Sobre a saída de Marcelo del Greco da editora JBC

Sai Marcelo, entra Cassius. Ou seja, ao menos os fãs de Cavaleiros não vão notar muita diferença.

Na última sexta feira (25) fomos todos pegos de surpresa com um anúncio vindo da própria JBC. E dessa vez não foi nenhum título escondido por debaixo de mangás impressos. Se é que isso voltará a acontecer. De acordo com a editora, o editor Marcelo del Greco não é mais o responsável pela gerência de conteúdo da mesma. “Agora, após uma década de parceria, Marcelo deixa o posto de gerente de conteúdo da Editora JBC para buscar novos desafios. ” diz a assessoria de imprensa em seu release oficial sobre o assunto que pode ser visto AQUI.

Falando a realidade, não sabemos o que de fato aconteceu na editora. O fato é que Marcelo ocupou o cargo por mais de 10 anos e ao mesmo tempo que foi o grande responsável por trazer grandes títulos para o Brasil, também foi o maior alvo de críticas por parte dos fãs, desde tempos de fóruns, orkut e outros veículos de comunicação (engana-se quem acha que a “briga” contra ele só veio do Twitter).

Como eu mesmo havia falado no twitter no momento do anúncio, apesar das brincadeiras eu não vou falar que fiquei triste com a saída dele de dentro da JBC. Isso seria hipocrisia. Claro, aqui as pessoas devem abrir um parêntese enorme pois estamos falando do PROFISSIONAL Marcelo del Greco, e não como pessoa, que fique bem claro. Não o conheço a fundo a personalidade e o jeito de ser do rapaz para julgá-lo de alguma forma, muito pelo contrário, sempre falei que das vezes que tive a oportunidade de trocar algumas palavras com ele, sempre foi muito bacana, sem grosserias e afins.

O que o pessoal tem que saber é que em seu lugar entre outro “velho de estrada” do mercado. Cassius Medauar já trabalhou em 3 editoras que merecem aqui um destaque. A primeira é a nossa querida Conrad, onde o cara foi o responsável ao lado do Sidney Gusman (hoje na Mauricio de Sousa Produções) por trazer títulos de peso como Dragon Ball, Cavaleiros dos Zodíaco, Vagabond e mais uma porrada. Ele foi o primeiro a trazer títulos editados com a leitura oriental e tudo mais, mas acabou sendo mandado embora em um corte que assolou a editora no começo da crise da mesma. A outra na vida de Cassius foi a Pixel, onde ele foi o responsável por trazer uma linha de quadrinhos alternativos de Vertigo e Wildstorm (hoje ambas na Panini). Bem, ele também saiu da Pixel e a coitada acabou falindo depois de um tempo… Pra finalizar, ele também trabalhou na editora Ediouro, que também tentou se aventurar na linha de quadrinhos alternativas com obras bizarras como Quark, mas acabou caindo no esquecimento.

Resumindo: o cara é pé frio pra caramba! Tá, brincadeira. Quis dizer que ele tem muita experiência e sabe o que tá fazendo, isso ninguém pode falar. O grande problema fica por conta da dúvida: será que todo o carma da JBC era somente em cima do Marcelo del Greco? Claro que em N quesitos as coisas vão mudar, mas não vai ser assim de uma hora para outra. Não funciona assim em nenhuma empresa, em nenhum ambiente de trabalho. Se vocês querem que isso aconteça, pode ter certeza que está caindo do cavalo. Se as mudanças vierem, acontecerão com o tempo. Se vierem.

Marcelo del Greco deixa um cargo alto da editora para se tornar agora somente um “colaborador”. Deve continuar editando alguns títulos e ajudando no tratamento de trabalhos ainda em andamento que foram coordenados por ele, mas tudo agora com uma “supervisão”. Claro, o cara vai ter passe livre na editora, não duvido. Apesar das brincadeiras, ninguém sabe ao certo se ele foi mandado embora, se isso foi uma opção dele ou se simplesmente é uma visão para “reformular a estrutura interna da JBC”. 

Não adianta falarmos que “agora Sakura sai”, ou que “o papel da JBC vai melhorar”, ou até mesmo que “agora a Panini tem que se cuidar”. Não funciona assim, repito. Estou vendo muitas pessoas entre leitores, blogueiros e afins se apressando nas suas afirmações.

A saída de Marcelo del Greco pode ser o primeiro passo para uma reformulação positiva ou não para a JBC. Espero que o Cassius acerte a mão dessa vez e que consiga, assim como o Marcelo conseguiu (querendo ou não) trazer títulos que possam ser interessantes para o público em todos os sentidos. Não vai ser isso que vai me fazer voltar a comprar mangás da editora, mas com certeza me fará ter um olhar mais atencioso para a mesma de agora em diante. As mudanças serão gradativas e só vamos perceber em um único momento: em que as reclamações acabarem. O melhor sinal para notar a melhora de algo é quando ele para de ser assunto negativo e “descansa” no seu caminho.

Quanto ao Marcelo? Quem sou eu para dar conselhos? Ele também é um cara de personalidade e que tem muitos anos de trabalho no mercado. Logo devemos ter novidades sobre o cara pintando por aí, não duvidem. Espero que esse “afastamento” ou seja lá o que a JBC queira chamar, possa servir para que ele pense com cuidado em seu tempo na editora, no que ele aprendeu e no que ele errou (que fala sério, não vou ficar falando aqui tudo de novo porque vocês todos já sabem o que aconteceu).

Pelo menos não esqueceremos dos easter eggs no Facebook, do episódio do primeiro de abril, da escolha de Briggs na tradução de títulos e nas adaptações estranhas de “Maje mofas c’a pomba na balaia”. Não acho que tenho que dizer sobre saldo positivo ou negativo como o amigo Diogo lá no Anikenkai (confira o texto dele clicando AQUI), mas posso dizer que uma parte não sentirá falta dele, outra sim, e alguns nem perceberão que algo aconteceu. Provavelmente a maior “diferença” será notada dentro do próprio ambiente de trabalho da editora.

A vida continua para a JBC, que já tem uma entrevista coletiva marcada para terça-feira, dia 12 de junho, às 19h, na Livraria Fnac da Avenida Paulista. Lá eles pretendem anunciar as novidades dessa mudança e também o que esperar da JBC para os próximos meses. Claro que o Chuva de Nanquim estará lá e traremos tudo que pudermos de informações para vocês – e quem puder, compareça e tire suas próprias duvidas pessoalmente, esse tipo de coletiva não costuma demorar muito e chegar na FNAC não é difícil graças ao acesso ao metrô. Enquanto isso, o que acharam da saída do nosso “MDG”? Acham que de fato a JBC está no caminho certo ou é só “fachada”?

Pra mim, só o tempo vai dizer. E só isso.

por Dih

Dih

Dih

Paulistano, 28 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Atualmente é editor na Panini/Planet Mangá e cuida de títulos como One-Punch Man, MOB Psycho e Jojo's Bizarre Adventure.

Related Post