Checklist – Panini: Maio de 2015

planetesmangachecklistFinal de Claymore também é destaque no mês da Panini!

Maio. Mês do trabalho. Coincidentemente as editoras resolveram soltar um pouco menos mangás do que o comum (não se alegre, foram só 1 ou 2 a menos de cada editora). A Panini apresenta nesse mês o lançamento de Planetes, mangá de Makoto Yukimura – mesmo autor de Vinland Saga, que já se provou um sucesso dentro da editora. Outro destaque é o final de Claymore depois de 6 anos de publicação no Brasil. Já Kimi ni Todoke chega em exatos 4 anos de publicação e encosta no Japão, fazendo com que nossa coleção entre em hiato (mais um shoujo, já que Yakumo entrou no mês anterior). Por sorte, os fãs agora contam com AohaRaido para preencher a vaga dos shoujos. Outro título que merece destaque é Naruto Pocket, que agora fica a 1 ano de distância de seu término – e que já tem Naruto Gold em seu encalço para o lançamento. Vamos ver como se dividiu a demografia desse mês?

demografia panini maioA Panini possui uma infinidade de shounens da Jump, isso não é novidade. Isso sempre a faz ter uma vantagem esmagadora sobre as outras demografias. Ao menos shoujo e seinen contam com 2 lançamentos cada em maio. Veremos se algo surge nos próximos meses para substituir séries como Kimi ni Todoke e Monster, por exemplo.

Como dito anteriormente, são 15 títulos nesse mês. Hora de preparar a sua listinha para o checklist da Panini  (sempre é bom reforçar que o checklist da Panini corre do dia 10 até o dia 10 do próximo mês, ou seja, 10 de maio até 10 de junho).


Claymore#27_1a-e-4a-capasCLAYMORE 27

Autor: Norihiro Yagi
Demografia: Shounen (Square Jump)
Periodicidade: Quadrimestral – Concluído no Japão com 27 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 192 páginas
Preço: R$ 12,90
EDIÇÃO FINAL

Maio traz o final de um dos mangás mais antigos da editora, que muitos queriam que fosse antecipado, mas mesmo assim ela manteve a sua periodicidade quadrimestral, talvez por questões contratuais. Voltando lá atrás quando comecei a comprar achava a arte do mangá bem comum, até me lembrava quadrinhos ocidentais, mas com o tempo me acostumei com o traço e o roteiro não decepcionava. É um mangá a menos… Será que a editora trará algum título no mesmo perfil para substituí-lo? Uma republicação, até mesmo no formato pocket, ajudaria aqueles que não podiam comprar lá em 2009.


Planetes#1_coversPLANETES 1

Autor: Makoto Yukimura
Demografia: Seinen (Morning)
Periodicidade: Bimestral – Concluído no Japão com 4 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 240 páginas (16 coloridas)
Preço: R$ 18,90
LANÇAMENTO

Enquanto temos títulos que acabam, outros começam. E que baita título para ser o lançamento do mês (e que quase foi adiado, mas a editora confirma sua estreia). Planetes é do mesmo autor de Vinland Saga. Fico curioso para conferir como ele tratou agora de um tema mais futurista e bem menos histórico. A história de Planetes se passa no futuro, em 2075, onde um grupo de astronautas, conhecidos como “semi”, funcionários da estação espacial Tecnora – a seção de detritos – tem o dever de coletar detritos espaciais que interferem com as atividades aeronáuticas da Terra. Após um acidente ocorrido em 2068 o problema do lixo espacial ganhou grande importância e destaque, e todo o lixo espacial – como satélites artificiais descartáveis​​, tanques abandonados de espaçonaves, resíduos decorrentes da construção de estações espaciais – estão em órbita, e o impacto destes objetos deles podem causar sérios acidentes. Por esse motivo, foi considerado necessário parar a corrida espacial e resolver tal problema.


KIMINI#23_1a-e-4a-capaKIMI NI TODOKE 23

Autor: Karuhi Shiina
Demografia: Shoujo (Betsuma)
Periodicidade: Bimestral – Em andamento no Japão com 23 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 192 páginas
Preço: R$ 11,90
ENTRANDO EM HIATO

Kimi ni Todoke (quase esquecemos de você, só que não) está de volta e o quanto será que a história não vai andar? Gosto da história, da arte, mas já tá se prolongando demais… Ele precisa acabar. Seu breve retorno depois de 4 meses de hiato mostra a força do título e também sua importância dentro da demografia, mesmo depois de tantos volumes. Uma pena que seja uma enorme dificuldade para quem quer começar a colecionar agora, já que os primeiros volumes são muitos difíceis de se encontrar, e quando se encontra é um absurdo de caro. Não é política da editora fazer reimpressões, até porque, apesar da grande pedida, o estoque do que não vender não é barato de se manter, mas uma republicação em formato pocket seria muito bem-vinda e vista por todos os fãs que querem, mas não acham os primeiros volumes.


20thCB16_1a-e-4a-capas20th CENTURY BOYS 16

Autor: Naoki Urasawa
Demografia: Seinen (Big Comic Spirits)
Periodicidade: Bimestral – Concluído no Japão com 22 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 208 páginas
Preço: R$ 11,90

A despedida de Monster no mês passado não foi uma despedida do mestre Urasawa. A molecada do século 20 ainda estará conosco por mais um ano, e será um dia triste quando nos despedirmos deles também. Há quem não tenha botado fé no título, muitos só começaram pela campanha de intercalar com Monster (que não deu certo a maior parte do tempo), já outros acreditavam que o título só apareceria por aqui se a nova publicação de Monster chegasse ao fim. 20th Century Boys está no rol de melhores títulos em publicação. Acho incrível como diversos fatos presentes nele podem ser comparados ao mundo real. Será que algum dia o mundo terá uma figura como o “Amigo”? Na era da internet e dos mimizentos eu duvido é muito disso.


Aoharaido#2_1a-e-4a-capasAOHARAIDO 2

Autor: Io Sakisaka
Demografia: Shoujo (Betsuma)
Periodicidade: Bimestral – Concluído no Japão com 13 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 184 páginas
Preço: R$12,90

O primeiro volume de Aoharaido parece ter feito um enorme sucesso. Recentemente o título voltou para a loja online da editora e aparentemente ganhou uma reimpressão. Uma grande ajuda para aqueles que tiverem dificuldade de conseguir – talvez por uma baixa tiragem da editora ou a má distribuição pelo rolo que vem acontecendo no mercado. O primeiro volume me pareceu muito só a preparação para a história toda, e me lembrou muito Karekano, mas com uma repaginada mais atual (Karekano é de 1995). Vejamos como será a evolução do título e se ele motivará a editora a trazer outros títulos da demografia.


Assassination#6_1a-e-4a-capasASSASSINATION CLASSROOM 6

Autor: Yusei Matsui
Demografia: Shounen (Shounen Jump)
Periodicidade: Bimestral – Em andamento no Japão com 14 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 192 páginas
Preço: R$12,90

Essa capa de Assassination Classroom não traz a mesma genialidade da anterior, mas todas essas caras do Koro-sensei deixam a coleção com um padrão muito peculiar. O título parece ser de sucesso, mas para aqueles que fizeram a assinatura este deverá ser o último volume à receber. Depois de tamanha confusão que foram as entregas dos volumes iniciais alguém terá coragem de renovar? A resposta da editora sobre esse problema é uma padrão que nada explica. Que essa confusão não implique em problemas para o título. Vejo o sucesso dele não só pela história interessante e bizarra, mas pela crítica social que ele trás nas suas entrelinhas.


Ataque#10_1a-e-4a-capasATAQUE DOS TITÃS 10

Autor: Hajime Isayama
Demografia: Shounen (Bessatsu Shonen Magazine)
Periodicidade: Bimestral – Em andamento no Japão com 16 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 192 páginas
Preço: R$ 11,90

Mês passado foi publicado o spin-off de Ataque dos Titãs e agora retoma-se o título principal. A parte inédita para quem acompanhou o anime vai evoluindo o roteiro, mas o desenho vai ficando cada vez mais complicado de se entender. A importância do título não deixa de ser grande, em breve estreará nos cinemas japoneses o filme em live action e na sequência uma série original para a TV – também em live action – começará a ser exibida. Será que algum destes materiais tem chance de chegar ao Brasil? Com a onda de home video trazendo até Death Note para cá, um anime de Ataque dos Titãs seria muito bem vindo.


Beel#17_1a-e-4a-capasBEELZEBUB 17

Autor: Ryuhei Tamura
Demografia: Shounen (Shounen Jump)
Periodicidade: Bimestral – Concluído no Japão com 28 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 184 páginas
Preço: R$ 11,90

A história de Beelzebub é uma das mais cativantes e é um dos mangás mais bem adaptados no país. Certos termos e frases podem deixá-lo datado, mas também bem nostálgico num futuro breve. O último volume trouxe um pouco de tudo da fórmula clássica dos shonens da Shonen Jump, do torneio ao romance inusitado do protagonista. Para onde a história irá pode ser interessante, a ponto de ser difícil entender os baixos rankings do título na revista em que foi publicado no Japão. Ao menos, que o título continue bem por aqui, Babuu.


DBALL#37_1a-e-4a-capaDRAGON BALL 37

Autor: Akira Toriyama
Demografia: Shounen (Shounen Jump)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 42 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 192 páginas
Preço: R$ 11,50

E já começa a contagem regressiva para o final de Dragon Ball mais uma vez. O que será que a Panini trará para substitui-lo? Será que o desejo de muitos fãs será atendido e veremos Dr. Slump novamente por aqui? Ou algum outro grande título da Jump pode dar as caras? Por hora vamos conferir mais uma vez a saga do esfomeado Buu em que se vê o quanto o autor já estava de saco cheio de escrever. Que o nosso herói, Mr. Satan, proteja o mercado nacional.


DXD#04_1a-e-4a-capaHIGH SCHOOL DXD 4

Autor: Ishibumi Ichiei, Mishima Hiroji e Miyama Zero
Demografia: Shounen (Dragon Age)
Periodicidade: Bimestral – Em andamento no Japão com 7 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 168 páginas
Preço: R$ 11,90

As trapalhadas de Issei e dos demais serviçais de Rias continua em uma história que lembra as fases de torneio clássica de shounens, mas que com certeza não vai seguir o caminho normal com suas altas doses de ecchi. O último volume inclusive foi bem carregado nisso, até justificando a classificação para maiores de 18 anos. O mangá está a poucos volumes de alcançar o Japão. Esperamos que o título mantenha-se forte para esse hiato que virá e retome sem problemas, além de incentivar que mais títulos com essa temática de demônios e de ecchi apareçam por aqui.


KUROKO#11_1a-e-4a-capaKUROKO NO BASKET 11

Autor: Tadatoshi Fujimaki
Demografia: Shounen (Shounen Jump)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 30 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 208 páginas
Preço: R$ 11,90

Essa capa de Kuroko, apesar de parecer genérica, está tão boa… Até é possível distinguir um pouco a personalidade de cada integrante da equipe. Já é quase um ano de publicação do título e parece que foi ontem que começou. Para quem assinou é ontem mesmo, já que chegaram os primeiros volumes da assinatura recentemente. É um dos poucos títulos que a periodicidade mensal colabora. Em uma pesquisa rápida parece ser um título com certa facilidade de se encontrar os primeiros volumes, se você não compra ou conhece quem goste da temática, junte-se ao time.


REBORN#21_1a-e-4a-capaTUTOR HITMAN REBORN! 21

Autor: Akira Amano
Demografia: Shounen (Shounen Jump)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 42 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 192 páginas
Preço: R$ 11,50

Falando em título mensal outro que vai de vento em popa muito bem é Reborn. Estamos na metade do título em uma saga que deixou a história realmente interessante. Não acompanhei o anime e nem o mangá anteriormente através de scanlators, quero ver mensalmente como a história cresce e decai – o que não vai ser nenhuma surpresa, já que vi acontecer antes em muitos títulos. Máfia é um tema legal e poderia ter mais obras por aqui. Acho que Nisekoi é o que mais quero ver publicado no Brasil. Espero e torço para que o resultado de Reborn, que causou a passagem dele para mensal, seja um incentivo para a editora trazê-lo.


Sankarea#08_1a-e-4a-capasSANKAREA 8

Autor: Mitsuru Hattori
Demografia: Shounen (Bessatsu Shounen Magazine)
Periodicidade: Bimestral – Concluído no Japão com 11 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 176 páginas
Preço: R$ 11,90

Sankarea é um dos mangás mais divertidos sendo publicados por aqui. É mais um mangá com a temática zumbi com um toque de ecchi, mas que desconstrói o gênero de uma forma muito boa e até certo ponto original. Há nele muito da essência de Sora no Otoshimono, principalmente no protagonista, e de Rosario+Vampire, na protagonista feminina. Após este serão apenas 3 volumes para o final, uma coleção até curta, se você ainda não tem corra atrás antes que o zumbi da hipervalorização do que sobrar nas lojas alcance você.


OnePiece#40_1a-e-4a-capasONE PIECE 40

Autor: Eiichiro Oda
Demografia: Shounen (Shounen Jump)
Periodicidade: Mensal – Em andamento no Japão com 77 volumes
Formato: 13,7 x 20 cm, 224 páginas
Preço: R$ 11,50

Novamente o volume está nas bancas. A diferença para quando saiu originalmente está em dois anos e meio, tendo muito chão até que as edições se alcancem. Não faço essa compra mensal, aderi naquele pacote inicial da editora quando o título voltou aqui, por isso não confiro e nem sei dizer quais as diferenças – apesar de saber que existe uma revisão em alguns termos. O título só tem mostrado e comprovado seu potencial. A saga de Enies Lobby já está engatando mais ainda e mostrando porque é uma das melhores.


NarutoPocket#60_1a-e-4a-capasNARUTO POCKET 60

Autor: Masashi Kishimoto
Demografia: Shounen (Shounen Jump)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 72 volumes
Formato: 11,4 x 17,7 cm, 192 páginas
Preço: R$ 9,50

Falar sobre Naruto Pocket só vai se tornar mais difícil depois do anúncio da republicação Gold do título, e ainda tem exatamente 1 ano de publicação. Quem está comprando nesta versão geralmente é quem não conseguiu pegar os primeiros volumes da primeira versão, o que, ao meu ver, é a mesma intenção do Gold para a geração que está agora conhecendo mangá agora, já que é impossível achar os primeiros volumes de ambas as coleções anteriores. Resta vermos quem cometerá a loucura de vender toda a coleção e embarcar nessa maluquice do Gold sem ter medo que ele seja cancelado.

Asevedo

Designer de formação, atualmente sou Assistente editorial da Panini Mangá. Acumulo mangás e HQ's, que espero conseguir ler um dia. Assisto animes de vez em nunca.

Related Post

  • E a facada vem nesse mês, todas as bimestrais que coleciono estão juntas: Aoharaido, Beelzebub, Ataque dos Titãs.

    Ainda levo Kuroko e Assassination que estão na assinatura.

    Dragon Ball eu parei no 30 e estou esperando acabar pra comprar no cartão de crédito. Já 20th Century Boys é outra que está congelada e eu preciso voltar.

    Estou pensando em Planetes, mas o preço pesou um pouco (sim, eu sei que vale a pena pela qualidade). Quem sabe na hora de pagar eu não pego.

    • @Asevedo, tem um erro no teu comentário de Assassination que eu só percebi agora. Você diz que esse é o último volume para quem fez assinatura, mas não é.
      A assinatura realmente tem 12 Kuroko + 6 Assassination, porém a assinatura não começou no volume 1 de cada, ela começou no 2.
      Ou seja, Kuroko vai ir até o volume 13 e Assassination até o 7. Ainda falta mais um volume do Koro-sensei para os assinantes. (infelizmente)

      • Acho que aí depende da assinatura, a minha fiz no AF e já lei o 1 de cada. Entrei no Auto Atendimento da Panini e para mim está lá a pendência de 3 edições, que seriam no caso Kuroko #11 e #12 e Assassination #6.

      • Bom, então talvez seja apenas para os do AF.
        Porque eu tive que comprar o 1 de cada em banca, pois eles não estavam no plano. Um amigo meu também teve o mesmo problema.
        A minha o Assassination vai até o 7 e o Kuroko até o 15, pois ganhei dois volumes extras por causa dos atrasos.

  • JMB

    Da Panini só levo mesmo 20th Century Boys (e levaria Claymore se a Panini se dignasse a fazer uma reimpressãozinha marota). E sobre esse negócio de tiragem: às vezes penso que, tirando Naruto, Bleach, One Piece, Dragon Ball e Ataque dos Titãs, todos os outros títulos da Panini são impressos apenas dez exemplares (isso é apenas um exagero meu, mas é que tirando os cinco títulos citados acima, os outros se esgotam com uma facilidade tremenda)

    • Acho que aí depende do pedido de cada banca, eu tenho alguma dificuldade em comprar Pokemon porque ele some fácil.

  • Gabriela Bassi

    Da lista o que eu vou levar é Ataque dos Titãs e Planetes. Depois de uma das melhores decisões da minha vida que foi comprar o 1º volume de Vinlando Saga, não tem como não adquirir esse carinha; por mais que o preço seja alto, a qualidade do título (e, assim espero, da impressão) com certeza compensarão 😀

    • Qualidade do título -> OK. Qualidade da impressão?? Hahaha…¬¬

  • Francisco

    Dragon Ball, Reborn, Claymore e Atack on Titan. One Piece só no mês que vem. Mas finalmente Claymore vai acabar, vou reler tudo pra não ficar perdido, excelente mangá.

  • Torcendo para Panini investir no Toriyama acabando Dragon Ball. Na espera de Dr. Slump, Jaco the Galactic Patrolman e JIYA. Poderiam aproveitar a onda do filme que lança nos cinemas agora!

    • São dois mangás one-shots, não dá para se dizer que sim ou que não, me lembraria a Conrad que publicou vários materiais one-shots dele. Dr. Slump eu queria ver, mas o insucesso da outra vez pode dificultar em licenciarem, fora que ele é datado.

      • Dr. Pmuls

        Datado por quê??? O traço em nada se parece com o feito na época e a maioria das piadas não é de referências.

      • Essa questão do one-shot não acho que se aplique hoje em dia.
        Cada vez mais as editoras estão investindo neles:
        Tsumitsuki, Só Você Pode Ouvir, Feridas, Vitamin, O Cão Que Guarda as Estrelas são os mais recentes da JBC.
        Gigantomachia, Hideout! pela Panini.
        Isso pegando apenas 2014 e 2015, e isso apenas JBC e Panini.
        Sei lá, acho que as editoras viram que tem mercado ai.

  • Acho que minimas infelizmente, pra não dizer nulas.
    São 86 volumes, são mais de 7 anos de publicação. :/

    • Que mangá seria esse?? O.o

      • @sennaffogo.
        Tinha um comentário do Seiya perguntando as chances do Detetive Conan. Sei lá por que apagaram. :/

      • Huummm… entendi. =)
        Conan é impossível!… ¬¬
        Poha, e ele sabe disto. Conan não tem público aqui.
        @seiya também fica dando cada bola fora que eu vou te contar…u_u

        Aliás, falando nisto, a JBC já confirmou (mesmo que se pense que foi apenas nas entrelinhas) que não vai trazer mangás gigantescos deste porte! Ou seja, peçam JoJo’s para a Panini… que vai ficar uma bosta!! =(
        Pode até ser contraditório de minha parte, mas eu acho uma posição covarde da editora(JBC) para com alguns títulos ao mesmo tempo que acho uma posição ‘OK’ para todos, pois, se tem medo de acontecer o que ocorreu com Futari H, melhor mesmo não trazer e manter a imagem que ela tem e construiu ao longo destes 20 anos.
        Eu fico pensando é se a JBC trará algum título que tenha por volta de 30 volumes, porque acho que nesta faixa ela já acha que o mangá é muito grande pelo que estou vendo, aí fica difícil esperar certos títulos pela JBC.

  • Marcos Correia

    Planetes é muito bom. Já li por scan e vou comprar com certeza. O anime também vale muito a pena.
    Queria muito que trouxessem também as obras de FC do Yukinobu Hoshino, como 2001 Nights e Stardust Memories.
    E Claymore acabou. Nem acredito que a Panini conseguiu concluir. Eu comecei comprando no meio da publicação e tive sorte de achar os números iniciais num Fest Comix há alguns anos.
    Aoharaido eu comprei mas ainda não li. Li uns capítulos via scan, mas quando soube que iam publicar, resolvi esperar. Mas do que li, não achei similar a Karekano.

  • Keima Kaname

    Planetes parece ser interessante, então comprarei. Embora que esse “Nº X de Y” seja um ponto negativo ao meu ver, por poluir as capas, ainda é um problema menor.
    Além deste, comprarei 20th Century Boys, Reborn!, Sankarea, Aoharaido, Ansatsu Kyoushitsu, Beelzebub e High School DxD.

    • Marcos Correia

      Isso é pra deixar claro que a série está completa, não em publicação. Isso acaba atraindo mais gente pra comprar, ainda mais com séries curtas.
      Eu mesmo acabei comprando Ageha só porque eram 2 volumes.

      • Keima Kaname

        Sim, eu sei. Todavia, penso que poderiam deixar escrito em alguma parte que afetasse menos a imagem da capa. Se deixassem no espaço do código de barras e preço, já resolveria este problema, embora que ficaria menos visível. Também poderiam escrever no sumário, se as capas não fossem espelhadas – desde que não o fizessem em todo volume. Ou colocar um aviso só no verso, como a própria JBC, que também polui alguns de seus mangás em ambos os lados, fez.
        De qualquer modo, poderiam procurar maneiras menos invasivas.

    • Para títulos curtos não vejo problemas em ter, mas tendo uma aplicação bonita e que não grita mais do que outros elementos na capa pode atrair mais gente que não lê mangá com frequência e pode pensar “só 4 volumes, acho que vou ver qual é desse quadrinho.”. Tem umas aplicações bem feias, tipo a de Steins;Gate da JBC, mas outras boas como o Ataque de Titãs – Sem arrependimentos ou After School of the Earth.

      • Keima Kaname

        Sim, essas aplicações não são tão feias… até se olhar para as mesmas. O círculo de After School of the Earth assumindo o formato de “círculos gêmeos que ainda não se separaram” e até mesmo o de Sem Arrependimentos me pareceram fora de lugar. O de Steins;Gate, embora mais invasivo em sua posição, só aparece no verso, o que o reequilibra entre os mencionados.
        Se colocassem em um lugar menos aparente, no verso, mas que ainda pudesse chamar a atenção de quem pegou “aquele quadrinho inverso” para “examinar”, penso que estaria bom.

      • Acho que um dos melhores exemplos que tivemos até agora foi o de Zetsuen No Tempest, que ficou escondido na contracapa, seguindo um pouco o formato do nome.

        Mas também tem o contra ponto, dois exemplos que até assustam:
        1- Prophecy, que tem o “1de3” até na lombada.
        2- Lucifer e o Martelo com aquela faixa verde.

        Isso vai de gostos, até acho necessário, mas que coloquem na contracapa que fica mais “disfarçado”.

  • Espero que o final de Claymore no mangá seja melhor do que no anime…. vixe 7 anos? sério? Caramba…

    Planetes parece muito interessante, e são poucos volumes, isso é bom pro bolso e pra não ficar com obras inacabadas na prateleira.

    Kimi ni todoke entrando em hiato?? ho my gosh! ;( se bem que eu curtia bem mais no começo quando a “Sadako” era mais engraçada… depois ficou mais no romance “mâe-benta”… mas gosto muito do mangá mesmo assim!

    Century boys to comprando e não to lendo… to esperando comprar tudo.. será que vou me arrepender depois? geralmente gosto de manga com historias mais simples…. e com outros estilos de desenho também.

    Sankarea foi um que não gostei do primeiro número, achei os desenhos simples demais e sem fundo.. depois no 2 melhorou bastante e agora esperando pra ver como vai terminar isso tudo…

    Muito bom o check liste, valeu ae quem fez, uma (se não for) a parte que eu mais gosto do site….nem pelas capas, mas eu gosto de lêr o que a pessoa que fez o chek fala sobre os mangás…;)

    • Marcos Correia

      O anime de Claymore terminou bem antes da série, então, aparentemente não tem nada a ver com o final do manga.
      Cara, 20th Century Boys é bem complexo. Se você gosta de séries com enredo mais simples, então está comprando coisa errada.

    • Eu diria para você começar a ler 20th Century Boys já. Não é um mangá de história simples e o primeiro volume é meio marrento para ler, mas bote fé no Mestre Urasawa.

  • Rodrigo

    Desses só Planetes, Claymore e 20th Century Boys já que One Piece vol. 56 da minha assinatura só mês que vem. Haag compre Planetes pois não vai se arrepender.

  • Micael Okamura

    Será que eu sou o único no mundo que gosta da arte de Shingeki no Kyojin? Tipo, não é uma arte maravilhosa, mas eu li alguns mangás esse dia, o último foi o Shigatsu, aí pediram para que eu falasse sobre Shigatsu, e comentei que achava o traço de Shigatsu muito feito, e que dos mangás que eu li recentemente o do SnK é que tinha a melhor arte, e todos olharam estranho pra mim. É sério mesmo que sou o ÚNICO que lê esse mangá só para admirar a arte (fora o fato de estar curioso pra ver como o Isayama vai resolver as coisas lá, estou contando os dias para quando SnK chegar ao fim).

    • japadk

      Eu acho a arte do SnK meio feia, mas se fosse de outro jeito não seria SnK lol.
      Acho que é questão de costume, depois que você vai lendo vai se importante menos, pelo menos pra mim.

    • Eu acho que falta é um melhor cuidado na finalização da arte e varia bastante de bom para difícil de entender. O anime ajuda muito a achar ruim porque ele ficou muito bom, melhor ainda na versão Blu-Ray.

    • Acho normal, sei lá, é uma arte que serve para o que o mangá se propõe. Assim como o Togashi, que todos falam que desenha mal, mas se não fosse o traço “diferente” do Togashi, acho que HxH não seria tão incrível.
      Acho que o importante é se o traço cumpre o que a história pede, pois cada série tem um formato de arte que melhor se enquadre. Seria como querer que o Matsui fizesse Assassination com um traço do Miura em Berserk. Nesse caso, acho que o Isayama consegue corresponder ao que o título pede.
      Um exemplo negativo que eu vi esses dias foi Enigma, achei que o traço do autor estava muito “Beelzebub” para uma trama que tinha um enredo mais “Death Note”, acho que se Enigma tivesse uma arte mais “séria” ele teria me conquistado mais.

    • Micael Okamura

      O que me atraiu em SnK mesmo foi o traço. Sempre fui sincero e falo que a história nunca me foi algo atrativo, eu acompanho só por “obrigação”, afinal, fui ver porque todo mundo estava falando bem, e aí eu fui ver o mangá para saber como ia acabar (principalmente depois do anúncio do fim no volume 20), e o traço tanto no mangá quanto no anime foi algo lindo. Como o haag disse, é um traço que eu chamo de “Honesto”, ele é “feio” porque o mundo deles é um mundo cagado por si só, eu duvido que alguém aí queira viver no Universo de SnK.
      Os personagens tem olhos grandes mesmo e são expressivos, e é isso que eu gosto, dá pra ver direitinho a reação de medo ou raiva deles.
      Sobre Shigatsu, eu vou falar que é o mesmo que tenho com Ore Monogatari, nunca curti personagens com esse tipo de boca. Narizes e bocas, dependendo do enredo e do tipo de traço, pode acabar ficando esquisito, e o traço de Shigatsu tem umas bocas muito bizarras, e os narizes não são do tipo que gosto.

      • STX

        Não sei se você leu o “sem arrependimentos”, os personagens continuam os mesmos e estão bem desenhados, ao contrario da serie principal, não acho que a serie perderia se tivesse mais capricho como no spinoff

    • Gabriela Bassi

      Pra falar a verdade, não é algo muito bonito, mas também sou uma apreciadora da arte do tio Isa, porque acho que o traço mais “rústico” que ele faz tem muito a ver com o clima da história que ele escreve: não é o tipo de história bonitinha e maravilhosa, e sim algo meio sombrio e incômodo, assim como a arte dele. Acredito que ele escolha não fazer uma arte-finalização tão boa pra passar esse efeito para os leitores.

      • Será @Gabriela? Muito bom este seu contra-ponto em relação ao que falam negativamente do traço de SnK… legal e interessante.
        Bem, do meu ângulo de visão, eu vejo a maioria das pessoas falar que a arte piorou ao longo do mangá. Talvez falte esmero ou planejamento para, como disse @STX, ter apenas um pouco mais de capricho, mas não posso ser assertivo com nenhuma das opiniões já que nem sequer compro o mangá. Apesar disto, a discussão em torno deste ponto de SnK, dependendo das pessoas que participam dela, é deveras interessante.

  • Galleon

    Meu bolso dói…. Desses fico com Claymore, AoHaruRide, Assassination, SnK, Beelzebub, Highschool e Sankarea!!!
    E aguardando o dia que relancem Elfen Lied e Deadman Wonderland…

    • também to… Esperava isso desse suspense da panini, mas infelizmente veio naruto… Bom só nos resta torcer, apesar de deadman eu achar dificil que volte :/

  • João Ferreira

    Planetes é muito foda!

  • Sizenando

    Será que um dia teremos o retorno de Trinity Blood? Será que alguém se lembra? Será que a Panini se lembra?

    • Hahaha, mais um para o museu dos finados, ao invés dos finalizados…¬¬
      Se você compra Yakumo, é bem capaz de ter que enterrar mais um…

  • Eu não vi Planetes nem 20th Centure Boys #16. Espero que eles não tenham decidido mandar só para lojas especializadas o Planetes.