Eu Recomendo Especial Parte 2 – Os melhores de 2011: Verão e Outono.

Diferente de certas pessoas, eu termino as minhas retrospectivas que eu prometo!

O primeiro semestre de 2011 foi marcado com ótimas animações que deixaram a maioria dos otakus com um grande hype para esses últimos 6 meses no ano. Para finalizar esse “Eu recomendo Especial”, estamos listando os 10 últimos animes que gostamos, dando um total de 20 animes que valem a pena ser conferidos.

Essas duas postagens deram bastante trabalho e gostei do resultado final, mas preciso continuar pedindo a ajuda dos nossos leitores para completar essa postagem. Eu não assisti todos os animes, assim como meu gosto também não é superior ao de vocês. Então comentem sobre algum anime que vocês acham que mereciam estar na lista. Vamos logo fechar essa bagaça que eu preciso fazer outras Primeiras Impressões. Lembrando que os animes estão por ordem alfabética .

Para aqueles que não viram a primeira parte, CLIQUE AQUI.

Verão

Saímos da melhor temporada de 2011 e embarcamos na pior temporada do ano. O grande problema talvez seja o meu gosto. Apenas um anime novo realmente eu considero acima da média e o resto eu gostei, mas não tanto quanto o pessoal no twitter ou no resto da internet. Foram 4 animes selecionados sendo que, entre eles, eu realmente gostei de apenas 2 e os outros entram porque eu sei que agradou a muitos.

Baka to Test to Shoukanjuu Ni!

Gênero: Comédia Escolar, Romance.

Estúdio: SILVER LINK.

Review: –

Muitos criticaram a qualidade dessa segunda temporada de Baka Test, mas eu me diverti demais com todos os episódios. Um desses ainda conseguiu me tirar o fôlego de tão bom (não por ser engraçado e sim por causa da história). Eu ainda recomendo esse anime: uma comédia diferente, com episódios voltados para as ações com as invocações de seres, e que muda o ritmo do anime enquanto cada batalha dura (depois volta para o anime de harém de sempre). O casal Yuji e Shouko são um dos mais divertidos que eu já vi. Ela é totalmente possessiva e não pensa duas vezes antes de atacar seu futuro marido por causa de ciúmes.

Mawaru Penguindrum

Gênero: Comédia, Mistério, Drama.

Estúdio: Brain’s Base.

Review:  Nahel Argama

Um anime ame ou odeie? Mawaru é um anime que definitivamente não foi feito para todos, com uma trama cheia de reviravoltas, plots em cima de plots e toda a história é cheia de simbolismos. Confesso que o anime não me agradou tanto (só fui terminar por causa da qualidade excelente da animação), mas muitos o consideram dentro do top 3 de melhores do ano e basicamente por isso ele está aqui nessa lista. Eu não sou o público alvo da animação, mas talvez um dos nossos leitores seja e por isso vale a pena conferida.

No. 6

Gênero: Ação, Sci-Fi.

Estúdio: Bones.

Review: Chuva de Nanquim

Esse foi um anime que certamente pegou muitos de surpresa – um ótima surpresa eu diria. Aparentando ser somente mais um anime de ficção científica com um plot interessante, fazendo muitos se lembrarem do controverso Fractale, No.6 se mostrou muito mais do que isso: o crescimento da relação entre dois personagens em meio ao caos dos dois diferentes mundos em que cada um deles vivia. A luta para sobreviver e a descoberta de novos sentimentos. Algo que acho que deve ser citado, é que a maioria das séries que tenham conteúdo gay costumam se vender como tal (a história de um gay que trabalhava em uma biblioteca), ao invés de ser somente um detalhe sobre o personagem (a história de um bibliotecário que por ocasião é gay). E isso é algo que achei bastante digno, No.6 não fez alarde sobre a sexualidade dos protagonistas, sequer entrou nessa questão – a idéia não era levantar bandeiras. Isso foi algo que pegou a todos de surpresa – para a máxima felicidade dos fãs de shounen-ai, risos. Apesar do final um pouco corrido, com certeza um anime que ficará na memória de muita gente por um bom tempo.

Usagi Drop

Gênero: Slice of Life.

Estúdio: Production I.G.

Review: Chuva de Nanquim

O melhor dessa temporada de verão foi um anime que não possui uma história complicada e que não vai explodir sua cabeça. Na verdade ele trata do dia a dia de um homem tentando virar um bom pai para sua “filha”. Usagi Drop emocionou com o crescimento da pequena Rin, fazendo com que o sentimento paterno ou materno dos otakus de plantão fosse lá para cima. Ainda me lembro a tensão que foi o episódio que ela ficou muito doente. Eu realmente me preocupei com a garotinha de uma maneira que nunca pensei que aconteceria. O meu comentário após todo episódio visto era que Usagi Drop sempre fazia o meu fim de noite um pouco mais feliz (é verdade, eu terminava com um sorriso no rosto). Não preciso falar que com certeza ele faz parte dos favoritos aqui da galera do Chuva de Nanquim, não é? E um aviso: Não leiam o mangá.

Outono

Últimos animes do ano. Muitos falaram que essa temporada foi bem fraca, mas eu me diverti bastante com a maioria dos animes dela. Tínhamos uma adaptação de um game que eu adoro, remake de uma série maravilhosa e até uma garota cubo que gerou um post divertido de escrever. Fechando o ano com os 6 animes escolhidos e os 20 animes recomendados de 2011! Vale citar que séries como Persona 4, que também poderia estar aqui, não constam pelo limite de 10 animes. Porém, fica o registro que também é recomendável.

Ben-To

Gênero: Comédia Escolar, Ecchi

Estúdio: David Production

Review: Gyabbo

Quem achou que uma briga pela “marmita” mais barata no mercado seria um anime divertido? Eu que não, mas tá ai, e como disse o Gyabbo: Milagres acontecem. Um anime de porradaria bem divertido, que pegou 99% das pessoas desprevenidas e que mereceu ser citado aqui por ser realmente bom! Tá, a animação nas lutas não é lá essas coisas, mas você realmente nem vai perceber isso. Uma grande prova do que só uma mente (doentia) japonesa pode inventar. Só sei que eu não perderia pra ninguém na porrada, sou faixa branca de Judô, rapaz!

Chihayafuru

Gênero: Esporte.

Estúdio: Madhouse.

Review: –

Eu já tinha visto algo sobre Karuta em algum lugar, era uma coisa meio estranha onde tinha uma mulher recitando um poema e duas pessoas paradas olhando para um monte de cartas. Basicamente era isso que eu conhecia sobre o esporte. Até que chegou Chihayafuru e me ensinou muita coisa sobre esse mundo. É impressionante como um anime pode transformar qualquer esporte em algo extremamente emocionante, como um Hikaru no Go que conseguiu transformar Go em algo divertido de se ver. O anime me capturou rapidamente com uma personagem principal cativante, um “triângulo amoroso” e… karuta! Torço para que a série dure bastante ou que pelo menos tenha uma segunda temporada.

Fate Zero

Gênero: Ação, Fantasia.

Estúdio: Ufotable

Review:

A aposta do ano para o anime que poderia superar Madoka Magica mas que acabou caindo na competição de 2012 (para a minha alegria, pois quero que ele ganhe prêmios de melhor anime do ano em 2012). Contando com uma equipe de peso (Gen Urobuchi, Yuki Kajiura, Ufotable, Ei Aoki e Type-Moon), Fate/Zero provou que não é feito somente de grandes nomes. Gen Urobuchi mostrou que suas tramas são inteligentes e bem amarradas, Yuki Kajiura fez sua parte passando todo o sentimento da série para as músicas, a Ufotable que nos fez achar que estávamos assistindo um filme e não uma série de TV pela excelente qualidade de animação, a direção competente de Ei Aoki e tudo isso sob o nome da famosa e prestigiada Type-Moon. Fate/Zero tem duas temporadas mas não continuou na leva seguinte a de sua estréia, por isso agora encontra-se em pausa mas voltará na próxima temporada de animes. E já na primeira metade fomos apresentados a grandes conspirações, lutas épicas, e tudo mais que não costumamos ver todos os dias num anime. Quem ainda não começou a ver, aproveite que o anime está em pausa e fique em dia! Certamente uma série obrigatória para qualquer fã de anime, indepentende de terem visto ou não o sua sequência, Fate/Stay Night.

Hunter x Hunter

Gênero: Ação, Aventura.

Estúdio: Madhouse.

Review: – 

Eu já disse que ainda não entendo muito o motivo desse novo anime, mas ainda assim admito que ele serviu para apresentar o mundo de HxH para os novos otakus. O anime é divertido, não diria que a adaptação é boa, mas mesmo assim não me faz desistir de assistir como foi com Deadman Wonderland que mudou muita coisa do mangá. O grande problema desse novo anime é que ele passa em um horário que não permite toda a violência que a história original possui, mas ainda espero que aconteça a mesma coisa que ocorreu com FMA Brotherhood, que teve um começo muito criticado e acabou finalizando como um ótimo anime, passando sua primeira versão por muito. No geral, a trilha sonora é ótima, a animação muito coerente e apesar de tudo, é melhor do que o anime anterior. Quem reclama da violência desse, não deve lembrar que o antigo também não tinha lá essas coisas.

Mirai Nikki

Gênero: Ação, Mistério.

Estúdio: asread

Review: – 

Já ouviu falar da expressão “É tão ruim que dá a volta e fica bom” ? Basicamente é isso que eu digo sobre Mirai Nikki. Eu realmente acho a história bem fraca, os personagens são idiotas, a animação não é lá essas coisas, mas eu não consigo deixar de assistir. Deve existir uma magia que te prende. Já li alguns textos da Beta e parece que ela tem esse mesmo sentimento. Eu confesso que coloquei nessa lista mais por conseguir botar 20 animes, mas eu realmente diria pra um amigo meu ver. É um anime com muita violência, alguns picos de boas “estratégias” e que te faz entrar no clima do “jogo” da série. Vale a pena assistir se você curte animes psicopatas e com uma dose de fanservice.

Working!!

Gênero: Comédia

Estúdio: A-1 Pictures

Review: – 

Eu não sou aquele cara que fica muito ligado em coisas bonitinhas e nem retardado o bastante para ficar falando “Ti Bunitinha”, “Kawaii desu” e outras. Mas confesso que Working faz esses pensamentos correrem pela minha mente. É uma comédia que se passa a maior parte do tempo dentro de um restaurante, com uma personagem extremamente moe. Vou te contar que eu realmente gosto desse anime desde a primeira temporada. É bem leve e você nunca vai ver eles apelarem para algo sexual – que parece ser algo obrigatório hoje em dia – fazendo com que eles se baseiem basicamente no carisma de seus personagens.

por Luk e Trunqs (No. 6 e Fate Zero)

Luk

Luk

Eu juro que gosto de animes, apesar de todo o meu haterismo.

Related Post