Review – Dragon Ball Z: A Batalha dos Deuses (2013)

Batalha Dos Deuses FilmeOi, eu sou o Luk!

Dragon Ball é um dos meus animes favoritos de todos os tempos. Sempre paro para assistir um episódio na TV não importa quantas vezes tenha passado. E como fã cego eu consigo aguentar até mesmo as piores coisas feitas sobre a ele. Seja Dragon Ball GT ou até mesmo o maravilhoso filme live action Dragon Ball Evolution (esse eu vi no cinema, pasmem). E os filmes em animação de Dragon Ball Z não fogem muito dessa baixa qualidade. Foram 13 filmes feitos ao todo e praticamente conseguiu me agradar, fora que muitos nem conseguiam se encaixar na cronologia direito. Até hoje lembro de um em que um inimigo Namekuseijin é derrotado porque o Gohan começou a assoviar uma música no seu ouvido. Talvez o único vilão realmente não explorado de forma correta nos filmes tenha sido Brolly, mas isso é assunto pra outro post.

Dragon Ball Z Batalha dos Deuses (10)Em 2012 uma notícia trouxe de volta Dragon Ball Z na boca dos fãs de todo o mundo. Chegava o 14° filme da série e esse teria o roteiro escrito pelo autor Akira Toriyama! A internet explodia a cada notícia, todos iam ficando animados com a possibilidade de uma continuação após o filme ser anunciado e a cada trailer lançado no YouTube. E para a surpresa de todos eles resolveram lançar o filme aqui no Brasil também! Inesperadamente até a minha cidade recebeu uma cópia e claro que eu corri para reencontrar meus velhos amigos na telona.

Sim, o review possui spoilers do filme. Leia por sua conta em risco!

Dragon Ball Z Batalha dos Deuses (11)A História

A paz no universo está prestes a acabar após Bills, o Deus da Destruição, acordar de um “cochilo” de apenas 39 anos. Bills teve uma premonição através de um sonho que falava sobre um possível rival que consiga lutar igual para igual com ele e apenas um nome rondava em sua cabeça: Deus Super Saiyajin. Ao lado de seu companheiro Whis, Bills resolve ir em busca de seu possível adversário e entender seu sonho. Os únicos que podem conhecer esse tal Deus Super Saiyajin são os Sayajins sobreviventes do Planeta Vegeta. Claro que estamos falando de Goku e Vegeta, que são os alvos de Bills nessa respectiva ordem. Mas enquanto isso, na Terra, a festa de aniversário da Bulma reuniu todos os guerreiros Z na corporação Cápsula. Vegeta segue treinando isolado em busca de uma forma perfeita e Goku está no planeta do senhor Kaioh fazendo o mesmo. Qual será a impressão de todos com a chegada do Deus?

Considerações Técnicas

Vamos deixar claro antes de qualquer coisa e informar que Dragon Ball GT não é desconsiderado da cronologia após esse filme como muitos diziam – até mesmo aqui no site informamos isso de forma errada em algumas notícias, uma vez que era o divulgado até então. A história de Battle of Gods se passa após a derrota de Buu e antes do torneio onde Goku encontra o jovem Uub.

Dragon Ball Z Batalha dos Deuses (7)Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses – título que recebeu em nosso país – foi lançado nos cinemas nacionais no dia 11 de outubro de 2013, cerca de 7 meses depois de sua estreia no Japão. Tá achando muito tempo? Em países como Espanha e Itália o longa demorou ainda mais pra chegar. O longa metragem possui cerca de 1 hora e 25 minutos de duração e aqui no Brasil, depois de muitos pedidos de fãs, foi dublado pela grande maioria dos dubladores originais – com exceção do Senhor Kaioh, por questões contratuais. Com direção de Masahiro Hosoda (Gash Bell), roteiros de Yuusuke Watanabe (Gantz – Live Action) e história original de Akira Toriyama, o filme faturou em nossos cinemas o suficiente para ter uma certeza de sucesso interminável da franquia de Dragon Ball Z no Brasil.

Mas falando sobre o filme em si, A Batalha dos Deuses apresentava trailers que aparentemente vendiam o filme como um de ação, mas você pode se surpreender nesse ponto. A Batalha dos Deuses é muito mais um filme de humor, quase remetendo aos tempos de Dragon Ball e seu humor clássico. Algumas piadas inclusive são bobas, sem graças e extremamente infantis, mas apesar de tudo carrega a mesma essência de Akira Toriyama durante toda a sua série. Um humor inocente e “feliz”, destacando mais do que nunca a infantilidade eterna de Goku em busca de uma “batalha perfeita” – a visita de Bills mostra bem esse ponto.

Dragon Ball Z Batalha dos Deuses (3)A história do longa em si é fraca. Brincamos que na verdade é um grande material para fãs matarem a saudade. O filme se alonga demais em alguns momentos sendo que no mínimo 20 minutos poderiam ser descartáveis. O filme começa com uma introdução ao “vilão” (que de vilão não tem nada) e depois disso temos a parte da festa da Bulma que basicamente é a responsável pela maior parte dos 85 minutos. Nela o plot se arrasta demais com cenas completamente desnecessárias, apenas para colocar uma piadinha aqui ou ali. Um exemplo disso é a existência do grupo Pilaf na trama. Mesmo sendo uma “homenagem” a um personagem clássico, o trio acabou sendo responsável por diversas cenas durante Battle of Gods, todas com cunho de comédia (ok, as partes com o Trunks foram bem boladas). Fora as trocentas cenas envolvendo Bills e Whis descobrindo a maravilhosa culinária japonesa e o seu desejo por um pudim. Enquanto isso temos um Vegeta que realmente perdeu todo o seu orgulho Sayajin e virou um alivio cômico – e que divide a reação do expectador entre um “Por que, Deus?” e um “Vegeta, você é um herói.”

Dragon Ball Z Batalha dos Deuses (14)O que sobra após tanto tempo perdido na festa da Bulma? Bom, temos as lutas que não realmente empolgantes, sendo que apenas uma é dignamente boa. A luta principal do filme é estranha pelo fato de não ser encarada de forma “séria” por nenhuma das partes. Goku não está preocupado com o resultado final, apenas com seu poder. Já Bills luta por diversão. Se você espera também alguma transformação incrível em “Deus” de Goku, pode parar por aí. Com uma aparência totalmente “sem graça”, tudo que vemos é uma paleta de cor diferente no cabelo e uma aparência mais esbelte. Por mais que eu ache o Super Saiyajin 4 horrível, ao menos tentaram fazer algo diferente e “evoluído”. Também vale um destaque para a luta de Vegeta e Bills. Apesar da explicação de Vegeta “ultrapassar” o poder de um Super Saiyajin 3 ser forçada, a ideia do afeto do príncipe por Bulma ser tão forte realmente é interpretada de uma forma bonita pelo melhor personagem do longa.

Se tivéssemos que apontar um grande defeito da animação, ele seria a falta de um sentimento de perigo e até mesmo seriedade vindo de Bills. Em nenhum momento ele realmente passou uma impressão de grande ameaçada. Tudo que ele queria era sua satisfação própria – que de fato poderia ter ocasionado a destruição de tudo, mas no fim era medido pelo seu bom humor e pela participação de seu ajudante (que é mais importante do que você espera). Bills não é um vilão. É apenas um personagem colocado no filme como ponto de força para enfrentar Goku e os outros guerreiros. Isso quebra um pouco a escrita de Dragon Ball, que desde Taopaipai ou Majin Boo, sempre teve um grande ocasionador de problemas reais. Isso não estraga a experiência do filme, mas são coisas que você pensa após o término do mesmo.

Dragon Ball Z Batalha dos Deuses (5)Quanto a animação temos um ótimo investimento se tratando de um filme para cinema de uma franquia que não busca grandes vôos como um Ghibli. Apesar de alguns frames engraçados e feitos “de última hora”, Batalha dos Deuses poderia ser explicado como “o que os fãs imaginavam que Dragon Ball Kai seria se os produtores tivessem refeito a série”. Tivemos momentos em que a tecnologia 3D foi usada em cenários ou pequenas passagens, mas nada que possa incomodar ou tirar a imersão. A trilha sonora também não é nada demais, e diria que um dos grandes pontos fracos da animação. Poderia ser mais explorada em certas partes. Pra compensar, tivemos o FLOW dando um toque de qualidade com a música tema.

Mas se existe algo que Battle of Gods acendeu, com certeza foi o final. Akira Toriyama dá a entender através de Bills que poderemos ver uma continuação ou uma expansão do universo de Dragon Ball Z, com tramas envolvendo outros universos e inimigos cada vez mais poderosos. Sabemos que o autor nunca foi fã de carteirinha de Dragon Ball GT e essa seria uma possibilidade de se “redimir” com os fãs. Mas não existe nenhum tipo de confirmação ou expectativa sobre isso, apenas boatos sem fundamentos na internet. Além disso, Toriyama já está velho e disse recentemente que não aguentaria um grande trabalho. Esse possivelmente seja o motivo para que Battle of Gods tenha sido a última grande aventura dos guerreiros Z.

Dragon Ball Z Batalha dos Deuses (8)Comentários Gerais

Dragon Ball Z – A Batalha dos Deuses definitivamente não é a última bolacha do pacote como boa parte das pessoas achavam que seria. Com elementos atrativos para os fãs clássicos da série e com uma comédia característica da série, o filme é um bom prato de recordação para os veteranos de batalhas, e um bom prato de apresentação para as crianças que não conhecem perfeitamente a história de Goku – imagino que uma criança de 10 anos pirou com um filme assim. Sendo um filme lançado por aqui no Dia das Crianças, Dragon Ball Z serviu para revitalizar um público que nunca morre no Brasil, de uma das franquias mais queridas e rentáveis em nosso solo.

Além disso, diria Battle of Gods foi uma porta interessante para estimular mais as produtoras a trazer animações japonesas para cá. É uma forma de dizer que, trazendo o “certo” ainda temos uma ponta de esperança.

Dragon Ball Z Batalha dos Deuses (2)Antes de acabar, um último ponto: Não deixe de assistir os créditos. São maravilhosos e nostálgicos para quem acompanhou a historia pelo mangá. E quem conseguiu acompanhar no cinema tenho certeza que se emocionou com o último Kame-Hama-Ha.

OBS: O filme agora está disponível no Netflix Brasil.

Luk

Luk

Eu juro que gosto de animes, apesar de todo o meu haterismo.

Related Post

  • Geane

    Aqui em fortaleza qnd fui ver no cinema estava bem vago,quase vazio(a censura tirou os pivetes acho) mas foi muito foda poder rever e ver algo novo de DBZ!Teve muita piada boboca msm,mas que se dane ameeiiii rever todos estes personagens antigos!e sim aqueles créditos foram fodas e ahh aquela versão nova de cha la head cha la(flow tb cantou essa acho?) e hero tb são ótimas ohoho

  • Diego

    Pois aqui em Belém, a sessão na qual assisti, no 1º sábado em exibição, estava lotada. E segundo me contaram, enquanto esteve em cartaz em mais de 1 cinema em minha cidade, as salas mantiveram-se sempre em sua lotação máxima.

  • Shura

    Eu assisti em japonês mesmo. Já to acostumado com aquela voz fina do Goku. Eu tbm esperava mais do filme só de ver o titulo “battle of gods”

  • Dragon Ball sempre vai ser a historia mais fantástica de tds os tempos, sendo q serviu de influencia pra quase tudo q veio depois dele, ou é so eu q acho q a maioria dos protagonistas Shonen são uma copia do goku? Toryiama construiu as regras q foram seguidas pelos outros. Tendo disto isso, tambem sei q Dragon ball nunca precisou de grande esforço pra ser compreendido, os vilôes so iam aparecendo, sem motivo, e o pau comia. Enredo comun, e quando se tratava dos filmes ai que a coisa era Horrivel mesmo, por isso nem me animei a ver esse.

    E pra terminar, tenho q dizer que o Maior Erro do Toryiama foi nunca ter investido numa saga para o Brolly, iria render MUUUito mesmo. e por coincidência estava eu hj no fim de minhas ferias vendo Dragon ball z a tarde, saga dos Sayajins, q Maravilha…

    • JMB

      Ao invés do tosco do Majin Boo, a última saga deveria ter sido do Brolly

      • Sennaffogo

        Na verdade, o último inimigo poderia (e talvez deveria) ser o Brolly, independentemente de quantos e quias inimigos viessem à sua frente.

  • Rod Will-Go

    Talvez seja eu um purista, mas como fã da série, que chega colecionar mangás de péssima qualidade, achei o filme fraquíssimo e como os “defeitos” que não gosto na série. Secundários que só apanham, trama concentrada em um só vilão, Goku cada vez mais forte, embora o resultado seja o mesmo… Não fui ao cinema por visar que seria um caça níquel, e pra mim, foi exatamente isto. Podiam deixar a coisa como está.

  • Rolou uma lágrima masculina aqui.
    ótimo post, Luk!
    É sempre bom matar nostalgia! E eu digo mais:
    Dragon Ball é eternO. Vou fazer meus filhos assistirem Dragon Ball, pois ele é foda.
    Obrigado, Goku. Obrigado por tudo.

  • Binho-kun

    Cara, sinceramente, Dragon Ball (Z e GT) é parte de minha infância e adolescência, mas esse filme, p/ mim, não representou a franquia. Vi o filme com muita empolgação, no entanto, ele não me agradou. Houveram, na minha opinião, mais de 20 minutos recicláveis, muito mais que isso! A luta apenas aconteceu nos últimos minutos e não foi lá grande coisa; a batalha entre Goku e Vegeta na saga Z (Boo) foi mais interessante.
    O humor também não caiu muito bem em certos momentos, mas deu pra levar. Tirando isso, achei uma história original até, além de ser bom rever Goku e sua turma. Uma pena que como sempre apenas Goku e/ou Vegeta apresentem-se e os outros personagens tornem-se apenas figurantes que falam.

  • Gosto bastante de DB e de sua geração de animes.
    Mas, com minha lealdade devotada a Saint Seiya (como alguém que já havia saído das fraldas, há muito tempo, em 1994), tive que reparar no título e na temática escolhidos para o filme: “Batalha dos deuses (http://opinibox.com/Pix/107402/big/saint-seiya-a-grande-batalha-dos-deuses-1988.jpg).
    Fica o meu registro.
    Parabéns à equipe do site pelas matérias.

  • egonlucas

    O filme foi ruim, assim como toda história a partir do Z de Dragon Ball.

  • A empolgação ficou num nível acima do próprio filme, mas é Dragon ball meu Anime favorito forever. Sou amarradissímo em Broly e tb acho q uma saga dele seria o ideal. Contudo rever meus personagens queridos numa franquia e imagem renovada foi um belo presente prá mim.

  • Só uma coisa Luk, o Toriyama ele não escreveu o roteiro. Ele apenas revisou o roteiro o grande mestre foi produtor do filme e o longa foi roteirizado pelo Yusuke Watanabe (Gantz Live-Action e 20th Century Boys Live Action), o que foi algo realmente bom o trabalho do Watanabe tivemos até construção de personagem no filme o que dificilmente vemos na série toda em si.

    Sou muito fã de Dragon Ball Z, meu anime favorito e com certeza teremos uma continuação já que o próprio Toriyama anunciou em um texto na contra capa do Blu-Ray do filme, a e só uma coisa DB GT é desconsiderado da cronologia oficial. Totalmente sendo chutado para uma linha temporal alternativa já que o filme se passa 4 anos após a batalha contra o Buu, para mim é o melhor filme da franquia por diversos fatores desde construção de personagem e conflito de personagem.

    É isso, valeu até a próxima! /o/

  • Mugiiya

    A melhor parte do filme, sem sombra de dúvidas, são os créditos. Ali foi onde os 85 minutos valeram a pena. Nostalgia emocionante e aquela vontade de comprar todos os volumes do mangá para ler e deixar na prateleira.

  • Com já havia dito em outro post, gostei do filme serio não achei ruim. Foi abaixo da minha expectativa, mas ainda era Dragon Ball, não tive do que reclama. A luta foi abaixo do esperado , o Super Saiyajin God realmente foi fraco e a luta só se desenrola bem quando o Goku luta novamente no já clássico Super Saiyajin. Mas ainda sim foi fiel aquilo que conhecemos,ainda mas pra quem ta relendo o manga que ta sendo lançado pela panini. Acho que foi valido o filme ó poderia ter um caprixo maior na história, assim como houve naquele especial de 2008 ao qual eu realmente achei muito bom.

  • Sinciciotrofoblasto

    Ninguém sentiu que o final da série Ginga Patrol Jako, com a idéia dos patrulheiros do espaço, no mesmo universo de dragon ball, dizendo que jako é um dos mais fracos entre eles pode estar relacionada com o que Bill afirmou no fim do filme? Será que a série nova do Toriyama não seria um prólogo do que está por vir. Lembrando que os acontecimentos do mangá Ginga Patrol Jako são exatamente antes do goku chegar a Terra. Quem não leu ainda vale a pena ler.

  • Rafhael Victor

    Luk, só pra constar, o dublador do Trunks tbm foi alterado, quem o dublou no filme foi o mesmo dublador do Carl do TWD, não o Diogo Marques.
    Pra mim foi o pior filme de toda a série, até o do Slug, que é o vilão enfraquecido pelo assobio (com justificativa) ou o do Garlik Jr são melhores, tem mto mais ação, n desperdiçam metade do longa e, ao contrário do BoG, não mexeram na personalidade do Goku, tosco demais ele se achando o mega bad ass no início do filme, tentando maneirar com o Bills, ou ele deixando os amgs apanharem apenas para bolar um plano (wtf? goku pensando antes de lutar?) pra vencer o inimigo.
    De qlq modo, fui pra outra cidade assistí-lo (ja que na minha chegou com mais de um mes de atraso) e digo q valeu a pena, mais pela nostalgia e empolgação de assistir dbz no cinema do q pela história em si.

  • raizo

    eu esperava mais desse filme tendo em vista que se trata de dragonball enfim, não foi um filme memorável mas,valeu apena por ter visto a galera toda reunida depois de tantos anos e pra mim teve mais comédia do que porradaria.

  • Felipe Polido

    Bem, já vou dizer de cara que não gostei do filme, e ainda acho o GT uma continuação melhor para a série. Minha maior decepção foi com o fato do filme ser comédia ao invés de ação, já que como o Luk disse, os trailers davam a entender o contrário. Acho que um filme do Dragon Ball Clássico ou mesmo do GT com foco na comédia seria válido, mas a série Z sempre foi voltada mais para ação.

    Na minha opinião foi o pior filme da série até aqui, mesmo se incluir na lista o Dragon Ball Evolution, que, por pior que tenha sido, tinha um enredo (simples, é verdade, mas nada tão estúpido quanto “vou destruir a Terra, porque não me deixaram provar um pudim”). A forma do Deus Super Saiyajin mostra que a fonte de criatividade do Akira secou; o SSJ4 (que é minha segunda transformação preferida em toda a série, depois do SSJ3), mesmo não seguindo o padrão de pêlos dourados, tinha um design original e inovador na época em que foi criado; não se pode dizer o mesmo do DSSJ. As cenas que poderiam contar pontos positivos pro filme (exs.: o fato de Bills conhecer Frieza; sua ligação com o Rei Vegeta e o próprio Príncipe Vegeta) são tratadas com desleixo e mau explicadas, fora a história do DSSJ que nunca antes havia sido mencionado na série, nem mesmo em fillers, OVAs ou filmes, além de grupos de saiyajins bons serem citados no filme, o que contradiz tudo o que foi mostrado anteriormente, já que todos os saiyajins que tinham aparecido antes eram 100% maus, pois era da natureza deles, com exceção do próprio Goku que tinha batido a cabeça quando pequeno.

    Os únicos pontos positivos do filme, a meu ver, foi ter comprovado que saiyajins sobrevivem no espaço sem oxigênio (por quanto tempo, ainda é incerto) e a possibilidade de uma continuação da série ou do filme (já que o final do mesmo terminou em aberto).

  • Kaah / Kira

    Eu acho que se o vegeta tivesse virado o deus super sayajins tinha dado um pau melhor no bills. Pois o vegete em apenas super ele bateu bem no bills enquanto goku em seu super sayajins 3 foi derrotado em 2 golpes.

    E sim o Brolly seria uma boa escolha para uma saga, pois sinto que seria um boum personagem pra se contar a historia. Pois ele seria mais forte hoje em dia do que o proprio Goku. Mas como eh personagem principal entaum fica dificil.

    Sinto que talves tenha outro filme. E quem naum se arrepiou quando vegeta disse: Naum bate na minha Bulma. Porra foi a parte mais fodah. Mas eu tbm me arrepiei quando o goku disse: Chega de tanta destruiçao…o filme foi fraco mais foi esperado que o goku naum pudesse vencer um deus e sim se tornar amigo dele!

    Abraço a todos

  • “com exceção do Senhor Kaioh, por questões contratuais. Com direção de Masahiro Hosoda (Gash Bell), roteiros de Yuusuke Watanabe (Gantz – Live Action) e história original de Akira Toriyama, o filme faturou em nossos cinemas o suficiente para ter uma certeza de sucesso interminável da franquia de Dragon Ball Z no Brasil.”

    Os dubladores do Cutelo, do Dai Kaioshin, do Dendê e do Kibitoshin também foram trocados.

    No mais, nenhum dos vilões dos outros filmes foi muito aproveitado. O Broly inclusive foi o melhor deles, por ser “original”, é, tem o Bojack e a gangue dele também. Mas fora esses 2, o resto dos vilões de DBZ é puro lixo.

  • Rafael

    Outro detalhe que tem marcado os novos projetos de DB, é que os traços estão mais pobres. A tecnologia (brilho, coloração dos desenhos) está melhor, mas o traço não. Está bem infantil pra falar a verdade, é só reparar a evolução durante o anime, a cada três episódios mais ou menos, dois são bem desenhados e um é bem mal desenhado. A cada nova saga vai melhorando, reparem na saga boo, a quantidade de detalhes do cenário (grama, terra…) e dos personagens, principalmente. Se o dono do site, que pelo que vejo, entende bem de DB pelo que escreve, já tiver reparado e souber algo sobre isso, seria interessante se falasse sobre isso. Fico curioso se mudaram os designers; Quem eram os antigos; Etc.

  • Pingback: Review – Os Cavaleiros do Zodíaco: A Lenda do Santuário (2014) | ChuNan! - Chuva de Nanquim()

  • Filme novo esse ano Porrraaaaa

  • Pingback: Music Monday: Dragon Ball Super – Genkai Toppa × Survivor – Chuva de Nanquim()