Review – Something About Us, de Lee Yun Ji

something-about-usDe longe, a melhor webcomic lida nesse ano.

Por mais irônico que soe, não sou uma pessoa que coloca o gênero romance no topo das preferências, longe disso. Raramente – beirando ao “nunca” – encontro um filme de romance que tenha interesse e, apesar de ler N títulos shoujo e josei, torço o nariz sem nenhum arrependimento quando vejo que a melosidade de uma história ultrapassa o limite do que consigo aguentar. Porém, eu tenho um ponto fraco, o tipo que me torna outra pessoa quando leio ou assisto obras o contendo, e esse ponto fraco se chama… Romances de melhores amigos! Na categoria de melhores amigos, tenho um favorito para todo o tipo de mídia, como por exemplo… Filme? Simplesmente Acontece. Drama coreano? The Time We Were Not in Love. Mangá? Hachimitsu ni Hatsukoi. E agora na divisão dos manhwas eu finalmente achei um xodó: Something About Us.

ori_1A HISTÓRIA

Apesar de estarmos próximos, há uma barreira que não pode ser atravessada. Nossa incerta relação – calorosa como as cores em tons pastel, mas que é incapaz de queimar ardentemente como as cores primárias. Do Gayoung e Han Woojin se consideram melhores amigos, mas há algo no relacionamento deles que é difícil de descrever. Os outro sempre os veem como “algo mais”, apesar de ambos sempre negarem. O que acontecerá com essa “amizade”?

ori_7CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS

Something About Us (Our Relationship Is; 우리사이느은) é um manhwa de Lee Yun Ji que começou a ser publicado em 2014 pelo site de webcomics Lezhin – uma plataforma muito semelhante ao Line Webtoon, porém paga. Em 2015 a série ganhou sua tradução oficial em inglês também pelo Lezhin, que desta vez abria as portas para o mercado digital americano. A obra está em andamento e conta com dois volumes e cerca de novento capítulos publicados até o momento.

Sendo leitora assídua da subcategoria, posso dizer que o mais irritante é ficar torcendo o tempo todo por uma declaração porque “eles claramente se gostam”, só que nessa história em específico… não é bem assim. O personagem masculino principal, Han Woojin, não dá sinal nenhum de que ele goste de sua melhor amiga, a não ser como “sua irmã mais nova”, algo que ele diz o tempo todo na série. Essa é a parte que confunde tanto a Do Gayoung quanto o próprio leitor; não há como cobrar uma declaração partindo da heroína sendo que o pior pesadelo da mesma seria perder a amizade do primeiro e melhor amigo. Aliás, é conflitante tomar essa iniciativa quando a trama é repleta de flash backs mostrando cada passo da relação deles, desde o momento em que meramente não são davam bem até a condição atual.

ori_6Uma outra característica que consigo diferenciar facilmente de outras obras que já li é o fato da autora não restringir sua narrativa, seus pensamentos, somente para a protagonista. Mesmo sendo minoria, ela ainda inclui capítulos direcionados aos antagonistas, mostrando acontecimentos que o leitor já viu no começo da obra só que com uma visão diferente, ou ainda conta algo inédito, bem voltado para o pessoal do personagem – como acontece com a rival da Do Gayoung, Oh Yoojin, onde em certo capítulo é narrado sobre o relacionamento passado dela. O engraçado é que o leitor consegue ter uma noção ampla do que se passa na cabeça de diversos personagens, porém essa condição se torna limitada para aquele que o mesmo tem mais curiosidade: Han Woojin.

A característica que com certeza me chamou a atenção logo de primeira foi o traço da autora. Há quase dois anos explorando os quadrinhos coreanos, esse, sem dúvida, é um dos mais bonitos que já vi. Lee Yun Ji mantém um traço minimalista, simples, que fica bem evidente ao desenhar os olhos e os cabelos dos personagens – e também perceptível na protagonista, Do Gayoung -; são desenhos sem tantos detalhes ou traçados e que ao invés de deixarem a impressão de uma arte “desleixada”, acaba optendo o resultado contrário, dando um toque leve para as ilustrações. Além disso, a autora é quase uma Yamamori Mika quando se trata de roupas, sempre vestindo seus personagens com trajes dignos de idols e modelos coreanos – mesmo os personagens secundários são estilosos.

ori_5-2“Seria cômico, se não fosse trágico”. Essa frase define o modo como Lee Yun Ji insere os rivais em Something About Us. Fico me questionando o que pode ser considerado mais revoltante e frustrante: alguém surgir do nada e se declarar, ou ao invés disso, estar presente na vida do personagem, mesmo sem marcar tanta presença, e se confessar. Pois é justamente com essa segunda opção que a autora joga; ela prepara o terreno, conta relatos, te distrai, para no momento certo mostrar que aquilo ia acontecer mesmo que fosse de baixo de seu nariz. Me sinto em uma batalha de amor e ódio com a construção de trama que ela faz.

O que amo, de verdade, nessa webcomic é a protagonista. A Do Gayoung, ao mesmo tempo em que ela tem um melhor amigo, é como se estivesse lutando sozinha para manter tudo intacto, para que tudo dê certo para as pessoas ao seu redor, apesar disso significar sacrificar a própria felicidade. Ao contrário de protagonistas de séries do gênero, não há como pressioná-la para se declarar, como disse anteriormente. Ela tem todos os motivos do mundo para se manter na defensiva. Para piorar, a autora judia dela de n formas, desde os flashbacks do ensino médio – que não tem conexão com Han Woojin e sim com seus próprios traumas – até o momento em que ela se vê rodeada de pessoas que só querem seu mal. A autora faz uma narrativa tão incrível que o leitor realmente sente dó da Do Gayoung, eu mesma só queria poder abraçá-la, colocar no potinho e mimar com cafunés. Ela é a vítima na qual os outros enxergam como criminosa. Mas o incrível, o que faz com que me apaixone pela heroína, é que ela não abaixa a cabeça na maior das dificuldades.

ori_5Enquanto tenho uma relação de puro amor com Do Gayoung, não consigo me sentir da mesma forma com Han Woojin. Por mais que torça para que ele seja o personagem que terminará com a protagonista, é como se ele não fosse realmente o melhor amigo dela. Ele a defende quando ouve coisas vulgares sobre ela, sempre procura estar ao lado da amiga, mas é graças a ele que a Do Gayoung passa por dificuldades – o que é irônico, pois em um momento anterior ele é justamente aquele que “a salva”. Ele a faz mal na medida que a faz bem.

Talvez o único defeito de Something About Us se deva pelo fato de que no começo, a história é um pouco parada, demora até realmente aparecer algo interessante. Confesso que não foi na primeira tentativa que levei as dezenas de capítulos nas costas e sim em uma segunda, semanas após ter começado a acompanhar a obra.

ori_2-2COMENTÁRIOS GERAIS

Preciso destacar uma coisa: sim, eu adorei a obra, mas é justamente por ser apaixonada pelo tema; se você não gosta desse tipo de história, duvido que vá passar a gostar necessariamente por causa dessa. Apesar de tudo, acabei escrevendo algumas coisas que são diferenciadas entre os genéricos que existem por aí, talvez, na tentativa de levar mais pessoas a conhecer meu novo xodó.

O manhwa me cativou completamente. Depois da leitura ele entrou para a lista de webcomics favoritas, só perdendo para The Stories of Those Around Me – que já teve resenha no site e você pode conferir AQUI. Como se trata de uma série ainda em andamento, devo dizer que tenho receio de que a autora acabe criando conflitos desnecessários entre os personagens. Para esse tipo de história não há segredo, a proposta desta já foi entregue faz tempo, ela precisa ser cumprida antes que se torne maçante.

ori_4

Miyuki

Tão normal, nem parece otaku. A louca das webcomics. Segue o mantra de ler e assistir de tudo um pouco (menos o que for terror, por favor). Tem um vício novo a cada mês e surta horrores na conta pessoal no Twitter.

Related Post

  • O traço é lindo, só não sei se tenho paciência para ler esse tipo de história.

  • Dana

    Que linda a sua resenha, Miyuki! Eu conheço a webcomic a um tempinho e achava um absurdo ninguém ter falado sobre ela ainda. Ela é um amorzinho daqueles que dá vontade de colocar num potinho (vou me apropriar da sua expressão, 2bjs). Você falou tudo exatamente o que eu penso e espero que fale mais de outras webcomics por aqui. É algo não muito valorizado, mas que merece toda a atenção do mundo. Bjjj <33

    • Olá, Dana! Fico contente que tenho gostado da resenha, de verdade. Mas não é verdade? Gente, vamos todos coloca em potinho bem pequeno pra poder carregar pra todos os lugares e mimar, e abraçar, e fazer cafunés e… Enfim. huahuahua
      Seu comentário é um grande incentivo para continuar escrevendo sobre manhwas, até porque eles ainda são vistos com certo preconceito pelas pessoas. Obrigada, Dana. ;3;

  • Rafael Sampaio

    Ótima resenha, daquelas que realmente nos faz ter vontade de ler a série. Com certeza colocarei na minha lista do MAL para conferir depois e retorno aqui para dizer o que achei. Obrigado pela indicação.

    • Olá, Rafael! Muito obrigada pelo elogio e pelo comentário. Aguardo a sua opinião. ;3

  • K-pom (´・ω・`)

    Ahhhhhhhhh, que fofa você! <333333
    Tão bom ver a cultura coreana também sendo lembrada pelos manhwas porque tem um mais fofo que o outro shuasahusaashu
    Our Relationship Is é uma historia fofa, doce, que envolve e apaixona qualquer um que a le. Nem sei como agradecer por essa resenha porque agora eu posso mostrar pra minhas amigas (´・ω・`)

    Kamsamnida!!

    • Olá, K-pom! Muito obrigada pelo elogio, o comentário e o agradecimento, aliás, quem diz “obrigada” aqui sou eu. Então… Muito obrigada!

      Amigas da K-pom, leiam Something About Us! (Por favorzinho) XD

  • Amanda

    Ahh esse manhwa é um amorzinho <3 o traço da autora é realmente lindo, e a história como você disse consegue passar todo esse sentimento conflitante entre eles. Tenho uma recomendação de manhwa que eu achei uns tempos atrás, tem poucos capítulos mas é bem interessante é sobre a relação de uma menina que consegue ver espíritos e um fantasma da sua casa, se chama Transparent cohabitation. Confere lá !!

    • Juro que ia responder como uma redatora decente e civilizada que diz: “Olá, Amanda. Boa noite” mas…
      MEU DEUSU, você conhece Transparent Cohabitation! Ahhhh! Ele simplesmente compete de igual pra igual com Something About Us pelo meu segundo lugar na categoria webcomics/manhwas. Só não escrevi sobre porque não tem tantos capítulos.
      Muito obrigada por ter lido a resenha, Amanda. ;3;

  • Koiy

    Ainda acho Tomo-chan wa Onna no Ko a melhor webcomic deste ano u.u

  • jumitsu

    Parabéns pela resenha, parece uma história muito fofa :3
    Gostaria de saber se é possível ler essa e outras web-comics em português! Não sei se vc pode colocar links, mas sempre tive curiosidade de ler algumas obras, mas não sei por onde começar 🙁

    Desde já agradeço e parabenizo novamente a resenha! 😀

    • Amei a resenha! E fiquei curiosa. Onde posso ler?

  • Pingback: Eu Recomendo #22 – Webcomics de Romance | ChuNan! - Chuva de Nanquim()

  • excelente review