Review – Hajime no Ippo, de George Morikawa

hajime no ippo reviewUm mangá publicado desde 1990 e sem demonstrar sinais de cansaço.

Eu estou realmente enjoado de anime e mangás. Já devo ter visto pelo menos uma centena e hoje em dia é muito complicado eu pegar um anime já terminado com mais de 12 episódios pra assistir. Então porque raios eu sempre estou tentando fazer com que vocês leitores, acompanhem um mangá que está na incrível marca de 100 volumes? É realmente tão bom assim?

Estou eu aqui tentando mais uma vez mostrar a vocês o quanto Hajime no Ippo é bom. Espero que consiga pelo menos fazer com que 1 pessoa comece a acompanhar e que essa espalhe ainda mais a palavra (tá quase religião isso, parei). Mas vamos parar com o papo e começar a falar sobre um dos meus mangás favoritos? Com vocês, Hajime no Ippo: o melhor shounen que ninguém lê.

A história

Ippo Makunouchi é um garoto humilde, que na maior parte do seu tempo livre ajuda sua mãe no trabalho, uma loja que aluga barcos de pesca. Ele não possui muita vida social por causa disso e acaba sofrendo por não ter amigos e por ser alvo um alvo fácil para os valentões do colégio. Takamura Mamoru aparece para ajudá-lo durante um desses abusos, ele era incrivelmente rápido e consegue facilmente lidar com os valentões que faziam mal ao garoto e Ippo acaba desmaiando por estar muito machucado. Ao acordar ele vê que se encontra em uma academia de boxe, Takamura percebe o quanto o garoto está frustrado por não poder se defender e acaba ensinando como dar um soco em um saco de areia, só que todos se assustam ao perceber como ele tem um soco potente.

Uma chama cresce em Ippo após saber que até mesmo Mike Tyson, o campeão mundial de pesos pesados, sofria com maus tratos também e o garoto decide que também quer ser um boxeador profissional, para renascer como uma pessoa forte. Takamura não acha que ele tem uma atitude de pugilista, então resolve aplicar um teste para o garoto desistir logo: Pegar 10 folhas que caem de uma árvore, sem deixar nenhuma cair da sua mão. Ao conseguir realizar esse teste, Ippo começará uma nova jornada na sua vida, enfrentando coisas que ele jamais imaginaria que poderia passar.

Considerações técnicas

Hajime no Ippo é publicado na revista Shounen Magazine desde 1990, comemorando 22 anos de publicação e atualmente chegando aos 100 volumes encadernados. Como dito mais acima, o mangá não parece estar perto de terminar  e os fãs da obra também não parecem estar incomodados com isso. O título é de autoria de George Morikawa, que parece ter uma criatividade intensa para continuar com a obra sem perder o pique e a qualidade do mesmo.

Hoje, o mangá é uma verdadeira fonte de inspiração para os admiradores do gênero do boxe e diversos outros títulos acabam bebendo das mesmas águas que ele. Mas isso não signifique que ele seja único e extremamente pioneiro nesse quesito. Hajime faz diversas referências à outros clássicos como Ashita no Joe, e embora não tenha a mesma influência como o dito cujo, claramente é um mangá respeitado e de extrema importância para a história do quadrinho japonês.

Sobre a arte do mangá, não é uma coisa que te enche os olhos, nisso temos que concordar. Ele não consegue fazer uma mulher realmente bonita, mas cumpre muito bem o seu papel e que dá aquela sensação de uma mangá clássico. Porém na hora das lutas ele se destaca muito bem, dando uma movimentação para cada golpe e que não deixa você sem entender o que raios está acontecendo naquele momento da luta. Às vezes eu parava de ler para ficar admirando alguns quadros da página. A desenvoltura do traço e a forma como o autor evoluiu no passar dos anos também é incrível. Tudo parece estar cada vez mais claro nas cenas de ação e ajudam ao mangá não se tornar “datado” ou nada do tipo.

Hajime no Ippo mistura dois estilos de história que são bem populares, os animes de ação voltada para as lutas e os de esportes. Porém também temos um lado de comédia que é muito bem feita, que torna a leitura muito gostosa mesmo nos momentos fora do ringue e acaba se tornando um dos trunfos do mangá. Sim, tem mais de 900 capítulos para ler e o mangá não dá sinais de que vá acabar tão cedo, mas todos eles são tão divertidos que você nem percebe o tempo passar e devora pelo menos 5 volumes de uma vez só. E olha que nem estou contando com as lutas, porque sim elas são emocionantes e te grudam na cadeira a cada reviravolta. Algumas das lutas são as mais memoráveis que eu já tive o prazer de presenciar, daquelas que você fica tão empolgado que está desferindo golpes no ar como uma criança. Para se ter uma noção, fico arrepiado toda vez que vejo o começo do filme de Hajime no Ippo, que mostra uma das melhores lutas: Sendo x Ippo. E cara, eu nem vou comentar sobre Takamura vs Hawk, que isso daria um outro post. Aliás, o anime, como já disse aqui outras vezes, é uma ótima adaptação do mangá.

Só que o mangá brilha de verdade quando você começa a conhecer cada personagem da história. Eu tenho a coragem de dizer que eu gosto de todos e apenas um é alguém que eu realmente tenho ódio – Bryan Hawk maldito! Temos o Ippo como protagonista, que é um garoto totalmente humilde, com um grande carisma, esforçado e que você acaba virando um fã com poucos capítulos. Já vi muitos considerando que o Ippo nasceu para o boxe, que é um gênio, mas não é isso… Ele treina 3 vezes mais vezes que qualquer um, ainda ajuda sua mãe com um trabalho que não é leve e isso que faz com que ele seja tão forte.

Também tem o grande Takamura Mamoru, o favorito da grande maioria dos leitores. Um cara que é campeão nacional, gênio no boxe e que mesmo assim é um tarado, gozador, preguiçoso e que só abre a boca pra falar besteira. E os alvos da maioria dessas brincadeiras são os pobres Aoki e Kimura, que não são gênios no boxe, mas ainda se esforçam e lutam para conseguir suas vitórias, mesmo que sofridas. O treinador do ginásio é um velho rabugento, que quase nunca elogia ou sorri e mesmo assim tem um grande carinho por seus lutadores (mesmo não demonstrando).

E esses acima são apenas o núcleo do ginásio Kamogawa no começo, com o passar do tempo o autor vai adicionando mais e mais personagens na trama, desde adversários de luta, como também mais amigos no ginásio e na vida do Ippo. A sua grande maioria não tem uma personalidade rasa, todos são muito bem trabalhados durante os capítulos entre lutas, aonde o foco vai para o treinamento e preparação do protagonista. E eu posso dizer que as partes que eu mais gosto não são necessariamente as lutas. Gosto muito mais de acompanhar o dia a dia do Ippo, do seu relacionamento com os amigos e com a sua família.

Comentários gerais

Hajime no Ippo é um dos meus mangás favoritos, e eu provavelmente o colocaria no meu top 5. Todos que gostam de animes de ação ou esportes deveriam pegar para ler essa obra, que é influente por muitos motivos que vão além apenas do fato de “ter 100 volumes”. Lutas emocionantes, personagens divertidos e um ritmo que pode fazer você ler todos os capítulos em uma semana ou menos. Ele foi adaptado para os animes pela Madhouse, tendo duas temporadas, um filme e um ova – isso sem falar na infinidade de jogos para Playstation, Game Boy e outros consoles. Até recomendo que vocês comecem pelo anime, que foi muito bem adaptado, mas que provavelmente não deve ter mais uma temporada. Porém existem boatos de que ela possa ocorrer ao lado de um filme (que é prometido há anos), mas como acabei de dizer, não passam de boatos.

Tire o preconceito por ele ser longo. Fiz o post sobre o mangá justamente porque sei que muitos iriam pegar o anime para assistir, acabariam com todos os episódios rapidinho e iriam correndo procurar pelo resto da história. Sim são mais de 900 capitulos, mas são tão bons que você nem vai perceber. Hajime no Ippo merece sua atenção e mesmo tendo chances praticamente nulas de ser publicado um dia no Brasil, é um mangá extremamente bem feito e que sabe conquistar o público. Mais que recomendado.

por Luk

Luk

Luk

Eu juro que gosto de animes, apesar de todo o meu haterismo.

Related Post