Primeiras Impressões – Sensei no Bulge

Conheça um pouco mais da nova série da Shounen Jump.

Com o término de Bakuman, Pakky e ST&RS, três lacunas de séries se abriram nas páginas da revista mais popular da Shueisha. No lugar de Pakky, tivemos a estreia de outro Gag mangá, PSI. Já ST&RS largou o tema espacial para abrir lacuna para Koisome Momiji, mais um ecchi. Já no lugar de Bakuman, temos a série com maior expectativa de todas, Sensei no Bulge, também conhecida como Sensei no Balge ou simplesmente Balge/Bulge.

A série é de autoria de Horikoshi Kouhei, mesmo autor de Oumagadoki Zoo, outra série da Jump que acabou sendo cancelada há tempos anteriores com 5 volumes. Ela é uma das séries que muitos acreditam ter sido “injustiçada”, como aconteceu com Double Arts, Akaboshi e outros. De qualquer modo, Kouhei tem sua segunda oportunidade na antologia e os resultados iniciais são animadores. Vamos conferir a estreia do mundo steampunk de Sensei no Bulge.

A história

Industria é um planeta que passa por uma radical transformação. Antes um local pacífico e tranquilo, Industria passa a ser alvo de… aliens. Eles disputam o comando de Industria e guerras e batalhas são travadas para comandar cada ponto do lugar. Tudo é comandado por um rei, que aguarda muito pela ascendência de Bulge, aquele que está destinado a ser o comandante do povo de Industria em rumo a paz. Porém nem tudo é tão fácil quanto parece. Em outro canto da cidade, um garoto chamado Astro é o responsável por cuidar de um grupo de crianças órfãs e para isso dá duro em seu trabalho. Mesmo sendo desajeitado e muito destemido em enfrentar qualquer um, Astro valoriza em primeiro lugar os garotinhos, que ele considera sua família e sempre os mantém como prioridade.

Porém um dia, Bulge aparece na frente de Astro e faz uma proposta: ele deve assumir o posto de príncipe, já que ambos são realmente idênticos e o primeiro não está nem um pouco afim de exercer seu papel na história toda. Antes que Astro pudesse responder que sim, um fatídico acontecimento leva-o ao castelo de Industria e um misterioso poder liberado pelo artefato “Org” o transformará no herdeiro do trono do reino. Agora ele terá que ser o responsável por trazer paz e harmonia para o lugar, além de encontrar uma maneira de reaver seus irmãos que foram deixados para trás no meio de toda a confusão. Astro ou Bulge? Só o tempo vai decidir.

Considerações Técnicas

O que eu posso dizer sobre Bulge é: tem potencial. Apesar de todo o hype que se formou em torno da série, o retorno foi muito positivo. Não dá pra pedir um enredo divino, perfeito, mas ao menos ele tem tudo que um primeiro capítulo de mangá da Jump tem que ter: empolgação e carisma. A série consegue manter muito bem os pontos entre comédia, “aventura” e principalmente ação, além de um traço muito limpo e bonito do autor Horikoshi Kouhei. Conseguimos encontrar na série um protagonista divertido, engraçado e que parece ter o velho clichê de “precisamos proteger quem amamos”, como já é de praxe da Shounen Jump (vide Naruto, One Piece e outros).

Além disso, a ambientação da série é algo ausente hoje nas páginas da revista. Fugindo do background de piratas, ninjas, guerreiros fantasmas (?) e de pijamas, Bulge nos apresenta uma série com pano futurista e com construções que nos lembra muito uma tentativa de steampunk mais leve, ao melhor estilo de Hollow Fields, por exemplo. Porém é cedo para dizer se a série seguirá nesse caminho – lembrando que qualquer tipo de enredo que envolva o steampunk é tecnicamente complexo e envolve muito cuidado – até porque isso pode prejudicar o andamento da mesma. Ficaremos de olho.

No primeiro capítulo não somos apresentados para um vilão da série – e isso não é um erro, afinal são poucos os mangás que apresentam algo assim de cara, usando sempre apenas um “bode expiatório” para explorar o protagonista no primeiro capítulo. Porém já temos a presença daquele que possivelmente será o “personagem alternativo” da galera que acompanhar o título, o cavaleiro e amigo de Bulge/Astro, Tiamat. Ele tem tudo que um “antagonista” precisa: aparência descolada, personalidade forte e um senso de lealdade compensado por uma leve bronca do personagem principal. Ficaremos curiosos para ver o desenvolvimento dele.

Outro ponto que nos chamará a atenção é a presença do contraste entre dois “mundos”, o da riqueza do reino e o da pobreza em que Astro vivia com seus irmãos – que com certeza é uma das partes que fará com que as pessoas mais se apeguem ao protagonista. Espero que esse aspecto também seja explorado com maior detalhes. É algo que me atrai muito em mangás quando temos essa troca de dois ambientes diferentes entre os protagonistas. Foi isso que me chamou a atenção em O Mito de Arata, por exemplo.

Comentários Gerais

Como falei, é muito cedo para dizer se Bulge pode ser um sucesso consolidado nas páginas da Shounen Jump. A fórmula de sucesso dos principais carros chefes da revista conseguiu ser bem estampada nesse primeiro capítulo e isso com certeza o ajudará a ter uma boa recepção no ranking.

É clichê? Muito. Mas não é algo que tenha ficado enjoativo ou com a sensação de “já vi isso antes”. O único porém de tudo isso é que a história apresente um tema que pode ser muito explorado ou ao mesmo tempo pode ser extremamente limitado. Se bem que o autor provou em Oumagadoki Zoo que consegue criar um universo bem extenso – a criatividade é um dos pontos fortes dele.

Espero que ele tenha uma boa recepção da série, e assim consiga se manter bem. Teremos que saber como será a inclusão de um vilão da série, como se seguirá o crescimento do protagonista  e a sua relação com as pessoas do reino. Também ficaremos na dúvida de como será a ocasião em que descobrirão que ele é o falso Bulge. Será que o verdadeiro realmente morreu? Muitas pontas soltas podem se armar, mas uma bela trama também pode ser traçada.

Para quem sentia falta da estreia de um mangá de ação e aventura na Jump, Bulge chegou para cobrir esse espaço. Quem acompanhará essa série? Altas expectativas? Mantenham seus pés no chão, afinal, é a Jump. Tudo pode acontecer na revista de mangás mais famosa do mundo.

Onde ler? Clique AQUI.

por Dih

Dih

Dih

Criador do Chuva de Nanquim. Paulista, 30 anos, editor de mangás da Panini Planet/Manga, designer gráfico e apaixonado por futebol e NBA.

Related Post