Cobertura da editora JBC no Fest Comix! (AT)

Lançamento de Guide Books de Fullmetal Alchemist, oficialização de Crunchyroll e muita comemoração dos 10 anos da editora.

A editora JBC marcou presença na 18ª edição do Fest Comix com uma palestra no domingo, às 14 horas. Devido à problemas “técnicos”, a palestra acabou atrasando em 20 minutos, o que acabou cortando o tempo para perguntas e respostas para Marcelo Del Greco (editor chefe da editora) e companhia – Leandro Lopes, responsável pela atual comunicação da editora e Edi Carlos, gerente digital também estavam  na mesa. Infelizmente eu havia feito uma gravação do áudio da palestra para vocês, mas ela se corrompeu e não pude trazer até aqui. Mil desculpas. Fiz o possível para conseguir o máximo de informações para os leitores e espero que gostem do resultado.

O clima era total de comemoração da editora e seus 10 anos de publicação. A palestra começou com o Marcelo fazendo questão de mencionar a antiga revista Henshin, que foi a percursora da ideia da JBC trazer mangás para o Brasil. Depois, prosseguimos com a equipe falando um pouco dos lançamentos que já passaram pela JBC (são mais de 70 títulos já publicados pela editora). Achei interessante falarem que Video Girl AI foi o responsável por abrir grandes portas para a JBC trazer outros títulos pra cá, tendo em vista que dos quatro lançamentos iniciais ao lado de Sakura, Samurai X e Rayearth, foi o único sem animes para a divulgação.

Falaram um pouco da primeira apresentação da JBC no Anime Friends em 2003 e relembraram lançamentos de coisas como Shaman King (gente, bateu uma nostalgia…), Cowboy Bebop (alguém gostou daquela coisa?), X-1999, Bastard (podem chorar pelo “final” desses dois). Também disseram nas entrelinhas que foi graças à JBC que hoje as outras editoras conseguem ter o formato – em relação à folhas, cola, tamanho – do jeito que vocês conhecem hoje (algo do tipo “Vocês podem ver que os mangás da Panini são do mesmo jeito que o nosso porque a JBC começou. Copiaram da gente! HAH!”, mas não com essas palavras, claro).

Mas com certeza a espera estava para a notícia de novos títulos da editora e as supostas novidades do Crunchyroll. Todas as atenções voltadas para eles.

Os mangás

Na palestra Marcelo confirmou aquilo que já sabíamos. Sakura será relançado ainda esse ano (com páginas coloridas!), além de Kobato e Hero Tales (esse segundo deve chegar um pouco mais tarde). Também foi anunciado os Guide Books de Fullmetal Alchemist! No total são 3 Guide Books. O primeiro foi único publicado nos Estados Unidos pela VIZ e tem o nome de Fullmetal Alchemist Profiles.

Em conversa rápida com o Marcelo depois da palestra, tirei algumas dúvidas com ele e ele me afirmou que Sakura NÃO terá o mesmo papel de Next Dimension. ÓTIMA notícia e parabéns para ele e para a editora pela decisão. Não temos ainda o preço da publicação, para os que perguntaram.

Aproveitei para perguntar dos novos volumes de Hunter x Hunter e ele disse que nos próximos meses eles já devem estar chegando (demora pela liberação japonesa, totalmente compreensível). O editor ainda comentou durante a palestra que espera novos volumes de Bastard e X (duas lendas, por sinal) para que o trabalho seja retomado… Uma missão impossível, claro.

Outro grande problema que eu encontrei foi a gramatura dos mangás atuais da editora (principalmente essa nova edição de Evangelion). Perguntei à ele se a gramatura havia diminuído, mas ele disse que não, provavelmente a “transparência” foi algum erro de impressão… Ele me disse que a Panini usa um papel 5g mais espesso que o da JBC, portanto seria mais fácil o deles conter uma queda na gramatura. Quanto a isso ainda ficarei com minhas dúvidas. Evangelion parece muito mais fino…

Animes e Crunchyroll

O principal assunto do dia foi falar sobre o Crunchyroll. A JBC, que sempre trabalhou na tradução e adaptação de animes como Fullmetal Alchemist, confirmou que o grupo da qual a editora faz parte (o JBGroup) investirá no setor através do selo Japorama, a agência de comunicação que pertence ao grupo. Com isso, como já havíamos confirmado antes, a JBC entra de vez no mercado de streaming brasileiro, contando as legendas em português no Crunchyroll. Também foi dito que existirá sim o sistema de Simulcast, mas com algum atraso em relação à versão americana (que geralmente sai 1 hora depois da transmissão do Japão). Isso já nos leva a acreditar que as legendas – ou maior parte delas – serão traduzidas do inglês (o que chega a ser entendível, uma vez que tradutores do japonês não são lá as coisas mais fáceis de se achar). A Japorama ficará responsável por toda a adaptação do site americano para o Brasil (tradução de menus e coisas do tipo).

Nos próximos meses a Japorama deve se encaminhar no mercado e começar com pesquisas de público para saber o tipo de séries que será transmitida por aqui. Já vale desde já dizer que NÃO será todo o acervo do Crunchyroll disponível para nós. Digo mais: provavelmente será uma parcela MUITO pequena. Tudo porque depende licenças e nem todas devem ser fáceis de se conseguir. Portanto só nos resta aguardar. Também não parece ter havido o envolvimento da editora ainda na série Un-Go, mesmo a série contando com as legendas em português (mas que só ficaram “escondidas” no vídeo do Crunchyroll).

Um ponto que vale destacar é que o Marcelo deixou bem claro que com isso a JBC deve entrar mais forte contra a pirataria, ou seja, a “batalha” contra fansubs e scanlators deve ser maior. Não sei se esse é o melhor caminho, afinal por mais que digam que não, os fansubs AINDA são os melhores meio de divulgação no Brasil. Desde a década de 90 com as fitas VHS e os primeiros fansubs aparecendo, o papel deles para o crescimento da fanbase no Brasil é absurdo. Metade dos títulos que as editoras trazem para o Brasil não seriam nada se não fossem por eles, ninguém conheceria.

Acho que deve existir SIM um bom senso: Fansubs devem respeitar projetos licenciados no país e darem o maior nível de ajuda possível para isso. Tenho certeza que a maioria das pessoas que fazem esse serviço à mais tempo tem o mesmo pensamento que estou tentando expressar aqui. Em breve deve rolar uma matéria especial sobre isso, fiquem ligados.

Também vale comentar aqui que a JBC disse que deve trazer em breve junto com a Focus Filmes a edição em DVD de A Princesa e o Cavaleiro, clássico de Osamu Tezuka (quem sabe não role um relançamento do mangá junto?). Além disso, a editora JBC também confirmou que está envolvida na vinda de alguns “shows” via streaming para o Brasil. O primeiro que já deve ocorrer nas próximas semanas é o live de Hatsune Miku, a Vocaloid que faz sucesso por todo mundo pela sua voz digitalizada. A outra novidade é o show comemorativo dos 20 anos do aniversário da banda L’arc~en~ciel, que aconteceu à algumas semanas atrás no Japão e que também deve chegar aos cinemas no Brasil (mais especificamente São Paulo, deixando o resto do país de fora em um primeiro momento). Em breve a empresa deve divulgar mais informações sobre isso.

Considerações gerais

Não sou dos maiores fãs da JBC e todos sabem disso. Mas também não sou daqueles que sai tacando pedra a torto e a direita. Apenas me sinto no direito de reclamar em relação aquilo que pago e consumo. Nessa palestra pude sentir que apesar de nenhuma novidade “aguda” (afinal o Crunchyroll não era novidade alguma e os Guide Books de FMA não eram tão “aguardados” assim) o resultado foi bom. Mesmo sem responder nenhuma questão do público, souberam conduzir bem e comentar com detalhes as novidades. Aqueles que estavam no local ficaram empolgados com o Crunchyroll (ou pelo menos a maioria). A divulgação do serviço sobrepujou qualquer tipo de coisa relacionada a mangás (embora o próprio Marcelo tenha dito que ainda haverão coisas logo no início de 2012).

Não adianta perguntar agora de preços, séries ou coisas do tipo. Isso foi algo que eu realmente tive a certeza que a JBC não sabe ainda, que deve chegar com o tempo. Um fato é que eles parecem estar confiantes nessa nova empreitada. Se dará certo no Brasil? Não sei. Eles tem meu apoio apesar de tudo. Estou preparando uma série de postagens sobre o assunto e espero que possam discutir muito essa situação até lá. É um marco na história dos animes no Brasil, sem dúvidas.

PS 1: Desculpem a ausência de fotos do evento na postagem, se alguém quiser colaborar, será bem vindo. Não pude levar minha câmera até o evento.

PS 2: Gostaria de saber MUITO quem foi o garotinho que trollou o Marcelo dando um mangá de Dragon Ball Z da Conrad pra ele assinar. Ele ficou com uma cara muito engraçada na hora.

PS 3: Comprei um PS3. Adeus vida social.

ATUALIZAÇÃO: Para não criarmos um outro post desnecessário, a JBC acabou de divulgar a capa de Kobato (clique para ampliar). O mangá será trimestral e custará R$10,90, sem páginas coloridas.


por Dih

Dih

Dih

Paulistano, 28 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Atualmente é editor na Panini/Planet Mangá e cuida de títulos como One-Punch Man, MOB Psycho e Jojo's Bizarre Adventure.

Related Post