Mangá Nacional – Conheça e colabore com Tools Challenge!

Quem foi que disse que nosso mercado nacional não tem bons talentos?

Já dissemos muitas vezes que o mercado de mangás nacionais é precário. Seja com a Ação Magazine que ainda luta pra se manter erguida, seja com os lançamentos lendários da NewPop ou com qualquer outra tentativa do mesmo (talvez com a editora Jambo conseguindo se destacar um pouco mais com Holy Avenger e LEDD, principalmente por terem uma fanbase formada em torno dos fãs de RPG). Isso não é novidade para ninguém e nem deve ser encarado como uma ofensa pelos envolvidos. Mas é claro que existem pessoas que lutam por fora para conquistar seu espaço. É o caso do Max Andrade (@Piripaf), vencedor do concurso promovido pela Ação Magazine no ano passado, mas que já vinha se aventurando em uma história na internet chamada de Tools Challenge.

“A história se passa em um mundo como o nosso só que com uma grande peculiaridade: cada pessoa nasce com uma ferramenta. Algumas pessoas nascem com ferramentas especiais, chamadas “série ouro” e não podem viver mais de 15 anos longe delas. Raion é um garoto que nasceu com este tipo de ferramenta especial, mas teve ela roubada quando nasceu, prestes a completar 15 anos terá que lutar para recuperar sua ferramenta se quiser viver.”

A série apresenta um visual bem atrativo, principalmente nas ilustrações principais dos personagens. Além disso, é notável o crescimento da série em diversos sentidos com o decorrer dos capítulos já lançados. Desde a ilustração (que começa inconstante, mas melhora MUITO) até o desenvolvimento dos personagens. Você pode conferir mais da história clicando AQUI e lendo o material disponível on-line e de graça.

A história conseguiu uma boa receptividade entre as pessoas que acompanham esse tipo de projeto e agora as ambições do garoto são maiores. Utilizando-se do Catarse, um site utilizado para arrecadar fundos para projetos, Max pretende dar vida para uma versão impressa de Tools Challenge. Para isso ele precisa de uma quantia de 5 mil reais que precisa ser reunida em até 2 meses. A ideia é dar uma edição caprichada, com 150 páginas (em 5 capítulos) e páginas recheadas de extras desenhadas pelo mesmo. Você pode doar com qualquer quantia acima de 10 reais e dependendo do valor receber uma premiação diferente pelo autor, desde ilustrações, volumes impressos e até mesmo uma “figure” personalizada da série.

Se você pode incentivar a série, não perca tempo. Além disso, o Catarse devolve toda a quantia disponibilizada caso o projeto não se concretize. É totalmente seguro para você e seu investimento. Lembrando novamente que a quantia necessária é de 5 mil reais. Uma quantia considerada “alta”, mas não impossível. Essa pode ser a primeira chance de termos um mangá realmente nacional feito dessa forma (Hero Party, de Marcelo Cassaro, foi feito através de uma iniciativa estrangeira, por isso não entra nesse quesito.)

Acredito que qualquer incentivo nesse quesito é uma ótima oportunidade para abrirmos nosso mercado e principalmente a visão dos leitores sobre o material que produzimos aqui. Boa sorte ao Max e espero que você leitor do Chuva de Nanquim que pode, ajude nesse projeto.

Dih

Dih

Paulistano, 28 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Atualmente é editor na Panini/Planet Mangá e cuida de títulos como One-Punch Man, MOB Psycho e Jojo's Bizarre Adventure.

Related Post

Há 62 comentários

  1. Avatar

    Eu, como aspirante a mangaká, sei como é difícil ter o trabalho reconhecido aqui no Brasil. Espero que dê tudo ser para o Max e tentarei ajudar assim que puder.

    Responder
  2. Avatar

    caramba isso é simplesmente fantastico, seria incrivel ver talentos brasileiros se destacando, quem sabe em alguns anos não tenhamos um mercado de manga mais interessante? Por que não?

    Rayovac!

    Responder
  3. Avatar

    No brasil tem varios talentos, eu mesmo ja tive mais de 10 ideias diferentes para mangas, conheço gente que tem ideia, mas nao tem como aproveita-las no brasil, pois nao tem onde publicar, diferente do japao que existe varias, e varias revistas quee publicam mangas, aqui nao existe nenhuma, mudaria se a weekly shonen jump fosse vendida no brasil, e abrisse um espaço para os brasileiros postarem seus mangas, e sim poderia ser lançado, mas nao tem, entao mesmo se tiver talento no brasil nao vai ser aproveitado, pela falta de oportunidade.

    Responder
    1. Avatar

      bom, na verdade exitem duas revistas que eu conheço. tem a ação magazine que publica obras brasileiras, só que apenas 1 vez por mes.. e tem a newpop.. então. n é que n temos. é que é dificl alcançar isso.espero que um dia apareçam mais editoras..

      Responder
      1. Avatar

        Bom, na prática, mangá (com acento e tudo) já é parte da linguagem popular do nosso idioma, portanto tão válida quanto quadrinhos, principalmente se a estética da obra em questão emula a estética japonesa.

        Responder
      2. Avatar

        Digo em questão do país de origem. Foi fabricado no Brasil, logo cabe uma quadrinho ou um gibi(que ganhou esse nome por causa da revista gibi, o mesmo caso de foto cópia para xerox), assim como chamo gibis americanos de comics e gibis japoneses de mangá. É tudo a mesma coisa(salvo questões estéticas), mais eu gosto de dividir o nome pelo país de origem.

        OBS: Vc é o estranhow do mangatologia?

        Responder
  4. Avatar

    Talento tem sim, mas o pessoal acaba desanimando com tantos obstáculos nesse nosso mercado tão modesto. Só os talentosos “teimosos” é que fazem por onde conseguir o que querem. ^^

    Então, a idéia tem lá sua originalidade, mas à primeira vista não me despertou aquela curiosidade por mais, sabe? Mesmo assim, desejo boa sorte com o projeto e que outros possam não só colaborar, como tomá-lo como exemplo e se arriscar também. Sucesso aí!

    Responder
  5. Avatar

    Achei a história muito interessante mesmo,apesar da arte não me agradar muito. Vou ajudar sim,nem que seja só 11 reais kkkkk
    O quadrinho nacional merece 😉

    Responder
  6. Avatar

    Pagar 10 reais para poder incentivar o aumento da produção de mangás nacionais, é claro que sim. É o preço que eu pago de uma mangá japonês que sai por aqui, e ainda tenho chances de ganhar brindes especiais? Não vejo porque não incentivar. SE VOCÊ SONHA OU JÁ TEVE O SONHO DE PUBLICAR UM MANGÁ AJUDE ESSE PARCEIRO SONHADOR, SE ELE CONSEGUIR, VOCÊ VAI PODER DIZER: “SE ELE CONSEGUIU PORQUE EU TAMBÉM NÃO POSSO?”

    Responder
  7. Avatar

    Ótima iniciativa do chunan! de incentivar isso e atrair a atenção de um público que não fazia ideia de que esse mangá nacional existia (como eu), e que venham mais, vamos mostrar o poder da segunda maior nação otaku e dos seus mangakás!

    Responder
  8. Avatar

    Putz, mercado Brasileiro de mangás ta crescendo ;u;
    Acho que já tá na hora de começar a trabalhar na minha historia (se bem que já tenho boa parte dela pronta, em texto), só falta um desenhista, já que meus desenhos são péssimos D;
    Mas infelizmente, talvez esse seja apenas um sonho perdido de um otaku, fazer um mangá :/
    Talvez um dia, quem sabe, o mercado de mangás nacionais sejam bem alto o/

    Responder
  9. Avatar

    O foda em desenhista ou mesmo roteirista nacional é a falta de originalidade. A maioria se deixar levar excessivamente pelos gostos pessoais e acabam praticamente plagiando descaradamente.
    Nesse caso nao configura exatamente isso como descrevi acima contudo é evidente que o protagonista é uma mistureba de dragon ball com o finado Bucky da extinta band kids e um tiquinho de yuyu hakusho.
    Achei bacaninha mas temo que o rapaz nao consiga atingir seus objetivos no Brasil é muito dificil ainda mais quando falta originalidade uma estoria empolgante , esse lance de ferramentas nao sei nao.

    Responder
    1. Avatar

      Concordo plenamente: a falta de “originalidade” mata o mangá nacional logo quando nasce. Temos que fortalecer a nossa indústria sim, porém ainda falta achar autores que tenham uma visão mais apurada de mercado. Não adianta; a maioria dos leitores não irão comprar trabalhos amadores, e no Brasil, a população – principalmente os jovens – não estão nem aí para incentivar o crescimento do mercado nacional..

      Acho que ao invés de ir pelo caminho convencional, nossos aspirantes a mangaká tem que encontrar “nichos” diferentes. Que tal algo com uma temática mais madura? Se for juvenil, por que não mexer com um tema diferente? Creio que há muitos personagens do nosso folclore que, colocados num contexto e roupagem nova poderiam dar bons frutos.

      Não é um comentário criticando especificamente o trabalho do Max, e sim para os nossos autores em geral. De qualquer forma, vejam como uma “crítica construtiva”, e não como uma ofensa. Vou ajudar como posso. Desejo boa sorte.

      Responder
  10. Avatar

    Gostaria de ajudar, e ate tentei, mas pelo jeito nao aceita pagamento pelo Paypal, ne?

    Confesso que eu costumo ser muito critico em relacao aos mangas nacionais, cuja maioria tem um traco muito generico, seguindo a cartilha do estilo manga fielmente e se esquecendo de adicionar um toque pessoal. Mas Tools Challenge parece ser bem promissor (logico, da da pra melhorar em varios aspectos, e creio que o proprio autor cobra isso de si mesmo), pela trama original.

    Boa sorte ao autor!

    Responder
  11. Avatar

    O Problema é q tem muita gente querendo ser Mangaká por aki, e realmente poucas afim de ler uma serie nacional. Sorte ao cara, pois trabalhar com o se ama é sempre bom, no caso dele Desenhar né.

    Responder
    1. Avatar

      Que pena cara, se você acha que isso é motivo tudo bem, ams era melhor olhar o conteúdo, porque o resto não importa.

      Tools começou nesse sentido por causa de um concurso, e como eu não tenho problemas com isso ficou assim mesmo. Foi mal o desagrado aí.

      Responder
    2. Avatar

      SInceramente eu acho isso uma tremenda bobagem, os mangás do Japão obviamente são lidos da esquerda para a direita porque essa é a forma como eles estão acostumados, e já que o mercado principal é o próprio Japão, não tem pra que descaracterizar e colocar da direita para a esquerda. Já um mangá feito aqui para as pessoas daqui pode muito bem seguir a ordem de leitura a qual nós estamos mais acostumados, da direita para a esquerda. Isso é meramente uma questão de convenção;

      Responder
      1. Avatar

        Acho que voce se confundiu na resposta. Direita pra esquerda seria o estilo oriental, esquerda pra direita sim seria o que estamos acostumados. E eu particularmente acho que manga nao se trata apenas do estilo de desenho, mas sim engloba toda a vertente envolvida no processo de criacao, incluindo a diagramacao.

        Responder
  12. Avatar

    Linda iniciativa do blog, um espaço para divulgar e principalmente debater e criticar (esse é o ponto mais importante) o quadrinho/mangá nacional é de fundamental importância para o crescimento do mesmo. E usar uma ferramenta conhecida como o Chuva de Nankin para isso é sensacional.

    Eu ja conhecia o Max Andrade (tanto que tenho o logo dele no meu blog) e sei da qualidade do cara, é um talento a ser observado de perto pelos fãs de quadrinhos.

    A deixarei aqui meu quadrinho pro pessoal conhecer, ja que a propaganda é alma do negócio hehe:

    http://m.dpzine.com/2012/02/ucs-unidade-de-controle-sobrenatural.html
    ou
    emersonvalera.blogspot.com

    Responder
  13. Avatar

    Haha muito bom, tenho certeza que existem muitas pessoas com um dom natural para mangás por aqui no Brasil.
    Achei demais uma história de “pedreiros” em desenhos uAHEUaheuaEhUAEHUE!
    Parabéns!

    Responder
  14. Avatar

    Estou torcendo para que o manga de certo,quando der irei contribuir
    Espero que o mercado de mangas nacionais cresça e se torne um potencia,tenho 17(9 dias para 18) anos e meu sonho é ser mangaká e ver noticias como essa me alegra muito.

    Responder
  15. Avatar
    Jefferson Rodrigues |

    seria ótimo ter gibis, mangás, comics, HQs, como queira chamar, lançados por brasileiros. Lembremos que a arte dos quadrinhos melhora conforme o artista continua a desenhar. Pegue qualquer mangá de longa duração por exemplo. Leia o primeiro capítulo de One Piece e leia agora o último. A diferença é monstruosa! Minha ressalva na arte do Max(que está de parabéns) são os cenários, eu também acho isso nos capítulos de Ledd. Os cenários são meio que simplórios. Se eu fosse fazer um quadrinho brasileiro, eu faria uma história que envolvesse o Brasil em si. Algo como em Code Geass, aquela coisa de independência, mas sem os mechas ou futurismo. O Max está de parabéns. Avante, não desista!

    Responder
  16. Avatar

    Confesso que estou tendo dificuldade com o formato =(
    Mas não é crítica… tenho o mesmo problema com o manhwa. É que leio tanto mangá que até me dou spoiler nas tirinhas de jornal por ler da direita para a esquerda… mór chato.

    Vou ajudar o/

    Responder
  17. Avatar

    De cara me lembrou Soul Eater, mas depois me lembrou mais os típicos mangás mais oldschool. Gostei do traço e vou dar uma lida nos capítulos liberados. Em todo o caso vou tentar propagar a campanha, mesmo que possa ou não colaborar com ajuda financeira. Desejo boa sorte e que o projeto avançe a passos largos! o/

    Responder
    1. Avatar

      Galera alguém lembra de um mangá que é desenhado por uma brasileira que mora no japão onde a heroina é uma lutadora de capoeira? Queria achar esse mangá pra baixar…

      Responder
  18. Pingback: Ajude o mangá Tools Challenge a ser impresso - TechQuila

  19. Pingback: Promoção – Concorra a duas edições do mangá Tools Challenge! | ChuNan! - Chuva de Nanquim

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *