Checklist – JBC: Novembro de 2015

toloverujbcEla é de outro planeta!

Hora do checklist de novembro da editora JBC! Um mês mais simples do que os anteriores, tendo apenas o lançamento de To Love-ru pelo selo Ink Comics e o fim de Zetsuen no Tempest, pela linha tradicional da editora. Temos o retorno dos mangás em hiato, Btooom! e Fairy Tail, e novos volumes de Ultraman e Eden, títulos bimestrais da editora.

demografiajbcnovembroNovamente os títulos seinen tomam a frente na demografia da JBC. Os shounen quase empatam, mas como ambos contam com títulos retornando de hiatos deve-se manter essa diferença nos próximos meses. Shoujos possuem apenas 2 obras – no próximo mês teremos o lançamento de Vitamin, que é um volume único – e com Limit chegando ao fim em dezembro, teremos apenas Orange a partir de janeiro. Espera-se que tenha pelo menos um anúncio da demografia em dezembro.

Um mês com 18 títulos, que somado ao de outras editoras fazem nossas carteiras chorarem.


capa_to_love_ru_01_gTO LOVE-RU 1

Autor: Saki Hasemi (História) e Kentarou Yabuki (Arte)
Demografia: Shounen (Shounen Jump)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 18 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 200 páginas
Preço: R$ 13,50
LANÇAMENTO

O único lançamento da editora este mês é pelo selo Ink Comics com To Love-ru, o quarto mangá do selo que publicaria obras diferentes. É o título mais longo do selo e terá ao menos 1 ano e meio de publicação, podendo ser mais longo ainda caso faça sucesso e sua sequência, To Love-ru Darkness, seja anunciada. A história de To Love-ru conta a vida de Yuuki, um garoto que um dia acorda com uma linda garota alienígena de cabelo rosa em seu quarto. Sem roupas. A série se baseia nas confusões dela com outras pessoas do espaço, inclusive outras garotas vindas de lá.


ZETSUEN 10 Capa.inddZETSUEN NO TEMPEST 10

Autor: Saizaki Ren, Sano Arihide e Shirodaira Kyou
Demografia: Shounen (Shounen GanGan)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 10 volumes
Formato: 12 x 18 cm, 220 páginas
Preço: R$ 14,50
EDIÇÃO FINAL

Chegamos ao volumes final de Zetsuen no Tempest, um título que foi bem regular durante sua publicação. Foi um dos poucos mangás da Square Enix que a JBC publicou além de Fullmetal Alchemist, mas infelizmente parece ter caído no esquecimento. Não é uma leitura fácil, pelo contrário. O fato de ter muitas referências ao universo de Shakespeare acaba deixando a obra pesada para a maior parte do público. Agora que a história termina qual será o caminho que cada um trilhará?


Btooom! 18 Capa.indd
BTOOOM! 18

Autor: Inoue Junya
Demografia: Seinen (Comic @ Bunch)
Periodicidade: Mensal – Em andamento no Japão com 18 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 180 páginas
Preço: R$ 12,90

Btooom! retorna antes do esperado, acreditava que aconteceria somente em 2016, mas é um retorno rápido e o próximo volume deve demorar 4 meses ou mais. A história parece estar em seu clímax, mas será que já está se encaminhando para o final? Algo bem notável é o layout de capa, que mudou do padrão colorido, mais parecido com embalagem de jogos, para um layout essencialmente preto e branco com os detalhes verdes de sempre do título.


Bullet_armors_02
BULLET ARMORS 2

Autor: MORITYA
Demografia: Shounen (Gessan)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 6 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 194 páginas
Preço: R$ 12,90

Bullet Armors é mais um dos mangás do selo Ink Comics, e não me chamou qualquer atenção em adquiri-lo, mas quem o comprou gostou? Só pelos leitores e pesquisando para saber qual é a de cada volume, pois no site da editora não se encontra informações dos volumes dele ou de qualquer outro título do selo, diferente do que é possível encontrar dos demais títulos da editora. Segundo fomos informados a JBC está atualizando e produzindo um site especializado no selo Ink. Vamos aguardar para que não seja uma nova novela como o caso da loja on-line.


Chobits 07 Capa.indd
CHOBITS 7

Autor: CLAMP
Demografia: Seinen (Young Magazine)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 8 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 194 páginas
Preço: R$ 16,90
Review: AQUI

Já chegamos ao penúltimo volume de Chobits! Caramba… como está passando rápido. Chobits é um mangá com profundidade em diversos temas abordados, mas tem horas que é meio bobo e/ou ingênuo, talvez por ter situações que parecem datadas com a tecnologia atual. O relançamento é uma boa oportunidade para os fãs do CLAMP em geral (apesar da edição antiga ser bem bonitinha) e para quem quer conhecer um pouco mais da série. A dica é: não vá com muita sede ao pote.


EDEN 03 Capa.indd
EDEN: IT’S AN ENDLESS WORLD 3

Autor: Hiroki Endou
Demografia: Seinen (Afternoon)
Periodicidade: Bimestral – 9 volumes no Brasil.
Concluído com 18 volumes no Japão.
Formato: 13,5 x 20,5 cm,  páginas
Preço: R$ 39,90
Review: AQUI

Eden chega ao terceiro volume da versão BIG da JBC, uma versão que, apesar de utilizar do mesmo nome de projeto da americana VIZ, não existem as mesmas vantagens da editora americana. É um título muito bom e muito recomendado, mas pode valer a pena esperar promoções em livrarias e lojas especializadas como a Saraiva ou mesmo a Amazon. Novembro e dezembro são meses cheios de promoções! Vale a pena ficar de olho em todas elas. Algo que já tentei deixar de entender são as capas de Eden. Cada capa tem um logo diferente para o título, difícil entender essa escolha do autor. Vale lembrar que isso é algo totalmente do autor, e a JBC reproduz a capa original – portanto sem reclamações nesse sentido.


FairyTail 50 Capa.indd
FAIRY TAIL 50

Autor: Hiro Mashima
Demografia: Shounen (Shounen Magazine)
Periodicidade: Mensal – Em andamento no Japão com 52 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 192 páginas
Preço: R$ 12,90

Fairy Tail retorna este mês após pular outubro. Com poucos volumes devido a distância muito próxima com o Japão, o ritmo de lançamentos será espaçado, embora o autor trabalhe como uma máquina.  A saga atual é como um reinício da história, mas não pode ser tão longa e, se o título quer acabar bem, tem que ser a última. Embora tenha curiosidade de saber para onde foram os membros da Fairy Tail não vejo necessidade de mostrar muito além do grupo de protagonistas, trazendo uma última grande aventura do grupo. Será que a editora brasileira dará chance para algum dos spinoff da série? As pausas do título seriam perfeitas para esse tipo de lançamento.


Hellsing 06 Capa.indd
HELLSING 6

Autor: Kouta Hirano
Demografia: Seinen (Young King Ours)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 10 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, páginas
Preço: R$ 16,50

Até agora Hellsing trazia capas vermelhas, mas a partir de agora está com cores realmente interessantes. Aliás, todo o projeto gráfico dessa edição é superior àquele lançado anos atrás – sem comparações. Na época Hellsing foi lançado em um meio tanko bem meia boca, com um trabalho visual bem aquém de uma série tão popular. Agora sim temos uma versão bonita e impactante de um mangá que, ruim ou bom, possui um fandom enorme por aqui. Quanto a história, a guerra continua e não é somente a principal arma da Hellsing que mostra seu poder, superando sacrifícios de valorosos aliados Integra mostra seu forte espírito de liderança.


Limit 05 Capa.indd
LIMIT 5

Autor: Keiko Suenobu
Demografia: Shoujo (Bessatsu Friend)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 6 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 190 páginas
Preço: R$ 13,90

Limit está chegando aos limites da história. *ba dum tss* A história de Limit promete muito mas tenho a sensação de que vira só mais um título de sobrevivência que somado com a fraca qualidade do material impresso acaba por afastando muitos da leitura. Da mesma autora sai Vitamin em dezembro, mas como será a abordagem dela em mais um título retratando o bullying? Acho que ela tem uma narrativa muito interessante pra esse tipo de problema, mas ainda fico na dúvida se Limit tenha sido de fato uma boa aposta dentro da demografia para a JBC. Uma editora que teoricamente reforça as baixas vendas de shoujo, não poderia tentar um título maior? Ou quem sabe uma divulgação melhor do próprio Limit? Porque me desculpem, mas não é o Henshin Online ou a página do Facebook que vai fazer um título ir exponencialmente melhor ou pior. Marketing é muito mais que isso.


Magi 16 Capa.indd
MAGI 16

Autor: Shinobu Ohtaka
Demografia: Shounen (Shounen Sunday)
Periodicidade: Mensal – Em andamento no Japão com 27 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 196 páginas
Preço: R$ 12,90
Review: AQUI

Mais um volume de Magi com mais uma capa sensacional. A grande pergunta é: aos fãs que sempre gostaram do título o nome dos novos lugares ficou a contento? Até hoje o vídeo em que a editora explicaria os motivos das escolhas não foi ao ar – apesar da explicação durante o Henshin+ ser muito boa. É claro que sempre haverá quem não concorde, mas entender os motivos das escolhas seria melhor. Magi vem se tornando um título longo e a JBC em pouco mais de um ano deverá alcançar os acontecimentos do Japão. A grande pergunta é se a curva de vendas está sendo satisfatória ou não.


Orange 02 Capa.indd
ORANGE 2

Autor: Ichigo Takano
Demografia: Shoujo (Bessatsu Margaret/Manga Action)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 5 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 200 páginas
Preço: R$ 14,90

Orange chega ao segundo volume e a história é tão intrigante que é difícil esperar o volume seguinte. Mas é impossível falar de Orange sem comentar da parte impressa. Embora a história seja boa a qualidade gráfica dele está deixando a desejar. O papel é quase tão ruim quanto Gangsta e Limit. Mangás shoujo possuem muito mais cenas claras e a transparência do papel fica muito mais evidente, e infelizmente Orange é mais um exemplo de como utilizar offset como “a mágica resolução dos problemas de papéis” é uma péssima escolha. Para compensar, as capas com o excelente acabamento fosco estão boas, mas o título merece mais. Será que as críticas ao mesmo se refletirão em vendas? Dirão que a culpa é do pouco cuidado gráfico ou por “shoujo não vende”? Já que provavelmente sabemos a posição da editora, restará ao leitor escolher o seu lado.


capa_parasyte_03_g
PARASYTE 3

Autor: Hitoshi Iwaaki
Demografia: Seinen (Afternoon)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 10 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 210 páginas
Preço: R$ 16,90

Parasyte é uma obra clássica e vale a pena adquirir. Não está na minha lista de prioridades por conta deste alto preço, mas um dia quem sabe compro a coleção completa de uma vez só. O acabamento da obra está realmente bom, o papel tem uma qualidade regular e as capas exclusivas não são lá tão exclusivas assim (essa ilustração foi usada nos Estados Unidos, por exemplo). Ainda estamos devendo uma resenha da série que deve sair em breve. Nela falaremos um pouquinho do projeto gráfico de Parasyte e o motivo de algumas escolhas terem sido equivocadas.


capa_savanna_game_03_g
SAVANNA GAME 3

Autor: Ransuke Kuroi (História), Eri Haruno (Desenho)
Demografia: Seinen (Everystar)
Periodicidade: Mensal – Em andamento no Japão com 6 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 180 páginas
Preço: R$ 12,50
Review: AQUI

Savanna Game é mais um dos títulos de sobrevivência do catálogo da editora e… é beeeeeeeeeem genérico! Não entendo a maluquice que é a história desse título ou onde os autores pretendem chegar. Este volume marca a metade do que foi publicado até agora no Japão. Resta saber como será a atitude do editor do selo quando alcançarmos a publicação original.


Terra Formars 05 Capa.indd
TERRA FORMARS 5

Autores: Yu Sasuga (roteiro), Kenichi Tachibana (arte)
Demografia: Seinen (Weekly Young Jump)
Periodicidade: Mensal – Em andamento no Japão com 14 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm,  páginas
Preço: R$ 14,90
Review: AQUI

A principal lição que se aprende com Terra Formars é de nunca se prender aos personagens, cedo ou tarde ele vai morrer. Quase um Game of Thrones. A história que tinha um ar mais misterioso está dando espaço à porradaria de mangás shounen – o que ajuda a atrair público mais jovem e possivelmente seja um dos motivos do título ser tão popular entre a molecada. Porém os quadros explicativos carregam as páginas no meio de batalhas e tiram a dinâmica da cena. Espero ver a obra retomando os ares mais sérios do início.


The Seven Deadly Sins 09 Capa.indd
THE SEVEN DEADLY SINS 9

Autor: Suzuki Nakaba
Demografia: Shounen (Shounen Magazine)
Periodicidade: Mensal – Em andamento no Japão com 15 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 192 páginas
Preço: R$ 12,90
Review: AQUI

O final do volume anterior de The Seven Deadly Sins foi surpreendente. Não pelo rapto de Elizabeth e a jogada maluca da Diana com o grupo de busca, mas pela aparição repentina de uma terceira força nessa luta dos Paladinos contra os Pecados Capitais. Este é o primeiro volume lançado após a disponibilização do anime em uma versão dublada no serviço Netflix – será que haverá um impacto nas vendas? A editora está enviando para a banca diversos títulos, seria uma boa voltar com os primeiros volumes.


ULTRAMAN 02 Capa.indd
ULTRAMAN 2

Autores: Eiichi Shimizu e Tomohiro Shimoguchi
Demografia: Seinen (Heros)
Periodicidade: Bimestral – Em andamento no Japão com 6 volumes
Formato: 12 x 18 cm, 226 páginas
Preço: R$ 14,90
Review: AQUI

Ultraman chega ao seu segundo volume com a sua periodicidade bimestral. Ao ler o mangá, temos a impressão de que a referência a Ultraman se foca no nome e alguns golpes, porém se fossem trocados para qualquer outro passaria facilmente como história de um novo herói. É praticamente um Homem de Ferro adolescente (tente ler dessa maneira e vai entender). O papel foi bastante criticado e o formato também é questionável pelo público, mas aí entramos em outra questão. Os japoneses, no site oficial da editora, acabaram elogiando a edição nacional de Ultraman. Ótimo, legal. Eles precisam vender a marca deles. Mas afinal, a quem a JBC precisa agradar? É uma obra que atinge muitos leitores que não tem o hábito de ler mangás, mas será que está sendo do agrado desse público?


YuYu Hakusho 14 Capa.indd
YU YU HAKUSHO 14

Autor: Yoshihiro Togashi
Demografia: Shounen (Shounen Jump)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 19 volumes
Formato: 13,5 x 20,5 cm, 200 páginas
Preço: R$ 14,90

Se liga aí, rapaziada! Rapadura é doce, mas não é mole não! Yu Yu Hakusho chega com a nova saga do detetive sobrenatural favorito da galera! Mas não é porque o nosso protagonista ficou forte no torneio que não haverá adversários ainda mais fortes agora. O perigo vai continuar ainda maior! Yusuke e seus amigos  enfrentam pessoas com poderes sobrenaturais, mas a causa para o surgimento de humanos com tais dons levará a batalhas de outro mundo. Eu acho incrível como tenho com Yu Yu Hakusho a mesma sensação que tenho com Dragon Ball. O nível de nostalgia é o mesmo e eu não me importo tanto com a história – a diversão é garantida em todas as edições.


Zetman 06 Capa.indd
ZETMAN 6

Autor: Masakazu Katsura
Demografia: Seinen (Young Jump)
Periodicidade: Mensal – Concluído no Japão com 20 volumes
Formato: 12 x 18 cm, 260 páginas
Preço: R$ 17,50
Review: AQUI

Zetman chega com novos perigos para Jin, que está tentando lidar com sua transformação em Zet. Enquanto isso, Kouga está se recuperando dos incidentes da “festa” para suas fãs e seu pai junto dos executivos da Corporação Amagi decidem como será o seu futuro. Muitos perigos aguardam, mas quais perigos exatamente? Zetman continua surpreendendo por ser um mangá extremamente violento e diferente do que estamos acostumados do nosso mestre Katsura no Brasil. Aliás, é diferente de quase tudo que ele já havia produzido. É uma das poucas obras focadas na ação dessa forma. O resultado tem sido ótimo. Uma leitura agradável, descompromissada e que mostra porque o cara é tão renomado por aí.

Asevedo

Designer de formação, atualmente sou Assistente editorial da Panini Mangá. Acumulo mangás e HQ's, que espero conseguir ler um dia. Assisto animes de vez em nunca.

Related Post

  • Azu

    Levo esse mês Magi, Orange e Nanatsu.

    Magi #16 eu já li e, se não me engano, o final desse volume coincidiu com a metade da segunda temporada do anime, então já estamos perto de termos conteúdo “inédito” pra quem só assistiu o anime. Minha ansiedade só cresce, e não importa o volume que eu leio, eu sempre me divirto muito! ^^

    Orange #1 me deixou com um sentimento muito estranho (sei lá, fiquei meio depressiva haha), mas fiquei louca pra continuar a ler e torço muito pra que o final seja feliz T-T Não sei muita coisa técnica sobre mangás, mas a transparência nas páginas me incomodou um pouquinho…

    Na época do lançamento, eu não iria comprar Nanatsu, o anime foi bem legal, mas não despertou meu interesse em ler o mangá (talvez porque ele estava fazendo sucesso, então as chances de ter uma segunda temporada eram altas – ainda bem que terá! -, então eu não precisaria ler o mangá pra saber o resto da história). Só que a JBC fez tanta propaganda, mas tanta, toda banca que eu ia tinha um pôster de Nanatsu, e no meu facebook quase todo dia tinha alguma coisa sobre o lançamento desse mangá… eu acabei dando uma chance. E não me arrependi nem um pouco! É um dos mangás mais divertidos que estou lendo, e espero que continue assim! ^^ Fiquei super empolgada quando vi que eles dublaram o anime! Duvido que venha pra TV aberta, mas se um dia eu tiver Netflix, assistirei com muito prazer! E espero que isso dê um boost nas vendas do mangá 🙂

    • André Mendes

      Se cadastre e receba um mês grátis no netflix. Recomendo. Vi a dublagem e adorei. Vale muito a pena.

  • Gabriela Bassi

    Desses levo Eden, Hellsing e Orange. Até gostaria de colecionar Nanatsu no Taizai, mas não sei quantos volumes ele vai ter no total, então fico com medo de mais tarde ficar com uma coleção gigante e que talvez nem goste do rumo da história no “final’. >__>

  • Sobre Orange: merecia um papel melhor, mesmo que ficasse mais caro.
    Sobre Ultraman: o papel está ruim mesmo, mas está mais legível que Orange.
    Sobre Nanatsu: a editora já mandou os mangás de volta às bancas. Tem uns 2 ou 3 meses mais ou menos que elea começaram a redistribuição.

    Sobre Bullet Armors: minha opinião
    https://bibliotecabrasileirademangas.wordpress.com/2015/10/27/review-bullet-armors-volume-1/

  • STX

    Peguei Ultraman #2 ontem, achei ele um pouco menos transparente que o volume 1 e Orange ta mais transparente que ele (obviamente por ser shoujo).

  • Comentários:
    Ultraman: Papel ruinzinho, e a história um pouco fraca, não sei se vai atingir o público alvo.
    Nanatsu no Taizai: Acho que recomeçaram as redistribuições, e eu não sei se o mangá terá vendas alavancadas por causa do anime, pois ainda tem muito otaku chato que vai dizer “Prefiro legendado”. Fora que não são todos que tem Netflix, mas como o número de portadores é grande, talvez ainda exista um empurrãozinho.
    Magi: O final desse volume coincidiu com a metade da segunda temporada do anime, então já estamos perto de termos conteúdo “inédito” pra quem só assistiu o anime. Porém, em minha opinião, é a partir daí que o mangá começa a ficar um pouco “chato”, mas confio na Shinobu, então não há o que se preocupar, ainda mais sabendo que Magi entrou em reta final.
    Fairy Tail: Acredito que este terá seu arco final anunciado em breve, pois com os eventos recentes do mangá, só se o Mashima ficar ganancioso e louco pra querer continuar depois de encerrar esse arco. Afinal, já sabemos o Passado do Zeref, o Passado da Mavis, como foi fundada a Fairy Tail, a Ligação entre Natsu e Zeref, e aparentemente estamos rumando para a Batalha Final.
    Orange: Poderia ter um papel melhor, mesmo que fique caro, mas… ESSE MANGÁ FAZ JUS AO FATO DE VENDER COMO SHOUNENZÃO, COMO OS MANGÁS QUE COMPARO SEMPRE, E NÃO ME CANSO DE REPETIR O QUÃO SURPRESO FIQUEI INICIALMENTE COM AS VENDAS DO MANGÁ, E EU PODERIA REPETIR AQUELE COMENTÁRIO INÚMERAS VEZES, MAS O PROBLEMA É QUE SEMPRE TEM AQUELES CHATOS QUE BUSCAM TRETAS NOS COMENTÁRIOS DOS OUTROS, E DEPOIS ACHAM QUE A GENE QUE CAUSA A TRETA. 🙁 Enfim, entre todos os que estou comprando, estou gostando mais do Orange, realmente é muito bom o mangá, não o acho perfeito, mas é bacana pra quem gosta de histórias de drama. RECOMENDO!

  • amei na parte do Ultraman parabens por mostra isso para Jbc e as outra editora pena que ninguem fala nada do Naruto Gold que ainda esta rui

  • Sagitarius

    Desses só levo Yu Yu Hakusho, The Seven Deadly Sins e Orange.
    Sobre Orange, não é nem que o papel esteja muito transparente (está, mas não é tanto assim), mas sim, como foi dito aí, que shoujos tem cenas mais claras, que somadas a transparência do papel, deixam uma sensação maior de transparência. Esse tipo de mangá fica com uma transparência mesmo se impresso num offset tipo o de Yu Yu Hakusho.

  • Dessa lista só levo 03: Parasyte 03 (já comprei), Eden e Zetman.

    Quanto ao papel de Parasyte realmente não está tão ruim como falam, não atrapalha em nada a leitura, e o volume tem uma qualidade até que boa. Embora esse preço seja um pouco alto, pelo menos não são tantos volumes.

    Eden é um puta mangá que dispensa comentários.

    Zetman comprei todos até agora, mas só li até o vol 03, e até agora só o primeiro volume me empolgou. Vamos ver os próximos. Só comprarei o vol 06 se me empolgar nesses dois volumes que já comprei.

    • Aliás, esqueci. Gangsta tá horrível o primeiro volume para ler, por isso não comprarei mais, e a história tb não empolgou…

  • Roberto Xavier

    A JBC está de parabéns com os títulos atuais. Estou acompanhando vários (Hellsing, Zetman, Nanatsu no taizai, Yu Yu Hakusho, Orange e Éden) e ansioso pelos lançamentos de Akira e Blade. Definitivamente a JBC, em relação a mangás, superou o Panini em quantidade e qualidade. Espero que melhore cada vez mais.

    • Em qualidade não sei não, hein…

      • Em qualidade não sei não, hein…

        A JBC arriscou com o formato big, muito bom aliás, mas a Panini acertou no formato de planetes. acho que se igualam, mas a JBC zoou no papel de GANGSTA e ULTRAMAN.

      • Roberto Xavier

        Dos títulos da Panini acompanhei Dragon Ball e Naruto, no momento apenas Berserk e 20th Century Boys acompanho. Mas o formato Big da JBC está muito bom mesmo. Planetes ainda não li e espero que esteja melhor do que Naruto Gold.

    • Planetes está muito bom. E btadesco deve seguir como Eden. Akira não vejo a hora.

  • renato motta

    Que coisa mais chata sempre adorei os check list do chunan, e espero continuar acompanhando, mas pelo amor dos deuses dos mangás. Nao entrem para o clube dos malas que so sabem reclamar do papel, um comentario sobre papel em cada uma das ediçoes quase, antes havia comparaçao de qual capa era a mais bonita hj eh de que papel eh o mais transparente. Eu acho que todos que compram manga ja conhecem a qualidade do papel, os motivos e todas as outras historias relacionadas, acho super justo reclamarem com a editora, mandondo email, sinal de fumaça, codigo morse ou o que seja, mas parem de reclamar de papel a cada duas postagens sobre manga, e vamos falar da obra!

    • Roberto Xavier

      Concordo. E já adianto que a capa mais bonita é a de Éden 3. Difícil ser superada.

  • EUro

    Povo fala tanto de papel que enche o saco. Até na hora de falar dos volumes é papel, papel, papel.

  • Alguém mais aqui viveu na época do início dos mangás da Conrad, em que só de termos mangás vendidos aqui era uma vitória e acha exagerado essa reclamação com o tipo de papel dos mangás? One Piece da Conrad por exemplo mudava de papel a cada edição. O que importava era o conteúdo. Se muda o papel, provavelmetne é uma alternativa pra não alterar o preço do mangá em alta do dólar (lá por 2003 o dólar foi a 4 reais)

    • O Honesto

      Isso porque você não conheceu alguns mangás mais antigos e principalmente alguns títulos da Abril, que depois de ler meus dedos se enchiam de tinta, e as folhas que eram tão fragéis que rasgavam. Fala sério, eu pago um mangá para prestigiar a obra e por gostar de ler, mas é falta de respeito eles colocarem um preço acima de 9 reais em um matérial de péssima qualidade ( não falo da qualidade da história do mangá, mas da qualidade do material usado ), e se é para ter matérial ruim, que venda mais barato, afinal acumulando esse dinheiro eu poderia comprar um encadernado de luxo de algum título que eu goste, então não, eu exijo qualidade sim.

  • Francisco

    Esse mês levo várias coisas e Bullet Armors é um mangá melhor do que aparenta.
    Agora Terraformars e to tentando dar uma chance e vou comprar até o momento que se torne insuportável. Para mim passa a mesma vibe de Gantz, só que sem o mesmo estilo, carisma e mistério (que durou MUITO em Gatz). E Gantz pra mim já não é o melhor mangá do mundo (apesar de ser bem bacana) ou seja uma versão piorada é realmente algo ruim.

  • Cherubim

    Meu como não reclamar de pagar absurdos 15 reais e não ficar decepcionado com uma qualidade tão lixo, a jbc era a melhor quando se falava de qualidade e olha agora, não sei se foi só eu q gostei de ultraman, mas achei bem legal a história, muuuito melhor do q aquele genérico de fairy tail (the seven deadly sins), acredito q o formato é o melhor para ser usado, não entendo o desgosto de usar um formato igual o original, acho horrível esse formato gigante desproporcional.

  • Do que adianta

    Não querendo ser mais uma a reclamar de papel nem nada, só acho que deveria ter tido o mínimo de respeito com orange e ter tratado com uma edição melhor, exemplo da panini com planetes. Entendo que não se pode fazer isso com qualquer mangá, mas por ser um shoujo com traço delicado era óbvio que ia ficar terrível. Quando fui ler a edição fiquei decepcionada, todo aquele suspense, cassius anunciando o título “like a boss” no evento pra isso. Espero que a panini se ligue para não fazer o mesmo com lovely complex. Só nos resta aguardar —

  • Desse checklist ficarei apenas Fairy Tail, Terra Formars e Yu Yu Hakusho.

    Já estou lendo o volume 4 de Terra Formars e ainda não empolguei muito com mangá, sinceramente eu achei os personagens da Bugs-2 melhores do que os atuais da Annex-1. Enfim, vou dar mais alguns volumes de crédito para averiguar se a série realmente irá agradar-me!!!

  • Ricardo

    Assisti os primeiros dois episódios de Tu Love, bem engraçado. Pensando seriamente em comprar, não sei se vou gostar de Orange por que para ser sincero nunca li nem assisti shoujo.

  • areanomv

    Terra Formars 5
    “Porém os quadros explicativos carregam as páginas no meio de batalhas e tiram a dinâmica da cena.” Pois pra mim esse recurso narrativo tem sido super necessários, uma vez que o leitor ficaria boiando caso não tivesse uma explicação plausível dentro da pseudociência dessa trama futurista (ficção cientifica , lembra ^^v). Quando os autores colocam textos dentro dos seus mangas, essas breves linhas expandem positivamente (e muito) a dinâmica das paginas (e a narrativa visual). Como Oh! Great fez nos arcos finais de Tenjho Tenge (ele fez isso 2 vezes em 3 pags), explicando/expandindo em uma pagina o conteúdo narrativo que demoraria uns 5 vols, ou mais, pra desenhar e não tinha espaço no mangá.

  • Gabriel

    Olha, Bullet Armors e até legalzinho. Me parece um mangá que eu daria para uma criança ler tranquilamente, pelo menos até agora. E uma história engraçada, que parece que vai ter uma boa ação lá pela 3 edição.