Overlord e a dominação carismática de Ainz Ooal Gown

overlordanimemateriaTodos saúdam Ainz Ooal Gown!

Overlord é originalmente uma light novel escrita por Kugane Maruyama. O autor publicava a série na internet em meados de 2010, até a Enterbrain ter interesse em investir na historia que hoje conta com um total de 09 volumes ainda em publicação. O anime está sendo exibido nesta temporada de verão japonês, tendo como estúdio de animação o famoso Madhouse.

Ainz Ooal Gown é o protagonista e o centro do tema que venho tratar nesse texto. Ele, assim como os personagens da grande maioria das histórias voltadas para um mundo MMO, está preso no jogo de forma misteriosa e precisa se adaptar e viver até que consiga achar uma saída. Durante uma cena do anime, mais precisamente aonde Ainz conversava com um de seus fieis soldados, o poderoso ser esquelético comentou despretensiosamente sobre como seria divertido conquistar aquele novo mundo que o cercava. E contemplando a vasta paisagem que ele via do alto de sua guilda, senti algo dentro de mim ressoar: se eu estivesse naquele mundo, seguiria as ordens de Ainz, com toda a certeza. Digo mais, você seguiria de bom grado também. E após o episódio terminar, fechei o monitor e comecei a pensar no porque dessa confirmação. E a resposta que encontrei é bem simples: Ainz é um líder nato e o autor o constrói de forma minimalista para o enxergarmos assim.

Overlord-anime-teaser-009

Mas então, o que é necessário para ser um líder e por quê Ainz se encaixaria nesse perfil?

Existe dois elementos essenciais para que alguém se torne um líder notável: poder e (esse talvez o que faça a maioria dos homens que chegaram ao topo e entraram na historia) o mais importante: carisma. Liderança e carisma são duas palavras que estão praticamente casadas uma com a outra. É impossível ser um bom líder se não tiver carisma. Você pode até seguir as ordens de alguém que não gosta, mas com certeza seria mais conveniente para ambos que você sentisse empatia por quem irá te comandar. Ao ver um tirano, é como se você sentisse que é uma formiga a frente de um leão. Ainda se têm a imponência e força que alguém a frente deve ter, mas você geralmente é movido mais pelo medo ou uma regra estabelecida e segue suas ordens baseadas nesses fatores, por isso mesmo regimes totalitaristas como o fascismo italiano usavam de propagandas para investirem na maneira como a população via seu líder, seu objetivo era transformá-lo em um ser carismático.

Para exemplificar melhor, vamos a uma aula básica de sociologia. Max Weber, conhecido por ter “criado” a palavra carisma em seu trabalho sobre sociologia politica, desenvolveu três tipos de dominação: a legal, que se baseia unicamente no profissionalismo e na hierarquia da empresa, desprovida de qualquer sentimento; a tradicional que como o nome já diz, vem enraizado das regras sociais, como e relação entre pais e filhos; e  a última delas definida como “dominação carismática”, onde o carisma é “determinada qualidade de uma personalidade individual pela qual um líder se destaca dos homens comuns e é tratado como dotado de qualidades sobre-humanas ou pelo menos excepcionais, considerado como se tivesse poderes mágicos”. Ao ver um anime ou ler um manga, você prefere o personagem que sempre esta sendo derrotado ou o que demostra sua força, das várias maneira que ela pode se aplicar? Poucos gostam de um Shinji, mesmo achando válido seu  estado emotivo e comportamental, apesar de no caso dele ter sido criado com esse objetivo. A grande maioria adoram o Goku, ainda que ele tenha uma personalidade bem plana e padrão. Isso se deve a sua força, que ao estar interligada a boa construção do seu carisma causa esse sentimento em quem acompanha seus feitos. Ainz cumpre a cartilha como bom seguidor da dominação carismática  de maneira mais literal, como Goku com seu power level extremamente alto, sendo praticamente um deus no universo da obra. Apesar de que não é necessário um personagem começar forte para se construir seu carisma. Muitas obras como, por exemplo Naruto, começam com seus personagens fracos e ao longo de seu trajeto vão ficando fortes.

Planime-Overlord-01-v23B285585

Kugane ainda usa de outra característica apontada por Weber para criar o carisma de Ainz: “o que é de fato importante é como a pessoa é vista por aqueles sujeitos à sua autoridade carismática, por seus ‘seguidores’ ou ‘discípulos’. Em outras palavras, os seguidores distinguem o líder dos outros e lhe concedem o carisma”. Esse elemento é usado e abusado em várias obras, principalmente as de ação. Quem nunca viu uma afirmativa de algum personagem falando o quanto o protagonista está forte ou se desenvolveu? Somos mais fáceis a reconhecer as qualidades de alguém quando outra pessoa as acentua. Sim, parece estranho, mas é verdade. Se alguém te falar que a pessoa a sua frente é um ótimo escritor, você já a olha de maneira diferente. Esse tipo de característica é usado em Overlord pelos NPCs que criaram vida e personalidade após o jogo se tornar real, os rotulados seguidores de Ainz, extremamente leais ao seu mestre. Kugane demostrar a todo momento por meio destes NPCs o amor e confiança que eles tem por seu mestre. O primeiro episódio do anime foi dedicado inteiramente a nos convencer disso. E talvez  a sacada mais genial do autor ao montar o personagem: no fundo, Ainz é tão humano quanto nós, mesmo que naquele mundo ele tenha um corpo e características de um esqueleto, nós podemos ouvir seus pensamentos, que legitimamente são humanos. Essa é a ponte que nos torna intimo com o protagonista, onde Kugane nos diz que “ei, ele pode ser um monstro, mas ainda é um gamer como você provavelmente também é”.

Muitos protagonistas de outras obras usam de várias das características de dominação carismática que Weber definiu para montar a personalidade e até mesmo a historia deles. Um conceito sociológico que se tornou ferramenta essencial para autores ao longo dos anos.  Agora deixe-me ir pois Ainz-sama me chama para mais uma de suas conquistas.
CM_Ex7iVAAApjTH

Related Post

  • Eu já estava querendo ver Overlord pelo o quanto meus amigos falam sobre, agora eu quero ver bem mais, eu gosto muito de obras onde seus protagonistas são carismáticos e mostram o poder que tem, mas ao mesmo tempo você consegue compreender seus sentimentos, quase como se fossem seus…

    Gostei muito de seu texto! =**

  • Interessante o que você falou do Shinji e do Goku. Por outro lado, tabém podemos ver essa empatia como uma forma de se projetar no personagem. Sendo o Goku o mais forte do universo, todos querem ser como ele; sendo Shinji o que mais sofre em EVA, todos querem evitar de ser ele. Goku e Ainz são heróis épicos, líderes natos (como você mesmo diz) e que transbordam carisma, arquétipos/modelos de seres humanos ideais (a quem todos querem seguir); Shinji é o arquétipo do herói trágico, aquele que, como nas tragédias gregas, é natural não querermos seguir o mesmo caminho ou cometer os mesmos erros, embora também tenham seu valor intrínseco, pois são deles que aprendemos sobre o outro caminho.

    Há também a questão da catarse nas tragédias. Acredito que os heróis trágicos sejam mais catárticos enquanto que esses como o Ainz, digo, épicos, estejam num âmbito de que podemos chamar de inspiradores.

  • Muito bom seu texto e acho que me fez perceber porque gostei de overlord mas ainda nãoi tinha sacado essa de vê-lo como líder nato, com certeza você tem razão nisso.

  • Micael Okamura

    Bom, sempre me diziam que um líder que tem um excelente discurso e falatória, e que aparece no momento certo, sempre se destaca. Hitler, pois mais terrível que ele tenha sido para a história mundial, é admirável a falatória dele, a forma como ele fazia seus discursos. Além disso, levando em conta o contexto histórico, onde a Alemanha tinha numa guerra anterior sido humilhada, o cara emerge com um discurso feito de maneira genial, e é aí que ele se torna um grande líder. Repito, NÃO AFIRMO QUE ELE TENHA SIDO BOM, PELO CONTRÁRIO, TODO MUNDO QUE ESTUDOU SEGUNDA GUERRA SABE O QUE O HITLER CAUSOU AO MUNDO, mas sabemos que ele só virou o que é hoje porque ele sabia discursar e convencer as pessoas, além de que o contexto histórico o permitiu ter inúmeros seguidores.
    O mesmo posso dizer de caras como Mussolini e Antônio Conselheiro. A história está cheia de líderes que apareceram no momento certo e sabiam discursar e convencer de foram excelente. Fora outros pequenos fatores, que não vem ao caso.
    Ainz é um bom líder, ele tem o carisma e a força para liderar. Isso é genial nesse anime, por isso afirmo que é um dos melhores animes desta temporada.

    • “sempre me diziam que um líder que tem um excelente discurso e falatória” -> @Micael… não seria… um excelente discurso e RETÓRICA??? O.o

  • all hail Ainz Ooal Gown!

  • Kingfrog

    Um texto digno de ainz-sama

  • Paulo

    Eu já disse numa outra oportunidade que achava esse anime bem mediano e o continuo com a mesma opinião, mesmo considerando o fato de que o último episódio exibido tenha sido melhor do que o esperado da minha parte.
    Sobre o Ainz, eu tenho uma visão diferente do autor, pois eu não o seguiria, pois apesar de considerá-lo forte, não consigo sentir nenhuma empatia pelo personagem.
    O autor citou um exemplo de que se uma pessoa diz para você que determinado escritor é bom, você passa a enxergá-lo de maneira diferente, acho isso um equívoco, pois eu não vou mudar minha impressão sobre algo, só porque alguém disse que aquilo é bom ou ruim, só pessoas de personalidade fraca agem de tal forma. É preciso ver por si mesmo se algo é bom ou ruim, sem levar em conta a opinião de terceiros no momento da avaliação.
    Voltando ao Ainz, como disse anteriormente não acho o personagem carismático, logo seu aspecto como líder não me impressiona, Até agora nenhum dos seus feitos me fez pensar “tá aí alguém que o seguiria”. Posso estar errado, mas tenho a impressão de que os subordinados o seguem muito mais pela força que ele possui do que pelo carisma do mesmo.
    Em resumo acho que existe uma supervalorização do anime e do protagonista em questão, logo não compartilho da opinião de que o Ainz seja um líder notável.

    • Dieslley

      Olha só, alguém que compartilha de uma visão semelhante à minha! Desde o começo do anime achei muito forçado como o protagonista nos é apresentado. Sempre me pareceu que ele só tem seguidores pela demonstração de seus poderes e não por carisma. Claro, tem a parte de que ele não é um egocêntrico, que usa e abusa de seus grandes poderes, só para satisfazer seu ego ou coisa parecida. Porém, não consigo sentir admiração por alguém que já está no topo e tem tudo na mão, sem se esforçar para tal.

    • @Paulo, concordo com alguns pontos da sua argumentação, mas discordo de outros.

      No que diz respeito a sentir empatia pelo líder X, de fato tens toda a razão, se a pessoa não sentir empatia pelo cara, realmente só vai segui-la se forçada for, ou por outros interesses que não exatamente pelo menos um pouco dos mesmos ideais e/ou pensamentos.

      Por outro lado, “pois eu não vou mudar minha impressão sobre algo, só porque alguém disse que aquilo é bom ou ruim, só pessoas de personalidade fraca agem de tal forma”, não creio que você esteja certo ao dizer isto, mas também não acho que as pessoas o enxergariam diferente de maneira imediata. Acho que o que o @Adra quis dizer é que diante de uma premissa que você não tinha acerca daquela pessoa (e era neutro em relação a ela), o seu olhar sobre ela pode ser alterado. E isto é verdade.
      A recomendação que usamos para tudo, seja animes, mangás, séries em geral, filmes, livros, jogos, e talvez até certos eventos esportivos, tudo tem disto. Você é próximo de alguém, independente do tipo de relação social, e recomenda-lhe algo: se a pessoa já viu, ok. Se a pessoa não viu e não ouviu falar de maneira mais aprofundada, ela já vai ter uma premissa a respeito daquilo. Isto não quer dizer que ela seguirá a sua recomendação, mas ela tem a opção de testar ou não aquilo que você recomendou, entende?
      De fato você tem razão quando diz que “É preciso ver por si mesmo se algo é bom ou ruim, sem levar em conta a opinião de terceiros no momento da avaliação.”, mas uma recomendação ou não-recomendação sobre algo, perante tantas coisas que temos por aí, às vezes te faz ganhar tempo (ou não perder tempo) acerca de certas coisas. Ainda acredito que o teste da coisa em si é sempre o melhor caminho, mas se às vezes as sinopses são fracas, a recomendação de algo pode te fazer assistir algo extremamente legal que você deixaria pelo caminho. Isto se chama ter personalidade fraca? De modo algum, e isto pode acabar mudando sua opinião em relação a algo. Foi exatamente o que aconteceu comigo diante de ‘Shimoneta’…

  • Um exemplo clássico é Gurren Lagann (spoilers a seguir). O objetivo da obra é contar uma grande história protagonizada pelo guri (que, de tão encolhido às suas emoções, esqueci o nome). Enquanto isso, o que atrai o público em geral é o Kamina, porque ele é de quem as pessoas se lembram mesmo tendo morrido no primeiro terço do animê. Ele é a figura carismática que surge como faceta da série, que a maioria das pessoas gostam e por que vibram tanto com aquilo.

    É curioso porque o padrão de personagem de battle shounen é aquele garoto que adora lutar e quer ser forte. Mesmo que ele ainda tenha um grande caminho pela frente, a essência que vimos desde os primeiros episódios é o que perdura para nos incentivar a continuar vendo. Naruto é isso.

    É claro que nem todo o mundo é persuadido pelo protagonista, muitos preferem espelhar-se em alguém como o Sasuke. Exatamente por esse motivo, imagino, Evangelion foi uma surpresa tão grande para as massas Japonesas, pois popularizou um personagem ridiculamente retraído, que, a princípio, não tinha motivação, um rumo, um objetivo claro que não sobreviver ao apocalipse e a si mesmo. Muitos viram que poderiam se identificar com pontos do Shinji sem precisar de uma imagem extrovertida e viva como um Goku.

    Bem, é interessante explorar montagens de líderes de maneiras criativas. Talvez eu até acabe vendo Overlord depois dessa haha

  • Vítor H.

    Pessoal comenta sobre seus feitos, o porque deles seguindo ele,esta é uma obra bem trabalhada a única coisa ou aspecto que julgo nesta série é pelo fato do personagem não demonstrar sentimento ou compaixão pelos outros,mesmo pelo fato dele não querer se mostrar fraco diante de seus subordinados ainda acho um aspecto que não deveria ter sido tirado o sentimento humano,o resto realmente não tenho o quer reclamar.Alguém saberia se existe outro jogador humano sem ser o MoMon No jogo?