Editora JBC publicará o mangá Parasyte

Parasyte

Kiseijuu tem lançamento programado ainda para 2015.

A editora JBC acaba de anunciar que Parasyte (Kiseijuu) é mais um título para 2015 – mangá seinen de Iwaaki Hitoshi publicado em 1990 na revista Afternoon da Kodansha e que foi o ganhador de melhor mangá de 1996 no Seiun Award.

O mangá (que originalmente tem 10 volumes e posteriormente foi recompilado em 8) foi um sucesso de vendas nos Estados Unidos, ganhando cerca de 3 impressões diferentes por 3 editoras, sendo a última inclusive em 2012 pela própria Kodansha US. A série apresenta muitas batalhas, cenas de ação e principalmente sangue e uma pitada de gore, o que atrai a galera que é fã desse tipo de coisa mais “hardcore”. 24 anos depois a série ganhou um anime pelo estúdio MadHouse e dois filmes live action.

Eles chegam em silêncio e na escuridão. Eles descem dos céus. Eles têm uma fome de carne humana. Eles estão por toda parte. Eles são parasitas, criaturas alienígenas que devem invadir e assumir o controle de um hospedeiro humano para sobreviver. E depois de terem infectado as suas vítimas, eles podem assumir qualquer forma mortal que escolher: monstros com dentes gigantes, demônios alados, criaturas com lâminas para as mãos. Mas a maioria optou por ocultar seu propósito letal por trás de rostos humanos comuns. Então ninguém sabem o seu segredo – exceto um estudante do ensino médio comum. Shinichi está lutando pelo controle de seu próprio corpo contra um parasita alienígena, mas ele pode encontrar uma maneira de alertar a humanidade dos horrores por vir?

Dih

Dih

Paulistano, 27 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Hoje é editor assistente da Panini Mangás e colecionador compulsivo de quadrinhos em geral.

Related Post

  • Huragan

    É pra louvar de pé igreja!!!

  • Marcos Correia

    Eu já li e achei bem menos gore do que falavam. Hoje em dia tem coisa muito mais gore, a ponto de eu nem querer chegar perto.
    Acho até Gantz muito mais gore que Parasyte.
    E porque a JBC esperou eu ler a série toda em scan pra anunciar, hein? Que saco!

    • Yuri

      Realmente o gore do manga é superestimado, mas parece ter uma boa historia, então tudo bem.
      Eu estaria passando pelo mesmo problema que vc, sorte que decidi abandonar tanto o anime quanto o manga quando percebi o sucesso que tava fazendo, sabia que era só questão de tempo até chegar no Brasil.
      Por sorte veio pela JBC, podemos esperar qualidade, diferente da Panini…

      • Papel da JBC tá o mesmo lixo, para de viajar…

      • @Eduardo, isto depende da edição…
        Limit e Terra Formars foram para off-set, ao invés do Brite 52g. que é usado na maioria dos mangás. Limit conseguiram segurar o preço, mas é claro que para Terra Formars isto seria mais difícil.
        Mas enfim, não generalize a tal ponto, tem muito mangá da JBC com off-set, bem diferente da Panini.

      • biazacha

        Eles pegaram um lote de papel horrendo nos últimos tempos, Wish tá cheio de páginas transparentes… não comprei Zetman, mas pelos comentários li que o papel tá a mesma bosta.

      • Offset não quer dizer qualidade e muitas pessoas não gostam, eu sou um deles, fora que existem gramaturas de offset que podem dar resultados piores. Panini com certeza precisa melhorar e a JBC também, não tem santo nessa história vide Wish, Zetman etc.

      • “Offset não quer dizer qualidade e muitas pessoas não gostam”
        @Asevedo, fale por você, mas… isto é questão de opinião. Eu acho que off-set é sim sinal de qualidade, ou pelo menos mais qualidade do que este papel de bunda, conhecido como papel jornal, ou tecnicamente chamado de Pisa Brite…u_u
        Mas bem, eu nem iria entrar no mérito, mas fale isto para os meus mangás de Dragon Ball e CDZ da Conrad, e o mesmo para Nura, RG Veda e Ranma 1/2, isto para não citar todos os outros ‘Brite’ da JBC que tenho há muito mais tempo, como Kenshin e YuYu meio tanko…u_u

      • O Off-set que a JBC usa é tão ridiculo quanto o Brite 52, ele é de baixa gramatura.

        E Limit manteve o preço porque adivinha: Provavelmente a licença era barata, já que eu nunca ouvi falar desse Limit antes.

      • Marcos Correia

        Pô, Eduardo! Nunca ouviu falar de Limit?
        Você não acompanha nada de shoujo?
        A Suenobu Keiko tem um bom nome nessa demografia, em especial no tema do bullying.

      • @Eduardo, ok, mas o off-set da JBC é tão transparente quanto o papel Brite 52g. que estão reclamando?? Porque até onde sei, este off-set é o mesmo usado em YuYu/Kenshin/etc…. E eu não vejo o pessoal reclamando destes títulos.

        A situação com Limit pode ter sido isto mesmo, mas pode ter sido por várias outras coisas, ou até mesmo o conjunto de todas elas…u_u
        E outra coisa, se você não conhece Limit, azar o seu, não generalize, pois existem muitas pessoas que conhecem Limit. Eu mesmo conheço Limit faz tempo e não conheci o título primeiramente pelo mangá, e sim pelo dorama que fizeram da obra. Esta obra é bem conhecida no Japão.

      • Não acompanho Shoujo não… Muitos nem tem scans.

        E @sennaffogo, sim é muito transparante.

        O que acontece mais é que o pessoal endeusa papel off-set. E dizer que é o mesmo de Kenshin, Yuyu não adianta, pq na teoria o papel da JBC e da Panini também são os mesmos ué, ambos são Brite, apenas mudando a gramatura.

        E em Chobits por exemplo a arte tem muito “espaço branco” nos quadros, o que faz a situação ser pior que em Kenshin e Yuyu onde tem bem mais fundos e detalhes que ajudam a amenizar a baixa gramatura.

      • Bem… se é tão transparente quanto o Brite, alguma coisa está errada então… Porque eu não vejo ninguém reclamar de YuYu, Kenshin ou qualquer outro dos relançamentos, e Limit e Terra Formars vão sair com o mesmo papel destes títulos…

        E eu explanei sobre o off-set porque você generalizou os papeis das editoras, e pelo que tenho ouvido por aí, acho que os off-set da JBC não podem se comparar aos Brite 52g. da própria editora, que dirá então da Panini, que ainda pode usar outra marca de Brite 52g….

        Eu tenho algumas coleções em aberto que usam Brite 52g., mas desde o começo estou sabendo a “merda” que estou levando para casa, mas se a situação do off-set da JBC está deste jeito, então como diz um amigo meu “algo errado não está certo…”.
        E, sendo assim, obrigado pelo “aviso” @Eduardo. Acho que terei que abrir meus olhos quanto a Limit, que pretendia compra futuramente. Vou ter que segurar o mangá nas mãos para ver se vale a pena…

  • OMG !!!!! Que ano pra colecionar mangás ! JBC com tudo, que venham Shinichi e Migi para o Brasil O/

  • Micael Okamura

    Sabia que a JBC não ia deixar barato pra Panini, que trouxe Tokyo Ghoul. Kiseijuu foi, junto de TG, um dos seinens gore mais populares de 2014, por que não trazer?

    • Tem muitas respostas para esta sua pergunta, mas vou deixar em off. xD

      • Micael Okamura

        Eu preferiria que alguém a respondesse.

      • Bem, este não vai ser eu. rsrs

    • @pangaré alado, ele deve estar falando do anime…xD

    • julia

      O traço é muito diferente do anime, mas até que em snk, por exemplo, e alguns podem achar que é um mangá datado, e tem um gore superestimado. Mas acho que é questao de gosto, acho que venderia bastante e torço pra que venha em offset…

      • Micael Okamura

        E põe diferente, aliás, não lembro se tinha no mangá também, mas no anime o Shinichi no início usava óculos, na fase em que ele era um banana covarde, e aí quando ele fica fodão ele deixa de usar óculos, e talvez isso seja um artifício para diferenciar o Shinichi de antes e de depois. Não lembro, acho que quando eu comprar minha edição nacional, vou verificar se tinha isso no mangá também.

      • Keima Kaname

        No mangá, o protagonista não usava óculos, porém houve uma mudança no penteado como artifício de diferenciação.

    • RyuuzakiJP

      Ele quis dizer com o de 2014 pelo fato de ter feito sucesso nesse ano(até por que antes da animação a maioria não sabia nem o que era isso).Tava demorando para começar essa viadagem de comparações…zzzz.Pelo visto tu não entende duas coisas: o que é gore e como se classifica um mangá =/.

    • Micael Okamura

      Pangaré: O anime ajudou a levantar a popularidade do mangá de Kiseijuu, você viu que quando o anime saiu, veio gente pedindo o mangá para as nossas editoras. O mangá ficou bem popular graças ao anime, isso é um fato. Onde você ia tinha otakus comentando sobre Kiseijuu.
      Sobre Tokyo Ghoul, você deve de estar se referindo ao anime, porque pouco sangue só lá, pega o mangá pra ver, só o fato dos caras comerem carne humana já é gore.

  • Bem, muito interessante esta “nice catch” da JBC com Kiseijuu. Uma das melhores músicas de aberturas de anime de 2014 que ouvi.
    Agora, será que seria pedir muito para a editora manter o título original da obra nas capas??

    • Zézinho da Porteira

      Kiseijuu virar Parasyte tudo bem, mas e o Shingeki no Kyojin – Ataque dos Titãs. Katekyo Hitman Reborn – Tutor Hitman Reborn.

      • Keima Kaname

        Eu já penso o contrário: “Tutor Hitman Reborn!” e “Ataque dos Titãs” estão bem, já “Parasyte”, não. Não vejo sentido em utilizar nomes em inglês em um título japonês em um país cujo idioma é o português.

      • Eu não vejo sentido nenhum é na alteração do nome original. Vê se traduziram Dragon Ball para Esferas do Dragão?
        Hoje em dia, com a galera internauta mandando ver no feedback às editoras, não vejo NENHUMA razão para alteração do título. Fica parecendo que as pessoas não sabem qual mangá estão prestes a compra, quando no caso, antes muito antes das editoras pensarem em certos títulos, alguns compradores já estão lendo, ou já leram, a obra por aí via scan…
        Todo mundo sabe do que tratam os mangás Hoshi no Samidare, Kiseijuu, Shingeki no Kyojin, Nanatsu no Taizai, Futari Ecchi, etc.. E se não sabe, é só procurar na internet, mole mole, fácil fácil… a não ser que seja uma pessoa preguiçosa (que obviamente, não vai entrar na métrica).

        “Não vejo sentido em utilizar nomes em inglês em um título japonês em um país cujo idioma é o português.” -> estes eu entendo, mas odeio a política que eles usam para isto. Alguns nomes originais são em inglês, aí tudo bem, mas FMA deveria ser Hagane no Renkinjutsushi, não?

        E não entendo por que não traduziram Hikaru no Go…¬¬… mas levanto as mãos aos céus por isto. o/

      • @sennaffogo Vc fala todo mundo, mas com isso quer dizer “pessoas que colecionam mangás e veem animes com frequência”. As editoras procuram agradar esse público, claro, mas elas também querem trazer aquelas pessoas que colecionam um título ou outro e de anime conhecem Dragon Ball, CDZ e Death Note. Acho que por isso que não vem tudo com o nome em japonês mesmo. A JBC por exemplo disse certa vez que se o nome do mangá traduzido tem uma boa sonoridade, eles preferem traduzir, o que foi o caso de Diário do Futuro e não o caso de Caderno da Morte.

      • Não @Priscila, quando eu disse todo mundo, eu também falei dos que não leem (muitos) mangás, até porque o título em romaji da obra está aí para também facilitar uma busca para se saber mais sobre a obra na internet, ou não?? Ou você acha que a pessoa (não-fã de anime/mangá) vai comprar uma obra só por causa do nome traduzido??? Eu não acredito nisto, e ainda diria no mínimo que a pessoa é ingênua, “sabe de nada inocente”… u_u

        E outra coisa, eu até compreendo seus argumentos, mas isto não me convence, porque quem não é fã não entra na métrica. Pelo que vejo do mercado, isto faz tão pouca diferença em relação às vendas, que o ganho positivo deste tipo de estratégia é quase nulo…
        É como eu digo, deixa o título original em romaji, se a pessoa quiser saber mais ela procura na internet… (se não for alguém preguiçoso…¬¬)

        Este tipo de estratégia no ano 2000 eu entenderia perfeitamente bem, mas hoje em dia com títulos atuais, não entendo e discordo. E já que você citou a JBC, eu vou só deixar o “anzol aqui com a história do Kenshin, fisgue o anzol se você quiser…”. Mas deixando claro a minha opinião, é uma estratégia que como fã de anime/mangá eu acho péssima, ridícula, mas que principalmente já se provou que não ajuda em nada a vender mais a obra…
        A melhor estratégia seria de cara um preço mais barato: pois conheço muita gente (fãs e não-fãs) que deixa de comprar mangá porque é muito caro. E se isto acontece conosco, imagine com quem não é fã??

      • @sennafogo Talvez a pessoa não compre pelo título, mas pode chamar a atenção de imediato e lendo a sinopse etc ela pode vir a comprar. Conhece MTA gente que só fica sabendo dos mais famosos e tem internet em casa, é gente que não está por dentro do ramo e nem vai estar, mas que coleciona uma coisa uma vez ou outra. Porém, concordo com você que fazer o título pensando nesses colecionadores de “uma vez ou outra” é meio imbecil em vez de ouvir aquele fã que com certeza vai comprar… enfim, o mercado de mangás aqui é mto novo e pequeno, talvez isso mude um dia.

    • Micael Okamura

      Acho que aqui vão traduzir para Parasyte mesmo, E colocar Kiseijuu como subtítulo.

  • João Ferreira

    Parasyte ganhou um ótimo anime pela Madhouse (o “Migi” é muito foda). Até teria interesse em colecionar esse mangá, mas tô muito desconfiado do preço…

  • Luís Cristiano

    Falou com a Kodansha e não pediu Prison School…

    • Nameless

      Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Pode ter pedido, mas ainda pode estar em negociação, como pode nem ter pedido, ou ter tido a proposta recusada. E quem se importa? Parasyte é muito melhor que Prison School

      • Pois é @Nameless, também não entendi o que diabos tem a ver o c* com as calças… mas ok né? u_u

  • Escritora

    Dispenso. Só tô com pena dos que compram muitos mangás, pois se este for mensal… o bolso não vai colaborar. Vou ser franca: nenhum título me interessou e se houver algum, não espero a bendita fase dois. Ainda tentando digerir o que houve com o Magi… Pular justamente o primeiro volume, dava pra aguentar a tradução e me fizeram esta mancada…

    Sobre a série, acompanhei o anime e achei mediano: tanto a história quanto a produção envolvida, tenho dito. Claro que o enredo é bom, só pecou no seu desenvolvimento. Bem, bom pra quem vai colecionar.

  • Muito feliz por Parasyte, agora só resta saber qual da edições virá.
    Se bem que é quase certeza que virá essa da terceira imagem que é a nova edição, tanto é que é ela que tá no post da Henshin.
    Essa da primeira imagem é a original mas acho o design dela muito ultrapassado, talvez se derem uma revisada legal, um realce na ilustração pode ser que role.
    Já eu “particularmente” prefiro a da segunda imagem, mas como é da versão Kanzenban e só tem 08 volumes então é praticamente impossível que venha infelizmente, a não ser que anunciem a versão kanzenban ou adaptem de alguma forma.

    Link da imagem que menciono:
    https://goo.gl/afL9Bg

    • Nameless

      Prefiro as dez últimas mesmo… as dez primeiras são bem vintage, clássicas, legais e bem chamativas, mas um pouco bizarras. As oito do Kanzenban… bom, são muito bizarras, bem mais que as dez primeiras. Provavelmente não me chamaria muito a atenção de forma positiva nas bancas se eu fosse comprar sem conhecer a obra. As dez últimas, são simples, porém mais bonitas q as outras e positivamente chamativas. Se eu tivesse que escolher as capas do mangá aqui, provavelmente seriam as últimas

  • biazacha

    Só espero que a galera conheça a obra e não só o anime… é uma história antiga e isso reflete em alguns pontos como o visual dos personagens. Quem for seco pra ler algo similar ao anime pode se desapontar. Mas era só questão de tempo na minha opinião, provavelmente vão fazer como fizeram com Sailor Moon e escolher uma edição reduzida.

  • Apenas morrendo de amores com essa noticia <3

  • Flávio

    Tempo atrás, vi uma capa de Parasyte. Tinha um design minimalista tão lindo… Imagino se a JBC lançar justo esse tipo de capa. Será muito cool! Compra garantida por mim! (Espero que o departamento publicitário use outras imagens pra divulgação, e as liguem às capas minimalistas. Publicar aquelas capas seria um agrado bem-vindo aos conhecedores, uma valorização cool de uma obra já clássica, e demonstraria um gingado insuspeito por parte da JBC.
    Até.

  • Cleber

    e que venha HISTORIE!!! Pra acompanhar vinland saga na estante!

  • bisc8 achado no lix0

    Hummm, acho que preferiria que a panini lançasse…
    lá pelo menos tem os sufixos -san,-chan e etc
    e o papel é melhor.