Ranking Oricon de vendas de mangás: 10 a 16 de Setembro

Chihayaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!

E o ranking da Oricon continua firme e forte nessa semana! Semana essa que vem dominada por josei, além de outros títulos conhecidos da galera. E obrigado pelos comentários no post passado. Eles realmente me deram força para continuar com tudo nessa coluna. Então chega de papo e vamos aos comentários!

E Chihayafuru abre esse ranking vendendo quase 200 mil unidades na primeira semana do seu volume 18. Volume por sinal que tem uma das capas que eu menos gostei da série até agora, o que não quer dizer que ela esteja feia. Chihaya está prestes a ganhar a sua segunda temporada do anime em 2013 e isso deve contribuir mais para a venda dos volumes – mesmo não se repetindo esse efeito na venda de BDs e DVDs do anime. Mesmo assim, é o josei mais comentado por esses lados no momento ao lado de Kuragehime, mas que dificilmente aparecerá no Brasil um dia… Enfim, provavelmente é um daqueles que veremos aqui no top 10 na próxima semana.

Antes de comentar sobre as vendagens de Ahiru no Sora devo comentar alguns detalhes sobre a incrível capa desse volume 35 do mangá. Não meus amigos, isso não é uma imagem representando a ausência de ilustração… Essa realmente é a capa do volume!! Até fiquei abismado quando fui procurar, mas fiquei mais abismado ainda ao ver a arte do autor nessa capa magnífica. Sem palavras. Então vamos falar dos quase 130 mil volumes vendidos nessa primeira semana, uma marca dentro dos padrões do título de basquete. Apesar de não ser um Slam Dunk da vida e nunca ter conseguido as vendagens de um Kuroko no Basket atualmente, Ahiru é um mangá bem tradicional por lá. Mas essa capa…

Bem, deixando a capa sensacional de Ahiru de lado, vamos ao terceiro lugar do ranking com Ao no Exorcist. O nosso demônio favorito alcança mais 110 mil mangás vendidos e está beirando a marca dos 600 mil volumes com essa edição 9. Já devo ter falado isso antes, mas é sempre bom ressaltar que Ao no Exorcist continua vendendo muito bem em relação a qualquer outro título da Square. Por sinal, vende mais que muito título da própria Jump semanal. Provavelmente deve aparecer naquela lista do final de ano com os mangás mais vendidos durante 2012. E nem é preciso ser muito inteligente pra apostar nisso sem nenhuma dúvida.

Na quarta posição temos o volume 10 de Happy Marriage, mais um  josei que conseguiu vender mais de 100 mil cópias na sua primeira semana. O detalhe é que esse é o volume final de Hapimari – como é popularmente conhecido – que vinha sendo publicado na Petit Comic desde 2009 por Maki Enjouji, sendo sua maior obra até então, já que a autora só publicava mangás curtos dentro da própria revista. A série tem uma pitada de conteúdo de todo bom josei: comédia, romance, drama, um caso impossível, uma dose de emoção e realismo e pronto. Temos a fórmula do sucesso do gênero. Mais um que dificilmente veremos aparecendo por essas bandas um dia.

Em quinto lugar temos Bleach 56, vendendo 90 mil cópias e… não conseguindo passar das 500 mil unidades, fato que era bem comum para o título em volumes anteriores. E vejam bem: algumas pessoas me entenderam errado quanto a Bleach na semana passada. Não sou hater da série, muito pelo contrário. Gosto de Bleach e foi uma das séries da Jump que acompanhei com muito carinho desde seu começo. Mas isso não me impede de dizer: Bleach caiu comparado ao que era antes. Não são falações, são fatos. Esse volume é uma mostra clara disso. 500 mil cópias era algo que Bleach alcançava na primeira semana. Agora nem na segunda. Entendam: nem toda crítica é sinal de hate. Mesmo a série ainda sendo uma das mais bem vendidas da Jump (e não correr qualquer risco de cancelamento e etc), é notável a queda de rendimento. Infelizmente.

Se Bleach caiu nas suas vendas, Kuroko no Basket não pode dizer o mesmo. Apesar de ainda ocupar a sexta colocação, o título alcança uma marca de mais 85 mil cópias vendidas, totalizando mais de 430 mil volumes em duas semanas do volume 19, uma marca nunca jamais alcançada pelo mangá. Lembrando que a tiragem desse volume foi de 600 mil cópias, então provavelmente teremos uma nova impressão do título até o fim do ano. Mesmo com o fim do anime, Kuroko tem de tudo para continuar em alta com suas vendas. Parece que agora o público pegou gosto pela leitura do mangá de basquete. Espero que as editoras brasileiras também pensem desse modo, para nossa alegria.

Agora vamos para um dos joseis mais pedidos no Brasil. Estamos falando de Kuragehime, mangá que em sua primeira semana de vendas chega em aproximadamente 75 mil volumes vendidos com sua edição 10. Claro que esse número não representa grandes interferências na sua vinda ou não para o Brasil, mas se levarmos em conta que outros títulos do mesmo gênero conseguem uma vendagem superior, talvez isso seja uma desvantagem para a publicação do mesmo nessa bandas. De qualquer modo, é o tipo de mangá que seria apenas uma aposta. Ninguém sabe ao certo se venderia ou não… Otomen, MPD Psycho e tantos outros que o digam…

Pra não dizer que eu só falo de Bleach caindo pelas tabelas, vejam aqui mais um exemplo claro disso. Reborn, que era acostumado a vender mais de 300/350 mil cópias em sua época de anime, agora chega esbarrando em ‘meras’ 275 mil cópias vendidas. Claro que ainda é uma marca grande considerando um mangá de 40 volumes, mas isso também não impede de dizer que Amano e Kubo levaram uma corrente de azar nesse quesito. Ambos caíram juntos (mas o tio Kubo sentiu menos, claro) e dificilmente vão recuperar aquele fôlego incrível de antes. Mas, continuam aí. E com muitos fãs. Vale dizer que Reborn foi cancelado nos Estados Unidos, mas isso não impede uma futura publicação aqui.

Aqui na nona colocação temos um mangá de nome bem complicadinho. Mahou-ka Koukou no Rettousei é um daqueles títulos adaptados de uma light novel e que começou a ser publicado em 2011 pela GFantasy, revista da Square Enix. Por ser tratar de um volume 1, e de um mangá pouco comentado, podemos dizer que vender mais de 55 mil volumes em sua primeira semana é uma marca bem expressiva para o título, que tem como supervisor do roteiro o próprio autor da novel. A recepção parece ter sido boa e pela capa do mangá já dá pra ter uma noção de que o mesmo está bem chamativo para os “novatos”.

Para fechar a décima colocação temos o volume 77 (!!!!) de Detective Conan vendendo menos de 50 mil cópias. Mas calma que aqui a situação é diferente, uma vez que o mangá ficou pouquíssimos dias à venda e não se contabilizou por completo para o ranking. Então provavelmente veremos o detetive mais carismático da Shounen Sunday nesse ranking novamente na próxima semana. Conan continua sendo um dos mangás mais tradicionais do Japão e não restam dúvidas de que o título já é quase que “cativo”. Quase um One Piece da Jump ou um Hajime no Ippo na Shounen Magazine. Esse é mais um dos que eu lamento tanto nunca poder ver por aqui. 77 volumes? Nem eu arriscaria.

No mais, como comentários extras podemos colocar One Piece ainda no Top 20, volume novo de Code:Breaker vendendo pouco – mas na esperança disso melhorar com seu anime em outubro – e Aoharaido ainda se mantendo entre os 30 mais vendidos, para a minha felicidade. Agora aguardemos a próxima semana, que promete bons lançamentos e provavelmente um top 10 bem diferente do de hoje. Até lá!

Dih

Dih

Paulistano, 28 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Atualmente é editor na Panini/Planet Mangá e cuida de títulos como One-Punch Man, MOB Psycho e Jojo's Bizarre Adventure.

Related Post