Eu Recomendo Especial – Os melhores animes de 2016: Outono e Verão

verao-e-outonoFinalmente terminou!

O ano de 2016 começou muito bem, mas não era possível que a qualidade das temporadas continuaria subindo, não é? Bom, quem pensava assim estava muito enganado. Os dois últimos trimestres do ano nos presentearam com mais animes de qualidade e até mesmo um bem marcante para essa pessoa que escreve esse texto. Se você ainda não viu a primeira parte do nosso Eu Recomendo, confira clicando na imagem abaixo!

eu-recomendo-especial-2016-inverno-primavera

ATENÇÃO: Essa postagem não é um top, é uma lista dos animes que eu recomendo, como o próprio nome da coluna diz.

E lembrando que não estou incluindo continuações nessa postagem, o ano foi tão bom que preferi deixá-los de fora. Então animes como JoJo e Haikyuu!! estarão de fora para dar preferência para experiências em que você não precisa buscar episódios anteriores. Mas bem, chega de enrolação e vamos ao que interessa!


Verão

O verão foi um trimestre um tanto raro para mim, fazia muito tempo que eu não acompanhava tantos animes enquanto eles saiam. Engraçado lembrar que em 2015 aproveitei para ver animes antigos que tinha deixado passar e em 2016 eu não coloquei nada em dia. 


91-days91 Days
Gênero: Ação, Drama
Número de Episódios: 12
Estúdio: Shuka
Obra Original

Angelo Lagusa teve um grande momento traumático durante sua infância, seus pais e irmão mais novo foram assassinados a sangue frio pela família mafiosa Vanetti, escanpando por um triz de ser mais um morto em sua casa fugindo rapidamente pela porta da frente. Sete anos depois, agora como Avilio Bruno, o garoto finalmente tem sua chance de vingança e volta a cidade de Lawless com o objetivo de entrar na Máfia e destruir, pouco a pouco, aquela família.

É interessante perceber como a narrativa de 91 days é bem diferente do que estamos acostumados, se parecendo muito mais com um roteiro feito por americanos sobre a máfia. É uma história que não surpreende quem já está acostumado com esse tipo de trama, mas ainda assim foi intrigante ver qual rumo o anime estava tomando, me deixando curioso para saber como o Angelo iria destruir os Vanetti. Talvez meu maior problema com a obra seja a sua trilha sonora, eu realmente acho que seria melhor se o diretor decidisse pegar músicas mais voltadas para o Jazz ou Blues, que combinam bem com os EUA durante o período de abolição das bebidas alcoólicas.


relifeReLIFE
Gênero: Slice of Life, Romance, Escolar
Número de Episódios: 13
Estúdio: TMS Entertainment
Baseado em Mangá

Arata Kaizaki não vive um dos seus melhores momentos, ele possui 27 anos, não consegue permanecer em um emprego após se demitir de seu primeiro trabalho, vive mentindo para seus amigos e sua mãe acaba de avisá-lo que não irá mandar mais dinheiro para ajudá-lo com as despesas. Ele passou por causa de uma série de eventos traumáticos que o deixaram em um ponto que talvez não tenha mais como voltar. Após mais uma noite de mentiras com seus amigos, Arata encontra Ryou, um membro do Instituto de Pesquisas Relife, que lhe oferece uma oportunidade de emprego que pode mudar sua vida, só precisa tomar uma pílula e fazer parte de um experimento durante um ano. A pílula reverte sua aparência de volta para aquela que ele tinha com 17 anos e agora Arata precisa voltar para o colegial e ter novamente uma vida de estudante, tendo que ter cuidado para que ninguém descubra o seu segredo.

Eu iria rir da cara de vocês se me falassem que o anime melhor anime do ano seria um com temática de colegial – gênero que mais odeio nos últimos tempos. Quase dropei a série por puro preconceito de sua premissa, o primeiro episódio estava indo muito bem, mas do nada o cara vira um colegial e quase quis dar um soco no monitor. Na minha mente seria mais uma daquelas histórias em que o adulto tarado fica vendo as garotinhas de saia, teria um sangramento nasal e provavelmente teria um harém.

Só que o roteiro da Sou Yayoi é um primor, tanto que eu brinquei ao dizer que “finalmente parecia que alguém adulto estava escrevendo uma história colegial” e isso só foi transformando o anime diante dos meus olhos.

Arata é um protagonista incrível – talvez o melhor do ano – ele possui a minha idade atual e o expectador pode ver que ele é realmente um adulto através de suas atitudes. Seu modo de agir e pensar são basicamente os mesmos que eu teria naquela situação, dá para ver claramente a diferença em sua atitude em relação aos adolescentes a sua volta, algo que realmente acontece quando se vira um adulto. Fora o modo como a autora retrata os eventos traumáticos e mais delicados dos personagens, dá para entender porque o personagem foi afetado tanto. ASSISTAM! É o meu preferido do ano e infelizmente pouca gente viu!


fukigen-na-mononokeanFukigen na Mononokean
Gênero: Comédia, Sobrenatural
Número de Episódios: 13
Estúdio: Pierrot Plus
Baseado em Mangá

A vida de Hanae Ashiya não está tão boa no momento, seu primeiro ano no colegial começou, mas ele acabou passando a primeira semana dentro da enfermaria onde sua condição só piora. O motivo de sua “doença” era um pequeno demônio que estava grudado em seu corpo e que ficava cada vez maior enquanto sugava a energia vital do garoto. Hanae estava desesperado e sem saber o que fazer, mas talvez a solução dos seus problemas tenha aparecido através de um papel que ele encontrou no colégio falando sobre um exorcista, Haruitsuki Abeno.

Realmente acreditava que me depararia com aquele tipo de anime de porrada, onde teriam grandes lutas entre os protagonistas e os demônios, sendo mais um anime em que o telespectador precisa tirar o cérebro pra conseguir assistir, mas o que eu recebi foi o contrário. Fukigen na Mononokean é uma daqueles séries que são gostosas de ver, onde quem assiste pega o episódio da semana e se sente bem por 20 minutos. As resoluções para os exorcismos são muito boas, fugindo daquele pensamento de ação e indo mais para algo psicológico, tentando entender como eles chegaram naquela situação. Também é outro anime que ficou meio apagado e que merecia ser visto por mais gente.


mob-psycho-100Mob Psycho 100
Gênero: Comédia, Ação, Escolar
Número de Episódios: 12
Estúdio: Bones
Baseado em Mangá

Kageyama Shigeo, ou mob, é um estudante que nasceu com poderosas habilidades psíquicas. Desde pequeno ele consegue dobrar colheres, mover objetos com a mente, ver espíritos e mais uma série de poderes que poderiam ser listados (mas que tomariam muito tempo). Só que essa grande quantidade de poder é mantida sob controle pelo garoto, devido a atenção negativa que ele continuava recebendo por suas habilidades, segurando todas as suas emoções junto com seus poderes. Seu trabalho com o mestre paranormal Reigen Arataka, que é apenas um humano comum, acaba colocando esse controle em cheque, já que encontros com pessoas e espíritos acabam mexendo com suas emoções e aos poucos suas habilidades vão o dominando. Além disso, Tsubomi, uma companheira de classe é seu grande objetivo e ele vai tentar de tudo para ser amigo dela.

O One é um autor que não pode reclamar das adaptações animada de suas obras. Mob Psycho impressiona com uma animação inacreditável e vem um ano depois do já maravilhoso One Punch Man.  O trabalho da Bones em adaptar os garranchos do autor é um belo estudo de caso em como se fazer uma adaptação, fazendo com que tudo em relação a animação seja incrível incrível, começando pela abertura que é sensacional!

Todos sabem que o One é ruim pra desenhar, porém tudo isso se compensa pelo talento que ele possui para criar personagens interessantes e uma história excelente. Mob demorou a engrenar para mim, foram uns 4 ou 5 episódios em que me forçava a ver porque eu sabia que iria melhorar; na minha cabeça era para ele ser algo engraçado como One Punch Man porém acabei percebendo que a pegada dele era um tanto diferente e só depois disso finalmente consegui aproveitar a série. A evolução dos personagens é muito interessante, ainda mais se lembrarmos como o irmão do Mob é no início e como ele está no fim da temporada.


alderamin-on-the-skyAlderamin on the Sky
Gênero: Ação, Militar
Número de Episódios: 13
Estúdio: Madhouse
Baseado em Light Novel

O mundo está em um grande caos quando o império de Katjvarna entra em confronto contra a República de Kioka. Ikuta detesta guerra, adora descansar, mulheres e não tem nenhuma pretensão em entrar no exército, só que uma série de eventos faz com que ele e seus amigos Yatorishino, Torway, Harona e Matthew se tornem soldados de alto patente após um acidente. O anime mostra como alguém como Ikuta vai acabar se tornando um grande herói e como ele poderá salvar o futuro de um reino.

Outro anime que parei no começo e acabei redescobrindo por insistência externa. Alderamin tem aquele cheirinho de história genérica onde em algum momento colocam os personagens em uma escola militar, coisa que me desanimou e muito. Só que um grupo de colegas conseguiu me convencer em dar mais uma chance e, bem, Alderamin consegue ser legal se der o tempo necessário.

Ikuta era um personagem que detestava no início, mas que consegui ver o seu valor conforme o anime passava. Ficava ansioso para ver como ele conseguiria movimentar o exército para vencer as batalhas, sem contar que a relação dele com Yatorishino se torna bem interessante, ainda mais depois da explicação do passado dos dois. Fora isso o anime cresce muito no arco final, toda a batalha se torna um grande jogo de xadrez e suas resoluções são bem feitas, deixando quem assiste com um gosto de quero ao final do episódio.


Outono

O outono foi marcante em relação a grande variedade de animes ótimos com temas e gêneros diferentes. Mas um anime foi responsável por engolir todo o hype e que nasceu para fazer história.


yuri-on-iceYuri!!! on ICE
Gênero: Esporte
Número de Episódios: 12
Estúdio: MAPPA
Obra Original

A carreira de Yuuri Katsuki não está nada bem após a final do Grand Prix. Com 23 anos e poucas conquistas na carreira, Yuuri volta para casa sem muita perspectiva de continuar com a patinação no gelo e com vários quilos a mais. Só que tudo muda após uma apresentação para uma amiga viralizar na internet, nele o rapaz refaz uma rotina que Victor Nikiforov, cinco vezes campeão mundial, tinha feito anos atrás. Logo depois do ocorrido, Victor voa para o Japão e oferece a Yuuri a oportunidade de ser seu treinador e possivelmente ganhar o Grand Prix daquele ano.

Eu sou um grande fã de histórias de esporte em geral e fico realmente animado quando aparece um anime ou mangá de uma modalidade que não conheço absolutamente nada. Sim, Yuri on Ice possui uma grande quantidade de fanservice, a relação entre os dois é claramente algo para chamar bastante a atenção do público que adora criar casais, mas a história e narrativa me chamaram a atenção, me deixando conectado ao Yuuri, sendo que todos os momentos de competição foram emocionantes e abertos.

O anime tem decisões interessantes que acabaram acertando em cheio e o deixam cada vez mais único. Por exemplo, toda a personalidade que o Yuuri possui, sendo um rapaz extremamente tímido e com pouca confiança fora das competições mas que acaba mudando dentro do ringue onde o seu orgulho como veterano faz com que ele se destaque em relação aos outros.Em questão da animação também temos escolhas interessantes como usar a rotoscopia para fazer as cenas de patinação que, sim, pecam em vários momentos no quesito de traço, mas que ficam extremamente fluídas e que não vejo funcionando de outra maneira. Yuri on Ice foi divertido, gostoso de assistir e refrescante. Pena que muitos vão criticá-lo porque não conseguem enxergar nada fora a relação entre os dois protagonistas.


sangatsu-no-lion3-gatsu no Lion
Gênero: Drama, Slice of Life
Número de Episódios: 22
Estúdio: Shaft
Baseado em Mangá

Rei Kiriyama é um jogador profissional de Shogi e, com apenas 17 anos, ele já mora sozinho e não possui muitos amigos. Sua vida não está nos trilhos apesar de já ser independente financeiramente, sua parte emocional não é uma das melhores e seus problemas pessoais continuam o assombrando apesar dele continuar fugindo, fazendo com que isso comece a afetar sua carreira. As vitórias e derrotas estão se estabilizando e sua subida para os rankings mais altos parece ter estagnado. Mas o garoto não está sozinho, as irmãs Kawamoto são uma presença forte em sua vida, sendo uma família que vive em uma casa bem modesta, mas que sempre são capazes de abrigar Rei em seus momentos mais complicados. Essa é uma história sobre como Rei crescerá como pessoa, passando por seus triunfos e falhas.

Minha relação com 3-gatsu é meio complicada de se definir, existem momentos que eu odeio, momentos que eu adoro e momentos que eu fico muito entediado com a narrativa. Só que eu não posso dizer que é uma história  genérica e que não deveria ser acompanhada. É engraçado lembrar que os fãs temiam o que o estúdio Shaft iria fazer com a narrativa original, mas, na minha opinião, não poderia ter um casamento melhor entre roteiro e a animação. O estilo de adaptação do estúdio está lá, temos cortes, cenas que fogem bastante do tradicional, mas o diretor Shinbou também sabe segurar toda a loucura em momentos chave, acrescentando cenas lindíssimas em que o silêncio chega a incomodar o espectador. O roteiro é interessante, mas é lento e cansativo em vários momentos e não é um daqueles animes que eu recomendo maratonar tudo de uma vez. Talvez a minha maior crítica seja em relação ao Shogi, que eu realmente não consigo entender as regras e não consigo me apegar às partidas.


web-workingWWW.Working!!
Gênero: Comédia
Número de Episódios: 13
Estúdio: A-1 Pictures
Baseado em Web Mangá

Daisuke Higashida está com problemas. A empresa do seu pai entrou em processo de falência e agora o garoto não conseguirá mais pagar suas contas. Para não ter que ir para uma escola muito longe, seu pai o convida (obriga) a procurar um emprego de meio período para ajudá-lo com as despesas. Mal sabe ele que o restaurante Wagnaria não é um local que possui um dia-a-dia muito comum.

Ah, que saudades que eu estava do Wagnaria! Mas, confesso que fiquei um tanto receoso com esse spin-off, afinal de contas estava muito ligado aos personagens originais e esse me parecia mais um repeteco do que qualquer coisa. Só que com o passar dos episódios os personagens foram se desenvolvendo cada um a sua maneira, personalidades se definiram e toda desconfiança se tornou afeto. Eu amo essa série e www . Working só me fez lembrar quanta saudade eu sentia daquele restaurante – fora que é um bom incentivo para quem queria começar a acompanhar, mas ficava com preguiça por precisar ver três temporadas inteiras.


fune-wo-amuFune wo Amu
Gênero: Drama, Romance
Número de Episódios: 11
Estúdio: Zexcs
Baseado em Novel

A publicação de um novo dicionário chamado A Grande Travessia está avançando, mas um dos dois editores está prestes a se aposentar e eles precisam contratar um novo funcionário. Cabe a Mitsuya Majime, que fazia parte do departamento de vendas da editora Genbu Shobo, preencher essa vaga no departamento conhecido como “inseto comedor de dinheiro”. Com poucas habilidades sociais, ele precisa trabalhar com o outro editor, Masashi Nishioka e se relacionar com Kaguya Hayashi, sua vizinha estudante de culinária.

Ok. Um anime sobre fazer dicionários, o que há de bom nisso? Está de sacanagem? Mas é, pode acreditar! Fune Wo Amu faz parte do NoitaminA, um bloco de animação da Fuji Television que fez muito sucesso no passado com animes excelentes como Nodame Cantabile, Honey and Clover e que tem tido mais erros que acertos nos últimos anos, porém, é engraçado o fato de eu sempre me animo em assistir qualquer coisa só de ouvir o nome do bloco. Eu adoro a maioria dos personagens principais desse anime, mas gosto ainda mais da relação entre o Mitsuya e a Kaguya, sem contar que também tem o fato de que ver personagens adultos hoje em dia é tão diferente e refrescante que já ganha pontos comigo. Alguns episódios me marcaram pelo tema, conversaram diretamente comigo comigo e com o que eu já passei na vida.

Talvez o maior erro de Fune Wo Amu foi a direção que a história tomou nos 3 últimos episódios, que me deixaram um tanto receoso se ele merecia entrar nessa lista ou não. Só que eu me lembro como poucas pessoas se lembroram que esse anime existia e nem chegou assistir, algo que considero muito injusto pelo trabalho que foi feito. Então, assistam, pelo menos, o primeiro episódio e cheguem a suas próprias conclusões. É realmente inusitado descobrir como uma história sobre criar dicionários não foi medíocre.


udon-no-kuni-no-kiniro-kemariUdon no Kuni no Kiniro Kemari
Gênero:  Slice of life
Número de Episódios: 12
Estúdio: LIDENFILMS
Baseado em Mangá

“Udon no Kuni no Kiniro Kemari” conta história de Souta Tawara, um web designer de Tóquio que encontra um garoto dormindo na velha loja de udon de sua família durante uma visita a Kagawa, sua cidade natal – ele logo descobre que trata-se de um tanuki criança, ao qual dá o nome de Poko. Decidindo ficar na cidade por mais tempo a fim de cuidar dele, será mostrado o dia a dia dos dois conforme estreitam seu laços e conhecem novas pessoas.

Todo ano tem aquele anime que vai fazer você querer ter um filho(a) e, todo ano, cabo me apegando. Udon no Kuni pode derreter um coração de pedra facilmente com a relação entre o Souta e o tanuki Poco com o forte laço que une ambos. É o mais slice of life possível que você achar em um anime, algo que normalmente eu detesto em animações, mas que me fez feliz durante todos aqueles 12 episódios. E a vontade de ser pai passa logo depois, quando encontro uma criança fazendo birra no mercado.

Luk

Luk

Eu juro que gosto de animes, apesar de todo o meu haterismo.

Related Post

  • Gabriela Bassi

    hmmm… bom, sobre Yuri on Ice, os produtores mesmo afirmaram em redes sociais que o Yuri e o Viktor são um casal de verdade, então não é BEEEEM fanservice.
    E se vc (não me referindo ao autor desse post, pelamor), que assistiu o anime até o final e acha que eles só viraram BFF’s, é meio burrice né?

    Tô vendo No.6 acontecer tudo de novo lol

  • Alderamin on the Sky: O Anime que para mim É O MELHOR DO ANO DISPARADO!
    Muita gente detestou por causa da animação que não ajudava a criar cenas de impacto, MAS FODA-SE A ANIMAÇÃO!
    O Ikuta e el é um protagonista bem humano e a história jogava para mostrar isso. A exemplo [SPOILER] quando ele tem de escolher subir logo uma montanha com uma tropa para encontrar outra, mas ele prefere ir devagar para que seus soldados não sofressem com a alta altitude. Mas assim que chegou lá, o cara viu que a outra tropa acabou sendo dizimada porque não teve ajuda d atropa dele, e uma amiga dele estava entre os mortos.
    Ele não se arrependeu da sua decisão porque isso conseguiu garantir vantagem para o Exército, mas ele ficou muito bolado com a morte da amiga que ele viu poucas vezes e queria ver mais. [FIM DO SPOILER]
    Esta cena em específico me marcou demais. Para mim, um dos melhores momentos do ano. Alderamin é um anime que TODOS devia assistir.

    • P.S: Só acho que poderia ter incluído Shuumatsu no Izetta.
      Afinal, fora um bom anime também.

  • Espera, tem duas imagens de Working na capa da postagem? A primeira do meu lado esquerdo e a penúltima do lado direito.

    • pimpao10

      Ué, ele pode ter gostado MUITO de Working

      • Luk

        Eu gosto muito de working

  • Cris R.

    Não viu Orange?

    • A adaptação de Orange foi meio que mal-feita, muita gente que adorou o mangá detestou o anime. Pode ser o caso deste.

      • Cris R.

        Eu também achei o mangá superior, embora eu não saiba dizer com clareza o que foi mal-feito na adaptação. Senti bem mais emoção lendo o mangá e também não gostei muito do character design adaptado, mas fica por aí eu acho. Ainda acho que poderia ter sido citado naquelas menções honrosas que tinham nesses posts em anos anteriores.

        • Luk

          Eu não gosto de Orange, então não inclui. Se fosse ter menção honrosa seria para as continuações mesmo, só para incluir Haikyuu

  • Minnos

    Ótima lista! Assisti boa parte dos títulos mencionados =)
    Acrescentaria os seguintes títulos:
    Amaama to Inazuma
    Saiki Kusuo no Psi-nan
    Orange
    Occultic;Nine

  • Angelo Kaoru Gomes Ribeiro

    Re-Life é realmente ótimo, porém acho que o sucesso se faz mais em nós seres humanos na faixa dos vinte e poucos anos (por conta da identificação com o personagem) do.que com a galera mais nova.
    Ótimo top!

  • Orange tem uma história legal… mas a animação atrapalhou tudo. Ler o mangá foi mais legal. http://www.working fez eu rir muito. foi muito bom mesmo.

  • Só uma correção, o Working que você menciona não é spin-off algum, ele é o mangá original. O spin-off na realidade é o working que foi adaptado primeiro, não o que foi adaptado em 2016.

  • Lisbeth

    Vou dar uma chance para Fukigen na Mononokean!

  • caroline

    pegando os slice of life da lista <3