Hall da Fama #01 – A adorável e misteriosa Mami Tomoe

Nova seção, nova redatora. Pra comemorar o dia das bruxas, porque não falar daquela que se dedicou a lutar contra elas?

E aí, como vão a todos? Pois bem, antes de tudo preciso me apresentar: sou a Mary, dona do Across the Starlight e redatora da nova coluna do Chuva de Nanquim. E acreditem, estrear aqui no blog me dá até ansiedade, rs!

Minha coluna será o Hall da Fama, semanal e voltada para comentar sobre personagens marcantes de animes dos anos mais recentes. E para inaugurar hoje, nada melhor do que falar de uma das trágicas personagens do melhor anime do ano: Mami Tomoe, de Puella Magi Madoka Magica!

ATENÇÃO: fortes spoilers do anime a partir de agora. Embora eu imagine que nenhum leitor do ChuNan ainda não tenha assistido Madoka, mas fica aí o aviso.

Quando Madoka Magica começou, até mais ou menos metade de seu terceiro episódio acreditava-se que seria apenas mais um anime no estilo Mahou Shoujo – “garota mágica”, literalmente – com um toque um pouco mais sombrio, especialmente nos visuais mirabolantes criados pelo estúdio Shaft. Até que, no episódio 3, a personagem Mami, que encontrava uma fagulha de esperança em sua vida de Puella Magi com a ajuda de Madoka, sofre uma morte horrenda, provocando uma tremenda reviravolta na série e a cena mais chocante do ano.

A questão é que essa cena só causou o devido impacto porque contou com uma construção de personagem eficiente – construção tal que não é benefício da Mami, mas de todas as outras garotas mágicas da série – que contou com várias teorias e até certos simbolismos. (Aliás, é interessante mencionar que tivemos esse ano cenas em animes que tentaram emular esse choque, porém falharam justamente por conta da falta de profundidade).

Mami Tomoe é o tipo de personagem que passa uma imagem de irmã mais velha. Ela age de forma que denota experiência, é calma e se preocupa em alertar a Madoka e a Sayaka sobre os perigos da vida de uma Puella Magi, e insiste que as garotas pensem com muito cuidado em seu desejo, caso escolham fazer o contrato com Kyuubey.

Por outro lado há um notável sentimento de solidão que sempre acompanha a garota, que passou praticamente toda a sua vida sozinha; após o acidente de carro que matou seus pais, Mami teve a chance através do contrato com Kyuubey para sobreviver. O que custou sacrifícios, a constante ameaça da morte e a inimizade entre as próprias semelhantes – fica bem insinuado que Mami conhecia bem a questão de rivalidade entre as Puella Magis.

As questões que ficam são: quais seriam as motivações da garota para viver este constante conflito, e até onde sua sanidade era capaz de aguentar isso?

Como se nota no episódio 10, uma das linhas temporais vivenciadas por Homura mostra as meninas descobrindo a verdade sobre o destino das Puella Magis, Mami perde o controle e escolhe matar suas companheiras, como forma de preveni-las de um destino muito mais terrível. Isso derruba as esperanças dela, provando que sua imagem de experiência e “irmã mais velha” é em boa parte uma fachada, talvez até mesmo para manter seu encorajamento em campo de batalha.

O que se percebe é que Mami possui um desejo de sobreviver, mas talvez mais intensa seja a vontade de não viver para sempre sozinha; ela possui um forte apego à vida, e de certa forma gostaria de reconquistar um pouco do que perdeu. Porém, levando em conta a falta de possibilidades para o futuro em sua vida, seu psicológico encontra-se em um estado muito delicado, podendo qualquer choque levá-la à loucura.

De certa forma, pode-se dizer que ela e Sayaka representam as possibilidades mais trágicas no destino das Puella Magis. Ambas estão fadadas a perder a esperança ao serem confrontadas com a realidade, uma morrendo contra aquilo que deve combater graças a sua ingenuidade e a outra tornando-se o oposto do que pretendia ser, transformando-se em uma bruxa.

Por fim, Mami Tomoe foi uma peça-chave para apontar a grande reviravolta de Madoka Magica, importante para iniciar uma série de eventos de cunho sombrio responsáveis por tornar o anime conhecido como uma reconstrução do gênero Mahou Shoujo. É uma personagem capaz de sensibilizar por conta do peso de suas escolhas amargas e seu destino extremamente chocante.

E fica por aqui o Hall da Fama de hoje. Espero que minha estreia tenha agradado, comentem aqui o que acharam. E nos vemos na próxima semana!

por Mary

Asevedo

Formado em design editorial e assistente editorial da Panini Mangás. Leio mangás e história em quadrinhos de diversos países. Assisto animes de forma esporádica. Sempre estou no Twitter.

Related Post