Music Monday: Joker Game – Reason Triangle

joker game music mondayResquícios da última temporada.

Na minha cabeça, parece que a temporada começou mês passado, porém tudo já está encerrado e uma nova leva de animes está ai batendo na porta. A temporada de abril teve seus momentos e Joker Game foi um dos meus preferidos, com uma história bem pé no chão sobre um grupo de espiões japoneses começando um pouco antes da segunda guerra. A premissa já vale uns 5 pontos na nota só por não ter personagens colegiais ou super poderes que não possuem explicação nenhuma. Para completar ele possui uma abertura excelente, tanto em questão de animação, quanto na música.

Em 1937, antes da Segunda Guerra Mundial começar de fato, o Tenente Coronel Yuuki do Exército Imperial Japonês forma a “Agência D”, uma tropa de inteligência sobre seu comando e tutela. O comando do exército designa o Tenente Sakuma para observar a performance da unidade. A Agência D molda uma ampla rede para encontrar agentes além dos que fazem parte do exército japonês e Yuuki estabelece os princípios da Agência D, que vai contra a doutrina do IJA: “Não mate, não seja morto, não seja capturado”. Com isso, Yuuki treina um time de agentes que conduzem missões contra poderes nacionais e estrangeiros.

Reason Triangle foi criada pela banda Quadrangle, que começou como um projeto pessoal do vocalista Hideo Nekota em 2011, mas só voltou a ativa agora em fevereiro de 2016 após um longo período parado e eles já conseguiram um espaço no anime da Production I.G. logo na sua primeira single.

Joker Game sofreu algumas críticas por ser uma narrativa episódica, onde cada episódio tem sua história iniciada e finalizada em seus vinte minutos de duração.  Eu já aprecio a mudança em relação a mesma narrativa que se repete na grande maioria das animações japonesas, fora que o universo em cada novo episódio é interessante o bastante, e grande parte das soluções são boas. 

Luk

Luk

Eu juro que gosto de animes, apesar de todo o meu haterismo.

Related Post

  • Na moral, esse foi com certeza um dos, senão o melhor anime da temporada de Abril. Embora não goste de narrativas episódicas, esse anime é exceção pois ele trabalhou bem isso. O foco não era num protagonista só, era em vários espiões, e isso achei bem legal, poder ver a missão de cada um e como era o jeito de cada um. Fora que era a chance de ver uma “história não contada”: A Segunda Guerra através dos olhos japoneses, ou pelo menos o início dela, pois a maioria dos relatos e do que se é mostrado dessa época vem da Terra do Tio Sam, os Estados Unidos, e a gente sabe o quanto eles são patriotas, querem se achar os fodões, e alteraram vários fatos, nas escolas deles se ensina apenas o lado americano da guerra. E os filmes não fogem a regra, sempre são os americanos, eles sempre são os heróis. Aqui não, eu gostei do anime só por fugir dos clichês comuns e por mostrar uma visão bem diferente.
    Nota: 10/10.

    • No geral, meu ranking de melhores animes da Temporada de Abril ficou assim:
      1º Lugar: Joker Game
      2º Lugar: Re:Zero
      3º Lugar: Kiznaiver
      4° Lugar: Bungou Stray Dogs
      5º Lugar: Netoge no Yome wa Onnanoko ja Nai to Omotta?
      6º Koutetsujou no Kabaneri
      7º Ace Attorney
      8º Sakamoto Desu Ga?
      9º Jojo’s Bizarre Adventure Part 4: Diamond is Unbreakable
      10º Boku no Hero Academia

  • Compartilho da mesma opinião quanto a narrativa de Joker Game. Sinceramente, não entendi o porquê de tantas pessoas não terem gostado do anime só pelo formato episódico. Todos os episódios eram interessantes o bastante por si só

    • @PH8, deve ser porque a maioria só gosta de anime com ecchi e/ou com porrada no meio…

      • Exatamente. Tanto que pega os animes que fizeram sucesso, a maioria era só porrada, nenhum que tivesse algo que não fosse CLICHÊ.

    • zaregoto

      Não sei muito sobre a recepção aqui no Brasil, mas ele teve boas reviews em sites gringos e vendeu bastante BD’s no japão (mais que muito ecchi e harém-batalha colegial). A única coisa que ficou meio estranha pra mim foi o último episódio, mas não por ser ruim e sim por acabar de maneira anticlimática. Teria sido muito melhor ter acabado no arco do Tenente Coronel Yuuki na minha opinião.

  • Eu tinha dúvidas quanto a este anime, mas pela premissa citada aqui, creio que seja melhor do que eu imaginava. O fato de não ter colegiais e super poderes, neste caso, ajuda a termos um bom anime sem tirar o pé do chão.
    Agora, quanto a música, ela não foi tão do meu agrado num primeiro momento, mas me pareceu boa, tem uma batida interessante… quando eu for assistir o anime, escutarei-a com maior atenção.

  • Cris R.

    “A premissa já vale uns 5 pontos na nota só por não ter personagens colegiais ou super poderes que não possuem explicação nenhuma.”
    Como se essas características tornassem um anime pior. Desculpa aí, mas não concordo nem um pouco com esse argumento. Gurren Lagann agora é ruim só porque os poderes não têm explicação? Clannad é ruim só porque se passa, em grande parte, em um colégio?
    Sinceramente, eu gosto de ambientações antigas, gosto muito, mas não é isso que vai fazer de um anime bom. Na temporada de primavera, tivemos Kabaneri e Joker Game nesse estilo e nenhum me agradou. Pelo menos na ambientação eles acertaram. Porque em questão de história, Kabaneri não foi a lugar algum até o ponto em que eu vi e Joker Game foi simplesmente chato. E não pela característica episódica, eu gosto de coisas nesse estilo, mas simplesmente por não conseguir prender a pessoa enquanto assiste. A história parece muito arrastada e desinteressante, na minha opinião. Os acontecimentos, até onde assisti, não tinham relevância pra me deixar curioso a respeito daquilo. Pelo contrário, só desejava que o episódio acabasse de uma vez. Mas respeito a opinião de quem gostou, só discordo completamente dessa afirmação de que Joker Game é bom simplesmente por ser pé no chão e maduro.

    • Luk

      Não disse que seria bom por simplesmente ser pé no chão e maduro, mas para mim ele já ganha pontos por causa disso e tão pouco disse que o anime é automaticamente ruim tendo poderes malucos e colegiais.

      A frase só explica que hoje eu busco e me agrada mais facilmente animes mais maduros, só isso guri. Tanto que pra mim o melhor anime do ano é ReLife e ele é um anime colegial 😉

      • Cris R.

        Ah, ok. Então fui eu que entendi errado, desculpa aí. Me pareceu muito absurda essa afirmação quando li, aí tive que dar minha opinião sobre xD
        Quem sabe se vc dissesse “na minha opinião…” no começo da frase não daria uma impressão de que vc acha algo simplesmente bom por não ter aquele tipo de características. Mas erro meu também. Eu ativo o meu lado defensivo muito fácil xD

        • Luk

          De boa, não se preocupa XD

    • @Cris R., tenho q

  • @Cris R., ninguém precisa que o Luk o defenda em relação aos argumentos que você deixou aqui, mas acho que muito do que o Luk disse com esta frase que você citou, deve ter a ver com o que estamos vendo ultimamente. Num mar de animes ecchi, colegiais e shounens com porrada, todos eles muito clichês e com 0% de criatividade, algo no estilo de Joker Game merece sim o destaque que o Luk deu à premissa do anime.

    • Cris R.

      Tudo bem, eu tinha entendido mal a frase. Mas não queria ser defendido por ninguém, eu só estava deixando meu comentário a respeito do que eu tinha entendido sobre aquela frase.
      Pensando bem, dá sim pra compreender ao que ele se referiu, mas eu já associei a animes bons mesmo, como os que eu citei. Enfim, acho que Joker Game teve uma premissa interessante em questão de ambientação histórica e relação com fatos reais, mas ao mesmo tempo, achei a execução dele muito monótona. Certamente, se eu tivesse terminado o anime, seria ainda assim bastante esquecível.