Comentando – Kamen Rider Wizard #01

It’s show time!!

O “Comentando” hoje vem com uma série um pouco diferente dos animes…

Episódio 1

The Ringed Wizard

Estreou no ultimo dia 2 de setembro o 14º Kamen Rider da chamada era “Heisei”, o Kamen Rider Wizard. A série chegou para ocupar o espaço de Kamen Rider Fourze e dividir o “Super Hero Time” com Go-Busters. Tá certo que Kamen Rider acabou se tornando uma série pouco valorizada pelos fãs mais “hardcore” da franquia, que preferiam os ‘rústicos’ Kamen Rider Black e outros nostálgicos de sua infância – mas mesmo assim o público que acompanha os Riders da geração “tecnológica” é grande.

Wizard não foi e não é diferente. Com um visual extremamente “chamativo” (não tanto quanto a cabeça de míssil de Fourze) o público alvo da série continua sendo os mesmos que não se importam com efeitos especiais a la Power Rangers, com robozinhos voando e poderes mega-espetaculares saindo de socos e chutes dos personagens. Obviamente que os efeitos melhoraram muito em comparação com as mais antigas como Kuuga ou Kabuto, mas é justamente esse visual que acaba afastando um pouco os novos fãs. Um preconceito bobo, mas que dentro dos seus limites é entendido.

O destaque também fica por conta da música de abertura da série, “Life is SHOW TIME”, interpretada pelo Shou Kiryuuin em seu primeiro trabalho solo (ele é integrante da banda Golden Bomber). Ainda não tivemos a abertura propriamente dita, então apenas a música foi se desenrolando com uma das primeiras cenas de ação do protagonista. Já deu pra sentir o feeling.

A história de Wizard é aparentemente bem simples: um grupo de vilões que surgiu logo após uma espécie de ritual acaba aparecendo no mundo. Eles são chamados de Phantoms e se alimentam do desespero no coração e na alma das pessoas, aproveitando-se para transformarem os aflitos em criaturas como eles. É nesse meio que surge Wizard, um Kamen Rider com poderes mágicos (!!) entregues por um sábio conhecido como White Wizard, e quetem a missão de salvar a humanidade da Phantom, evitando que o desespero assole a população.

Logo nesse primeiro episódio temos a introdução dos poderes de Haruto – o nosso Rider. Diferente de outros protagonistas de outras séries, nessa Haruto já sabe de todos os seus poderes e de como dominar os anéis que o transformam no guerreiro metalizado. A ação que envolve toda a transformação é bem divertida, representando os elementos da natureza como os “regentes” de seus golpes (Fogo, Vento e Terra, nesse episódio) e as cenas das batalhas conseguem ser bem feitas (mas tem que ficar ligado, ou você não vai entender nada de quando ele se transforma e de como ele usa seus anéis do poder tipo Capitão Planeta, mas sem o amor).

A única coisa que me deixou meio “WTF?” foi o momento em que o protagonista interagiu com seus “amiguinhos” robô-animais e podemos dizer que ficou bem bizarro. Mas pra compensar, achei muito bacana a ideia do protagonista entrar dentro do “medo” da vítima e enfrentá-lo de uma forma bem “diferente”. Um dragão a la Kuuga surge e nessa hora a animação ficou bem acima do que eu esperava. Apesar de ainda ser composto de efeitos que são considerados “bregas”, os dragões não deixam a desejar para quem já é familiarizado com esse universo.

Não dá pra ter muita noção do que será da série daqui pra frente. Foi só um episódio, mas ainda deveremos ter explicações de como Haruto conseguiu o poder e dominá-lo, algum flashback de seu passado e claro, a introdução de algum personagem de “apoio” a mais além da jovem Koyomi. Pelo primeiro episódio a série pareceu divertida para quem gosta do gênero e algo “dispensável” para quem não tem afinidade com o mesmo.

Veremos o que nos aguarda na próxima semana. Fiquem com algumas screens do episódio.

por Dih

Dih

Dih

Paulistano, 28 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Atualmente é editor na Panini/Planet Mangá e cuida de títulos como One-Punch Man, MOB Psycho e Jojo's Bizarre Adventure.

Related Post