Semanada – ‘Hajime no Ippo’ #1197: Colapso

Cadê o próximo capítulo?


Ok, eu sei que está repetitivo falar de Hajime no Ippo aqui, mas eu considero ele o melhor mangá que está saindo na atualidade e preciso comentar mais um arco narrativo que me deixou um tanto apreensivo para o futuro da série. O engraçado é que todo esse arco que me deixou tão chocado começou justamente no ponto de virada que comentei aqui no último post sobre o capítulo 1069, lá em 2014. Ippo vs Alfredo pode ter tido consequências muito mais pesadas do que eu sequer podia imaginar.

Após a derrota, Ippo tem um longo período de recuperação, que não foi tão simples e tranquila como da última vez. Os danos que ele teve na cabeça foram severos e, aparentemente, algo grave aconteceu com o protagonista. Ippo não consegue fazer ou caminhar em linha reta, está com alguns reflexos atrasados e com problemas para se lembrar de alguns acontecimentos – sintomas que demonstrariam que o lutador estaria “quebrado” e que sua carreira acabaria tendo que ser encerrada. Porém, isso foi apenas um susto, e depois de muito descanso os sintomas sumiram e o garoto aparentemente estava bem.

Só que tudo ainda estava estranho, ele nunca esteve em tão boas condições físicas e o Dempsey Roll atingiu um novo estágio, mas Ippo continuava demonstrando que não estava bem, perdendo sparrings que aparentemente ele conseguiria vencer com uma mão nas costas e nem ao menos conseguindo desviar de jabs simples. Ainda assim, nos treinamentos ele demonstrava estar com força total.

#1197: Colapso

Finalmente chegamos na luta contra Antonio Guevaro, campeão Filipino dos peso Pena, o primeiro confronto de Ippo após sua derrota oficial e aparentemente o que seria uma vitória tranquila do ex-campeão japonês depois de alguns rounds. Como na luta anterior, o domínio completo é de Ippo, que ainda está se acostumando a lutar contra um canhoto e a cada soco o campeão Filipino começa a perceber que aqueles não eram jabs e diretos comuns. Percebendo sua dominância, Ippo começa a se planejar para usar o novo Dempsey Roll que ele e o treinador desenvolveram, querendo demonstrar que os ensinamentos do Kanogawa podem ser efetivos contra qualquer um… Porém, algo sempre dá errado na hora de usar o golpe.

Toda a impaciência de Ippo resulta em golpes e contragolpes bem encaixados de Antonio Guevaro que aos poucos começam a acumular dano no japonês e algumas quedas começam a acontecer, algumas escondidas por causa de tropeços e outras de socos potentes. Aos poucos o treinador começa a perceber que algo muito sério está acontecendo, mas parece ser um tanto tarde. Ippo aparentemente está quebrado e se isso for verdade tudo pode acabar após essa luta.

Lá em 2014 comentei que já achava que o mangá estava perto do fim, mas 3 anos depois eu estava convicto que a história ainda tinha muito pano pra mangá. Só que esse último capitulo me provou que bem podemos ir para um caminho muito menos clichê, onde Ippo seria campeão mundial. Ele estar quebrado pode ser um blefe do autor, mas ainda assim mudou muito a minha visão sobre essa luta, que para mim era só mais uma qualquer para mostrar como ele estava poderoso e se tornou uma luta totalmente decisiva e importante, onde eu não faço ideia do que vai acontecer. Com algumas páginas Morikawa me fez lembrar de todo aquele flashback da juventude de Kamogawa, onde o mostra com Nekota, com um futuro brilhante que pode ser destruído por uma doença e como aquilo afetou aqueles dois até o momento atual.

São 1197 capítulos, 28 anos de publicação e eu não sei como me sentir em relação a tudo isso. Sinceramente acharia extremamente corajoso o mangá finalizar sem que o protagonista se recuperasse e tivesse que encerrar sua carreira, mas no fundo do meu coração eu não quero ver o Ippo ter um final tão infeliz e que tudo seja apenas um blefe do autor. Ainda assim um twist e demonstrando que um mangá de 89 consegue ficar cada vez mais refrescante e animador.

Luk

Luk

Eu juro que gosto de animes, apesar de todo o meu haterismo.

Related Post