha” de assistir isso na frente do meu pai – me lembrando até essa tirinha. Lembrando que isso é um caso meu, e não necessariamente todos guardam o mesmo pensamento. Porém no dia que você assiste uma animação que entra profundamente do seu coração e que solta aquele sorriso bobo do seu rosto, tudo muda. E eu estou falando de Sakamichi no Apollon – um dos melhores (quiçá o melhor) anime de 2012.

A história

A história se passa na década de 60 e gira em torno de Nishimi Kaoru, mais um daqueles garotos japoneses acostumados a se mudar constantemente por causa do trabalho de seu pai, que é divorciado de sua mãe. O garoto acaba se mudando para a casa de alguns parentes, mas não parece muito empolgado com o ambiente em que vive. Ele, que sempre foi visto como um garoto inteligente, estava acostumado a ser sempre o foco das brincadeiras durante suas curtas estadias nos colégios, mas tudo mudou até ele conhecer duas pessoas diferentes em sua nova escola: Mukae Ritsuko, a presidente da classe e Kawabuchi Sentaro, um garoto que sempre foi o legítimo badboy, matando aulas e se metendo em diversas brigas. Mas não são as personalidades que fazem os 3 se aproximarem, e sim um gosto em comum: a música. Kaoru aprende como pode ser divertido tocar jazz e encontra a primeira pessoa que pode chamar realmente de amigo e também encontrar a primeira garota na qual pode se apaixonar. E assim começa uma bela história de amor e amizade.

Considerações Técnicas

Fiquei animado quando li a noticia que o diretor de Cowboy Bebop estava fazendo um anime sobre Jazz, é um estilo de música muito gostoso e estava sentindo falta de uma historia nesse estilo desde Nodame Contabile. Shinichiro Watanabe já havia sido o diretor de outras séries fantásticas como Samurai Champloo e Macross Plus, além de outros trabalhos que atestaram a qualidade do diretor – que ao lado de Yoko Kanno, responsável pela trilha de CowBe, estaria de volta para comandar Kids on the Slope, mais conhecido como Sakamichi no Apollon. E logo de cara comprovamos a eficiência da dupla no primeiro episódio. Já me impressiona a animação do estúdio Tezuka Productions e Mappa, com um tom retrô acompanhando a época da história e com personagens que fogem do design que virou moda atualmente. Por sinal, o character design de Apollon é de Nobuteru Yuki, que assinou o visual de Chrono Cross, famoso jogo de Playstation 1, além de ter trabalhado em animes como Paradise Kiss e Record of Loddoss War. Eles realmente parecem colegiais e não crianças. A história também me empolgou, apesar que o protagonista não era tão bom e parecia que Sentaro iria dominar todas as atenções. Parecia.

Corri para comentar sobre o anime e percebi que haviam algumas pessoas que se incomodaram com apenas uma cena do primeiro episódio, que podia indicar que o personagem era homossexual e pararam de ver o anime ali. Isso até gerou um excelente post no nosso parceiro Gyabbo! , e eu concordo com tudo oque ele disse ali. Até ouvi alguns comentários depois de alguns episódios que só quem pagava de Cult que dizia que Sakamichi era bom. Claro que isso é bobagem, e quem continuou até o final pôde provar disso.

A animação é maravilhosa como eu já comentei ali em cima, talvez só se igualando ou perdendo para a de Tsuritama nesse ano; o design dos personagens são cativantes e faz você acreditar que são pessoas de verdade, fazendo nos aproximarmos de uma forma “real” da história. Mas se realmente quisermos elogiar, é bem fácil tocar no principal ponto da animação de Apollon: as músicas. A trilha sonora e a animação entraram em uma harmonia perfeita, gerando movimentos fluídos e cenas que lhe trazem a sensação de estar vendo uma session de Jazz ao vivo. Inclusive, logo após de Apollon percebemos o quanto a animação de outras séries como Beck ficaram datadas – mesmo não perdendo todo o carisma do anime, que continua sendo um dos meus favoritos.

Mas vamos falar um pouco mais da trilha sonora. Não sou nenhum grande entendido de música como o Noots, do Subete Animes, que gerou três posts fantásticos sobre Jazz e cultura durante a exibição do anime e que vocês devem conferir clicando AQUI, AQUI e AQUI. Mesmo assim, seria um pecado deixar de citar o trabalho fantástico de Yoko Kanno nesse anime, provando que ela ainda é a especialista. Em especial podemos comentar sobre a trilha “Sakamichi no Apollon Original Soundtrack”, onde encontramos todas as músicas tocadas no anime em suas versões estendidas e que com certeza fará parte daquela sua coletânea indispensável de músicas na noite.

Os destaques são muitos: logo de cara somos encantados por Moanin’, música de Art Blakey and the Jazz Messengers de 1958. Essa música foi muito importante para apreender o telespectador para a série logo em seu início. A interpretação foi simplesmente fantástica e já serviu para nos mostrar que Apollon era um diferencial no meio das animações dos últimos anos. O terceiro episódio contou com a música Someday My Price Will Come de Bill Evans que havia sido composta para o filme A Branca de Neve e os Sete Anões de 1937 – o engraçado é que posteriormente Bill Evans acabou se tornando o apelido de Kaoru, vista a semelhança entre ambos. No episódio 7, tivemos referências aos Beatles e aos japoneses The Spiders quando comentado sobre as “boybands” e o aclamado Festival Escolar. Porém, sem falar de todas as sessions sensacionais que tivemos na série, a música que retrata melhor essa postagem é My Favorite Things, canção do filme A Noviça Rebelde que pode ser considerada extremamente marcante, acolhedora e emocionante.

E a música é responsável pelas duas cenas mais marcantes pra mim. A primeira é a bela apresentação dos dois garotos no festival do colégio, eles estavam brigados por causa do medo do Kaoru de perder o único amigo e ele não conseguia voltar a conversar com o Sentaro mesmo sabendo que estava errado. A única maneira que eles conseguem se desculpar um com o outro é atravez do jazz, tanto que não há um pedido de desculpas falado ali e a cena é perfeita em sua direção e execução. A segunda cena que mais me marcou foi a conversa entre os três garotos sobre quais são as suas coisas favoritas – exatamente a última música comentada no parágrafo anterior – e Kaoru acaba não comentando para os amigos as dele, mas em seus pensamentos ele diz que aquele momento com os dois era sua coisa favorita. Me fez lembrar o quanto eu guardo certas coisas dentro de mim e que algum dia eu vou me arrepender por não ter dito.

Mas voltando a comentar um pouco s0bre a série: o trio de personagens principal tem força o bastante para você simpatizar com alguém, quem quer que seja. Ou até mesmo os personagens de “apoio” como Yurika e Jun. A Ritsuko talvez seja a mais ‘fraquinha’, já que tem bem menos tempo de tela e às vezes realmente me irritava com a sua indecisão – porém vale dizer que ela foi extremamente importante no amadurecimento de Kaoru. Sentaro parecia ser apenas mais um personagem fortão, mas você já percebe logo de cara que ele tem algo mais profundo em sua vida e vai acompanhando pouco a pouco o garoto se abrindo para o amigo. No final do anime nós conseguimos perceber onde ele está forçando um sorriso e apenas pelos trejeitos sabemos o que ele realmente está sentindo. Imaginem aquele seu amigo que você chega no colégio e já sabe dizer como ele se sente. É assim que você vai conseguir se apegar ao “grandalhão”.

Só que o meu personagem favorito (apesar de ser um babaca no final) é o Kaoru. No começo ele parecia ser um cara arrogante, não gostava de se misturar com as pessoas e sentia até mesmo um certo enjoo com pequenos estresses. Aos poucos percebemos que ele é assim por certos motivos, como não conseguir se relacionar direito com as pessoas pelo fato dele sempre mudar de colégio e acabava perdendo qualquer laço de amizade com um amigo, mesmo esse prometendo que enviaria cartas. Tanto que ele acaba usando a música como uma certa desculpa para poder se aproximar do Sentaro, mesmo ele dizendo que era apenas para mostrar que com prática ele poderia entender jazz. Fora algumas coisinhas pequenas que mostram a personalidade do garoto, como por exemplo ele sempre tirar os óculos na frente da Ritsuko porque ela elogiou seus olhos.

O grande fato é que os 3 personagens se completaram do início ao fim. A cena final e sua relação com o começo da série – inclusive na imagem do banco coberto por um lençol branco – mostra o quanto a amizade dos 3 ultrapassou as barreiras e se transformou em algo muito mais lindo e profundo do que poderíamos imaginar ao começarmos a acompanhar a série. Foi um amor puro e que conseguiu tocar muitos com uma sensibilidade acima da média na direção de Watanabe e em um trabalho simplesmente fantástico exibido no noitaminA. Digno de se tornar uma série marcante e memorável durante muitos anos.

Comentários Gerais

Muitos podem achar o anime chato como eu vi um pessoal na internet comentando. Claro, é questão de gosto, mas eu tive uma ótima experiência com Sakamichi no Apollon. Ele me lembrou dos vários motivos que eu sou apaixonado por animes e que eu não devo ter vergonha de comentar para os outros que tenho um blog de animes. Ele não tem personagens rasos como outras séries, a animação é linda e a história vai crescendo positivamente aos poucos. Eu recomendo que vocês assistam, mesmo os que deixaram de lado logo após o primeiro episódio. Não importa se no final tivemos um final “gay” como sugeriu o Panino Manino no Subete, ou até mesmo um final “machista” como dito pela Valéria do Shoujo Café. No fim, Sakamichi soube marcar e se impôr na indústria. Mostrou que os japoneses ainda sabem manter um ritmo e uma narrativa que emociona, que encanta, e que virou escola e não foi a toa.

Vale citar também que Apollon foi baseado em um mangá de Yuki Kodama, e como toda adaptação houveram críticas por algumas “lacunas” deixadas para trás, principalmente na parte do timeskip (que obviamente não será comentada mais afundo para evitar spoilers para os leitores). Mesmo assim, analisando o anime como uma mídia “única”, em que você deve assimilar as informações contidas naquele tipo de veículos, podemos dizer que Apollon fechou satisfatoriamente bem, com um ritmo um pouco mais rápido no final devido aos seus apenas 12 episódios, mas que mesmo assim não comprometeram o resultado final da série.

Sim, eu comecei a ver Sakamichi basicamente porque era do diretor de Cowboy Bebop e que tinha a promessa de ser um ótimo anime sobre música – algo que está faltando hoje em dia. No final do anime eu fiquei deprimido, não porque o final foi triste e sim porque eu queria acompanhar mais um pouco da vida daqueles personagens e ver sua amizade crescendo ainda mais. Infelizmente acabou e um buraco no meio peito ficou aberto por não ter mais nada depois…

por Luk e Dih

Luk

Luk

Eu juro que gosto de animes, apesar de todo o meu haterismo.

Related Post

  • Carol

    Essa série é muito boa mesmo. Me arrepiava toda fez que eles começavam a tocar. E sim ela deixou um buraco no peito, mas o mangá tem um pouco da continuação a partir do capítulo 40~41.

    Poucas séries mexeram tanto comigo como Sakamichi no Apollon. Série nota dez =)

    • aonde eu encontro o mangá em português?

  • Um dos melhores animes de poucos episódios que já assisti (depois de Ano Hana).

    O curioso dele é que é tão suave, divertido e focado numa historia sem complexidades, que os eps passam num estante.

    Adorei e recomendo a quem gosta de animes simples e românticos.

  • Ótima review. Um dos meus animes favoritos com certeza, muito emocionante. Eu só não gostei muito do final, deixou várias dúvidas e incertezas principalmente o motivo do Sentarō ter fugido. Foi meio decepcionante não poder saber isso D: Mas tirando o último episódio todo o resto foi perfeito.

  • hugodsouza

    Me abraça cara,sei como se sente.
    “Só que temporadas como a de Julho de 2012 me fazem esquecer sobre o porquê de eu gostar disso. São vários animes sobre a vida escolar com menininhas bonitinhas e que parecem ter 12 anos”

  • É ótimo quando se tem uma obra linda e agradável como essa, quando se percebe que está em uma geração da qual obras de ação, aventura, etc são o foco do público.
    Sakamichi no Apollon matou a falta por Nodame Cantabile, sem duvidas. Marcou quem assistiu e acalmou até mesmo aqueles acostumados com o ritmo “frenético” dos animes de hoje.
    Obra realmente magnifica! Eu já me apaixonei por música clássica depois de assistir Nodame, agora virei fã de jazz depois de ver Apollon.

  • Assisto anime desde moleque, mas já fazia uns 2 anos que não encontrava nada que me chamasse a atenção. Já não tenho mais paciência pros shonens intermináveis e já estava até achando que não gostava mais de anime. Alguém falou no twitter de um anime sobre jazz e eu resolvi dar uma chance. Lá pelo 3º episódio ele já estava na minha lista de favoritos de todos os tempos junto com Beck e outros. Pena que a minha empolgação em voltar a assistir anime deu de cara com a porta com os fraquíssimos dessa temporada :/ Só fiquei com Binbougami ga pq gostei do humor dele e faço o esforço de ignorar todos os closes desnecessários em peitos e bundas de adolescentes. espero que volte a aparecer algo bacana como Apollon na próxima temporada 🙂

  • firedasrh

    o anime é surpreendentemente bom, em nenhum momento a narrativa fica cansativa e os personagens parecem muito humanos mesmo, com algumas pequenas diferenças não é dificil imaginar que esta historia foi real.

    Alguem sabe onde encontro o manga pra download ? de preferencia em pt-br,

  • Este anime fez comigo o mesmo que com você. Sério. Este anime fez-me acreditar que coisas sérias e boas ainda saem desta industria e que o ecchi é apenas outro lado (não me ataquem pois também vou vendo xD). “Guardei” o anime para ver quando acabasse, e que boa decisão! Vi o anime todo em menos de 12h, fiz direta pois não conseguia parar de ver. Foi simplesmente sensacional. Comecei a ver pelo Jazz mas depois tudo se ia interligando e criando a atmosfera certa para fluir perfeitamente. Os comentários de cenas gay são infundados mesmo, pode haver grande contacto entre o Kaoru e o Sentaro (fiquei um bocado meh quando eles fugiram no Bunkasai xD) mas ainda assim foi só amizade mesmo. Para finalizar: QUEM NÃO VIU VEJA *____*

  • Nossa, juro que estava ouvindo um jazz estilo fusion no youtube quando atualizei aki para ver se tinha mais posts. Bem vou ver esse anime, pois como já estava pesquisando o estilo mesmo fiquei interessado. Ah e na primeira palavra da linha 29 está escrito Sentado, acho que eh Sentaro né? mas ótimo post LUK.

  • Likou

    Eu tbm fui um dos q só se interessou pelo anime de início por ser do diretor de Cowbe, pela Yoko Kanno e pelo Jazz. Mas só por isso eu já julgava q tinha algo q eu gostaria ali. E com certeza está entre os animes q mais gostei de ter assistido recentemente, além de tbm me lembrar do pq eu gosto tanto de animes, junto com Uchuu Kyoudai. Ambas as séries colocam um sorriso no meu rosto ao ver cada episódio. Recomendadíssimos.

  • xD

    Auahsuahsuas, sei como é isso Luk. Tem anime que eu não tenho coragem de assistir se tiver alguem em casa.
    Sobre Sakamichi, já falaram tudo que eu queria falar, só posso dizer que está fazendo uma falta danada. Mas vou me contentar com Tari Tari nessa temporada ç.ç

  • Jefferson

    Um dos melhores animes que já assisti na vida. Uma história muito gostosa de acompanhar, com uma trilha sonora incrível, quando o grupo começa a tocar Jazz não tem como não se arrepiar, mesmo n curtindo muito, eu curto.
    O Shinichiro Watanabe já flertava com o Jazz em outras das suas produções, então acho que ele já devia tá se coçando pra fazer um anime assim, e ele n deixo a peteca cair, é até crueldade fazer um anime dessa qualidade com apenas 12 episódios. O último por exemplo eu achei muito corrido, mas ainda sim fecho com chave de ouro.

  • Valéria

    Eu tô bem fraca pra animes. Esse ano comecei vários e deixei todos pela metade porque mangás dominam muito mais o meu coração. Maaas enfim, pense em um anime polêmico? Opiniões sobre Sakamichi no Apollon pipocam em tudo que é lugar, ninguém nega a grandiosidade da obra, mas deixa de ser unânimidade quando se trata de gostar ou não.
    A review apaixonada (e apaixonante do Luk) me convenceu a deixar um pouco de lado meu catch up de Gintama (oh God, ainda tô no capítulo 209 y-y), Soul Eater, Gantz (sou uma ‘novata’ nesse mundo – sim e não – então tem muita coisa boa que eu ainda não li, quem dirá assistir), esquecer que todos os meus shoujos estão ainda pra sair esse mês e pegar o embalo de que Kuroshitsuji 71 já foi lançado e ir correndo assistir SnA.
    Obrigada pela dica 😉

  • Sou um otaku assisto anime o dia todo morro de vergonha meu padrasto minha mae e meus amigos me zoam e acham q eu tenho mentalidade de criança por ainda assistir “desenho”.

  • Novela animada.

    Me enjoava assistir esse anime,sério.

    O único ponto bom era a animação, que por sinal era em CG (eu acho ‘-‘).

    • Likou

      Agora só pq mostra uma vida normal e um pouco de romance tem q ser novela.

      • Taradon

        Mas parecia novela mesmo. Novela japonesa. Principalmente pelo triangulo amoroso (que no caso acabou virando um “pentagono”) e foco no desenvolvimento de personagens.

        O que nao digo que seja ruim. 😛
        O ponto ao qual quero chegar eh que Sakamichi no Apollon seria perfeito como um J-Drama, talvez ate melhor do que anime, e, pelo menos pra mim, eh uma surpresa nao ter recebido uma versao live action.

  • Pra mim essa foi uma das piores experiencias que já tive assistindo animes veio, na boa.
    As vezes tinha que para um pouco o mediaplayer pra ver se nao estava vendo a novela das 9 da globo.
    Só assisti até o finall por uma pequena promessa de algo difente, mas o final acabou sendo mais chato que o jazz que eles tocavam.
    Pelo contrario de vc achei os personagens até bem vazio e inverossimeis.
    A grande liçao do anime foi: largue os estudos que vc vai se dar bem, e se achar um bad boy fumante pra engravidar, melhor ainda!

    pro episodio final só digo: “5 Centimeters Per Second”.

    • Eu me esforcei para assistir o anime até o fim, mas tive que dropa-lo no 3º episodio. assistia no máximo uns 8 minutos do episódio por semana..

  • da vergonha assistir alguns animes, meu pai é de boa assiste junto as vezes principalmente se fosse dragon ball, lembro q na época tinha q chamar ele para assistir, já a minha madastra acha q animes são coisa mais besta do mundo por mostrar muita violência ( pq ela ñ viu outros animes), mas essa impressão do pessoal é por causa de ter só animes para o publico infantil na tv e se alguem ver alguma nudez no desenho acha q é hentai e se é violento é coisa do demonio, minha amiga tava vendo eu lendo evangelion e tinha uma um pouco safada e falou que eu tava lendo hentai mas brincando por que ela acha manga normal e bonito apesar de ñ ser fã.

  • Assisti o anime esperando uma série sobre música, com a amizade e romance como pano de fundo (algo meio Beck). Mas o que vi fou uma história de romance e amizade, tendo a música como pano de fundo. Não, estou dizendo que isso é ruim, apenas que me frustrei um pouco conforme fui assistindo.
    Ainda assim, não tem como não se simpatizar com a história e os personagens, e se maravilhar com toda cena de música. Realmente uma excelente série pra ser assistida =)

  • Absolutamente sensacional. E um absurdo um anime conseguir deixar tanta saudade e tristeza por ter acabado. História excelente pra quem é fã de animes com temáticas musicais e enredos “simples”. Sem superpoderes ou missões de salvar o mundo. A missão é só a de sobreviver as descobertas e situações que a vida traz…. Sakamichi no Apollon certamente atraiu no início pelos grandes nomes, mas sua história que parecia cliché no final valeu por cada minuto. Show!

  • Eu realmente não achei isso tudo desse anime, pra mim ele tem um começo extremamente mediano e normal, com nada de mais, e depois da metade do anime ele fica muito bom, os personagens e suas relações são bastante verossímeis, se desenvolvem muito bem, mas não me tocou tanto quanto foi descrito no post, um anime que me passou todos esses sentimentos narrados foi Hourou Musuko, um anime incrível, uma obra prima. Talvez eu não tenha ficado tão tocado com Apollon por não ser muito ligado à música, mas era muito agradável ouvir as sessões de jazz, e concordo com a qualidade de todas as cenas em que eles tocam e se expressam através da música, mas não é um anime tão bom quanto foi dito, definitivamente não, um anime normal que retrata música, com um bom desenvolvimento de seus personagens e suas relações.

  • Hashimoto

    Então… Apollon foi um dos melhores animes desse ano, isso não tem o que discutir. Como disseram, é um anime sobre três amigos com a música como pano de fundo, e isso funciona muito bem.

    Me interessei pelo anime desde os primeiros teasers, a animação parecia diferente demais, quase beirando ao épico; a movimentação do Sentarou e das baquetas era fantástico, sem dúvida um excelente trabalho do estúdio de animação. E a trilha é muito boa, até brincava antes que nos finais dos episódios me vinha a cabeça a bgm de CowBe, aquela dos finais dos episódios com as clássicas frases do tipo “See you space cowboy…”. Ficava lembrando por muito tempo… muito bom.

    Maaas, Apollon me deixou do mesmo jeito que Ano Hana ano passado. Os dois são ótimos, mas o feeling que fica quando a gente lembra depois, muito depois, pra mim, é estranho. Acho que é por causa do final dos dois (que foi aquela choradeira); ainda que o final de Ano Hana tenha sido forçado (e isso me fez tirar muito do crédito da série), o de Apollon foi muito bacana. Foi daqueles “vamos esquecer de tudo e curtir o momento”, mas foi legal.

    Enfim, recomendado para quem gosta de boa música e pra quem gosta de um bom josei. 🙂 Ah, só um adendo sobre a temporada de julho: Jinrui wa Suitai Shimashita, um anime realmente surpreendente no meio de tanto “mais do mesmo” dos últimos tempos; Muv Luv, que tá melhorando mais e mais (aqui fala alguém que dormiu no primeiro episódio, mas que acertou em assistir o segundo XD); Binbougami ga!, pra quem quiser chorar de rir; Natsuyuki, pra quem curtir um bom josei; e Sword Art Online, só pra passar o tempo. 😉

  • Elisabete Feitoza

    Pra mim o melhor anime do ano de 2012 e dos últimos anos, prendeu do começo ao fim… Torço por um OVA, talvez um reencontro deles com o Jun, personagem fantástico, confesso que senti falta dele no ultimo episódio…

  • Sakamichi é LINDO! Um dos melhores de 2012 mesmo! O final é muito bom. Comprar com novela é para fracos. O anime é drama mas é dos bons! O desenvolvimento dos personagens também é muito bem feito!

  • Comecei a assistir por conta desse review… e o que eu achei?
    Simplesmente perfeito!

  • Sakamichi no Apollon uns acham o melhor anime do ano, outros acham o anime yaoi do ano. No meu caso eu dormi enquanto assistia, achei muito chato.

    A proposta é boa mostrar o Jazz e como era essa época no Japão, porem não tenho mais paciência para animes que seguem num ritmo de novelinha, mas esse roteiro daria um ótimo dorama.

  • Um anime muito bom e uma trilha musical marcante, o melhor do ano até agora, na minha opinião.

  • Confesso que me emocionei lendo a postagem. Também me senti assim. Sakamichi é um anime envolvente. Talvez pelo Jazz, talvez pelo carisma dos personagens principais. Desde a primeira cena, o espectador passa a se sentir como cúmplice. Há identificação. Ele desperta, a cada episódio, a certeza de que “o estar junto” é capaz de mudar a perspectiva de nossas vidas. Mostra o nascimento da fraternidade, que é quando o amor se manifesta, de fato, sem preconceitos… Foi uma boa surpresa! 😀

  • Yuri Marques

    pessoal isso ta fora de foco mais fiquei realmente louco pra ver esse anime uahshuashuahsu mais tem algum fansub que traduziu, vai traduzir?

  • Vanielly Dias

    Esse anime foi paixão do começo ao fim, tanto que chorei no final. ^^
    Ele é uma ótima indicação de anime de música, cada detalhe lhe prende… É excepcional 🙂

  • Douglas

    Começei a ver o anime porcausa do seu blog e confesso que não me arrependo nem um pouco! Que anime booom cara, realmente emocionante e nada cansativo… e como você eu realmente me sinto triste ao saber que não tem mais nada pra ver da história desses inesquecíveis e maravilhosos personagens,mas… é isso! SAKAMICHI NO APOLLON FOREVER!!! =)

  • saroca9a

    Amei muito o seu blog, acho que esse anime é mesmo bom, gostei muito de conhcer seu blog, porque meus amigos diziam que era MARAVILHOSO!!
    E é verdade, beijiinhos.

  • Patrick Paiva

    Gostei bastante da postagem e venho acompanhando esse blog faz algum tempo.

    • Patrick Paiva

      gostaria de saber o facebook do blog!

      • Luk

        Olha ali na direita, la em cima. Tem uma caixa pro facebook do blog.

  • Kid Kaos

    Depois de ter Lídio o revire do site decidi assistir Sakamichi no Apollon (junto do meu pai que é musico). Mas não pude entender bem o final, Tudo que acontece depois do ******** do Sentaro (no episódio 11) parece forçado e fora da personalidade dos personagens (a atitude do Kaoru em relação a Ritsuko, e a própria atitude do Sentaro depois do ********)
    No fim foi um anime bom, não foi o melhor ds 2012 como eu achei (talvez seja o melhor na parte técnica, já que a animação superou até Fate/Zero, que foi o melhor do ano pra mim).

  • Ninguém. weee~

    Kawabuchi Sentado foi o meu homolust da temporada. (?)

  • Pingback: Minhas 5 séries favoritas – por Luk | ChuNan! – Chuva de Nanquim()

  • Pingback: Novo mangá da autora de Sakamichi no Apollon no Japão | ChuNan! – Chuva de Nanquim()

  • Pingback: Yopinando Podcast 12 – Sakamichi no Apollon « YOpinando…()

  • Pingback: Yopinando Podcast 12 – Sakamichi no Apollon « Anime Portfolio()

  • Pingback: Eu Recomendo Especial Parte 1 – Os melhores de 2012: Inverno e Primavera | ChuNan! – Chuva de Nanquim()

  • Biel-Kun

    No final do anime eu fiquei deprimido, não porque o final foi triste e sim porque eu queria acompanhar mais um pouco da vida daqueles personagens e ver sua amizade crescendo ainda mais.

    Exatamente oque eu penso *——————-*

  • Adorei o seu post! Achei seu blog sem querer pois estava procurando o nome da música do final dos episódios (se vc souber, me fale, por favor? rs).
    Nunca tinha acompanhado uma série de anime antes; um amigo sugeriu e acabei assistindo. Concordo com tudo o que vc disse e me apaixonei pela série. Faço minhas as tuas palavras “No final do anime eu fiquei deprimido, não porque o final foi triste e sim porque eu queria acompanhar mais um pouco da vida daqueles personagens e ver sua amizade crescendo ainda mais. Infelizmente acabou e um buraco no meio peito ficou aberto por não ter mais nada depois…”
    Vou passar a acompanhar teu blog. Mto bom. Parabéns!

  • Lyw Hunter

    Fantástico o Review!
    Sakamichi no Apollon foi uma adorável surpresa para mim, uma história envolvente que fala de amizade sincera em variados níveis. Watanabe-San mostra mais uma vez que é mestre!!
    São posts como esse que me fazem cada vez mais confimar minha preferência pelo Chunan, como referência de infos do mundo Animê.
    Parabéns Luk e Dih pelo texto impecável e concordo sobre o final, ficou um buraco no peito, uma vontade enorme de saber o que viria depois…

    PS: Pasma pela autora ser Yuuki Kodama, pois o traço que conhecia dela era diferente de Sakamichi…

    • Lyw Hunter

      Vendo outras informações sobre a autora, comecei a ficar na dúvida: a mangaká é a mesma de Blood Lad?, poderiam me esclarecer sobre isso?

  • Pingback: Trailer de ‘Space Dandy’, novo anime de Shinichiro Watanabe | ChuNan! - Chuva de Nanquim()

  • Pingback: Eu Recomendo #13 – Animes Musicais | ChuNan! - Chuva de Nanquim()

  • Raquel

    Realmente, Sakamichi no Apollo é fantástico. De uma simplicidade que me emociona. Desde a abertura até o último episódio. Vai ficar na minha lista de animes que verei novamente. Sério, amei mesmo. Uma experiencia diferente que valeu a pena !! ^_____^

  • Bruno Cabral

    Meu nome é Bruno. Sou musico desde pequeno, 21 anos e amo séries, filmes e animes.
    Gostaria de dizer que gostei desse rewiew, e que para quem sabe interpretar, sentir e admirar um trabalho não é algo que todos tenham em mente. Esse anime é simplesmente fantástico, não só pelo fato de ser feito pelo mesmo diretor de C. Bebop( que trabalha muito bem), mas a história em sí retrata o que se passava nos anos 60, o surgimento do “Rock’n Roll” para diminuir a grandeza e a beleza do Jazz.
    Além dos fatos, a história nos proporciona cenas cômicas, e momentos de muita emoção que entre nós, quem é um amante da musica, e tem o coração sensível em questão de gostar de alguém, ou querer cuidar de alguém (Família) vale a pena a lagrima escorrer pelo seu rosto, pois vemos algo que pode se passar e retratar o dia-a-dia de alguém. Isso mostra a grandeza desse trabalho, o quão deve se dar valor por algo que venha a nos edificar, pois a amizade, o vinculo que eles criam, o amor que um tem pelo outro, mesmo cada um tendo sua personalidade diferente. Existe filmes que toca no coração pela maneira que é produzida para ser vitalicia, fiel e passar uma mensagem para quem assiste; E esse desenho certamente, quem assistiu até o fim, viu a beleza e sentiu muita emoção pela sua belíssima história.
    Irei torcer para que produzam mais animes com essa mesma beleza, pois são inesquecíveis para quem gosta de assistir algo bom.

  • Péricles

    “Me fez lembrar o quanto eu guardo certas coisas dentro de mim e que algum dia eu vou me arrepender por não ter dito”. Somos dois

  • bruna

    entendo cm vc se sente, acabei de assistir e fui procurar a ost dele quando descobri que vc fez uma review dele, cm fã do seu blog tive q parar pra ler…concordo com td, logo no meio da série me dei conta q n é só um anime de menininhas e sim uma Obra q foi belíssima mente trabalhada e q n perde o foco!! tbm estou com um buraco no estômago, e eu tive contato com o anime através da neo tokyo desse mês, passei na banca e vi anime e jazz, por causa de uta no prince-sama tive contato com o jazz e me apaixonei até hj curto e amo o bom é velho jazz de New orleans! ! comecei a ver o anime por causa do jazz e n me arrependi, ele falou de coisas profundas cm racismo, focou na amizade, sentimentos, jazz da mais boa qualidade, historia, enfim, td nesse anime me tocou Pq tenho uma amizade assim, e cm o riquinho tbm n tive amigos e nunca confiei em ninguém pelos mesmos motivos que ele, assim cm ele tbm encontrei um kawabuchi, q virou cm uma irmã. E algumas coisas que ele fez tipo a cena da praia meio q entendo ele, fico impressionada cm eles trabalharam tão bem algo q eles n devem ter passado…enfim, ainda estou maravilhada com a obra!!! XD

  • Nossa, é maravilhoso poder ler algo como este artigo onde eu posso enxergar meus próprios sentimentos.
    Eu sempre fui aquela que optava por um “clichêzinho”, mas depois de Sakamichi no Apollon, isso mudou – não só isso como eu também.
    A forma de como a amizade é abordada é incrivelmente íntima e sensível, me fazendo enxergar como é precioso este tipo de laço e como devemos prezar o mesmo (algo que não fiz, confesso).
    Sinceramente, este anime mudou meu jeito de ver muitas coisas ao me redor e SEMPRE que recomendo qualquer anime, Sakamichi é o primeiro.
    E sim, eu entendo esta vergonha que você fala e me sinto exatamente assim quando trata deste anime…ela some.

    Uma lição de vida. Marcante! <3

  • Mestre Kame

    Eu Nem Sei O QUE Falar. ..Sério. ….. eu acabei de ver essa obra prima hoje!! Caraca velho suor hétero escorreu nos eps finais!!! Diz aí geral pensou que o sentaro tinha morrido naquele acidente, sei lá vey mexeu demais cmg. Fora os personagens secundários muito bem trabalhados!! Enfim um dos melhores que já vi.

  • Ana Carolina

    Cara, eu tinha este anime nas minhas pastas a tanto tempo e me amaldiçoo por não tê-lo assistido o quanto antes. Ele é perfeito. Concordo completamente com seus dizeres! Ele é muito marcante, essa riqueza de detalhes, que nos faz ir montado os quebra-cabeças e as personalidades dos personagens e tudo mais.
    Confesso que ao ver o primeiro episódio, eu fiquei muito, muito feliz! Pensei “Yaoi?!”, Rsrsr, estava vendo Code Geass, e na pasta onde encontrei Sakamichi só havia animes do tipo “SAO”, então imagine que ao ver um suposto yaoi na pasta nada-a-ver-com-tal, a reação foi a melhor! (Não melhor do que a de quando descobri que eles tocavam Jazz!!!) Rsrs, enfim, mas ao continuar vendo, só pude dizer que este Anime ficou marcado dentre muitos outros que eu amei e que me tocaram de várias formas. Certamente está recomendadíssimo para quem ainda não leu!

  • Gabriel

    Meu anime n° 1 do coraçãoooo!!!
    Sakamichi marcou muito minha vida e me fez crescer muito como pessoa, é uma bela historia de amizade( que pena que não existem historias assim na vida real) que mistura a música e diversos outros sentimentos.
    Na minha época lembro que era muito difícil encontrar pessoas que assistiam o anime pelo fato de ser do gênero drama, josei, slice of life e musical( meus favoritos).
    Enfim, até hoje tenho todos os episódios salvos em um DvD e sempre que posso revejo. Muito obrigado por ter feito parte da minha vida Sakamichi no Apollon!!!

  • “They write songs about love but it’s not for me…” Sim meu amigo agradeço muito pelo texto pois encontrei Sakamichi pelo Youtube enquanto cassava Chet Baker, na boa muito bem feito e interessante! Irei ver assim que possível!