Checklist – Setembro / Outubro de retornos e lançamento na Panini

A volta de As Estrelas Cantam, Kekkaishi, Homuculus e o lançamento de O Mito de Arata. E um desabafo como leitor.


Para não perder o costume, depois de cerca de 2 semanas do Checklist da JBC, cá estou para o checklist comentado da editora Panini. Mês agitado, principalmente por conta dos retornos de alguns mangás aguardados por nós, além da estréia de outro. Também quero aproveitar o espaço hoje para fazer um pequeno comentário que mistura um pouco esse “espírito” de quem faz essa postagem mensalmente e ao mesmo tempo de um “eu-leitor” insatisfeito com o nosso mercado. Talvez até por esse motivo, pouca falação aqui no começo para compensar lá no final. Acho que justamente pelo checklist ser um dos nossos posts mais esperados por vocês, que eu acredito que a opinião que darei seja válida, mesmo que somente para nós. Queria muito ver a participação de vocês nos comentários, ver quem concorda ou não.

Então chega de papo e vamos aos comentários. O crédito das imagens e das infos vão para os Boletins da própria Panini e do blog Panini-Fã.

Air Gear 3 de Oh Great!

Periodicidade: Mensal – Em andamento no Japão com 32 volumes (Distribuição setorizada)

Formato: 13,7 x 20 cm, 216 páginas

Preço: R$ 10,90

Air Gear 3 chega às bancas com a credencial de carro chefe da Panini no mês, e no ano, porque não? Já disse aqui que ele é o grande protagonista da editora enquanto ela guarda os principais lançamentos para um futuro próximo (ou não). E mesmo esses lançamentos causando grande impacto ou não nos leitores, Air Gear já deve se manter como um sucesso de qualquer maneira. Os dois primeiros volumes foram um show da editora. O primeiro com as páginas coloridas e o segundo, mesmo sem as cores, com uma ótima impressão e uma boa padronização, bem como tradução e afins. Enfim, pra quem diz que a Panini não lançou coisas grandes esse ano, Air Gear chega para dizer o contrário.

Naruto Pocket 16 de Masashi Kishimoto

Periodicidade: Mensal – Em andamento no Japão com 56 volumes (Distribuição setorizada)

Formato:11,4 x 17,7 cm, 192 páginas

Preço: R$ 8,50

Sou curioso pra saber como são as vendagens da versão pocket de Naruto. Com certeza ele vende menos que a edição normal, isso não há muita dúvida. Mas mesmo assim, será que rende um bom lucro para a Panini? Também não dúvido. Naruto se estamparem até no papel higiênico e venderem como pergaminhos devem vender bem. É uma série de sucesso, e tem seus méritos. Quem ainda não coleciona, corre que ainda dá tempo de achar as primeiras edições por aí facilmente. Essa é a edição 16 nacional, lembrando que a versão “standard” se encontra no volume 50. Já sabem que podem tomar muitos spoilers no caminho, não é?

100% Morango 14 de Mizuki Kawashita

Periodicidade: Bimestral – Concluído no Japão com 19 volumes (Distribuição setorizada)

Formato:13,7 x 20 cm, 192 páginas

Preço: R$ 10,90

Depois de se tornar bimestral, chega agora o volume 14 do nosso ecchi favorito das bancas, 100% Morango. Com essa edição, só nos faltam mais 5 edições para finalizarmos a série. Já aviso que a história desse mangá tem uma mudança muito grande a partir de um certo ponto, e aqueles que compraram unicamente pelo fanservice podem se decepcionar um pouco com os rumos que as coisas tomam. A arte de Mizuki Kawashita, misturada com um romance muito gostoso de se ler, prometem ser o grande destaque dessa reta final do título. Espero não ver muitas decepções da galera com os resultados finais da leitura.

Berserk 69 de Kentaro Miura

Periodicidade: Bimestral – Em andamento no Japão com 35 volumes, 70 brasileiros (Distribuição setorizada)

Formato: 13 x 18 cm, 120 páginas

Preço: R$ 5,90

Miura e seu estilo doentio chegam mais uma vez às bancas na edição 69 (hihi), ficando muito mais próximos do encostamento da edição brasileira na japonesa. Já disse aqui uma vez e reforço: seria muito bom a Panini relançar esse mangá em tanko quando ele estivesse pareado com a coleção original. Tenho certeza que o tio Miura não vai se esforçar muito pra continuar o mangá até lá e os novos volumes devem demorar um pouco. Claro que já sabemos de todo o trauma do leitor brasileiro com coleções que surgem em “novos formatos”, mas vamos concordar que um tanko inteiro seria muito melhor do que esse pequeno guerreiro que já durou nas nossas bancas por tanto tempo, não é? Eu pelo menos apoio a idéia.

Black Bird 9 de Kanoko Sakurakouji

Periodicidade: Bimestral – Em andamento no Japão com 14 volumes (Distribuição setorizada)

Formato: 13,7 x 20 cm, 192 páginas

Preço: R$ 9,90

Black Bird! Meu shoujo favorito nas bancas atualmente (tudo bem, eu também tenho uma queda por Kimi ni Todoke). O volume 8 chega com essa capa… err… Bem, com essa capa. Isso não muda o fato que o Kyo continua sendo o melhor protagonista dos últimos shoujos publicados aqui, e podem me tacar quantas pedras quiserem. Será que teremos alguma pausa para renovação de contrato nesse espaço de tempo?

Dorothea 4 de Cuvie

Periodicidade: Bimestral – Concluído no Japão com 6 volumes (Distribuição setorizada)

Formato: 13 x 18 cm, 176 páginas

Preço: R$ 9,90

Dorothea chega à sua segunda metade, e assim como grande maioria dos títulos “pequenos” da Panini nesse ano, divide muitas opiniões do que seria bom e ruim. Acho que já recomendei aqui uma vez, mas para os interessados, procurem mais informações no post da Beta sobre o mangá, acho que a opinião dela pode ser mais esclarecedora do que eu como não-leitor (sim gente, eu também tenho problemas financeiros e não dá pra comprar tudo). No mais, a série segue firme até agora e não houve nenhuma “paralisação” ou “espaçamentos” entre seus lançamentos. Parece estar tudo indo bem… Parece…

Maid-Sama: Sua excelência, a garçonete! 3 de Hiro Fujiwara

Periodicidade: Bimestral – Em andamento no Japão com 12 volumes (Distribuição setorizada)

Formato: 11,4 x 17,7 cm, 192 páginas

Preço: R$ 9,90

Outro grande lançamento da Panini esse ano, Maid-Sama também chega credenciado como um dos principais títulos da editora em 2011. Ao contrário da concorrente, os shoujos ainda parecem ser uma das grandes armas da Panini e os investimentos não param. Aliás, Kaichou é um shoujo daqueles que agrada ambos. Não tem o seu lado “meloso” que alguns não gostam e as cenas de comédia são muito boas (não vamos comparar com Ouran porque é covardia). Eu particularmente recomendo ele com facilidade pra quem procura uma leitura despretenciosa. Mas… esse logotipo ainda não me agrada. Parece que a Panini jogou isso no Power Point, escolheu a primeira fonte de WordArt que apareceu e deixou assim mesmo. Mas enfim, não vou comentar dinovo de designers nas editoras pois vou começar a parecer chato (não que eu não seja).

Brave 10 7 de Kairi Shimotsuki

Periodicidade: Bimestral – Concluído no Japão com 8 volumes (Distribuição setorizada)

Formato: 13 x 18 cm, 192 páginas

Preço: R$ 9,90

Eu não compro Brave 10. E acho que nunca havia me interesado pelo título. Mas confesso que a série ganhar um anime no próximo ano me fez mudar de idéia e vou começar a providenciar o mangá no Fest Comix. Esse é seu sétimo volume, penúltimo da série. Ainda não sabemos se a Panini se interessará em trazer a continuação direta, intitulada de Brave 10 S, ou se teremos que “morrer” aqui no oitavo volume. Caso seja a segunda opção, uma pena. Eu ainda confio, uma vez que a editora já nos trouxe continuações de séries como Trigun e Fullmetal Panic (mesmo que essas tenham uma grande turbulência). vamos esperar pra ver.

Sugar Sugar Rune 7 de Moyoco Anno

Periodicidade: Bimestral – Concluído no Japão com 8 volumes (Distribuição setorizada)

Formato: 13,7 x 20 cm, 176 páginas

Preço: R$ 9,90

Açúcar, Açúcar 7. Muito açúcar, muita doçura, muita ternura. Isso é Sugar Sugar Rune. Não é um mangá do meu gosto, já disse muitas vezes, mas parece ter aberto caminho para um bom segmento na editora, que são os mahou shoujo. Com seu penúltimo volume chegando nas bancas, quem sabe não possamos ter a esperança de ver por aqui o tão sonhado Shugo Chara (que só eu peço, tudo bem, aceito) e o amado e adorado Sailor Moon? Não custa sonhar.

07-Ghost: Sete espectros 2 de Yuki Amemiya e Yukino Ichihara

Periodicidade: Bimestral – Em andamento no Japão com 11 volumes (Distribuição setorizada)

Formato: 13 x 18 cm, 208 páginas

Preço: R$ 9,90

Com um pouco (muito) atraso, 07-Ghost 2 chega às bancas. Não sei qual foi a recepção desse título pelo público, mas não sei se vi das melhores opiniões registradas por aí. sinto que só o fandom realmente ficou feliz com a publicação, mas não me pareceu um mangá que tenha atingido em cheio todos os esperados. Acho que é normal, e claro que foi uma aposta arriscada da editora, e ela com certeza sabe dos seus riscos. Não acho que ela vá cancelar ou nada do tipo. Já tivemos títulos piores nas bancas e que foram até o final. O que deve dificultar é a chamada renovação contratual (como acontece com Otomen). No mais, continuarei comprando pois acho a série uma das mais divertidas do gênero. Assim que ler o volume 2, prometo uma resenha para vocês.

Zone-00 2 de Kyujyo Kiyo

Periodicidade: Bimestral – Em andamento no Japão com 8 volumes (Distribuição setorizada)

Formato: 13,7 x 20 cm, 216 páginas

Preço: R$ 9,90

Zone-00 é difícil de descrever até mesmo no checklist. Alguns me disseram que o segundo volume da série muda muito e toma um rumo. Bem, espero, realmente. Porque como disse aqui no review do volume 1 nacional, foi um mangá que me causou uma estranha sensação de ruim e bom ao mesmo tempo. Fiquei decepcionado, mas ao mesmo tempo consegui dar algumas risadas. Os personagens tem carisma, o traço do título é ótimo… Vamos apostar e ver no que dá. A propósito, todas as capas desse mangá são lindas. E quando tem que elogiar, eu também sei fazer: nossa edição é muito mais bonita que a americana. Parabéns dona Panini.

Homunculus 13 de Hideo Yamamoto

Periodicidade: Bimestral – Completo no Japão com 15 volumes (Distribuição setorizada)

Formato: 13,7 x 20 cm, 224 páginas

Preço: R$ 10,90

Mês de retornos na Panini. Vamos começar falando de um dos seinens mais esperado pelo povo (mesmo eu esperando mais MPD Psycho). Homunculus chega às bancas na sua 13ª edição, a antepenúltima tendo em vista que o mangá se concluiu na edição 15. Claro que fico contente da Panini trazer o título e, provavelmente, concluí-lo de uma vez. Mas ao mesmo tempo fico triste em saber que tantos outros títulos que estiveram parados por muito mais tempo ainda não tiveram a atenção merecida pela editora. É o caso do próprio MPD Psycho, Otomen e até o falecido e esquecido Fullmetal Panic Sigma! Sei que existem diferenças na hora da negociação de alguns títulos, mas de qualquer maneira acho que uma explicação seria cabível por parte da editora. Mas deixo parar falar isso mais para o final. O importante é que Homunculus voltou para a alegria dos fãs da série.

As Estrelas Cantam 5 de Natsuki Takaya

Periodicidade: Bimestral – Completo no Japão com 11 volumes (Distribuição setorizada)

Formato: 13,7 x 20 cm, 224 páginas

Preço: R$ 9,90

Outro mangá a retornar é As Estrelas Cantam. O volume 5 volta às bancas depois de uma pausa incomoda do título. Lembrando que o mangá foi concluído com 11 volumes, portanto agora a possibilidade de ele seguir até o final sem pausas é maior. Mas como se trata da Panini, todo cuidado ao se dizer isso é pouco. Não dá pra confiar, infelizmente.

Kekkaishi 13 de Yellow Tanabe

Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 35 volumes (Distribuição setorizada)

Formato:13,7 x 20 cm, 192 páginas

Preço: R$ 9,90

Kekkaishi voltou! Mas junto com ele, as más notícias também. Segundo o blog Panini-Fã, a periodicidade do título agora é trimestral. A Panini como sempre não se pronunciou sobre o caso. E duvido que se pronuncie, como sempre acontece. Kekkaishi é um ótimo título, reforço que para mim é o melhor de 2010 da editora, mas para que isso tenha acontecido, só existem duas hipóteses: o mangá está vendendo mal ou a Panini está testando uma nova periodicidade. Sinceramente, queria que o segundo fosse o que acontece, mas acho que a primeira possibilidade não é descartada. Não reclamo da periodicidade ser trimestral, pelo contrário, até gosto, mas acho que se o motivo for a venda negativa é uma estratégia suicida. O que se passa na cabeça da Panini?

O Mito de Arata 1 de Yuu Watase – LANÇAMENTO

Periodicidade: Bimestral – Em andamento no Japão com 11 volumes (Distribuição setorizada)

Formato:13,7 x 20 cm, 192 páginas

Preço: R$ 9,90

Arata. Acho que o título que mais me surpreendeu até agora dos lançamentos da Panini de 2011. Tudo bem, tem as credenciais da autora e tudo mais, mas é um dos que eu não poderia imaginar. De qualquer maneira, é um bom título para a diversidade de nossas bancas e deve ter também sua parcela de fandom no meio pelo nome da Watase. Já falei um pouco desse mangá aqui no lançamento, e assim que a primeira edição chegar às bancas, review no ar para vocês. Podem cobrar!

Comentários gerais

Agora sim. Vamos ao meu discurso final. Fica aqui o meu pequeno sentimento de chateação com a Panini. O Chuva de Nanquim, o JBox, o Anime Pró, ou seja lá quem for, não queremos exclusividade sobre os lançamentos de vocês. Pelo contrário. Queremos é que não tenhamos exclusividade! Onde está a editora Panini, aquela que tem um site novo desde o ano passado e que não o mantém atualizado? Onde está a Panini, aquela que cria um twitter somente para fazer promoções e sorteios de Deadman Wonderland? Onde está a Panini, que no Facebook não mantém um contato com o leitor respondendo suas dúvidas e críticas? O que acontece com a Panini, uma editora multinacional que não tem o menor tipo de credibilidade quando falamos de anúncios? Depender da reservas de LigaHQ, dar informações “privilegiadas” ou esperar que nossos blogs/sites façam um anúncio? Que tipo de editora é essa? E não é exlusividade da Panini. JBC divulgando fotinhas “escondidas” no Facebook de editor chefe e NewPop anunciando um título à mais de 1 ano e sem dar sinal de notícias do mesmo. As editoras nacionais estão virando motivo de piada. Sim, e nós leitores estamos nos tornando os palhaços.

Enquanto as editoras extrangeiras estão se preocupando em divulgar lançamentos em eventos ou em seus sites oficiais, nós aqui ficamos dependendo do investimento inexistente das nossas na área de marketing e publicação. E claro, que se as vendas forem baixas é culpa do título ruim. Nunca pela falta de divulgação.

É uma pena ver o nível que chegamos hoje. Com o caso de Kekkaishi, por exemplo, que não possui o mínimo de respostas da Panini sobre essa mudança de periodicidade. Não queremos esse tipo de informação em um blog ou só quando mandamos um e-mail. Queremos uma resposta OFICIAL! É tão difícil de entender assim? Ou então deletem esse site e o transformem de uma vez somente em uma loja on-line. Deve ser muito mais proveitoso.

Como sempre, não espero ninguém da editora se pronunciando aqui nos comentários. Nem no orkut. Nem no Facebook. Nem no Twitter. Porque isso não existe. Assim como também não vou utilizar de “boicote” e muito menos incentivar meus leitores à isso. Mas a Panini joga tudo pro alto, e principalmente a divisão editorial de mangás da editora, nos faz ter vergonha da nossa situação atual. Uma pena. Nosso mercado está em franca ascenção, e eu tenho que repetir esse discurso idiota em todos os posts. Complicado. Só posso dizer uma coisa: L&PM, seja nossa salvação.

por Dih

Dih

Dih

Paulistano, 28 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Atualmente é editor na Panini/Planet Mangá e cuida de títulos como One-Punch Man, MOB Psycho e Jojo's Bizarre Adventure.

Related Post