Review – Magi – O Labirinto da Magia, de Shinobu Ohtaka (Volume 1)

Magi Review HeaderEssa é a mistura de Brasil com Egito.

O ano de 2014 está sendo um ano realmente bom para os fãs de mangás no Brasil. Nunca tivemos tantos títulos nas bancas quanto hoje e tantas ofertas diferentes para diferentes públicos – alguns com um leque mais extenso que outros, mas ainda assim marcando presença. E claro que isso se deve às editoras apresentando títulos mais desconhecidos e ao mesmo tempo hits de grande sucesso.

Magi é um desses hits. Hoje vivemos uma escassez enorme de títulos em nossas televisões, o que diminui, e muito, a probabilidade de grandes sucessos nacionais. Mas algumas obras conseguem se destacar apenas com a divulgação da internet entre o nicho. E é se baseando nisso que Magi acabou virando um dos mangás mais pedidos do último ano e agora chega ao Brasil pela editora JBC.

Com títulos como Fairy Tail e Blue Exorcist (carros chefes de shounen atuais da editora) encostando-se ao Japão, fica a cargo de Magi a responsabilidade de se tornar um dos principais mangás da mesma.

Magi Review (7)A HISTÓRIA

A história de Magi gira em torno de Aladim, que viaja pelos desertos cheios de bandidos e criaturas maléficas e que possui uma flauta mágica que possui dentro dela um gênio! Ele se chama Ugo e curiosamente “não tem” uma cabeça, mas mesmo assim possui um corpo extremamente forte.  Ugo pede para Aladim e ambos partem em busca de outros recipientes mágicos, como a sua flauta. Mas qual será a utilidade de tais recipientes?

Para encontra-los, o garoto e seu amigo azul terão que enfrentar as chamadas “Dungeons”, e para isso eles conhecerão outras pessoas como Ali Babá, Morgiana e outras pessoas que tentarão lhes ajudar… assim como muitas que também vão querer atrapalhar a sua missão e que possuem os mesmos objetivos em mente. Será que a amizade de Aladim e Ugo será o suficiente para sobreviver aos perigos que o mundo mágico lhes aguardam?

Magi Review (3)CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS

Magi – O Labirinto da Magia (Magi – Labyrinth of Magic / マギ) é um mangá publicado na revista Shounen Sunday desde 2009 com a autoria da mangaká Shinobu Ohtaka, sendo a sua segunda obra serializada na revista (a primeira foi Sumomomo Momomo). O título atualmente se encontra com 22 volumes no Japão, ainda em andamento e com direito a duas adaptações animadas pelo estúdio A1-Pictures, somando 50 episódios (adaptando cerca de 20 volumes do mangá).

Magi começou a despontar no final de 2011 e começo de 2012, quando o mangá que já vendia uma boa soma dentro da proposta da Shogakukan com a Shounen Sunday, começou a despontar ainda mais e começou com os primeiros boatos de seu anime. A partir daí a evolução na escala de sucesso passou a ser maior e com a série em exibição o mangá rapidamente ganhou ainda mais repercussão e se tornou um dos títulos mais vendidos em 2012 e 2013. Hoje é o título mais vendido em publicação na revista, que conta com obras como Detective Conan e Silver Spoon, de Hiromu Arakawa (a autora de Fullmetal Alchemist).

Magi Review (2)“Mas o que faz de Magi uma série tão querida assim? Não é apenas um battle shounen comum?”

Sim. E não. Apesar de ser, de fato, apenas mais um shounen no meio de tantos, a autora Shibobu Ohtaka soube usar algo que com certeza atraiu a atenção de muitos: As 1001 Noites. A autora se aproveitou de diversos personagens consagrados e os adaptou em uma releitura para as páginas do mangá. Um erro comum é que algumas pessoas acreditam que a autora simplesmente utilizou exatamente os mesmos personagens das 1001 Noites e afiliadas (existem alguns contos que não fazem parte da obra original, mas acabaram sendo agregados em edições lançadas com o decorrer do tempo), com todas as suas características, o que não exatamente um erro, mas merece um cuidado aqui.

Mas automaticamente você não consegue não se encantar pelo Aladim criado pela mesma, ou gostar da coragem e da persistência de Ali Babá. E posteriormente de outros personagens que vão aparecendo no decorrer da história. A ambientação e a forma como a autora distribui seus personagens é realmente cativante e prende você através de diversas formas. Desde os belos e regulares traços da mangaká, até a fórmula de comédia que realmente vai te fazer dar boas risadas durante a leitura mesmo durante uma cena de tensão.

Magi Review (1)Outra coisa realmente envolvente é a forma como a autora trabalha questões políticas. Opressão de povos, reis ditadores e a discrepância entre povos ricos e pobres. Muitas críticas sociais são feitas em Magi, algumas adaptadas para a sociedade atual e outras envolvendo o período em que a história se passa (como a relação entre os escravos e seus patrões).

Não há como não apreciar a leitura do primeiro volume de Magi. Se você nunca viu nada relacionado com a série vai dar muitas risadas com as piadas envolvendo o pequeno Aladim e sua fixação por… mulheres (fato que é explicado posteriormente de uma forma melhor). E comida. E mesmo esse “mulheres” da história não é um fanservice jogado. Aliás, nenhum tipo de piadinha desse tipo tem uma conotação ofensiva na história e as brincadeiras do tipo acabam sendo muito bem encaixadas no mangá.

Como todo mangá longo, Magi também possui posteriormente os seus pontos fracos e até alguns desenvolvimentos bem indesejados no decorrer da história. Porém não há como negar que o primeiro volume realmente consegue te vender o produto e a proposta entregue por Shinobu Ohtaka. Magi não é um mangá genial (sem trocadilhos), mas sabe executar bem os clichês do gênero que tem em mãos.

Magi Review (8)COMENTÁRIOS FINAIS

Magi merece toda a fama e o reconhecimento atual que ganhou no cenário internacional, e acho a presença do mangá por aqui algo muito positivo e um grande acerto por parte da JBC. É sempre bom ver que outros bons mangás conseguem seu destaque mesmo não sendo parte da Shounen Jump da vida (por sinal, a autora conta que foi rejeitada na Jump em uma de suas tentativas de se tornar mangaká). Magi tem uma leitura gostosa, divertida, cheia de aventuras e magias (sem trocadilhos também) estampadas em suas páginas. É como se você visse um grande e belo conto sendo transpassado em uma linguagem visual de mangás.

A versão da JBC merece elogios. O mangá segue o mesmo modelo do original (sem capa espelhada), impressão na capa interna e o papel de gramatura melhor que a editora já vem usando em outros títulos desde o ano passado. Vale lembrar que Magi não possui páginas coloridas no original, então não adianta sair pedindo isso pra ninguém. As adaptações também ficaram muito boas, e mesmo as piadinhas e termos ganharam escolhas muito cabíveis e que não atrapalham em nada a sua leitura (ver o Alibaba falando “Nheco Nheco” é hilário).

Magi Review (4)Magi merece uma oportunidade para os amantes de shounen e para aqueles que não gostam de se prender a demografias para uma boa leitura. Abra a sua mente e aproveite a leitura encabeçada por Aladim e companhia.

FICHA TÉCNICA

Magi 01 Capa v2.indd

Título: Magi – O Labirinto da Magia (マギ)
Autora: Shinobu Ohtaka
Editora: JBC
Total de Volumes: 22 (Em Andamento)
Periodicidade:
 Mensal

Valor: R$12,90

Pontos Positivos

  • A autora realmente consegue criar personagens carismáticos que ajudam o leitor a se envolver na história; 
  • O roteiro envolvendo as 1001 noites e afins é um chamativo em especial para o mangá, o transformando em algo diferenciado;
  • A comédia presente na série é de longe um dos maiores pontos fortes do mangá.

Pontos Negativos

  • Como todo battle shounen, corre o risco da autora se perder nos clichês com o passar do tempo;
  • O mangá já passa dos 20 volumes e não tem sinais de que vá acabar. Mangás longos demais ainda conseguem desestimular muitos leitores;

Nota Volume 1: ★★★★★

Dih

Dih

Paulistano, 28 anos, corintiano e fissurado em cultura asiática e pop. Formado em Design Gráfico na FMU. Atualmente é editor na Panini/Planet Mangá e cuida de títulos como One-Punch Man, MOB Psycho e Jojo's Bizarre Adventure.

Related Post

Há 23 comentários

  1. Avatar

    A review ficou excelente! Mago é realmente uma história envolvente, e um dos pontos fortes, na minha opinião, é a seriedade que a autora consegue colocar quando discute a parte política. Isso não é algo fácil de se encontrar em um shouben, e muito menos trabalhado de uma forma que ao mesmo tempo em que é séria, também é fácil de entender.
    De longe, um dos meus mangas favoritos atualmente. E com toda a certeza, uma compra certa!
    Sobre a questão de quanto tempo ainda falta, no volume 21 ou 22, a autora disse que estava na metade já 🙂

    Responder
    1. Avatar

      Exato, não dá sinais, PORÉM… A Ohtaka já disse que está na metade. E em se tratando de Shonen Sunday ela não será coagida a continuar enrolando a série

      Responder
    2. Avatar

      Sim Bárbara… A série deve ter algo entre 42 e 44 mangás no total (se o 21 ou 22 forem realmente a metade e ela não acabar adiantando o final).
      Mas creio que de 30 volumes passe sim.

      Responder
  2. Avatar

    Pontos negativos:
    A incoerência da JBC em não ter padrão de adaptação. Ao invés de usar os nomes originais, conforme Guidebook, alguns nomes seguem as “versões brasileiras” dos contos das 1000 e uma noites (como “Aladim” e “Ali Babá”). Já outros seguem corretos.

    Responder
    1. Avatar

      Se não me engano a editora Jbc se pronunciou dizendo q. a autora quis usar os contos de 1001 Noites por já serem conhecidos, os personagens, dai veio a ideia de usar pq já é conhecido aq no Brasil.

      Responder
  3. Avatar

    “Como todo mangá longo, Magi também possui posteriormente os seus pontos fracos e até alguns desenvolvimentos bem indesejados no decorrer da história. Porém não há como negar que o primeiro volume realmente consegue te vender o produto e a proposta entregue por Shinobu Ohtaka. Magi não é um mangá genial (sem trocadilhos), mas sabe executar bem os clichês do gênero que tem em mãos.”

    Como fã da obra fiquei chocada com esse trecho da review. Magi é um manga deveras original, foge completamente dos clichês e, pfvr, não há como dizer nada sobre desenvolvimentos indesejados, tampouco pontos fracos. O manga está sendo executado com uma maestria absurda e até mesmo IMPRESSIONANTE pela Ohtaka. Acho que vocês ainda não leram Magi até o ponto atual porque esse trecho não condiz nem um pouco justamente com as qualidades pelo qual ele é aclamado! Aliás, é meio… bizarro chamar ele de “battle shonen” sendo que MAL HÁ LUTAS em Magi. @__@

    De mais, realmente é um ótimo investimento para quem quer ir para um manga original, que foge dos clichês e com uma iniciativa BEM DIFERENTE dos demais. ^^ Acho que daqui há alguns volumes, qdo vcs acompanharem mais pra frente, Magi merece uma nova review pelo Chunan…

    Responder
  4. Avatar

    Realmente gosto mt do mangá e estou mt ansiosa pra te-lo em mãos!(infelizmente como a distribuição é Setorizada, vai demorar um pouco, a menos se eu compriar online…). E é verdade, adoro a politica retratada no mangá, é uma das minhas coisas favoritas! E amo a comédia nele tbm! Espero q a autora consiga manter o mangá estável até o final!

    Responder
  5. Avatar

    Me deliciei com o primeiro volume. Rachei com o “nheco, nheco” e outras cenas engraçadíssimas, dentre elas, essa dele correndo sendo a cabeça de Ugo foi de rolar, melhor que no anime..

    Responder
  6. Avatar

    Muito bom o review
    Bem curto manga a um tempo, mas nunca tinha comprado um, quando vi o volume 1 de Magi nas bancas comprei na hora rsrsr, agora e esperar o volume 2, uma pergunta a quem compra manga a um tempo, os volumes são mensais aqui também, ou como no japão já esta no 22, tem possibilidade de sair mais de 1 volume por mês aqui?

    Responder
    1. Avatar

      Como Magi é mensal, são apenas 1 volume por mês. Sem chances d sairem mais d um. Só em alguns raros casos especiais q saem mais d um volume da mesma série no mesmo mês.

      Responder
  7. Avatar

    Não acho que a série ter um grande volume de mangás seja desestimular leitores. Não é o caso de One Piece? Tá certo que não se pode comparar One Piece com qualquer outro mangá, mas leitor que admira a obra tanto no traço quanto na história, acho que não vai de desestimular tão fácil.

    Responder
  8. Avatar

    eu nunca li nada da serie, primeira coisa q leio é esse review, e na boa n faz muito meu estilo asuausuas.
    Ainda n vo ver, um dia quem sabe. Eu procurva kingdom e esse manga aparecia tnc lol.
    Enfim, por conter aladim, genio e outras coisas q sao referencias da dysnei tb foi um ponto para n assistir, n suporto a tal historia kkk, eu sei q pode n ter nada a ver , mas magi the kingdom of magic…um dia eu vejo…Por enquanto tem outros 7 titulos na frente pra eu ver asuauas.
    Incluindo durara, date a live, iriz zero, kingdom, e por ai vai

    Responder
  9. Pingback: Ranking Oricon de Vendas de Mangás: 13 a 19 de Abril | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  10. Pingback: Checklist – JBC: Maio de 2015 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  11. Pingback: Checklist – JBC: Junho de 2015 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  12. Pingback: Checklist – JBC: Julho de 2015 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  13. Pingback: Checklist – JBC: Agosto de 2015 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  14. Pingback: Checklist – JBC: Setembro de 2015 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  15. Pingback: Checklist – JBC: Outubro de 2015 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  16. Pingback: Checklist – JBC: Novembro de 2015 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  17. Pingback: Checklist – JBC: Dezembro de 2015 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  18. Pingback: Checklist – JBC: Janeiro de 2016 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  19. Pingback: Checklist – JBC: Fevereiro de 2016 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  20. Pingback: Review – All You Need Is Kill, de Obata, Takeuchi & Sakurazaka | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  21. Pingback: Checklist – JBC: Março de 2016 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  22. Pingback: Checklist – NewPOP: Maio de 2016 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  23. Pingback: Checklist – JBC: Abril de 2016 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  24. Pingback: Checklist – JBC: Junho de 2016 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  25. Pingback: Checklist – JBC: Julho de 2016 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  26. Pingback: Checklist – JBC: Setembro de 2016 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  27. Pingback: Ranking de Vendas de Mangás do Japão: as 30 séries mais vendidas de 2016 | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  28. Pingback: Ranking de Vendas de Mangás do Japão: de 28 de Novembro a 4 de Dezembro | ChuNan! - Chuva de Nanquim

  29. Pingback: Ranking Oricon de Vendas de Mangás: de 30 de Janeiro a 5 de Fevereiro | ChuNan! - Chuva de Nanquim

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *