Review – Katanagatari, a busca pelas 12 espadas mais poderosas do mundo

Um anime que infelizmente pouca gente viu no ano passado e que merecia mais atenção do que realmente teve.

Katanagatari começou em janeiro do ano passado com uma proposta diferente do que estamos habituados para uma série. Seriam 12 episódios no total, um episódio por mês e assim iria durar um ano inteiro para você saber como a história iria terminar. Uma estratégia um pouco inusitada, que acabou afastando algumas pessoas e algumas até tinham a intenção de esperarem o anime acabar para ver, mas vejo que a maioria o esqueceu depois. Ainda por cima veio Durarara!! que acabou se sobressaindo em relação aos outros animes, trazendo a maioria dos comentários e atenções para ele.

Esse ano eu finalmente terminei de assistir todos os 12 episódios e venho comentar sobre o anime. Será que ele é realmente bom ou apenas um daqueles que você vê e no outro dia esqueceu completamente sobre o assunto? É o que vocês vão descobrir logo abaixo.

A história

Katanagatari é a adaptação feita pela White Fox de uma light novel escrita por Nisio Isin. A história fala sobre as 12 espadas feitas por um dos ferreiros mais famosos do mundo, Shikizaki Kiki. Dizem que a natureza maligna dessas espadas ultrapassa qualquer outra espada famosa ou enfeitiçada e que mesmo um exército de guerreiros poderia ser destruído por apenas uma delas. Antigamente o Shogunato chegou a contratar ninjas e espadachins, mas estes não suportavam a tentação de possuir uma das espadas e acabavam fugindo com elas, um ato claramente de traição.

Togame, uma mulher que se autodenomina uma estrategista responsável por supervisionar o exército do Shogunato, resolve ir a uma ilha onde dizem que o líder de um dos estilos mais poderosos reside. Lá ela encontra Yasuri Shichika, o último praticante do estilo Kyotoryu, o estilo de assassinato mais poderoso e que não usa nenhuma espada.  Ao contrario do que a descrição aparenta, ele é um jovem bem inocente e que nunca se relacionou com o mundo fora da ilha. Ela diz que não pode confiar em alguem que a seguiria por dinheiro ou pela honra, então ela apela dizendo que Shichika deveria segui-la pelo amor! Um ninja possuindo uma das espadas aparece e os ataca, começando assim a luta e a busca pelas 12 espadas de Shikizaki Kiki.

Considerações Técnicas

Como você deve ter percebido, são 12 episódios de 40 minutos retratando a busca por 12 espadas, então dá mais ou menos uma espada por episódio. Então sim, basicamente a história do anime é sobre Togame e Shichika indo atrás das armas. E isso é ruim? Claro que não! Uma base simples faz com que eles desenvolvam mais os personagens e alguns de seus inimigos com detalhes que não são vistos na maioria dos animes. A cada episódio nós conhecemos personagens novos e suas motivações que acabam refletindo em Shichika, fazendo com que ele aprenda um pouco mais com o passar do tempo. Fora que você realmente vai se surpreender com as viradas que o enredo possui, fazendo você ficar grudado na cadeira enquanto vê aquele turbilhão de emoções passarem pela sua cabeça. O anime possui um humor bem divertido, nada forçado e bem natural.

Um dos grandes destaques para a série é a qualidade da sua animação e a uma arte bem puxada para as antigas tradições japonesas. O cenário é muito bem detalhado e podemos pegar como exemplo a humilde casa do personagem principal. O contraste de “qualidade de imagem” é absurdo se comparado com os personagens, que são bem mais simples e cartunescos. Isso não quer dizer que o design dos personagens é ruim, longe disso: a simplicidade é uma das grandes armas do visual desses personagens. A animação nas lutas é bem fluída, dando uma ação divertida e intensa, enquanto fora das lutas você percebe que os personagens possuem movimentos característicos e até graciosos em alguns momentos. Lembrando que o estúdio de Katanagatari é o mesmo que fez Steins Gate, o último anime que eu comentei aqui no Chuva de Nanquim.

A relação entre os dois personagens principais é desenvolvida com muita qualidade. No começo você acha meio estranho, mas vai acabar percebendo e se importando com os dois. Togame é muito carismática, feminina, inteligente e fraca enquanto Shichika é um cara muito forte, ingênuo, sem muito conhecimento do mundo (ele precisa aprender como é o “cheiro de uma mulher”). Com essas atitudes e jeito de ser, os dois acabam se complementando, deixando como minha única reclamação sobre personagens em relação a alguns que apenas entravam na historia para mostrar o quanto um cara era poderoso. Pra mim não precisava disso.

O único ponto fraco vai para um episódio que havia sido anunciado, no qual uma das lutas que mais prometiam deveria acontecer. No final, o estúdio acabou não fazendo, mudando todo o rumo anunciado na preview para apenas uma conversa entre os dois protagonistas falando sobre como foi difícil recuperar a espada. E de acordo com o @PowerOtaku não tinha realmente a luta na Novel mesmo, trollada veio direto da autora. ( vlw cara ^^)

Comentários Gerais

Katanagatari para mim foi o melhor anime de 2010. Falo isso porque ainda não terminei de ver Durarara!! (eu sei, eu sei…) e infelizmente Katanagatari acabou passando batido por muita gente. Com uma história simples e envolvente, lutas que ficam cada vez mais e mais incríveis com o passar do desenvolvimento de Shichika, um humor muito divertido e uma direção de arte maravilhosa, essa é uma série que todos deveriam ser “obrigados” ver uma vez na vida.

Recomendado para todos, e até mesmo aqueles que não gostam de animes devem se interessar por ele. São 40 minutos que passam voando e com um episódio final que eu considero um dos mais emocionantes que eu já assisti… Queria poder falar mais dele mas já estou dando spoiler demais. Vou deixar vocês na curiosidade. Então corre logo pra assistir! Katanagatari merece sua atenção!

por Luk

Luk

Luk

Eu juro que gosto de animes, apesar de todo o meu haterismo.

Related Post