Ranking Oricon de Vendas de Mangás: 11 a 17 de Maio

barakamonheaderO amor está no ar com Barakamon e Natsume no top 10.

A segunda maior editora de mangás do Japão dominou nessa semana. A Kodansha se aproveitou de uma semana “em branco” da Shueisha para predominar no ranking da Oricon de mais uma semana de maio.

Os mangás grifados em amarelo são os comercializados no Brasil. A fileira “Vendas Total” contabiliza a soma das semanas que o mangá já se encontra no ranking.

maio11a17oriconmanga

Semana de muitos lançamentos da Kodansha!

Barakamon 11Barakamon, Fairy Tail e Shigatsu wa Kimi no Uso dominando o ranking da semana! Barakamon dominando o ranking sendo o mangá mais vendido dessa semana com a tiragem de seu volume 11, que já alcançou mais de 200,000 mil cópias vendidas. Lembrando que o mangá ganhou uma adaptação para anime no ano passado e ainda conta com um spinoff, Handa-kun. Fairy Tail fica em segundo lugar com a venda de seu volume 49, ultrapassando mais de 150,000 mil cópias vendidas – e para quem não lembra, essa é a segunda vez que o mangá fica uma casa abaixo do pódio em semana de estreia; o volume 48, lançado em meados de março, vendeu mais de 250,000 mil cópias em na primeira semana de lançamento, bem mais que seu irmão. Porém, vale lembrar que Fairy Tail teve menos dias contabilizados. Veremos seus resultados melhor na próxima semana. Shigatsu wa Kimi to Uso 11 fecha o top 3 com o último volume da série shounen (que parece mais um shoujo) vendendo um pouco mais de 130,000 mil cópias e que ainda conta com a sua edição limitada. O que fez chorar mais: o fim da série ou o suferring quando os fãs a acompanhavam?

Além desses três acima, temos mais dois lançamentos entre os dez mais vendidos: o josei Tokyo Tarareba-Jou 2 que faz sua primeira aparição no ranking vendendo mais de 60,000 cópias – para quem ficou surpreso com um mangá da demografia entre os dez mais vendidos, informo que essa é a nova série de Higashimura Akiko, autora de Kuragehime (uou!) – e também temos o shounen de esporte Baby Steps que entra no ranking vendendo 50,000 cópias com seu volume 35.

Natsume Yuujinchou 19Natsume Yuujinchou continua mostrando sua força ao vender 400 mil cópias na sua segunda semana. É um tal “shoujo diferenciado” que algumas pessoas procuram e que mostra que no Japão essa fama é recompensada com vendas altíssimas. Que a quinta temporada do anime coroe esses números.

A semana ficou dividida, metade das posições são ocupadas por obras que já foram lançadas a algumas semanas, mas entre os novos estão: Area no Kishi – mangá de futebol da Shounen Magazine, Fuuka – do mesmo autor de Kimi no Iru Machi, Domestic na Kanojo – da mesma autora de G.E. Good Ending, Yumekui Merry, Real Accout e um dos mangás da série Dan Machi – mas que não é a mesma história do anime.

Dos representantes das séries com anime na temporada temos Arslan Senki e Owari no Seraph – que se consolidaram como sucessos – e volumes novos de Yamada-kun e Triage X. Esses dois não tiveram um sinal de boost. Na verdade Yamada-kun tem uma situação ainda pior: o mangá já passa de 15 volumes e não tem vendagens satisfatórias para um título da principal revista shounen da Kodansha. Mangás com menos volumes da mesma publicação já conseguem superá-lo sem grandes dificuldades. Já Triage, que não chega a ser um fracasso, mostra que a editora provavelmente sente faltas de Highschool of The Dead.

Outro destaque especial vai para Ataque dos Titãs e One Piece. Os dois títulos já estão a 6 e 7 semanas, respectivamente, no ranking. E de longe são os mangás mais vendidos no Japão, sem ninguém nem próximo de incomodá-los. One Piece, por sinal, ganhou um aumento – uma procura, no caso – maior com esse volume do que com os anteriores.

Da lista, 9 dos 50 mangás são publicados no Brasil atualmente entre as editoras Panini (5 títulos) e JBC (4 títulos).

Dih

Dih

Paulistano, 27 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Hoje é editor assistente da Panini Mangás e colecionador compulsivo de quadrinhos em geral.

Related Post

  • “Que a quinta temporada do anime coroe esses números.”
    PFV vem 5ª temporada vemmm

  • Micael Okamura

    Owari no Seraph até que continua vendendo bem.
    E galera, desta vez não farei comentários sobre os mangás, não só porque não tem muito o que comentar sobre os títulos, vai ser tudo “dispensa comentários”, mas tenho uma coisa séria pra falar, que eu gostaria que lessem, o DIh, principalmente, gostaria que lesse até o fim: Ranking Oricon passado, eu comentei o que eu achava de Owari no Seraph, e fui sincero: “É meio clichê, lembra um pouco Ao no Exorcist, Shingeki no Kyojin, Bleach e Tokyo Ghoul. Mas até que é legal, mas não o considero o melhor da temporada.”. SIm, é isso que penso. Não é um mangá ruim, tem seus clichês, algumas coisas ainda não me convenceram, mas tá legal de acompanhar. Eu só estou citando isso pois um cara que nem citarei o nome para não gerar confusão comentou o seguinte:
    “O ranking é de MANGAS VENDIDOS durante a determinada semana e não de bosta de anime. Na verdade, comentário de merda. Tudo baseando em anime e nunca leu um capítulo de qualquer um dos mangas, do contrário não falaria a merda de dizer que o no Exorcist, Shingeki no Kyojin, Bleach e Tokyo Ghoul são clichês. Típico otaCU. Só fala de merda de anime querendo discutir a obra.
    Que patético!”
    Galera, quero deixar claro que: 1º Nunca quis discutir quem é melhor ou pior aqui, apenas dou minha opinião pessoal. 2º Nunca ofendi Owari, só falei que ele é clichê. Desde quando dizer que é clichê é ofensa? Tem muito mangá que é clichê mas é bom, como Black Clover, que parece mistura de Fairy Tail com Naruto, e World Trigger, que tem algumas partes que lembram Bleach. Gente, não é o clichê ou não que vai determinar se é algo ruim, mediano ou bom. Claro que fazer comparações é inevitável, e sei que muita gente como eu gostaria de ver coisas novas, mas num mundo como esse onde ideias estão se esgotando, é inevitável, aliás, QUASE IMPOSSÍVEL não ter clichê. Nanatsu é clichê, por exemplo, e foi sucesso. Log Horizon, lembra SAO, mas é muito bom, e na minha opinião, superou SAO.
    Então eu paro para pensar e percebo uma coisa: Essas pessoas que ficam aí reclamando, mesmo se o cara nem ofendeu o anime ou os fãs, só deu uma opinião, a maioria é fanboy. Eu sempre bato na tecla que os haters só existem por causa dos fanboys, que conheço muita gente que é hater de algum anime só por causa dos fanboys, sendo que NEM ASSISTIU. Animes e mangás como Shigatsu, Shingeki, Owari, SAO, Naruto, Bleach, One Piece… Eles atendem a expectativas de uns e decepcionam outros, algo extremamente normal, não existe mangá ou anime perfeito. O que os torna “ruins” são os fanboys e os haters. Os fanboys não aceitam críticas contra suas obras favoritas e mesmo se o cara comentou se está gostando ou não eles vem como se fossem a voz da razão, e ficam xingando. Essa é uma atitude que vocês vêem também nos haters, o que prova que é tudo farinha do mesmo saco, aliás, haters muitas vezes são fanboys também.
    Eu gostaria de usar este comentário para fazer um apelo para acabar com essa briga. DE VEZ! O Dih uma vez fez um post incrível sobre o problema dos haters, e minha sugestão é que fizesse o mesmo sobre os fanboys. Estamos cansados de brigas aqui nos comentários do Chunan, parece que não podemos mais dar opinião e lá vem gente xingando ‘Seu Narutard! Como pode não gostar deste anime, ele é o melhor anime do mundo!”.
    EU fui burro e respondi o comentário ali com zombaria, porque estava um pouco puto. Gente, reafirmando, nunca tive a intenção de ofender Owari, qual o problema de achar clichê? É minha opinião. Não sou como alguns que comentam coisas como ‘Este anime é um lixo, e se vocês gostam dele, então seu gosto também é um lixo”, porque isso SIM é ser hater, ao extremo!
    Então, eu peço, vamos refletir melhor sobre isso. Não existe certo ou errado, apenas opiniões diferentes. Haters são ruins sim, mas fanboys também. O Dih, coitado, deve de estar cansado de tantos comentários fanboyolistas e hateristas aqui no site. É claro que como ser humano posso cometer o erro e acabaer respondendo a comentários assim de forma rude, até porque não aguento fanboys e haters. Aliás, fica meu questionamento: Tem gente que diz que ‘Se é para dizer que não gostou, então nem diga sua opinião.”. Isso é inibir a liberdade de expressão, neste caso seria MUITO MAIS FÁCIL se o Dih retirasse a seção de comentários do ChuNan, já que ninguém mais pode dar opinião.
    Só encerro este comentário com esta mensagem pra vocês e por Dih.
    Um abraço, e espero que tenha adiantado pra algo.

    • Tiago

      Não tinha problema nenhuma citar que fui. E repetiria minha fala sobre o comentário passado. Mas isto é passado.
      Clichê por clichê QUASE todos são.
      Sobre Log Horizon ser melhor que SAO, se refere a anime? Senão, nem vale a pena comparar. SAO é um light novel, Log Horizon não.
      Não sou hater. Apenas critico os fãs de anime que nunca leram a obra original e quer discutir como se fosse, o que é uma desgraça.

      • Micael Okamura

        “SAO é um light novel, Log Horizon não.” Sinto informar, mas LH TAMBÉM é Light Novel. No caso, eu falo por questão de gosto pessoal, como citei. Mas se o cara acha o contrário, de boa.
        Eu também critico outros otakus, mas critico não me baseando se o cara chegou a ler a obra original. Se o cara nunca leu, eu apenas recomendo. Por exemplo, no caso de Akame ga Kill, eu recomendo MUITO MAIS o mangá, mas não obrigo o outro a ir atrás do mangá. Ele vai por conta própria.
        Não quero te julgar mais, mas eu acho que quando for criticar uma opinião, dependendo de como ela seja, deve apenas criticar, não xingar, xingar tira a razão, a não ser que o cara tenha xingado primeiro.
        Como exemplo, minha briga com um cara que disse que que gosta de SAO, que ele acha uma merda, tem um gosto de merda. Não sou fanboy de SAO, e acho que se o cara acha uma merda, de boa, mas eu acho horrível xingar o gosto dos outros.
        No caso de Owari, de boa quem gosta quem tem opinião diferente, mas não vou dizer que o outro é um merda por gostar.
        Eu apenas faço um apelo para que todos entendam que gosto é gosto, cada um tem o seu.

      • tiago

        Para um fã de light novel como sou, e tenho centenas deles, te garanto que Log Horizon NÃO é light novel. Log Horizon é considerado como livro normal. Se tiver dúvida pergunte a qualquer japonês que entenda do assunto.
        Jamais citei Owari no Seraph. Apenas falei sobre clichês.
        E como eu já disse, eu critico é quem dá opinião ou vai comentar sobre a obra original tendo visto apenas o anime e jamais lido ela, o que é uma desgraça.

    • Heitor, o atrasado

      @Micael Okamura, toma uma zueira pra te animar:

      Dih, seu dihliça, esquenta, não. Você e toda a equipe do Chunan! mereciam um prêmio.

      • Micael Okamura

        Heitor, o Atrasado: AUSHAUSAHSUAHSU que engraçado! Foi você quem fez?

      • @ Micael Okamura Não, eu peguei do canal The Amazing Link, feito em parte pelo Isaak Fernandes. É de uma série chamada “Narrando as OP” e tem de vários animes.

      • Micael Okamura

        Heitor, o Atrasado: Valeu pela resposta! =D

      • Heitor, o atrasado

        @Mikael Okamura Anytime! 🙂

  • 3 obras que eu queria ter na minha coleção estão no Top10: Barakamon – Shigatsu – Natsume. São títulos que só não vem pro Brasil por que as editoras não querem.

    Barakamon: atualmente com 11 volumes, vindo pela Panini bimestral seriam dois anos de publicação, vindo pela JBC, um ano e a certeza de que teria uma boa qualidade e não acabaria no hiato.

    Natsume: como o Dih falou, é o “shoujo diferente” que o Cassius adora falar. Com a falta de shoujo no Brasil e um mercado que gosta de coisas diferente, porque não investir em Natsume? Qualquer editora que traga ele poderia fazer mensal que já teria quase 2 anos de publicação.

    Shigatsu: o hype do anime foi grande, além de ser recente. É um shonnen “romântico”, que provavelmente agradaria até mesmo os “shoujonistas” de plantão. Finalizado com 11 volumes, seria uma ótima pedida para qualquer editora. Nos EUA ele saiu recentemente, mas ok, os EUA não são comparação.

    • Marcos Correia

      Natsume acabaria caindo no nicho do Kekkaishi (youkai/ayakashi). Será que as editoras se arriscariam?
      Shigatsu e Barakamon eu acho pouco provável. Nem um Nodame Cantabile nós tivemos por aqui, mesmo com todo o sucesso que fez.
      Mas eu sempre acabo me dando mal nas minhas previsões.

      • “[…] Mas eu sempre acabo me dando mal nas minhas previsões.[…]”@Marcos Correia, o Mick Jagger² do Chunan!

      • Porque não se arriscariam com Natsume? A única comparação que tu tem é com Kekkaishi e ainda assim acha uma boa comparação? Não esquece que o um é shounen e o outro shoujo (embora eu não goste de usar demografias), sem contar que o primeiro veio em uma época em que o mercado ainda não estava em alta como agora e ainda foi por uma editora que naquela época (embora hoje também, mas menos) não respeitava os leitores, e cancelava na primeira queda de vendas. São mundos diferentes para usar de comparação.

        Sobre o Shigatsu e Barakamon. Ok, Barakamon é até meio difícil por ser um tema que no Brasil não existe praticamente, o que faria ele acertar apenas quem conhece. Mas o que te faz dizer que Shigatsu é “pouco provável”? Qual teu argumento além de “nem Nodame veio”?
        Ai eu mudo e digo, se até “Prophecy” e “After School” vieram, sendo desconhecidos, porque Shigatsu não viria?

    • tiago

      Barakamon comprei esta semana os 11 volumes. Shigatsu estou “desesperado” para que a Amazon japonesa libere logo o conjunto completo. Embora, pareça mais um shoujo do que um shounen hehe
      Shoujo? Não sou fã hehe Li uma vez Orange, por recomendação, e achei meio chatinho heuheuehehu

  • Lhuan

    Bem que Giant Killing podia ter mai uma temporada.